Comparação do nível de atividade física e força de preensão manual com o perfil bioquímico de doentes renais crônicos

Kelser de Souza Kock, João Antônio Breda Neto, Marcos de Oliveira Machado

Resumo


Objetivos: Comparar atividade física referida, força de preensão manual (FPM) e dados bioquímicos de nefropatas crônicos submetidos à hemodiálise (HD).
Materiais e Métodos: Foi realizado um estudo transversal através da coleta de dados bioquímicos, atividade física referida e FPM. Os dados foram inseridos no Excel® e analisados pelo SPSS 20.0. As variáveis foram comparadas entre sexo e dicotomizadas pela média da FPM (kgf) e nível de atividade física (METs-minutos/semana), analisando a diferença estatística por meio do teste de Mann-Whitney (p<0,05).
Resultados: Foram avaliados 122 pacientes com média de idade e 59,4±14,0 anos, sendo 60,7% homens. Comparando o sexo, os indivíduos do sexo masculino apresentaram maior FPM bem como níveis séricos de creatinina e hemoglobina, já os indivíduos do sexo feminino apresentaram melhores índices de depuração fracional da ureia (KT/V) e taxa de redução da ureia (URR). A FPM acima da média estratificada por sexo foi encontrada principalmente em pacientes mais jovens, que referiram praticar mais atividade física e possuíam maiores níveis séricos de albumina e creatinina. Nos indivíduos que possuíam moderado/alto nível de atividade física, foi observado maior FPM, maiores níveis de hemoglobina e menores valores de colesterol total.
Conclusão: Maiores níveis de atividade física e de FPM estão relacionadas à maior albumina e hemoglobina sérica e menor valor de colesterol total em pacientes renais crônicos.


Palavras-chave


insuficiência renal crônica; diálise renal; força da mão; dinamômetro de força muscular; exercício.

Texto completo:

PDF

Referências


Romão Jr JE: Diretrizes Brasileiras da Doença Renal Crônica. Doença Renal Crônica: definição, epidemiologia e classificação. J Bras Nefrol. 2004;26(3):4-5.

Nascimento LCA, Coutinho EB, Silva KNG. Efetividade do Exercício Físico na Insuficiência Renal Crônica. Fisioter Mov. 2012;25(1):231- 9. https://doi.org/10.1590/S0103-51502012000100022

Silva MMH, Brune MFSS. Importância do cálculo da taxa de filtração glomerular na avaliação da função renal de adultos. Rev Bras Farm. 2011;92(3):160-5.

Breitsameter G, Figueiredo AE, Kochhann DS. Cálculo de Kt/V em hemodiálise: comparação entre fórmulas. J Bras Nefrol. 2012; 34(1):22-6.

Longo, DL, Braunwald E, Kasper DL, Fauci AS, Jameson JR, Hauser S. Medicina interna de Harrison. 18ª ed. Porto Alegre: AMGH; 2013.

Sociedade Brasileira de Nefrologia: Censo de Diálise [Internet] São Paulo (SP): Sociedade Brasileira de Nefrologia; 2013 [cited 2014 Abr]. Available from: http://sbn.org.br/pdf/censo_2013_publico_leigo.pdf

Peres LAB, Biela R, Herrmann M, Matsuo T, Ann HK, Camargo MTA, Rohde NRS, Uscocovich VSM. Estudo epidemiológico da doença renal crônica terminal no oeste do Paraná: uma experiência de 878 casos atendidos em 25 anos. J Bras Nefrol. 2010;32(1):51-6. https:// doi.org/10.1590/S0101-28002010000100010

Melo FGC. Análise de Sobrevida de Pacientes Renais Crônicos em Hemodiálise [dissertação]. Fortaleza: Universidade Federal do Ceará; 2006. 123 f.

Sesso R; Centro de Vigilância Epidemiológica da Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo. Epidemiologia da doença renal crônica no Brasil e sua prevenção. São Paulo; 2007.

Frazão CMFQ, Ramos VP, Lira ALBC. Qualidade de vida de pacientes submetidos à hemodiálise. Rev Enferm UERJ. 2011;19(4): 577-82.

Medeiros RH, Pinent DED, Meyer F. Aptidão física de indivíduo com doença renal crônica. J Bras Nefrol. 2002;24(2):81-7.

