Doenças crônicas não transmissíveis e os fatores de risco em mulheres de Guaporé (RS)

Rafaela Roman, Josiane Siviero

Resumo


Objetivo: Avaliar a prevalência de doenças crônicas não transmissíveis e sua associação com fatores de risco em mulheres de Guaporé (RS). Materiais e

Métodos: Estudo transversal, realizado na microárea 23, durante os meses de maio e junho de 2016, com 165 mulheres. Dados coletados referentes à prevalência de doenças crônicas não transmissíveis (Diabetes Mellitus, Hipertensão Arterial e Dislipidemias) e medicamentação autorreferida, tabagismo, consumo de bebidas alcoólicas, atividade física, índice de massa corporal, circunferência da cintura e consumo alimentar. A análise estatística foi realizada através do programa Statistical Package for the Social Sciences. Os testes foram t-student para as médias, teste qui-quadrado de Pearson para associações e teste qui-quadrado para variáveis ordinais, sendo o nível de significância de 5%.

Resultados: Avaliaram-se 165 mulheres, das quais 29,1% possuíam ≥60 anos, 69,7% eram casadas ou moravam com companheiro, 44,8% possuíam ≥13 anos de escolaridade, 83,6% possuíam renda de 1-2 salários mínimos. Verificou-se que o índice de massa corporal foi 27,8±5,6 kg/m², encontrando-se em sobrepeso. A circunferência da cintura foi 98,9±13,9 cm, classificando-se em risco. Ao associar os fatores de risco consumo alimentar, atividade física, tabagismo, bebidas alcóolicas, não se encontrou associação significativa. No entanto encontrou-se maior prevalência de doenças crônicas não transmissíveis em mulheres com maior faixa etária, de menor escolaridade e renda, viúvas, com circunferência da cintura elevada e índice de massa corporal de sobrepeso. Constatou-se a presença de doenças crônicas não transmissíveis em 38,2% das mulheres.

Conclusão: A prevalência de doenças crônicas não transmissíveis associou-se com alguns dos fatores de risco estudados, desses o estado civil entre as viúvas, menor escolaridade, menor renda, com baixa ingestão de álcool e risco mais elevado para complicações metabólicas, conforme circunferência da cintura.


Palavras-chave


doenças crônicas; prevalência; consumo alimentar; fatores de risco.

Texto completo:

PDF

Referências


Brasil. Portal da Saúde. Vigilância das Doenças Crônicas Não Transmissíveis 2014 [Internet]. [capturado 2016 Ago 29]. Disponível em: http://portalsaude.saude.gov.br/index.php/o-ministerio/principal/leia-mais-o-ministerio/671-secretaria-svs/vigilancia-de-aaz/doenças-crônicas-nãotransmissiveis/14125-vigilancia-dasdoencas-cronicas-nao-transmissiveis

Brasil. Ministério da Saúde e Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Análise de Situação de Saúde, Plano de Ações. Estratégicas para o Enfrentamento das Doenças Crônicas Não Transmissíveis (DCNT) no Brasil 2011-2022, Brasília: Ministério da Saúde; 2011.

Villalpando S, Rodrigo JR. The status of non-transmissible chronic disease in Mexico based on the National Health and Nutrition Survey 2006. Introduction. Salud Publica Mex. 2010;52 Suppl 1: S2-3. https://doi.org/10.1590/S0036-36342010000700002

Goulart FAA, Kemper ES. Doenças crônicas não transmissíveis: Estratégias de controle e desafios para os sistemas de saúde. Brasília (DF): Organização Pan-Americana da Saúde/Organização Mundial da Saúde; 2011.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Vigilância de Doenças e Agravos não Transmissíveis e Promoção da Saúde. Vigitel Brasil 2014: vigilância de fatores de risco e proteção para doenças crônicas por inquérito telefônico. Ministério da Saúde, Secretaria de Vigilância em Saúde, Departamento de Vigilância de Doenças e Agravos não Transmissíveis e Promoção da Saúde. Brasília: Ministério da Saúde; 2015.

Instituto de Pesquisa de Geografia e Estatística. Pesquisa Nacional de Saúde 2013 - Percepção do Estado de Saúde, Estilo de Vida e Doenças Crônicas. Rio de Janeiro: IBGE; 2014.

Matsudo SM, Araújo TL, Matsudo VKR, Andrade DR, Andrade EL, Oliveira LC Questionário Internacional de Atividade Física (IPAQ): estudo de validade e reprodutibilidade no Brasil. Rev Bras Ativ Saúde. 2001;10:5-18.

