A qualidade da assistência pré-natal sob olhar multiprofissional

Bárbara Maldonado Tomazetti, Letícia Hermes, Naiashy Vanuzzi Martello, Patrícia Menezes Schmitt, Melissa Medeiros Braz, Izabel Cristina Hoffmann

Resumo


Objetivo: Avaliar a qualidade da assistência pré-natal, sob a ótica dos profissionais de saúde das Estratégias de Saúde da Família (ESF) do município de Santa Maria (RS).

Materiais e Métodos: Constitui-se como uma pesquisa de campo, do tipo descritiva e com abordagem qualitativa, realizada em 13 ESF do município, entre junho e julho de 2015. Para a coleta dos dados, foi utilizado uma entrevista semiestruturada e a análise de conteúdo.

Resultados: Elencou-se 5 categorias temáticas: Acolhimento e acompanhamento das gestantes nas Estratégias de Saúde da Família; Estratégias de intervenção na atenção à gestante de baixo risco; Rotinas e limites na realização de exames e procedimentos obstétricos; Atuação multiprofissional e seus diferentes papéis no atendimento Pré-Natal; Encaminhamento das gestantes para os serviços de referência e contra referência.

Conclusão: Verificou-se a necessidade de qualificar os processos de trabalho na assistência pré-natal, com estratégias eficazes a fim de evitar práticas fragmentadas que provocam distanciamento entre serviços/profissional-gestante, garantindo a integralidade do cuidado em todos os níveis de atenção.


Palavras-chave


assistência pré-natal; estratégia saúde da família; qualidade da assistência à saúde.

Texto completo:

PDF

Referências


Coutinho T, Teixeira MTB, Dain S, Sayd JD, Coutinho LM. Adequação do Processo de Assistência Pré-natal entre as Usuárias do Sistema Único de Saúde em Juiz de Fora-MG. Rev Bras Ginecol Obstet. 2003;25(10):717-24. https://doi.org/10.1590/S0100-72032003001000004

Trevisan MR, Lorenzi DRS, Araújo NM, Ésber K. Perfil da assistência pré-natal entre usuárias do Sistema Único de Saúde em Caxias do Sul. Rev Bras Ginecol Obstet. 2002;24(5):293-9. https://doi.org/10.1590/S0100-72032002000500002

Ministério da Saúde (BR). Pré-natal e puerpério: atenção qualificada e humanizada. Brasília: Ministério da Saúde; 2006.

Ximenes Neto FRS. Qualidade da atenção ao pré-natal na ESF em Sobral – Ceará. Rev Bras Enferm. 2008;61(5):592-602. https://doi.org/10.1590/S0034-71672008000500011

Andrade ACV, Schwaim MT, Ceretta LB, Dagostin VS, Soratto MT. Planejamento das ações educativas pela equipe multiprofissional da Estratégia Saúde da Família. Mundo Saúde 2013;37(4):439-49.

https://doi.org/10.15343/0104-7809.2013374439449

Carvalho DSC, Novaes HMD. Avaliação da implantação de programa de atenção pré-natal no Município de Curitiba, Paraná, Brasil: estudo em coorte de primigestas. Cad Saude Publica. 2004;20 Suppl 2:S220-30. https://doi.org/10.1590/S0102-311X2004000800017

Cunha MA, Dotto LMG, Mamede MV, Mamede FV. Assistência prénatal: competências essenciais desempenhadas por enfermeiros. Esc Anna Nery Rev Enferm. 2009;13(1):145-53. https://doi.org/10.1590/S1414-81452009000100020

Ministério da Saúde (BR). Atenção ao pré-natal de baixo risco. Brasília: Ministério da Saúde; 2012.

Ministério da Saúde (BR). Resolução nº 466, de 12 de dezembro de 2012. Brasília: Ministério da Saúde; 2012.

Minayo MCS. O desafio do conhecimento. 10ª ed. São Paulo: Hucitec; 2007.

Minayo MCS. O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. 12ª ed. São Paulo: Hucitec-Abrasco; 2013.

Cavalcante RB, Calixto P, Pinheiro MMK. Análise de conteúdo: considerações gerais, relações com a pergunta de pesquisa, possibilidades e limitações do método. Inf & Soc Est. 2014;24(1): 13-8.

Ministério da Saúde (BR). Programa humanização do parto: humanização no pré-natal e nascimento. Brasília: Ministério da Saúde; 2002.

Castro AJR, Shimazaki, ME. Protocolos clínicos para unidades básicas de saúde. Belo Horizonte: Escola de Saúde Pública; 2006.

Solla JJSP. Acolhimento no sistema municipal de saúde. Rev Bras Saúde Matern Infant. 2005;5(4):493-503. https://doi.org/10.1590/S1519-38292005000400013

Ministério da Saúde (BR). Acolhimento à demanda espontânea. Brasília: Ministério da Saúde; 2013.

