Método de oficinas no processo de Educação Permanente em Saúde à luz de Charles Maguerez

Amanda Akemi Ribeiro Naka, Maria Adelane Monteiro da Silva, Renata Soares Morais, Camila Martins de Oliveira, Andrea Carvalho Araújo Moreira, Viviane Oliveira Mendes Cavalcante

Resumo


Objetivo: Analisar o método de oficinas desenvolvido com base na teoria de Charles Maguerez utilizado no processo de Educação Permanente em Saúde. Além disso, conhecer a percepção dos profissionais de saúde sobre os efeitos da utilização desse método.

Materiais e Métodos: Estudo exploratório e descritivo com abordagem qualitativa, desenvolvido em um Centro de Saúde da Família (CSF) de um município do Norte do Ceará. Teve como sujeitos os profissionais da equipe de saúde do CSF de um município do Norte do Ceará.

Resultados: Foram entrevistados 15 profissionais que participavam das atividades de Educação Permanente em Saúde na unidade. A análise dos dados se deu com base nos pressupostos do método do Arco de Charles Maguerez, onde foram originadas as seguintes categorias: O método utilizado no processo de Educação Permanente em Saúde; Refletindo/discutindo sobre a realidade; Apontando resolução para os problemas e transformando as práticas cotidianas; Desafios para o uso do método nos momentos de Educação Permanente em Saúde na Estratégia Saúde da Família. Há uma valorização do método por estimular a participação da equipe e é visto como estimulador de reflexões tanto em relação à assistência prestada enquanto equipe para a comunidade quanto ao seu próprio fazer enquanto profissional. Surgiram propostas relacionadas à periodicidade das oficinas e a busca de conhecer mais o Arco de Charles Maguerez.

Conclusão: O uso da teoria do Arco de Charles Maguerez na Educação Permanente em Saúde provocou envolvimento com a realidade vivenciada, com as potencialidades do território e da própria equipe.


Palavras-chave


educação permanente; gestão em saúde; atenção básica à saúde.

Texto completo:

PDF

Referências


Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Gestão do Trabalho e da Educação na Saúde. Departamento de Gestão da Educação em Saúde. Política Nacional de Educação Permanente em Saúde. Brasília: Ministério da Saúde; 2009.

Peduzzi M, Guerra DAD, Braga CP, Lucena FS, Silva JAM. Atividades educativas de trabalhadores na atenção primária: concepções de educação permanente e de educação continuada em saúde presentes no cotidiano de unidades básicas de saúde em São Paulo. Interface (Botucatu). 2009;13(30):121-34. https://doi.org/10.1590/S1414-32832009000300011

Berbel NAN. A metodologia da problematização no ensino superior e sua contribuição para o plano da práxis. Semina Ciênc Soc Hum. 1996;17(esp):7-17.

Bordenave JD, Pereira AM. Estratégias de ensino-aprendizagem. 25ª ed. Rio de Janeiro: Vozes; 2004.

Minayo MCS. O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. 12ª ed. São Paulo: Hucitec; 2010.

Berbel NAN. A pesquisa em didática e prática de ensino através da metodologia da problematização. In: Anais do XII Encontro Nacional de Didática e Práticas de Ensino. Curitiba/PR: ENDIPE; 2004.

Lefevre F, Lefevre AMC, Teixeira JJV. O discurso do sujeito coletivo: uma nova abordagem metodológica em pesquisa qualitativa. Caxias do Sul: Edus; 2005.

Brasil. Lei nº 11.350, de 5 de outubro de 2006. Dispõe sobre o aproveitamento de pessoal amparado pelo parágrafo único do art. 2º da Emenda Constitucional nº 51, de 14 de fevereiro de 2006, e dá outras providências. DOU. 2006 out. 5.

Souza FL, Ponte MAC, Linhares AKN, Cavalcante AN, Dias MSA, Soares C, Tajra FS, Teixeira EH. A Política municipal de educação permanente em Sobral-CE. Sanare. 2008;7(2):14-22.

Berbel NAN. Metodologia da problematização: fundamentos e aplicações. Londrina: INP/UEL; 1999.

Bordenave JED. O que é participação. São Paulo: Brasiliense; 1994.

Berbel NAN. A problematização e a aprendizagem baseada em problemas: diferentes termos ou diferentes caminhos? Interface (Botucatu). 1998;2(2):139-54. https://doi.org/10.1590/S1414-32831998000100008

Mitre SM, Batista RS, Mendonça JMG, Pinto NMM, Meirelles CAB, Porto CP, Moreira T, Hoffmann LMA. Metodologias ativas de ensinoaprendizagem na formação profissional em saúde: debates atuais. Cien Saude Colet. 2008;1(2):2133-44. https://doi.org/10.1590/S1413-81232008000900018

Prado ML, Velho MB, Espíndola DS, Sobrinho SH, Backes VMS. Arco de Charles Maguerez: refletindo estratégias de metodologia ativa na formação de profissionais de saúde. Esc Anna Nery. 2012;16(1):172- 7. https://doi.org/10.1590/S1414-81452012000100023

Mancia JR, Cabral LC, Koerich MS. Educação permanente no contexto da enfermagem e na saúde. Rev Bras Enferm. 2004;57(5):605-10.

https://doi.org/10.1590/S0034-71672004000500018




DOI: http://dx.doi.org/10.15448/1983-652X.2018.2.26841

 

e-ISSN: 1983-652X 

 

Este periódico é membro do COPE (Committee on Publication Ethics) e adere aos seus princípios. http://www.publicationethics.org

***


Exceto onde especificado diferentemente, a matéria publicada neste periódico é licenciada sob forma de uma licença Creative Commons BY-NC 4.0 Internacional

 ***

Políticas Editoriais das Revistas Científicas Brasileiras. Disponibilidade para depósito: Azul.   

 Copyright: © 2006-2020 EDIPUCRS