Farinha da casca de berinjela em pão: análise físico-química e sensorial entre crianças

Flávia Teixeira, Karine Aparecida de Lima, Vinícius da Cruz Silva, Bruna Callegari Franco, Elisvânia Freitas dos Santos, Daiana Novello

Resumo


Objetivo: Descrever a análise físico-química e sensorial de pão tipo bisnaguinha elaborado com diferentes níveis de farinha da casca de berinjela (FCB) entre crianças.

Materiais e Métodos: Trata-se de um estudo transversal em que foram elaboradas e analisadas 5 formulações de pão: F1 (padrão – 0% de FCB) e as demais adicionadas de 7% (F2); 14% (F3); 21% (F4) e 28% (F5) de FCB. Participaram da avaliação sensorial 70 julgadores não treinados, de ambos os sexos, com idade entre 7 e 10 anos. Para a análise sensorial (atributos) foi utilizada uma escala hedônica facial estruturada mista de 7 pontos. Para a aceitação global e intenção de compra utilizou-se uma escala estruturada mista de 5 pontos. Foram analisados laboratorialmente os teores de umidade, cinzas, proteínas, lipídios. Os teores de carboidratos, calorias e fibra bruta foram avaliados de forma teórica.

Resultados: Menores valores (p<0,05) foram verificados para F5 em relação à aparência (4,46), aroma (3,91), sabor (4,30), textura (3,90), cor (3,92), aceitação global (3,15) e intenção de compra (3,33), sem diferença estatística entre as demais amostras. A amostra F4 foi aquela com maior teor de FCB e aceitabilidade sensorial similar ao produto padrão em todas as características avaliadas. Maiores teores de umidade (31,63 g.100 g-1), cinzas (1,22 g.100 g 1) e fibras (0,50 g.100 g-1) e menores de carboidratos (50,49 g.100 g-1) e calorias (313,25 kcal.100 g-1) foram verificados para F4. Não houve diferença estatística (p>0,05) para os conteúdos de proteínas e lipídios entre as formulações F1 (7,56 g.100 g-1 e 9,22 g.100 g-1, respectivamente) e F4 (7,49 g.100 g-1 e 9,17 g.100 g-1, respectivamente).

Conclusão: Um nível de adição de até 21% de FCB em pão tipo bisnaguinha foi bem aceito pelos julgadores infantis, obtendo-se aceitação sensorial semelhante ao produto padrão, melhora do perfil nutricional e com boas expectativas de comercialização.


Palavras-chave


Solanum melongena; aproveitamento integral dos alimentos; análise de alimentos.

Texto completo:

PDF

Referências


Organización de las naciones unidas para la alimentación y la agricultura (FAO). Pérdidas y desperdicio de alimentos en el mundo. Depósito de documentos de la FAO. Roma: FAO; 2012.

Organización de las naciones unidas para la alimentación y la agricultura (FAO). Desperdício de alimentos tem consequências no clima, na água, na terra e na biodiversidade [Internet]. [capturado 24 de dezembro de 2016]. Disponível em: https://www.fao.org.br/daccatb.asp

Baptista P, Campos I, Pires I, Vaz S. Do campo ao garfo: desperdício alimentar em Portugal. Lisboa: Cestras; 2012.

Zanatta CL, Schlabitz C, Ethur EM. Avaliação físico-química e microbiológica de farinhas obtidas a partir de vegetais não conformes à comercialização. Alim Nutr. 2010;21(3):459-68. http://hdl.handle.net/10737/99

Reis A, Boiteux LS, Lopes CA. Doenças da berinjela no Brasil [Internet]. Brasília: Embrapa Hortaliças; 2011. 8 p. (Circular Técnica, 97) [capturado 10 de dezembro de 2016]. Disponível em: https://www.infoteca.cnptia.embrapa.br/bitstream/doc/916695/1/CT97.pdf

Braga HF. Desenvolvimento de néctar à base de mamão (Carica papaya L.) adicionado de inulina e oligofrutose [dissertação]. São José do Rio Preto: Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho; 2013.

Núcleo de Estudos e Pesquisas em Alimentação (NEPA). Tabela Brasileira de Composição dos Alimentos (TACO). Campinas: NEPA; 2011.

Serviço Social da Indústria (SESI). Programa Alimente-se Bem: Tabela de Composição Química das Partes não Convencionais dos Alimentos. São Paulo: SESI; 2008.

Pimentel AC. Efeito da dieta hipoenergética associada ao consumo de farinha de berinjela em obesas metabolicamente saudáveis e não saudáveis [dissertação]. Rio de Janeiro: Universidade Federal do Rio de Janeiro; 2014.

Rosa PA, Rodrigues BM, Santos NM, Candido CJ, Santos EF, Novello D. Elaboração de esfihas de frango adicionadas de farinha de casca de berinjela: análise físico-química e sensorial. Rev UNIABEU. 2016;9(21):200-13.

Instituto Tecnológico Panificação e Confeitaria (ITPC); Associação Brasileira da Indústria de Panificação e Confeitaria (ABIP). Performance do setor de panificação e confeitaria brasileiro em 2014 [Internet]. 2014 [capturado 30 de dezembro de 2016]. Disponível em: http://www.abip.org.br/site/indicadores-2014/

Ozbek N, Akman S. Method development for the determination of calcium, copper, magnesium, manganese, iron, potassium, phosphorus and zinc in different types of breads by microwave induced plasma-atomic emission spectrometry. Food Chem. 2016;200(1):245-48. https://doi.org/10.1016/j.foodchem.2016.01.043

Vilhalva DAA, Soares Júnior MS, Moura CMA, Caliari M, Souza TAC, Silva FA. Aproveitamento da farinha de casca de mandioca na elaboração de pão de forma. Rev Inst Adolfo Lutz. 2011;70(4): 514-21.