Rocha BSC, Dell Agnolo CM, França GAA, Romeiro LTC, Barros CMD. Doenças crônicas não transmissíveis e Associações com Fatores de Risco. Rev Bras Cardiol. 2014;27(1):35-42.

World Health Organization. Physical Status: The use and interpretation of anthropometry. Geneva: WHO; 1995.

World Health Organization, Obesity: preventing and managing the global epidemic: Report of a WHO consultation on obesity. Geneva; 2000.

Atalah SE, Castillo LC, Castro SR, Aldea PA. The Nutrition Screening Initiative, Incorporating nutrition screening and interventions into medical practice: a monograph for physicians. Washington D.C.: American Academy of Family Physicians; 1994.

Mannato LW. Questionário de Frequência alimentar ELSA BRASIL: proposta de redução e validação reduzida. Vitória: UFES; 2013.

Neumann B, Conde SR, Lemos JRN, Moreira TR. Associação entre estado nutricional e a prevalência de doenças crônicas não transmissíveis em idosos residentes no município de Roca Sales – RS. Rev Bras Ciênc Env Human. 2014:11(2):166-77.

Cavalcanti CL, Gonçalves RMC, Asciutti LSR, Cavalcanti AL. Prevalência de doenças crônicas e estado nutricional em um grupo de idosos brasileiros, Rev Salud Pública. 2009;11(6):865-77. https://doi.org/10.1590/S0124-00642009000600003

Kim HC, Oh SM. Noncommunicable Diseases: Current Status of Major Modifiable Risk Factors in Korea. J Prev Med Public Health. 2013;46(4):165-72. https://doi.org/10.3961/jpmph.2013.46.4.165

Oliveira MJI, Espirito SE. A relação entre os determinantes sociais da saúde e a questão social. Cad Saúde Desenvol. 2013; 2(2):8-24.

Scherer R, Scherer F, Rufatto CS, Dal Bosco SM. Estado nutricional e prevalência de doenças crônicas em idosos de um município do interior do Rio Grande do Sul. Rev Bras Geriat. 2013; 16(4):769-79.

https://doi.org/10.1590/S1809-98232013000400011

Bortoletto MSS, Souza RTK, Cabrera MAS, González AD. Síndrome metabólica, componentes e fatores associados em adultos de 40 anos ou mais de um munícipio da Região Sul do Brasil. Cad Saúde Colet. 2016;24(1):32-40. https://doi.org/10.1590/1414-462X201600010123

Santos Alves JW, Soares NT, Diniz NA, Santos PED, Monteiro RS. Estado nutricional, estilo de vida, perfil socioeconômico e consumo alimentar de comerciários. Rev Bras Prom Saud. 2012;25(2 Supl):40-50. https://doi.org/10.5020/18061230.2012.s40

Malta DC, Araújo Andrade SSC, Stopa SR, Pereira CA, Szwarcwald CL, Silva Júnior JB, Reis AAC. Estilo de vida da população brasileira: resultados da Pesquisa Nacional de Saúde, 2013. Epidemiol Serv Saud. 2015;24(2):217-26. https://doi.org/10.5123/S1679-49742015000200004

Freitas SLR, Garcia LP. Consumo abusivo de álcool no Brasil: resultados da Pesquisa Nacional de Saúde. Epidemiol Serv Saud. 2013;24(2):227-37. http://dx.doi.org/10.5123/S1679-49742015000200005

Orlando R, Pinheiro TLF, Volkweis DSH, Colussi EL. Avaliação da alimentação e sua relação com as doenças crônicas não transmissíveis de um grupo de idosos de um município da região norte do estado do RS. Rev Enferm. 2011;6(6-7):203-17.

Lins APM, Schieri R, Coutinho WF, Ramos EG, Peixoto MVM, Fonseca VM. Alimentação saudável, escolaridade e excesso de peso entre mulheres de baixa renda. Ciênc Saúde Colet, 2013;18(2): 357-66. https://doi.org/10.1590/S1413-81232013000200007




DOI: http://dx.doi.org/10.15448/1983-652X.2018.1.25909

 

e-ISSN: 1983-652X 

 

Este periódico é membro do COPE (Committee on Publication Ethics) e adere aos seus princípios. http://www.publicationethics.org

***


Exceto onde especificado diferentemente, a matéria publicada neste periódico é licenciada sob forma de uma licença Creative Commons BY-NC 4.0 Internacional

 ***

Políticas Editoriais das Revistas Científicas Brasileiras. Disponibilidade para depósito: Azul.   

 Copyright: © 2006-2019 EDIPUCRS