Perfil e distribuição espacial da sífilis congênita em Sobral-CE no período de 2007 a 2013

Ilana Marques Rodrigues, Marcos Aguiar Ribeiro, Izabelle Mont’Alverne Napoleão Albuquerque, Lívia Karla Sales Dias, Nara Luana Trajano Aguiar, Danyella dos Santos Lima

Resumo


Objetivo: Analisar a distribuição espacial da sífilis congênita no Sistema Municipal de Saúde de Sobral/CE, utilizando técnicas de geoprocessamento.

Materiais e Métodos: Estudo de abordagem quantitativa do tipo epidemiológico ecológico-transversal com dados do Sistema de Informação de Agravos de Notificação, sobre sífilis congênita no período de 2007 a 2013. Para o processamento das informações foi utilizado o software EpiInfo® que possibilitou as tabulações e mapeamento dos dados coletados cuja análise se deu por meio de medidas de frequências.

Resultados: Evidencia-se um considerável aumento do percentual dos casos de sífilis congênita no período do estudo apesar da crescente cobertura do Pré-Natal. No que se refere a distribuição espacial, comprova-se por meio dos mapas que nas regiões onde as condições socioeconômicas da população são desfavoráveis ocorrem aglomerados de casos de sífilis congênita. Estas regiões estão localizadas predominantemente nas periferias da cidade.

Conclusão: A partir do estudo revelam-se alguns pontos frágeis da assistência e prevenção da sífilis, tais como a investigação inadequada dos casos de sífilis na gravidez, o tratamento inadequado da gestante e a não realização do tratamento do parceiro. Assim, o geoprocessamento da sífilis congênita é uma ferramenta tecnológica relevante, pois contribui para a prevenção, vigilância e controle da mesma, de forma que possibilita análise dos determinantes envolvidos no processo saúde-doença.


Palavras-chave


sífilis congênita; sistemas de informação geográfica; saúde coletiva.

Texto completo:

PDF

Referências


Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Vigilância Epidemiológica. Sistema de Informação de

Agravos de Notificação – Sinan: normas e rotinas. Brasília (DF); 2007.

Ministério da Saúde (BR). Sífilis: Estratégias para Diagnóstico no Brasil. Coordenação de Doenças Sexualmente Transmissíveis e Aids. Brasília (DF); 2010.

Organizacion Mundial da Saúde. Orientaciones mundiales sobre los criterios y procesos para la validacion de la eliminacion de la transmision maternoinfantil del VIH y la sifilis. Ginebra; 2015.

Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Vigilância em Saúde. Boletim Epidemiológico da Sífilis 2017. Brasília (DF); 2017.

Ministério da Saúde (BR). Portaria nº 204, de 17 de fevereiro de 2016. Define a Lista Nacional de Notificação Compulsória de doenças, agravos e eventos de saúde pública nos serviços de saúde públicos e privados em todo o território nacional, nos termos do anexo, e dá outras providências. D.O. República Federativa do Brasil. 2016;18(32):23.

Ministério da Saúde (BR). Conselho Nacional de saúde. Resolução de nº 466, de 12 de dezembro de 2012. D O República Federativa do Brasil. 2012;13(1):59.

Mesquita KO, Lima GK, Filgueira AA, Flôr, SMC, Freitas CASL, Linhares MSC, Gubert FA. Análise dos casos de sífilis congênita em Sobral, Ceará: contribuições para assistência pré-natal. DST J Bras Doenças Sex Transm. 2012;24(1):20-7. https://doi.org/10.5533/2177-8264-201224107

Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Vigilância em Saúde. Boletim Epidemiológico de Sífilis, ano IV, n. 1. Brasília (DF): Ministério da Saúde; 2015.

Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Vigilância em Saúde. Programa Nacional de DST e Aids. Diretrizes para o Controle da Sífilis Congênita/Ministério da Saúde, Secretaria de Vigilância em Saúde, Programa Nacional de DST e Aids. Brasília (DF): Ministério da Saúde; 2005.

Ministério da Saúde (BR). Secretaria-Executiva. Departamento de Apoio à Descentralização. Regulamento dos pactos pela vida e de gestão. Brasília (DF): Ministério da Saúde; 2006.

Cavalcanti PCS, Gurgel JGD, Vaconcelos ALR, Gerrero AVP. Um modelo lógico da Rede Cegonha. Physis. 2013;23(4):1297-316.

https://doi.org/10.1590/S0103-73312013000400014

Saraceni V, Miranda AE. Relação entre a cobertura da Estratégia Saúde da Família e o diagnóstico de sífilis na gestação e sífilis congênita. Cad Saúde Pública. 2012;28(3):490-46. https://doi.org/10.1590/S0102-311X2012000300009

Ximenes IPE, Moura ERF, Freitas GL, Oliveira NC. Incidência e controle da sífilis congênita no Ceará. Rev Rene. 2012;9(3):74-80.

Campos ALA, Araújo MAL, Melo SP, Gonçalves MLC. Epidemiologia da sífilis gestacional em Fortaleza, Ceará, Brasil: um agravo sem controle. Cad Saúde Pública. 2010;26(9):1747-55. https://doi.org/10.1590/S0102-311X2010000900008

Araújo EC, Costa KSG, Silva RS, Azevedo VNG, Lima FAZ. Importância do pré-natal na prevenção da sífilis congênita. Rev Para Med. 2006; 20(1):47-51. https://doi.org/10.5123/S0101-59072006000100008

Costa CC, Freitas LV, Sousa Nascimento DMN, Oliveira LL, Chagas ACMA, Lopes MVO, Damasceno AKC. Sífilis congênita no Ceará: análise epidemiológica de uma década. Rev Esc Enferm USP. 2013;47(1):152-9. https://doi.org/10.1590/S0080-62342013000100019

Araújo CL, Shimizu HE, Sousa AIA, Hamann EM. Incidência da sífilis congênita no Brasil e sua relação com a Estratégia Saúde da Família. Rev Saúde Pública. 2012;46(3):479-86. https://doi.org/10.1590/S0034-89102012000300010




DOI: http://dx.doi.org/10.15448/1983-652X.2018.2.26316

 

e-ISSN: 1983-652X 

 

Este periódico é membro do COPE (Committee on Publication Ethics) e adere aos seus princípios. http://www.publicationethics.org

***


Exceto onde especificado diferentemente, a matéria publicada neste periódico é licenciada sob forma de uma licença Creative Commons BY-NC 4.0 Internacional

 ***

Políticas Editoriais das Revistas Científicas Brasileiras. Disponibilidade para depósito: Azul.   

 Copyright: © 2006-2019 EDIPUCRS