Estado nutricional e a estimativa de consumo dos nutrientes em mulheres do programa UCS sênior

Sandra Czarnobai Benincá, Josiane Siviero, Carin Weirich Gallon

Resumo


Objetivo: Avaliar o estado nutricional e o consumo dos macro e micronutrientes em mulheres de um programa de extensão.
Materiais e Métodos: Estudo transversal que foi realizado com mulheres ≥50 anos. As variáveis analisadas foram: sociodemográficas, antropométricas e consumo alimentar. Correlacionou-se o estado nutricional com o consumo alimentar.
Resultados: A partir das 176 mulheres, verificou-se que a média de idade foi 63,2 anos (±7,4). A predominância do nível de escolaridade foi médio completo ou mais (58,5%), excesso de peso (52,3%) e risco muito aumentado para Doenças Cardio Vasculares (DCV) pela Circunferência Abdominal (CA) em 78,4%. A média do consumo de macronutrientes ficou em 57,7% para carboidrato, 17,2% para proteína e 25% para lipídeos. Na correlação entre Índice de Massa Corporal (IMC) com CA, dados demográficos e consumo alimentar, houve associação positiva significativa entre IMC e CA (p<0,001). Também houve associação negativa significativa entre IMC com nível de escolaridade (p=0,041), calorias do café da manhã (p=0,040) e fibras (p=0,008). Já na análise de correlação entre CA com dados demográficos e consumo alimentar, houve associação positiva significativa entre CA com idade (p=0,039) e proteínas, (p=0,011). Também houve associação negativa significativa entre CA com nível de escolaridade (p=0,005) e fibras (p=0,007).
Conclusão: Encontrou-se uma elevada prevalência de excesso de peso e a CA como fator de risco para DCV. Correlações entre o estado nutricional e o consumo alimentar também foram demonstradas. A educação nutricional é fundamental para que as mulheres possam adequar a sua alimentação e, consequentemente, melhorar seu estado nutricional.


Palavras-chave


consumo alimentar; estado nutricional; índice de massa corporal; circunferência abdominal.

Texto completo:

PDF

Referências


Freitas AMP, Philipi ST, Ribeiro SML. Listas de alimentos relacionadas ao consumo alimentar de um grupo de idosos: análises e perspectiva. Rev Bras Epidemiol. 2011;14(1):161-77.

https://doi.org/10.1590/S1415-790X2011000100015

Ferreira AB, C Minanni CA, Paganini CBL, La Falce TS, Todeschini AB, Eras AE, Chekin G, Motta BR, Carneiro Júnior N. Programa de atenção particularizada ao idoso em unidades básicas de saúde. Saúde Soc. 2009;18(4):776-86.

https://doi.org/10.1590/S0104-12902009000400020

Ferreira OGL, Maciel CS, Silva AO, Sá RCN, Silva P, Moreira MA. Significados atribuídos ao envelhecimento: idoso, velho e idoso ativo. Psico-USF. 2010;15(3):357-64.

https://doi.org/10.1590/S1413-82712010000300009

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Pesquisa de orçamentos familiares 2008-2009 [Internet]. [capturado 2016 Mar 16]. Disponível em:

http://www.ibge.gov.br/home/xml/pof_2008_2009.shtm; 2010

Souza EB. Transição nutricional no Brasil: análise dos principais fatores. Cad UNIFOA. 2010;5(13):49-53.

Marinho CF, Beltrame MASB, Ferreira KK, Nobre JAS, Córdoba GMC. Consumo alimentar de usuários de uma Clínica-Escola de Nutrição do interior paulista. RASBRAN. 2017;8(1):52-7.

Batista Filho M, Rissin A. A transição nutricional no Brasil: tendências regionais e temporais. Cad Saúde Pública. 2003;19(1):S181-91.

https://doi.org/10.1590/S0102-311X2003000700019

Batista Filho M, Souza AI, Miglioli TC, Santos MC. Anemia e obesidade: um paradoxo da transição nutricional brasileira. Cad

Saúde Pública. 2008;24(2):S247-57. https://doi.org/10.1590/

S0102-311X2008001400010

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Pesquisa de orçamentos

familiares 2008-2009: análise do consumo alimentar pessoal no Brasil. IBGE [Internet]. 2011 [capturado 2018 Out 02]. Disponível em:

https://biblioteca.ibge.gov.br/visualizacao/livros/liv50063.pdf

Tardido AP, Falcão MC. O impacto da modernização na transição nutricional e obesidade. Rev Bras Nutr Clin. 2006;21(2): 117-24.

