Impacto econômico e prevalência da doença de Alzheimer em uma capital Brasileira

Nayron Medeiros Soares, Gabriela Magalhães Pereira, Renata Italiano da Nóbrega Figueiredo, Narrycia Medeiros Soares, Rosa Maria Martins de Almeida, Alyne da Silva Portela

Resumo


Objetivo: Avaliar o impacto econômico e a prevalência da Doença de Alzheimer (DA) em uma capital brasileira.
Materiais e Métodos: Trata-se de um estudo transversal, retrospectivo, descritivo e analítico, com abordagem quantitativa. A pesquisa foi realizada no Centro Especializado de Dispensação de Medicamentos Excepcional de João Pessoa, localizado na 1ª Gerência Regional de Saúde da Paraíba, Brasil. A amostra foi constituída por 855 pacientes que receberam medicamentos para DA. Os dados foram extraídos do sistema nacional de gestão da assistência farmacêutica, Hôrus, e analisados por meio de estatística descritiva.
Resultados: Verificou-se que há um aumento da prevalência da DA a partir dos 60 anos de idade, em especial, no gênero feminino (69,6%). Observa-se que o custo mensal dos medicamentos para o estado pode variar de R$54.693,19 a R$65.174,19 e anualmente de R$656.316,00 a R$782.088,00. Estes dados sugerem que a DA representa um desafio cada vez maior para a saúde pública, e pode exercer um importante impacto para o governo.
Conclusão: As informações apresentadas neste estudo mostram que a dispensação de medicamentos para o tratamento da DA representou uma despesa importante no orçamento da Secretaria de Estado da Saúde da Paraíba e houve uma alta prevalência em mulheres. Além disso, fornece a possibilidade para reflexão de políticas públicas direcionadas a prevenção, cuidados e o manejo da DA.


Palavras-chave


doença de Alzheimer; epidemiologia; saúde pública; custos de cuidados de saúde.

Texto completo:

PDF

Referências


World Health Organization and Alzheimer’s Disease International. Dementia: a public health priority. Geneva: WHO; 2012. 2. Arendt T. Cell cycle activation and aneuploid neurons in Alzheimer’s disease. Mol Neurobiol. 2012;46(1):125-35. https://doi.org/10.1007/s12035-012-8262-0

Burns A, Ilife S. Alzheimer’s disease. BMJ. 2009;338:b158. https:// doi.org/10.1136/bmj.b158

Salawu FK, Umar JT, Olokoba AB. Alzheimer’s disease: a review of recent developments. Ann Afr Med. 2011;10(2):73-9. https://doi. org/10.4103/1596-3519.82057

Querfurth HW, LaFerla FM. Alzheimer’s disease. N Engl J Med. 2010;362(4):329–44. https://doi.org/10.1056/NEJMra0909142

Rossor MN, Fox NC, Freeborough PA, Harvey RJ. Clinical features of sporadic and familial Alzheimer’s disease. Neurodegeneration. 1996;5(4):393-7. https://doi.org/10.1006/neur.1996.0052

Chai CK. The genetics of Alzheimer’s disease. Am J Alzheimers Dis Other Demen. 2007;22(1):37-41. https://doi.org/10.1177/1533317506295655

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos. Departamento de Gestão e Incorporação de Tecnologias em Saúde. Souvenaid para melhora de memória em pacientes com doença de Alzheimer na fase leve. Brasília (DF): Ministério da Saúde; 2014.

Brasil. Ministério da Saúde. Portaria SAS/MS nº 1.298, de 21 novembro de 2013. Aprova o Protocolo Clínico e Diretrizes Terapêuticas da Doença de Alzheimer. Brasília (DF): Ministério da Saúde; 2013.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Portaria nº 1.298, de 21 de novembro de 2013. Brasília (DF): Ministério da Saúde; 2013.

Lima SA. Tratamento farmacológico da doença de Alzheimer. Revista HUPE. 2008;7:78-87.

Brandão CMR, Guerra Júnior AA, Cherchiglia ML, Andrade EIG, Almeida AM, Silva GDS, Queiroz OV, Faleiros DR, Acurcio FA. Gastos do Ministério da Saúde do Brasil com medicamentos de alto custo: uma análise centrada no paciente. Value Health. 2011;14(5):S71-7. https://doi.org/10.1016/j.jval.2011.05.028

Aprahamian I, Martinelli JE, Yassuda MS. Doença de Alzheimer: revisão da epidemiologia e diagnóstico. Rev Bras Clin Med. 2009;7:27-35.

Prince M, Bryce R, Albanese E, Wimo A, Ribeiro W, Ferri CP. The global prevalence of dementia: a systematic review and metaanalysis. Alzheimers Dement. 2013;9(1):63-75. https://doi.org/10.1016/j.jalz.2012.11.007

Alzheimer’s Disease International. World Alzheimer Report 2010: the global economic impact of dementia. London: Alzheimer’s Disease International; 2014.

