Integralidade no cuidado a usuários com lesões de pele: percepção dos profissionais da atenção primária

Andrea Gonçalves Bandeira, Heloísa Maria Reckziegel Bello, Caroline Trennepohl, Adolfo Pizzinato

Resumo


Objetivo: Conhecer a percepção de profissionais de enfermagem inseridos na Atenção Primária em Saúde sobre aplicação do princípio da integralidade no cuidado a usuários com lesões de pele.

Materiais e Métodos: Abordagem qualitativa teve coleta dos dados realizada em diferentes serviços de Porto Alegre, em 2012. A população compreendeu sete enfermeiros e 14 técnicos de enfermagem, que atuam em unidades de saúde que foram campo de prática de um Programa de Residência Multiprofissional em Saúde da Família e Comunidade. Para a coleta de dados foi realizada uma entrevista semiestruturada, as entrevistas foram agendadas previamente conforme a disponibilidade dos profissionais, individual, com duração média de 20 minutos.

Resultados: Foram organizados em torno do eixo Integralidade no cuidado de lesões de pele e deste emergiram duas categorias: (1) integralidade – conhecimento versus distanciamento; (2) o cuidado integral a usuários com lesão de pele – da teoria à prática.

Conclusão: Os participantes mostraram-se protagonistas ativos da integralidade neste campo de prática, apesar das críticas às dificuldades do processo de trabalho em saúde e os desafios encontrados.


Palavras-chave


atenção primária à saúde; enfermagem em saúde comunitária; cuidados de enfermagem; assistência integral a saúde; pesquisa qualitativa.

Texto completo:

PDF

Referências


Sakata KN, Mishima SM. Articulação das ações e interação dos Agentes Comunitários de Saúde na equipe de Saúde da Família. Rev Esc Enferm USP. 2012;46(3):665-72. https://doi.org/10.1590/S0080-62342012000300019

VIII Conferência Nacional de Saúde. In: Anais da 8ª Conf Nac de Saúde; 1986 Mar 17-21 [Internet]. Brasília; 1987 [citado 2017]. Disponível em: http://conselho.saude.gov.br/biblioteca/Relatorios/relatorio_8.pdf

Brasil. Decreto 7508, de 28 de junho de 2011. Regulamenta a Lei no 8.080, de 19 de setembro de 1990, para dispor sobre a organização do Sistema Único de Saúde – SUS, o planejamento da saúde, a assistência à saúde e a articulação interfederativa, e dá outras providências. DOU [Internet]. 2011 Jun 29 [citado 2017]. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2011-2014/2011/decreto/D7508.htm

Bonfada D, Cavalcante JRLP, Araujo DP, Guimarães J. A integralidade da atenção à saúde como eixo da organização tecnológica nos serviços. Ciênc Saúde Coletiva. 2012;7(2):555-60. https://doi.org/10.1590/S1413-81232012000200028

Gaiva M, Dias N, Siqueira V. Atenção ao neonato na estratégia saúde da família: avanços e desafios para atenção integral. Cogitare Enferm. 2012;17(4):730-7. https://doi.org/10.5380/ce.v17i4.30382

Lira A, Sá J, Nogueira I, Medeiros M Fernandes M, Vitor A. Integralidade da pele em idosos: revisão da literatura segundo as cartas de promoção da saúde. Cogitare Enferm. 2012;17(4):767-74. https://doi.org/10.5380/ce.v17i4.30389

Dealey C. Cuidando de feridas: um guia para enfermeiras. 3ª ed. São Paulo: Atheneu; 2013.

Hospital de Clínicas de Porto Alegre (HCPA). Avaliação e tratamento de feridas: orientações aos profissionais de saúde. Porto Alegre: HCPA/UFRGS; 2011.

