Fatores de risco e complicações de doenças crônicas não transmissíveis

Silvia Eliza Almeida Pereira, Daniel Costa, Rozidaili Penido, Amanda Nunes da Silveira Batista, Amanda Calheiros, Graziele Vasconcelos Ferreira, Jennypher Walsh Tavares, Rossana Boechat de Marins, Yhasmim Jotha Messias

Resumo


Introdução: A prevalência de hipertensão arterial sistêmica (HAS) e o diabetes mellitus (DM) no Brasil é elevada. Estas enfermidades possuem fatores de risco e complicações em comum e o conhecimento da dimensão destas pode auxiliar no planejamento de ações de promoção da saúde.

Objetivo: Traçar o perfil clínico-epidemiológico da HAS, DM, fatores de risco e complicações em seis módulos do Programa Médico de Família de Niterói/RJ selecionadas aleatoriamente.

Materiais e Métodos: Utilizou-se como fonte de dados os sistemas de informação Sistema de Gestão Clínica de Hipertensão Arterial e Diabetes Mellitus da Atenção Básica, e o sistema Klinikos Kadastro. Realizou-se análise descritiva das variáveis de gênero, grupo etário, renda, escolarização para diagnóstico da situação socioeconômica. Foi calculada a distribuição proporcional de fatores de risco e complicações de usuários matriculados em SisHiperdia.

Resultados: Observou-se que dentre os usuários cadastrados a maioria era do sexo feminino (62,30%), maiores de 40 anos (91,10%), sendo que 83,97% possuíam renda familiar menor que 3 salários mínimos e 65,31% não haviam completado o ensino fundamental. Mesmo sendo usuários portadores de HAS e DM isolados ou associados com acompanhamento regular nas unidades de saúde, os dados apontam elevada taxa tabagistas (21,30%), fisicamente inativos (60,30%) e com excesso de peso (49,50%). Também foram encontrados pacientes portadores de complicações decorrentes de HAS e DM.

Conclusão: A partir destes dados, pode-se então planejar e repactuar as ações de educação em saúde intersetoriais com o objetivo de promover o autocuidado e controle dos fatores de risco para doenças crônicas não transmissíveis e prevenção das co-morbidades.


Palavras-chave


doenças crônicas, fatores de risco, Vigilância em Saúde Pública

Texto completo:

PDF

Referências


Kac G, Velásquez-Meléndez G. A transição nutricional e a epidemiologia da obesidade na América Latina. Cad Saúde Pública. 2003;19(Suppl 1):S4-S5. https://doi.org/10.1590/S0102-311X2003000700001

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Análise de Situação de Saúde. Plano de ações estratégicas para o enfrentamento das doenças crônicas não transmissíveis (DCNT) no Brasil 2011-2022. Brasília: Ministério da Saúd; 2011.

Schmidt MI, Duncan BB, Silva GA, Menezes AM, Monteiro CA, Barreto SM, Chor D, Menezes PR. Chronic non-communicable diseases in Brazil: burden and current challenges. The Lancet. 2011;377:1949-61. https://doi.org/10.1016/S0140-6736(11)60135-9

Santos MAS, Oliveira MM, Andrade SSCA, Nunes ML, Malta DC, Moura L. Tendências da morbidade hospitalar por doenças crônicas não transmissíveis no Brasil, 2002 a 2012. Epidemiol Serv Saúde. 2015;24(3):389-98. https://doi.org/10.5123/S1679-49742015000300005

Malta DC, Gosch CS, Buss P, Rocha DG, Rezende R, Freitas PC, Akerman M. Doenças crônicas não transmissíveis e o suporte das ações intersetoriais no seu enfrentamento. Ciênc Saúde Coletiva. 2014;19(11):4341-50. https://doi.org/10.1590/1413-812320141911.07712014

LN, Senna MAA, Gouvêa MV, Aboud S, Fernandez VS. A pesquisa como dispositivo para o exercício no PET-Saúde UFF/FMS Niterói. Rev Bras Educ Med. 2011;35(3),435-40. https://doi.org/10.1590/S0100-55022011000300019

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Censo IBGE 2010. Características da população e dos domicílios. Resultados do universo Rio de Janeiro: IBGE; 2011.

D'Ercole R. Niterói lidera lista da riqueza, segundo FGV. Jornal O Globo [Internet]. 2011 Jun 27 [capturado 2014 Mar 17]. Disponível em: http://oglobo.globo.com/economia/niteroi-lidera-lista-dariqueza-segundo-fgv-2757154

Plano municipal de doenças crônicas [não publicado]. Niterói; 2012.

