Efeito da gastronomia na aceitabilidade de verduras por adolescentes

Kenia Costa de Souza Moraes, Martha Elisa Ferreira de Almeida, Virgínia Souza Santos

Resumo


Objetivo: Avaliar o consumo de algumas verduras por adolescentes e desenvolver preparações saudáveis com os alimentos menos consumidos, mediante o emprego de técnicas gastronômicas.

Materiais e Métodos: Após a avaliação do consumo alimentar através de um questionário e da elaboração das preparações com os três alimentos menos consumidos, realizou-se a análise sensorial das preparações desenvolvidas, e calculou-se o índice de aceitabilidade. Utilizou-se a correlação linear de Spearman para correlacionar a aceitabilidade das preparações com o consumo habitual dos alimentos, e o teste de Tukey para comparar os atributos sensoriais e o índice de aceitabilidade. Ambos os testes foram realizados a 5% de significância.

Resultados: Os alimentos menos consumidos foram a abóbora, o chuchu e a berinjela, a partir dos quais desenvolveu-se as seguintes preparações: doce de abóbora, brigadeiro de chuchu e pizza de berinjela. Não houve correlação entre o consumo habitual dos vegetais e a aceitabilidade das preparações. Não houve diferença estatística entre as preparações quanto aos atributos sensoriais, o teste de aceitabilidade e o índice de aceitabilidade.

Conclusão: As preparações modificadas através da gastronomia foram aceitas pelos adolescentes, sugerindo que o baixo consumo de vegetais como a abóbora, o chuchu e a berinjela pode ser aumentado pelo emprego de técnicas gastronômicas, que se apresenta como um meio de reeducação alimentar para a promoção de melhores hábitos alimentares neste público.


Palavras-chave


hábitos alimentares; culinária; verduras.

Texto completo:

PDF

Referências


World Health Organization. Adolescent health: health topics. Geneva: WHO; 2015.

Levy RB, Castro IRR, Cardoso LO, Tavares LF, Sardinha LMV, Gomes FS, et al. Consumo e comportamento alimentar entre adolescentes brasileiros: Pesquisa Nacional de Saúde do Escolar (PeNSE), 2009. Ciênc Saúde Coletiva. 2010;15(supl. 2):3085-97.

Priore SE, Oliveira RMS, Franceschini SCC, Pereira PF. Adolescentes. In: Silva SMCS, Mura JDP. Tratado de alimentação, nutrição e dietoterapia. 2ª ed. São Paulo: Roca; 2010. Capítulo 23, p. 423-47.

Rodrigues VM, Fiates GMR. Hábitos alimentares e comportamento de consumo infantil: influência da renda familiar e do hábito de assistir à televisão. Rev Nutr. 2012;25(3):353-62.

Moreira AVB, Sant’Ana HMP. Vitaminas. In: Silva SMCS, Mura JDP. Tratado de alimentação, nutrição e dietoterapia. 2ª ed. São Paulo: Roca; 2010. Capítulo 4, p. 77-103.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Diretoria de Pesquisas. Coordenação de Trabalho e Rendimento. Gerência de Pesquisas de Orçamentos Familiares. Pesquisa de orçamentos familiares 20082009: antropometria e estado nutricional de crianças, adolescentes e adultos no Brasil [Internet]. Rio de Janeiro: IBGE; 2010 [capturado em 18 nov 2018]. Disponível em: http://www.ibge.gov.br/home/ presidencia/noticias/imprensa/ppts/0000000108.pdf

Silva JG, Teixeira MLO, Ferreira MA. Alimentação e saúde: sentidos atribuídos por adolescentes. Esc Anna Nery. 2012;16(1):88-95.

World Health Organization. Diet, nutrition and the prevention of chronic and diseases. Geneva: WHO; 2003. (WHO Technical Report Series; 916).

Bigio V. Gastronomia [Internet]. 2013 [capturado em 18 nov 2018].

Disponível em: http://www.pucsp.br/maturidades/sabor_saber/ gastronomia_44.html

Messias GM, Presta FMP, Souza MVM. Benefícios da gastronomia hospitalar na alimentação do paciente idoso. Rev Eletrônica Novo Enfoque. 2011;12(12):23-31.

Diez-Garcia RW, Padilha M, Sanches M. Alimentação hospitalar: proposições para a qualificação do Serviço de Alimentação e Nutrição, avaliadas pela comunidade científica. Ciênc Saúde Coletiva. 2012;17(2):473-80.

Lages PC, Ribeiro RC, Soares LS. A gastronomia como proposta de qualificação dietética das refeições hospitalares pastosas: análise, intervenção e avaliação. Alim Nutr. 2013:24(1):93-9.