Marques APO, Arruda IKG, Leal MCC, Espírito Santos ACG. Envelhecimento, obesidade e consumo alimentar em idosos. Rev Bras Geriatr Gerontol. 2007;10(2):1-9.

Brasil. Ministério da Saúde. Vigilância das DANT no contexto da vigilância em saúde no Brasil. Seminário Nacional de Vigilância em Doenças e Agravos Não Transmissíveis e Promoção da Saúde [Internet]. Brasília; 2006 [capturado 2018 out. 02]. 102 p. Disponível em:

http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/anais_doencas_agravos.pdf

Lazarou C, Matalas AL. Breakfast intake is associated with nutritional status, mediterranean diet adherence, serum iron and fasting glucose: the CYFamilies study. Public Health Nutr. 2014;18(7): 1308-16.

https://doi.org/10.1017/S1368980014001967

Acu-a K, Cruz T. Avaliação do estado nutricional de adultos e idosos e situação nutricional da população brasileira. Arq Bras Endocrinol Metab. 2004;48(3):345-61.

https://doi.org/10.1590/S0004-27302004000300004

Brasil. Vigilância Alimentar e Nutricional. Sisvan: orientações básicas para a coleta, processamento, análise de dados e informação em serviços de saúde. Brasília: Ministério da Saúde; 2011.

World Health Organization. Preventing and managing the global epidemic [Internet]. Report of a WHO Consultation. 2000 [capturado 2018 Out 02]. 252 p. Disponível em:

http://www.who.int/nutrition/publications/obesity/WHO_TRS_894/en/

Lebrão ML, Duarte Y. O projeto SABE no município de São Paulo: uma abordagem inicial [Internet]. Brasília: Organização Panamericana da Saúde; 2003 [capturado 2018 Out 02]. 259 p. Disponível em:

http://livros01.livrosgratis.com.br/op000002.pdf

Associação Brasileira para o Estudo da Obesidade e Síndrome Metabólica. Diretrizes brasileiras de obesidade 2009-2010 [Internet]. Abeso. São Paulo: AC Farmacêutica; 2009 [capturado 2018 Out 02]. 85 p. Disponível em:

http://www.abeso.org.br/pdf/diretrizes_brasileiras_obesidade_2009_2010_1.pdf

Pinheiro AB, Lacerda EMA, Benzecry EH, Gomes MCS, Costa VM. Tabela para avaliação de consumo alimentar em medidas caseiras. Rio de Janeiro: Ateneu; 2004.

Institute of Medicine. Dietary reference intakes for energy, carbohydrate, fiber fat, fatty acids, cholesterol, protein, and amino acids. Washington: The National Academies Press; 2010.

Callegar-Jacqes SM. Bioestatística: princípios e aplicações. Porto Alegre: Artmed; 2003.

Cervato AM, Derntl AM, Latorre MRDO, Marcucci MFN. Educação nutricional para adultos e idosos: uma experiência positiva em universidade aberta para a terceira idade. Rev Nutr. 2005;18(1): 41-52.

https://doi.org/10.1590/S1415-52732005000100004

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Síntese de indicadores sociais: uma análise das condições de vida da população brasileira [Internet]. IBGE. Brasília. 2013. [capturado 2016 Mar 24]. 266 p. Disponível em:

http://biblioteca.ibge.gov.br/visualizacao/livros/liv66777.pdf

Corteletti IA, Casara MB. Projeto pedagógico: Universidade da Terceira Idade UNTI. Caxias do Sul: Educs; 2007.

Kümpel DA, Sodré AC, Pomatti DM, Scortegagna HM, Filippi J, Portella MR, Doring M, Scariot M. Obesidade em idosos acompanhados pela estratégia de saúde da família. Texto Contexto – Enferm. 2011;20(3):271-7.

https://doi.org/10.1590/S0104-07072011000300007

Gallon CW, Wender COM. Estado nutricional e qualidade de vida da mulher climatérica. Ver Bras Ginecol Obstet. 2012;34(4):175-83.

https://doi.org/10.1590/S0100-72032012000400007

Gonçalves JTT, Silveira MF, Campos MCC, Costa LHR. Sobrepeso e obesidade e fatores associados ao climatério. Cienc Saude Colet. 2016;21(4):1145-55.

https://doi.org/10.1590/1413-81232015214.16552015

Catão MHCV, Xavier FC, Pinto TCA. O impacto das alterações do sistema estomatognático na nutrição do idoso. Rev Bras Ciênc Saúde. 2011;9(29):73-8.