Relatório ADI/Bupa, Demência nas Américas: Custo atual e futuro e prevalência da doença de Alzheimer e outras demências [Internet]. 2013 Out [citado em 2017]. Disponível em: https://www.alz.co.uk/sites/default/files/pdfs/dementia-in-the-americas-BRAZILIANPORTUGUESE.pdf

Wimo A, Jönsson L, Gustavsson A, McDaid D, Ersek K, Georges J, Gulácsia L, Karpati K. The economic impact of dementia in Europe in 2008: cost estimates from the Eurocode project. Int J Geriatr Psychiatry. 2011;26(8):825-32. https://doi.org/10.1002/gps.2610

Wimo A, Jonsson L, Winblad B. An estimate of the worldwide prevalence and direct costs of dementia in 2003. Dement Geriatr Cogn Disord. 2006;21(3):175-81. https://doi.org/10.1159/000090733

Alzheimer Society. Rising tide: the impact of dementia on Canadian society. Toronto: Alzheimer Society; 2010.

Alzheimer’s Australia. The dementia epidemic: economic impact and positive solutions for Australia. Canberra: Alzheimer’s Australia; 2003.

Hebert IE, Weuve J, Svherr PA, Evans DA. Alzheimer disease in the United States (2010–2050) estimated using the 2010 census. Neurology. 2013;80(19):1778-83. https://doi.org/10.1212/WNL.0b013e31828726f5

Jorm AF, Korten AE, Henderson AS. The prevalence of dementia: a quantitative integration of the literature. Acta Psychiatr Scand.1987;76(5):465-79. https://doi.org/10.1111/j.1600-0447.1987.

tb02906.x

Qiu C, Kivipelto M, von Strauss E. Epidemiology of Alzheimer’s disease: occurrence, determinants, and strategies toward intervention. Dialogues Clin Neurosci. 2009;11(2):111-28.

Viña J, Lloret A. Why women have more Alzheimer’s disease than men: gender and mitochondrial toxicity of amyloid-beta peptide. J Alzheimers Dis. 2010;20(2):S527-33. https://doi.org/10.3233/JAD-2010-100501

Viña J, Borrás C. Women live longer than men: understanding molecular mechanisms offers opportunities to intervene by using estrogenic compounds. Antioxid Redox Signal. 2010;13(3):269-78. https://doi.org/10.1089/ars.2009.2952

Peskind ER, Li G, Shofer JB, Millard SP, Leverenz JB, Yu CE, Raskind MA, Quinn JF, Galasko DR, Montine TJ. Influence of lifestyle modifications on age-related free radical injury to brain.JAMA Neurol. 2014;71(9):1150-4. https://doi.org/10.1001/jamaneurol.2014.1428

Paraíba. Governo do Estado. Controladoria Geral do Estado da Paraíba. Portal transparência: consulta despesas. [Internet]. Paraíba; 2014 [citado em 2017]. Disponível em: http://transparencia.pb.gov.br/despesas/consulta-despesa

Vale FAC, Corrêa Neto Y, Bertolucci PHF, Machado JCB, Silva DJ, Allam N, Balthazar MLF. Tratamento da doença de Alzheimer. Dement Neuropsychol. 2011;5(1):34-48.

Álvarez A, Linares C, Masliah E. Combination drug therapy for the treatment of Alzheimer›s disease. Eur Neurol Rev. 2012;7(2): 92-102. https://doi.org/10.17925/ENR.2012.07.02.92

Veras RP, Caldas CP, Dantas SB, Sancho lG, Sicsú B, Motta lB, Cardinale C. Avaliação dos gastos com o cuidado do idoso com demência. Rev Psiquiatr Clín. 2007;34(1):5-12. https://doi.org/10.1590/S0101-60832007000100001

Gutierrez BAO, Silva HS, Guimaraes C, Campino AC. Impacto econômico da doença de Alzheimer no Brasil: é possível melhorar a assistência e reduzir custos? Ciênc Saúde Coletiva. 2014; 19(11):4479-86. https://doi.org/10.1590/1413-812320141911.03562013




DOI: http://dx.doi.org/10.15448/1983-652X.2017.3.25036

 

e-ISSN: 1983-652X 

 

Este periódico é membro do COPE (Committee on Publication Ethics) e adere aos seus princípios. http://www.publicationethics.org


Exceto onde especificado diferentemente, a matéria publicada neste periódico é licenciada sob forma de uma licença Creative Commons BY-NC 4.0 Internacional

 

Políticas Editoriais das Revistas Científicas Brasileiras. Disponibilidade para depósito: Azul.   

 Copyright: © 2006-2017 EDIPUCRS