Bigio RS, Verly Junior E, Castro MA, César CLG, Fisberg RM, Marchioni DML. Determinantes do consumo de frutas e hortaliças em adolescentes por regressão quantílica. Rev Saúde Pública. 2011;45(3):448-56.

Monticelli FDB, Souza JMP, Souza SB. Adolescent students’ consumption of fruit, greens and vegetables. J Hum Growth Dev. 2013;23(3):331-7.

Horta MG, Souza IP, Ribeiro RC, Ramos SA. Aplicação de técnicas gastronômicas para a melhoria da qualidade sensorial de dietas hospitalares infantis. Alim Nutr. 2013;24(2):165-73.

Agência Nacional de Vigilância Sanitária (BR). Resolução RDC n o 216, 15 de setembro de 2004. Dispõe sobre regulamento técnico de boas práticas para serviços de alimentação [Internet]. 2004 [capturado em 23 jan. 2019]. Disponível em:

http://portal.anvisa.gov.br/documents/33916/388704/RESOLU%25C3%2587% 25C3%2583O-RDC%2BN%2B216%2BDE%2B15%2BDE%2B SETEMBRO%2BDE%2B2004.pdf/23701496-925d-4d4d-99aa9d479b316c4b

Reis RC, Minim VPR. Testes de aceitação. In: Minim VPR. Análise sensorial: estudos com consumidores. 3ª ed. Viçosa: UFV; 2013. Capítulo 3, p. 65-81.

Centro Colaborador em Alimentação e Nutrição escolar (CECANE). Manual para aplicação dos testes de aceitabilidade no Programa Nacional de Alimentação Escolar (PNAE). São Paulo: UNIFESP; 2010.

Peuckert YP, Vieira VB, Hecktheuer LHR, Marques CT, Rosa CS. Caracterização e aceitabilidade de barras de cereais adicionadas de proteína texturizada de soja e camu-camu (Myrciaria dubia). Alim Nutr. 2010;21(1):147-52.

Philippi ST. Tabela de composição de alimentos: suporte para decisão nutricional. 4ª ed. São Paulo: Manole; 2013.

Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Atenção à Saúde.

Departamento de Atenção Básica. Guia alimentar para a população brasileira. 2ª ed. Brasília; 2014.

Muniz LC, Zanini RV, Schneider BC, Tassitano RM, Feitosa WMN, González-Chica DA. Prevalência e fatores associados ao consumo de frutas, legumes e verduras entre adolescentes de escolas públicas de Caruaru, PE. Ciênc Saúde Coletiva. 2013;18(2): 393-404.

Leal GVS, Philippi ST, Matsudo SMM, Toassa EC. Consumo alimentar e padrão de refeições de adolescentes, São Paulo, Brasil. Rev Bras Epidemiol. 2010;13(3):457-67.

Pereira MN, Sarmento CTM. Oficina de culinária: uma ferramenta da educação nutricional aplicada na escola. Universitas: Ciênc Saúde. 2012;10(2):87-94.

Cavalcanti LA, Carmo Junior TR, Pereira LA, Asano RY, Garcia MCL, Cardeal CM, França NM. Efeitos de uma intervenção em escolares do ensino fundamental I, para a promoção de hábitos alimentares saudáveis. R Bras Ciênc Mov. 2012;20(2):5-13.

Storck CR, Nunes GL, Oliveira BB, Basso C. Folhas, talos, cascas e sementes de vegetais: composição nutricional, aproveitamento na alimentação e análise sensorial de preparações. Ciênc Rural. 2013;43(3):537-43.

Demario RL, Sousa AA, Salles RK. Hospital food: perceptions of patients in a public hospital with a proposal of humanized. Ciênc Saúde Coletiva. 2010;15(1):1275-82.

Ferreira A, Chiara VL, Kuschnir MCC. Alimentação saudável na adolescência: consumo de frutas e hortaliças entre adolescentes brasileiros. Adolesc Saude. 2007;4(2):48-52.




DOI: http://dx.doi.org/10.15448/1983-652X.2019.1.26699

 

e-ISSN: 1983-652X 

 

Este periódico é membro do COPE (Committee on Publication Ethics) e adere aos seus princípios. http://www.publicationethics.org

***


Exceto onde especificado diferentemente, a matéria publicada neste periódico é licenciada sob forma de uma licença Creative Commons BY-NC 4.0 Internacional

 ***

Políticas Editoriais das Revistas Científicas Brasileiras. Disponibilidade para depósito: Azul.   

 Copyright: © 2006-2019 EDIPUCRS