De Lorenzi DRS, Basso E, Fagundes PO, Saciloto B. Prevalencia de sobrepeso e obesidade no climatério. Bras Ginecol Obstet. 2005;27(8):479-84.

https://doi.org/10.1590/S0100-72032005000800008

Galvão NI, Vilela RFJTJ, Orlandi BMM, Ferraz RF, Costa FAA, Fagundes DJ. Determinação do risco cardiovascular em população de check-up espontâneo através do Escore de Framingham. Rev Bras Cardiol. 2013;26(5):356-63.

Roman R, Siviero J. Doenças crônicas não transmissíveis e os fatores de risco em mulheres de Guaporé (RS). Ciênc Saúde (Porto Alegre). 2018;11(1):25-32.

https://doi.org/10.15448/1983-652X.2018.1.25909

Linhares RS, Horta BL, Gigante DP, Costa JSD, Olinto MTA. Distribuição de obesidade geral e abdominal em adultos de uma cidade no Sul do Brasil. Cad Saúde Pública. 2012;28(3):438-48.

https://doi.org/10.1590/S0102-311X2012000300004

Rezende FAC, Rosado LEFPL, Ribeiro RCL, Vidigal FC, Vasques ACJ, Bonard IS, Carvalho CR. Índice de massa corporal e circunferência abdominal: associação com fatores de risco cardiovascular. Arq Bras Cardiol. 2006;87(6):728-34.

https://doi.org/10.1590/S0066-782X2006001900008

Nascimento CM, Ribeiro AQ, Sant’Ana LFR, Oliveira RMS, Franceschino SCC, Priore SE. Estado nutricional e condições de saúde da população idosa brasileira: revisão da literatura. Rev Med Minas Gerais. 2011;21(2):174-80.

Menezes TN, Marucci MFN. Valor energético total e contribuição percentual de calorias por macronutrientes da alimentação de idosos domiciliados em Fortaleza - CE. Rev Assoc Med Bras. 2012;58(1):33-40.

https://doi.org/10.1590/S0104-42302012000100012

Malta MB, Papini SJ, Corrente JE. Avaliação da alimentação de idosos de município paulista: aplicação do Índice de Alimentação Saudável. Cienc Saude Colet. 2013; 18(2):377-84.

https://doi.org/10.1590/S1413-81232013000200009

Morimoto JM, Marchioni DML, Cesar CLG, Fisberg RM. Variância intrapessoal para ajuste da distribuição de nutrientes em estudos epidemiológicos. Rev Saúde Públ. 2011;45(3):621-5.

https://doi.org/10.1590/S0034-89102011000300022

Avelino GF, Previdelli NA, Castro MA, Marchioni DML, Fisberg RM. Sub-relato da ingestão energética e fatores associados em estudo de base populacional. Cad Saúde Pública. 2014;30(3):663-8.

https://doi.org/10.1590/0102-311X00073713

Martinazzo J, Zemolin GP, Spinelli RB, Zanardo VPS, Ceni GC. Avaliação nutricional de mulheres no climatério atendidas em ambulatório de nutrição no norte do Rio Grande do Sul, Brasil. Cienc Saúde Colet. 2013;18(11):3349-56.

https://doi.org/10.1590/S1413-81232013001100024

Venturini CD, Engroff P, Sgnaolin V, El Kik RM, Morrone FB, Silva Filho IG, De Carlo GA Consumo de nutrientes em idosos residentes em Porto Alegre (RS), Brasil: um estudo de base populacional. Cienc Saude Colet. 2015;20(12):3701-11.

https://doi.org/10.1590/1413-812320152012.01432015

Morley JE, Baumgartner RN, Roubenoff R, Mayer J, Nair KS. Sarcopenia. J Lab Clin Med. 2001;137(4):231-43.

https://doi.org/10.1067/mlc.2001.113504

Houston DK. Dietary protein intake is associated with lean mass change in older, community-dwelling adults: Health ABC. Am J Clin Nutr. 2008;87(1):150-5.

https://doi.org/10.1093/ajcn/87.1.150

Silva WJM, Ferrari CKB. Metabolismo mitocondrial, radicais livres e envelhecimento. Rev Bras. Geriatr Gerontol. 2011;14(3): 441-51.

