Qualidade do sono em pacientes com apneia obstrutiva após cinco anos de uso de CPAP

Fabiana Lindemann Colvar Silveira, Gustavo Dias Ferreira, Rafael Bueno Orcy

Resumo


Introdução: A Síndrome da Apneia/Hipopneia Obstrutiva do Sono (SAHOS) é caracterizada pela obstrução recorrente das vias aéreas superiores durante o sono. O tratamento de escolha é a aplicação de pressão positiva continua nas
vias aéreas (CPAP) por máscara nasal. Apesar de extremamente efetivo, a adesão ao CPAP é variável, pois o fluxo contínuo de ar nas vias aéreas pode ocasionar desconforto, e muitas vezes resultar na interrupção do tratamento.

Objetivos: Comparar se há melhora do estado de sonolência diurna, da qualidade do sono, da composição corporal e do risco para apneia após cinco anos da utilização de CPAP.

Materiais e Métodos: Estudo longitudinal, com acompanhamento de 11 pacientes (9 homens, idade média de 63,73±9,1), com observações prévias ao uso do CPAP e após utilizarem durante cinco anos. Foram avaliadas a sonolência diurna (escala de Epworth), a qualidade do sono (escala visual), além de variáveis antopométricas, e da escala de Berlin (verificar maior risco de apneia). Dados foram analisados pelos testes t pareado e Wilcoxon.

Resultados: A análise da escala de Epworth mostrou uma diminuição do nível de sonolência diurna, assim como houve melhora no relato da qualidade do sono, no entanto variáveis antropométricas e o risco de apneia foram semelhantes após cinco anos de tratamento.

Conclusões: O uso do CPAP por um período contínuo é uma intervenção que melhora a qualidade de sono e níveis de sonolência diurna e, apesar de não interferir na massa corporal, pode ser uma estratégia importante na vida de pacientes com apneia do sono.


Palavras-chave


ventilação não invasiva – cpap; síndromes da apneia do sono; fisioterapia.

Texto completo:

PDF

Referências


Balbani APS, Formigoni GGS. Ronco e síndrome da apnéia obstrutiva do sono. Rev Ass Med Bras. 1999;45(3):273-8. https://doi.org/10.1590/S0104-42301999000300013

Palombini LO. Critérios diagnósticos e tratamento dos distúrbios respiratórios do sono: RERA. J. Bras Pneumol. 2010;36(supl.2):S1-S61.

https://doi.org/10.1590/S1806-37132010001400002

Palombini LO. Fisiopatologia dos distúrbios respiratórios do sono. J Bras Pneumol. 2010;36(supl. 2):S1-S61. https://doi.org/10.1590/S1806-37132010001400002

Sleep-related breathing disorders in adults: recommendations for syndrome definition and measurement techniques in clinical research. The Report of an American Academy of Sleep Medicine Task Force. Sleep. 1999;22(5):667-89. https://doi.org/10.1093/sleep/22.5.667

Rühle KH, Schlenker E, Randerath W. Upper airway resistance syndrome. Respiration. 1997;64(Suppl. 1):29-34. https://doi.org/10.1159/000196733

Dempsey JA, Skatrud JB, Jacques AJ, Ewanowski SJ, Woodson BT, Hanson PR, Goodman B. Anatomic determinants of sleep-disordered breathing across the spectrum of clinical and nonclinical male subjects. Chest. 2002;122(3):840-51.

Friedman M, Hamilton C, Samuelson CG, Lundgren ME, Pott T. Diagnostic value of the Friedman Tongue position and Mallampati classification for obstructive sleep apnea: a meta-analysis. Otolaryngol Head Neck Surg. 2013;148(4):540-7. https://doi.org/10.1177/0194599812473413

Cao MT, Sternbach JM, Guilleminault C. Continuous positive airway pressure therapy in obstructive sleep apnea: benefits and alternatives. Expert Rev Respir Med. 2017;11(4):259-72. https://doi.org/10.1080/17476348.2017.1305893

Remmers JE, deGroot WJ, Sauerland EK, Anch AM. Pathogenesis of upper airway occlusion during sleep. J Appl Physiol Respir Environ Exerc Physiol. 1978;44(6):931-8.

Almeida MAO, Teixeira AOB, Vieira LS, Quintão CCA. Tratamento da síndrome da apnéia e hipopnéia obstrutiva do sono com aparelhos intrabucais. Rev Bras Otorrinolaringol. 2006;72(5)200-6.

https://doi.org/10.1590/S0034-72992006000500018

uest JF, Helter MT, Morga A, Stradling JR. Cost-effectiveness of using continuous positive airway pressure in the treatment of severe obstructive sleep apnoea/hypopnoea syndrome in the UK. Thorax. 2008;63(10):860-5. https://doi.org/10.1136/thx.2007.086454

Mancini MC, Aloe F, Tavares S. Apnéia do sono em obesos. Arq Bras Endocrinol Metab. 2000;44(1):81-90. https://doi.org/10.1590/S0004-27302000000100013

Zhang C, Pirrone M, Imber DA, Ackman JB, Kacmarek RM, Berra L. Optimization of Mechanical Ventilation in a 31-Year-Old Morbidly Obese Man With Refractory Hypoxemia. A A Case Rep. 2017;8(1):7-10. https://doi.org/10.1213/XAA.0000000000000408

Carneiro G, Ribeiro Filho FF, Togeiro SM, Tufik S, Zanella MT. Interações entre síndrome da apnéia do sono e resistência à insulina. Arq Bras Endocrinol Metab. 2007;7(51):1035-40. https://doi.org/10.1590/S0004-27302007000700003

Pirrone M, Fisher D, Chipman D, Imber DA, Mietto C, Berra L. Recruitment Maneuvers and Positive End-Expiratory Pressure Titration in Morbidly Obese ICU Patients. Crit Care Med. 2016;44(2):300-7.

https://doi.org/10.1097/CCM.0000000000001387

Bertolazi AN, Fagondes SC, Hoff LS, Pedro VD, Menna Barreto SS, Johns MW. Validação da escala de sonolência de Epworth em português para uso no Brasil. J Bras Pneumol. 2009;9(45):878.

McMillan A, Bratton DJ, Faria R, Laskawiec-Szkonter M, Griffin S, Davies RJ, Nunn AJ, Stradling JR, Riha RL, Morrell MJ; PREDICT Investigators. Continuous positive airway pressure in older people with obstructive sleep apnoea syndrome (PREDICT): a 12-month, multicentre, randomised trial. Lancet Respir Med. 2014;2(10):804-12. https://doi.org/10.1016/S2213-2600(14)70172-9

Netzer NC, Stoohs RA, Netzer CM, Clark K, Strohl KP. Using the Berlin Questionnaire to identify patients at risk for the sleep apnea syndrome. Ann Intern Med. 1999;131(7):485-91. https://doi.org/10.7326/0003-4819-131-7-199910050-00002




DOI: http://dx.doi.org/10.15448/1983-652X.2017.4.25979

 

e-ISSN: 1983-652X 

 

Este periódico é membro do COPE (Committee on Publication Ethics) e adere aos seus princípios. http://www.publicationethics.org

***


Exceto onde especificado diferentemente, a matéria publicada neste periódico é licenciada sob forma de uma licença Creative Commons BY-NC 4.0 Internacional

 ***

Políticas Editoriais das Revistas Científicas Brasileiras. Disponibilidade para depósito: Azul.   

 Copyright: © 2006-2019 EDIPUCRS