Dutcosky SD. Análise sensorial de alimentos. Curitiba: Champagnat; 2011.

Gomes JC, Oliveira GF. Análises físico-químicas de alimentos. Viçosa: UFV; 2011.

Brasil. Ministério da Educação. Manual de orientação para a alimentação escolar na educação infantil, ensino fundamental, ensino médio e na educação de jovens e adultos. 2ª ed. Brasília: Cecane-SC; 2012.

Pereira MN, Sarmento CTM. Oficina de culinária: uma ferramenta da educação nutricional aplicada na escola. Universitas. 2012;10(2):87-94. https://doi.org/10.5102/ucs.v10i2.1542

Santos Filha EO, Araújo JS, Barbosa JS, Gaujac DP, Santos CFS, Silva DG. Consumo dos grupos alimentares em crianças usuárias da rede pública de saúde do município de Aracaju, Sergipe. Rev Paul Pediatr. 2012;30(4):529-36. https://doi.org/10.1590/S0103-05822012000400011

Lanes DVC, Santos MET, Silva EFSJ, Lanes KG, Puntel RL, Folmer V. Estratégias Lúdicas para a construção de hábitos alimentares saudáveis na educação infantil. Rev Ciênc Ideias. 2012;4(1): 1-12.

Brasil. Ministério da Saúde. Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). Resolução RDC nº 110, de 2016 [Internet]. São Paulo, SP; 06 set. 2016 [capturado 23 de junho de 2017]. Disponível em:

http://portal.anvisa.gov.br/documents/33920/281614/RDC_110_2016/c32ba4f9-d05e-4d35-9c40-0f4fe94e0038

International AOAC. Official methods of analysis of AOAC International. Gaithersburg: AOAC; 2011.

Wang SW, Nascimento TP, Rocha OG, Ascheri JLR. Massa semipronta de croquete de cenoura obtida a partir de farinha de trigo e soja extrusada. Alim Nutr. 2007;18(2):167-76.

Merrill AL, Watt BK. Energy values of foods: basis and derivation. Agricultural Handbook. Washington: USDA; 1973.

Dietary Reference Intakes (DRI). Dietary Reference Intakes for energy, carbohydrate, fiber, fat, fatty acids, cholesterol, protein and amino acids. Washington: National Academy Press; 2005.

Drenownoski A, Gomez-Carneiros C. Bitter taste, phytonutrients and consumer. A review. Am J Clin Nutri. 2000;72(14):24-35.

Retondo CG, Faria P. Química das sensações. Campinas: Átomo; 2008.

Ortolan F, Coelho HS, Gourlate VDS, Molina PDS, Aires EM, Correa KVL. Caracterização da cor de massas frescas elaboradas com farinha de trigo de diferentes genótipos durante o período de armazenamento. In: Congrega. Anais… [Internet]. Alegrete: Urcamp; 2010 [capturado 01 de dezembro de 2016]. Disponível em: http://docplayer.com.br/21797775-Caracterizacao-da-cor-demassas-frescas-elabora das-com-farinha-de-trigo-de-diferentesgenotipos-durante-o-periodo-de-armaz enamento.html

Fernandes AF. Utilização da farinha de casca de batata na elaboração de pão integral [dissertação]. Lavras: Universidade Federal de Lavras; 2006.

El-Dash A, Camargo CO, Diaz NM. Fundamentos da tecnologia de panificação. São Paulo: Secretaria da Indústria, Comércio, Ciência e Tecnologia; 1982.

Teixeira E, Meinert EM, Barbetta PA. Análise sensorial de alimentos. Florianópolis: UFSC; 1987.

Cristo TW, Rodrigues BM, Santos NM, Candido CJ, Santos EF, Novello D. Barra de cereais com adição de farinha de casca de chuchu: caracterização físico-química e sensorial entre crianças. Semina. 2015;36(2):85-96. https://doi.org/10.5433/1679-0367.2015v36n2p85

Calabretta C, Nucifora MT, Ferro B, Natale V. New techniques for the cultivation and defense of tomato crops in cold greenhouses in the area Ragusa (Sicily). Acta Hort. 1994;361(3):530-44. https://doi.org/10.17660/ActaHortic.1994.361.59

Brasil. Ministério da Saúde. Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). Resolução RDC nº 263, de 22 de setembro de 2005. Regulamento técnico para produtos de cereais, amidos, farinhas e farelos. D.O. República Federativa do Brasil [Internet]. Set. 2005 [capturado 21 dezembro de 2016]. Disponível em:

http://www.saude.rj.gov.br/comum/code/MostrarArquivo.php?C=MjIwMw%2C%2C

Brasil. Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). Resolução CNNPA nº 12, de 1978 [Internet]. São Paulo, SP; 24 julho de 1978 [capturado 3 de dezembro de 2016]. Disponível em: http://www.anvisa.gov.br/anvisalegis/resol/12_78.htm




DOI: http://dx.doi.org/10.15448/1983-652X.2018.2.26275

 

e-ISSN: 1983-652X 

 

Este periódico é membro do COPE (Committee on Publication Ethics) e adere aos seus princípios. http://www.publicationethics.org

***


Exceto onde especificado diferentemente, a matéria publicada neste periódico é licenciada sob forma de uma licença Creative Commons BY-NC 4.0 Internacional

 ***

Políticas Editoriais das Revistas Científicas Brasileiras. Disponibilidade para depósito: Azul.   

 Copyright: © 2006-2019 EDIPUCRS