Dias JA, Ovando AC, Külkamp W, Borges, NG Jr. Força de preensão palmar: métodos de avaliação e fatores que influenciam na medida. Rev Bras Cineantropom Desempenho Hum. 2010;12(3):209-16.

Roberts HC, Denison HJ, Martin HJ, Patel HP, SYDDALL H, Cooper C, Sayer AA. A review of the measurement of grip strength in clinical and epidemiological studies: towards a standardised approach. Age Ageing. 2011;40(4):423-9. https://doi.org/10.1093/ageing/afr051

National Kidney Foundation: K/DOQI clinical practice guidelines for cardiovascular disease in dialysis patients. Am J Kidney Dis. 2005;45[Suppl 3]:S1-S154.

Johansen KL. Exercise in the end-stage renal disease population. J Am Soc Nephrol. 2007;18:1845-54. https://doi.org/10.1681/ASN.2007010009

Lima DF, Levy RB, Luiz OC. Recomendação para atividade física e saúde: consensos, controvérsias e ambiguidades. Rev Panam Salud Publica. 2014;36(3):164-70.

Chang YT, Wu HL, Guo HR, Cheng YY, Tseng CC, Wang MC, Lin CY, Sung JM. Handgrip strength is an independent predictor of renal outcomes in patients with chronic kidney diseases. Nephrol Dial Transplant. 2011;26(11):3588-95. https://doi.org/10.1093/ndt/gfr013

Vespasiano BS, Dias R, Correa DA. A utilização do Questionário Internacional de Atividade Física (Ipaq) como ferramenta diagnóstica do nível de aptidão física: uma revisão no Brasil. Saúde Rev. 2012;12(32):49-54. https://doi.org/10.15600/2238-1244/ sr.v12n32p49-54

International Physical Activity Questionnaire (SE). Guidelines for Data Processing and Analysis of the International Physical Activity Questionnaire. Suécia: International Physical Activity Questionnaire; 2005.

American Society of Hand Therapists. Clinical assessment recommendations. Chicago; 1992.

Dias JA, Ovando AC, Külkamp W, Junior NGB. Força de preensão palmar: métodos de avaliação e fatores que influenciam a medida. Rev Bras Cineantropom Desempenho Hum. 2010;12(3):209-16.

Nascimento MF, Benassi R, Caboclo FD, Salvador ACS, Gonçalves LCO. Valores de referencia de força de preensão manual em ambos os gêneros e diferentes grupos etários. Um estudo de revisão [Internet]. Buenos Aires: EFDeportes.com, Revista Digital; [uptodate 2010 Dez; cited 2015 Maio]. Available from: http://www.efdeportes. com/efd151/forca-de-preensao-manual-em-ambos-os-generos.htm

Bastos MG. Biomarcadores na nefrologia [Internet]. E-book. São Paulo: Sociedade Brasileira de Nefrologia; 2011 [uptodate 2010 Dez; cited 2015 Maio]. Available from: http://www.sbn.org.br/pdf/biomarcadores.pdf

Daugirdas JT, Ing TS. Prescrição de hemodiálise crônica: uma abordagem da cinética da uréia. In: Daugirdas JT, Ing TS. Manual de diálise. 3ª ed. Rio de Janeiro: Medsi; 2003. Cap. 9.

Friedman AN, Fadem SZ. Reassessment of albumin as a nutritional marker in kidney disease. J Am Soc Nephrol. 2010;21:223-30. https://doi.org/10.1681/ASN.2009020213

Gupta J, Mitra N, Kanetsky PA, Devany J, Wing MR, Reilly M, Shah VO, Balakrishnan VS, Guzman NJ, Girndt M, Periera BG, Feldman HI, Kusek JW, Joffe MM, Raj DS. Association between Albuminuria, Kidney Function, and Inflammatory Biomarker Profile in CKD in CRIC. Clin J Am Soc Nephrol. 2012;7:1938-46. https://doi. org/10.2215/CJN.03500412

Leal VO, Stockler-Pinto MB, Farage NE, Aranha LN, Fouque D, Anjos LA, Mafra D. Handgrip strenght and its dialysis determinants in hemodialysis patients. Nutrition. 2011;27(11):1125-9. https:// doi.org/10.1016/j.nut.2010.12.012