Souza BSN. Fatores associados ao inadequado controle da pressão arterial de adultos hipertensos assistidos pelo Programa Médico de Família de Niterói, RJ [dissertação]. Niterói: Universidade Federal Fluminense; 2010.

Hübner LCM, Franco TB. O programa médico de família de Niterói como estratégia de implementação de um modelo de atenção que contemple os princípios e diretrizes do SUS. Physis. 2007;17(1):173-91. https://doi.org/10.1590/S0103-73312007000100010

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria Executiva e Secretaria de Políticas de Saúde. Portaria Conjunta nº 112, de 19 de junho de 2002. Programa de Assistência à Hipertensão e Diabetes. Brasília: Ministério da Saúde; 2002.

Prefeitura Municipal de Niterói. Niterói que queremos. [Internet]. 2013 [citado 2014 Mar 20] Disponível em: http://www.niteroiquequeremos.com.br

Silva DAS, Peres KG, Boing AF, González-Chica DA, Peres MA. Clustering of risk behaviors for chronic noncommunicable diseases: A population-based study in southern Brazil. Prev Med. 2013;56(1):20-4. https://doi.org/10.1016/j.ypmed.2012.10.022

Smith JA. BRIC Becomes BRICS: changes on the geopolitical chessboard. Foreign Pol. J [Internet]. 2011 Jan 21 [capturado 2015 Aug 3]. Disponível em: http://www.foreignpolicyjournal. com/2011/01/21/bric-becomes-brics-changes-on-thegeopoliticalchessboard/2/

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Secretaria de Gestão Estratégica e Participativa. Vigitel Brasil 2013: vigilância de fatores de risco e proteção para doenças crônicas por inquérito telefônico. Brasília: Ministério da Saúde; 2014.

Lloyd-Sherlock P, Beard J, Minicuci N, Ebrahim S, Chatterji S. Hypertension among older adults in low- and middle-income countries: prevalence, awareness and control. Int J Epidemiol. 2014;43(1):116-28. https://doi.org/10.1093/ije/dyt215

Jaime PC, Silva ACFD, Lima AMCD, Bortolini GA. Food and nutrition actions in primary healthcare: the experience of the Brazilian government. Rev Nutr. 2011;24:6,809-24. https://doi.org/10.1590/S1415-52732011000600002

Claro RM, Santos MAS, OTP liveira, Pereira CA, Szwarcwald CL, Malta DC. Consumo de alimentos não saudáveis relacionados a doenças crônicas não transmissíveis no Brasil: Pesquisa Nacional de Saúde, 2013. Epidemiol Serv Saúde. 2015;24(2):257-65. https://doi.org/10.5123/S1679-49742015000200008

World Health Organization: Draft Action Plan for the Prevention and Control of Noncommunicable Diseases 2013-2020. A66/9, Appendix 3 (Endorsed WHA May 2013). Geneva: WHO; 2013.

Magnusson RS, Patterson D. The role of law and governance reform in the global response to non-communicable diseases. Global Health. 2014;10:44. https://doi.org/10.1186/1744-8603-10-44

Almeida MF, Alencar GP, França I Jr, Novaes HM, Siqueira AA, Schoeps D, Campbell O, Rodrigues LC. Validation of birth certificates based on data from a case-control study. Cad Saúde Pública. 2006;22(3):643-52. https://doi.org/10.1590/S0102-311X2006000300019

Ferreira CLRA, Ferreira MG. Características epidemiológicasde pacientes diabéticos da rede pública de saúde – análise a partir do sistema HiperDia. Arq Bras Endocrinol Metab. 2009;53(1):80-6. https://doi.org/10.1590/S0004-27302009000100012

Santos JC, Moreira TMM. Fatores de risco e complicações em hipertensos/diabéticos de uma regional sanitária do nordeste brasileiro. Rev Esc Enferm USP. 2012;46(5):1125-32. https://doi.org/10.1590/S0080-62342012000500013




DOI: http://dx.doi.org/10.15448/1983-652X.2017.4.26446

 

e-ISSN: 1983-652X 

 

Este periódico é membro do COPE (Committee on Publication Ethics) e adere aos seus princípios. http://www.publicationethics.org

***


Exceto onde especificado diferentemente, a matéria publicada neste periódico é licenciada sob forma de uma licença Creative Commons BY-NC 4.0 Internacional

 ***

Políticas Editoriais das Revistas Científicas Brasileiras. Disponibilidade para depósito: Azul.   

 Copyright: © 2006-2019 EDIPUCRS