Costa LM, Higino WJF, Leal FJ, Couto RC. Perfil clínico e sociodemográfico dos portadores de doença venosa crônica atendidos em centros de saúde de Maceió (AL). J Vasc Bras. 2012;11(2): 108-13. https://doi.org/10.1590/S1677-54492012000200007

Silva MH, Jesus MCP, Merighi MAB, Oliveira DM, Santos SMR, Vicente EJD. Manejo clínico de úlceras venosas na atenção primária à saúde. Acta Paul Enferm. 2012;25(3):329-33. https://doi.org/10.1590/S0103-21002012000300002

Reis DB, Peres GA, Zuffi FB, Ferreira LA, Dal Poggetto MT. Cuidados às pessoas com úlcera venosa: percepção dos enfermeiros da estratégia de saúde da família. REME Rev Min Enferm. 2013;17(1):101-6.

Minayo ML, organizadora. Pesquisa social: teoria, método e criatividade. 30ª ed. Petrópolis: Vozes; 2011.

Gray DE. Pesquisa no mundo real. 2ª ed. Porto Alegre: Penso; 2012.

Ministério da Saúde (BR). Conselho Nacional de Saúde. Resolução 196, de 10 de outubro de 1996: diretrizes e normas regulamentadoras de pesquisa envolvendo seres humanos. Brasília; 1996.

Pizzinato A. Diversidad cultural y aprendizaje colaborativo: análisis del discurso docente. Liber. 2010;16(2):171-82.

Ferreira IRC; Vosgerau DSR; Moysés JS; Moysés ST. Diplomas Normativos do Programa Saúde na Escola: análise de conteúdo associada à ferramenta ATLAS TI. Cienc Saúde Coletiva. 2012;17(12):3385-98. https://doi.org/10.1590/S1413-81232012001200023

Ministério da Saúde (BR). Departamento de Atenção Básica. Política Nacional da Atenção Básica. Brasília; 2011.

Ministério da Saúde (BR). Política Nacional de Humanização-PNH [Internet]. Brasília; 2013 [citado 2017]. Disponível em: http://bvsms. saude.gov.br/bvs/publicacoes/politica_nacional_humanizacao_pnh_ folheto.pdf

Marzari CK, Backes DS, Backes MS, Marchiori MT, Souza MT, Carpes AD. Realidade sociopolítica, ambiental e de saúde de famílias pertencentes a uma comunidade vulnerável. Cienc Saúde Coletiva. 2013;18(1):77-84. https://doi.org/10.1590/S1413-81232013000100009

Pinto IC, Marciliano CSM, Zacharias FCM, Stina APN, Passeri IAG, Bulgarelli AF. As práticas de enfermagem em um ambulatório na perspectiva da integralidade. Rev Latino-Am Enfermagem. 2012;20(5):909-16. https://doi.org/10.1590/S0104-11692012000500013

Silva LA, Casotti CA, Chaves SCL. A produção científica brasileira sobre a Estratégia Saúde da Família e a mudança no modelo de atenção. Cienc Saúde Coletiva. 2013;18(1):221-32. https://doi.org/10.1590/S1413-81232013000100023

Ogata MN, França Y. Atuação do auxiliar de enfermagem na Estratégia Saúde da Família. Acta Paul Enferm. 2010;23(4):506-11. https://doi.org/10.1590/S0103-21002010000400010

Zonta PM, De Arruda MP. O entendimento do usuário sobre processo de trabalho do enfermeiro da estratégia saúde da família. Rev Gepes Vida. 2015;1(2):71-85.

Oliveira BGRB, Nogueira GA, Carvalho MR, Abreu AM. Caracterização dos pacientes com úlcera venosa acompanhados no Ambulatório de Reparo de Feridas. Rev Eletr Enf. 2012;14(1): 156-63. https://doi.org/10.5216/ree.v14i1.10322




DOI: http://dx.doi.org/10.15448/1983-652X.2017.4.25487

 

e-ISSN: 1983-652X 

 

Este periódico é membro do COPE (Committee on Publication Ethics) e adere aos seus princípios. http://www.publicationethics.org

***


Exceto onde especificado diferentemente, a matéria publicada neste periódico é licenciada sob forma de uma licença Creative Commons BY-NC 4.0 Internacional

 ***

Políticas Editoriais das Revistas Científicas Brasileiras. Disponibilidade para depósito: Azul.   

 Copyright: © 2006-2019 EDIPUCRS