Araújo MC, Bezerra IN, Barbosa FS, Junger WL, Yokoo EN, Pereira RA, Sichieri R. Consumo de macronutrientes e ingestão inadequada de micronutrientes em adultos. Rev Saúde Públ. 2013;47(1): 177-89.

https://doi.org/10.1590/S0034-89102013000700004

Coussirat C, Batista C, Schneider RH, Resende TL, Schwanke CHA. Vitaminas B12, B6, B9 e homocisteína e sua relação com a massa óssea em idosos. Rev Bras Geriatr Gerontol. 2012;15(3):577-85.

https://doi.org/10.1590/S1809-98232012000300018

Wong CW. Vitamin B12 deficiency in the elderly: is it worth screening? Hong Kong Med J. 2015;21(2):155-64.

https://doi.org/10.12809/hkmj144383

Ross AC, Taylor CL, Yaktine AL, Del Valle HB. Dietary reference intakes for calcium and vitamin D [Internet]. Institute of Medicine Committee to Review Dietary Reference Intakes for Vitamin D and Calcium. 2011 [capturado 2018 Out 02]. Disponível em:

http://www.ncbi.nlm.nih.gov/books/NBK56070/

Leão ALM, Santos LC. Consumo de micronutrientes e excesso de peso: existe relação? Rev Bras Epidemiol. 2012;15(1):85-95.

https://doi.org/10.1590/S1415-790X2012000100008

Chowdhury EA, Richardson JD, Holman GD, Tsintzas K, Thompson D, Betts JA. The causal role of breakfast in energy balance and health: a randomized controlled trial in obese adults. Am J Clin Nutr. 2016;(103):747-56.

https://doi.org/10.3945/ajcn.115.122044

Freitas PP, Mendonça RD, Lopes ACS. Factors associated with breakfasting in users of a public health service. Rev Nutr. 2013;26(2):195-203.

https://doi.org/10.1590/S1415-52732013000200007

Trancoso SC, Cavalli SB, Proença RPC. Café da manhã: caracterização, consumo e importância para a saúde. Rev Nutr. 2010;23(5):859-69.

https://doi.org/10.1590/S1415-52732010000500016

Jakubowicz D, Barnea M, Wainstein J, Froy O. High caloric intake at breakfast vs. dinner differentially influences weight loss of overweight and obese women. Obesity. 2013;21(12):2504-12.

https://doi.org/10.1002/oby.20460

Molz P, Pereira CS, Gassen TL, Prá D, Franke SIR. Relação do consumo alimentar de fibras e da carga glicêmica sobre marcadores glicêmicos, antropométricos e dietéticos em pacientes pré-diabéticos. Rev Epidemiol Controle Infecç. 2015;5(3):131-5.

https://doi.org/10.17058/reci.v5i3.5585

Bernaud FSR, Ticiana CR. Fibra alimentar: ingestão adequada e efeitos sobre a saúde do metabolismo. Arq Bras Endocrinol Metab. 2013;57(6):397-405.

https://doi.org/10.1590/S0004-27302013000600001

Barazzetti R, Siviero J, Bonatto S. Estado nutricional, consumo de calorias e macronutrientes de mulheres participantes de uma universidade da terceira idade no sul do país. Estud Interdiscipl Envelhec. 2011;18(2):331-47.

Rodrigues APS, Silveira EA. Correlação e associação de renda e escolaridade com condições de saúde e nutrição em obesos. Cienc Saude Colet. 2015;20(1):165-74.

https://doi.org/10.1590/1413-81232014201.18982013

Bains K, Kaur G, Kaur H, Kaur A. Assessment of changes in anthropometry and body composition with progression of age among occupationally sedentary adult women. Int J Health Nutr. 2012;3(1):13-8.

Guimarães ECM, Santos LS, Jesus BM, Pastana, NA. Sarom MLG. Perfil nutricional de idosas frequentadoras da Faculdade da Terceira Idade. Cad UniFOA. 2009;4(10):67-72.




DOI: http://dx.doi.org/10.15448/1983-652X.2018.4.25174

 

e-ISSN: 1983-652X 

 

Este periódico é membro do COPE (Committee on Publication Ethics) e adere aos seus princípios. http://www.publicationethics.org

***


Exceto onde especificado diferentemente, a matéria publicada neste periódico é licenciada sob forma de uma licença Creative Commons BY-NC 4.0 Internacional

 ***

Políticas Editoriais das Revistas Científicas Brasileiras. Disponibilidade para depósito: Azul.   

 Copyright: © 2006-2019 EDIPUCRS