Gonçalvez R, Urasaki MBM, Merighi MAB, D'ávila CG. A avaliação da efetividade da assistência pré-natal de uma unidade de saúde da familia em um município da grande São Paulo. Rev Bras Enferm. 2008; 61(3):349-53.

Ceccim RB. Educação permanente em saúde: desafio ambicioso e necessário. Interface – Comunic, Saúde, Educ. 2005;9(16):161-77.

https://doi.org/10.1590/S1414-32832005000100013

Ministério da Saúde (BR). Portaria nº 1.459, de 24 de Junho de 2011. Brasília: Ministério da Saúde; 2011.

Beningna MJC, Nascimento WG, Martins JL. Pré-natal no Programa de Saúde da Família (PSF): com a palavra, os enfermeiros. Cogitare Enferm. 2004;9(2):23-31.

Landerdahl MC, Cabral FB, Ressel LB, Gonçalves MO, Martins FB. A percepção de mulheres sobre atenção pré-natal em uma unidade básica de saúde. Esc Anna Nery R Enferm. 2007;11(1):105-11.

https://doi.org/10.1590/S1414-81452007000100015

Frigo LF, Silva RM, Mattos KM, Manfio F, Boeira GS. A importância dos grupos de gestante na atenção primária: um relato de experiência. Rev Epidemiol Control Infect. 2012;2(3):113-4. https://doi.org/10.17058/reci.v2i3.2745

Camargo AM, Silva APBV, Wolff LDG, Soares VMN, Gonçalves CGO. Abordagens grupais em saúde coletiva: a visão de usuários e de profissionais de enfermagem. Rev Atenção Saúde. 2012;10(31):1-9.

https://doi.org/10.13037/rbcs.vol10n31.1475

Souza VB, Roecker S, Marcon SS. Ações educativas durante a assistência pré-natal: percepção de gestantes atendidas na rede básica de Maringá-PR. Rev Eletr Enf. 2011;13(2):199-210. https://doi.org/10.5216/ree.v13i2.10162

Vieira MS. Grupo de gestantes na Equipe Saúde da Família: proposta de implantação no Centro de Saúde Confisco, Belo Horizonte, Minas Gerais [trabalho de conclusão de curso]. Belo Horizonte: Universidade Federal de Minas Gerais; 2011.

Vasconcelos CTM, Machado MFAS, Becker SLM. Educação em saúde a gestantes utilizando a estratégia grupo. Rev RENE. 2007;8(3):107-16.

Penna LHG, Carinhanha JI, Rodrigues RF. Consulta coletiva de prénatal: uma nova proposta para uma assistência integral. Rev Latinoam Enfermagem. 2008;16(1):158-60. https://doi.org/10.1590/S0104-11692008000100024

Ministério da Saúde (BR). Política Nacional de Atenção Básica. Brasília: Ministério da Saúde; 2012.

Guerreiro EM, Rodrigues DP, Silveira MAM, Lucena NBFL. O cuidado pré-natal na atenção básica de saúde sob o olhar de gestantes e enfermeiros. REME – Rev Min Enferm. 2012;16(3):315-23.

Duncan BB, Schmidt MI, Giugliani ERJ. Medicina ambulatorial: condutas em atenção primária à saúde baseadas em evidências. 3ª ed. Porto Alegre: Artmed; 2004.

Brunello MEF, Ponce MAZ, Assis EG, Andrade RLP, Scatena LM, Palha PF, Villa TCS. O vínculo na atenção à saúde: revisão sistematizada na literatura, Brasil (1998-2007). Acta Paul Enferm. 2010;23(1):131-5.

https://doi.org/10.1590/S0103-21002010000100021

Dias CF. O sistema de referência e contrarreferência na estratégia saúde da família no município de Bauru: perspectiva dos gestores [dissertação]. Botucatu: Universidade do Estado de São Paulo; 2010.

Ministério da Saúde (BR). Gestação de alto risco: manual técnico. Brasília: Ministério da Saúde; 2010.

Universidade Federal do Maranhão; Universidade Aberta do SUS. Redes de atenção à saúde: a Rede Cegonha. São Luís: UFMA/UNASUS; 2016.

Ministério da Saúde (BR). Portaria nº 1.020, de 29 de maio de 2013. Brasília: Ministério da Saúde; 2013.




DOI: http://dx.doi.org/10.15448/1983-652X.2018.1.27078

 

e-ISSN: 1983-652X 

 

Este periódico é membro do COPE (Committee on Publication Ethics) e adere aos seus princípios. http://www.publicationethics.org

***


Exceto onde especificado diferentemente, a matéria publicada neste periódico é licenciada sob forma de uma licença Creative Commons BY-NC 4.0 Internacional

 ***

Políticas Editoriais das Revistas Científicas Brasileiras. Disponibilidade para depósito: Azul.   

 Copyright: © 2006-2019 EDIPUCRS