Pedruzzi LM, Leal VO, Barros AF, Lobo JC, Mafra D. Fatores relacionados à força de preensão manual de pacientes submetidos à hemodiálise: ênfase na anemia. Nutrire. 2012;37(1):22-33. https:// doi.org/10.4322/nutrire.2012.003

Abensur H. Deficiência de ferro na doença renal crônica. Rev Bras Hematol Hemoter. 2010;32(Suppl 2):95-8. https://doi.org/10.1590/ S1516-84842010005000047

Dantas MAS. Investigação de associações entre força de preensão manual medida por dinamômetro com estado nutricional e a sobrevida de pacientes iniciando hemodiálise de manutenção: estudo PROHEMO. [monografia]. Salvador (BA): Universidade Federal da Bahia; 2014.

Leal VO, Mafra D, Fouque D, Anjos LA. Use of handgrip strength in the assessment of the muscle function of chronic kidney disease patients on dialysis: a systematic review. Nephrol Dial Transplant. 2011;26:1354-60. https://doi.org/10.1093/ndt/gfq487

Roshanravan B, Robinson-Cohen C, Patel KV, Ayers E, Littman AJ, Boer IH, Ikizler TA, Himmelfarb J, Katzel LI, Kestenbaum B, Seliger S. Association between physical performance and all-cause mortality in CKD. J Am Soc Nephrol. 2013;24:822–30. https://doi.org/10.1681/ ASN.2012070702

Schulüssel MM, Anjos LA, Kac G. A dinamometria manual e seu uso

na avaliação nutricional. Rev Nutr Campinas. 2008;21(2):223-35.

https://doi.org/10.1590/s1415-52732008000200009

Najas CS, Pissulin FDM, Pacagnelli FL, Betônico GN, Almeida IC, Neder JA. ¬Segurança e eficácia do treinamento físico na insuficiência renal crônica. Rev Bras Med Esporte. 2009;15(5): 384-8. https://doi.org/10.1590/S1517-86922009000600013

World Health Organization. Global recommendations on physical activity for health [Internet]. Genebra: WHO; 2010 [cited 2015 Maio]. Available from: http://whqlibdoc.who.int/ publications/2010/9789241599979_eng.pdf

Henrique DMN, Reboredo MM, Chaoubah A, Paula RB. Treinamento aeróbico melhora a capacidade funcional de pacientes em hemodiálise crônica. Arq Bras Cardiol. 2010;94(6):823-8. https://doi.org/10.1590/S0066-782X2010005000043

Ribeiro R, Coutinho GL, Iuras A, Barbosa AM, Souza JAC, Diniz DP, Schor N. Efeito do exercício resistido intradialítico em pacientes renais crônicos em hemodiálise. J Bras Nefrol. 2013;35(1):13-9. https://doi.org/10.5935/01012800.20130003

Prado ES, Dantas EHM. Efeitos dos exercícios físicos aeróbio e de força nas lipoproteínas HDL, LDL e lipoproteína (a). Arq Bras Cardiol. 2002;79(4):429-33. https://doi.org/10.1590/S0066-782X 2002001300013

Stringuetta-Belik F, Shiraishi FG, Silva VRO, Barretti P, Caramori JCT, Bôas PJF, Martin LC, Franco RJS. Maior nível de atividade física associa-se a melhor função cognitiva em renais crônicos em hemodiálise. J Bras Nefrol. 2012;34(4):378-86. https://doi.org/10.5935/0101-2800.20120028

Cavalcanti CTA, Araújo JC Filho, Marinho PEM. Nível de atividade física e sintomas depressivos em pacientes submetidos à hemodiálise: um estudo de corte transversal. Fisioter Pesq. 2014;21(2):161-6. https://doi.org/10.1590/1809-2950/49921022014




DOI: http://dx.doi.org/10.15448/1983-652X.2017.1.24114

 

e-ISSN: 1983-652X 

 

Este periódico é membro do COPE (Committee on Publication Ethics) e adere aos seus princípios. http://www.publicationethics.org

***


Exceto onde especificado diferentemente, a matéria publicada neste periódico é licenciada sob forma de uma licença Creative Commons BY-NC 4.0 Internacional

 ***

Políticas Editoriais das Revistas Científicas Brasileiras. Disponibilidade para depósito: Azul.   

 Copyright: © 2006-2019 EDIPUCRS