Unidade de terapia intensiva: significados para pacientes em tratamento

Maria do Carmo Eulálio, Edivan Gonçalves da Silva Júnior, Rafaella Queiroga Souto, Lízie Emanuelle Eulálio Brasileiro

Resumo


Objetivo: O presente estudo teve como objetivo identificar e analisar os sentimentos suscitados por pacientes na Unidade de Terapia Intensiva (UTI), mediante a sua experiência de permanência nessa unidade.
Materiais e Métodos: Trata-se de um estudo qualitativo e descritivo. Participaram 25 pacientes internados em duas UTIs, com idades entre 15 e 85 anos. Entrevistas semiestruturadas foram realizadas e os dados foram submetidos à Análise Temática de Conteúdo.
Resultados: Destacaram-se as categorias: “Polaridade de sentimentos: positivos e negativos” e “Cuidado prestado pela equipe profissional”.
Conclusão: Prevaleceram os sentimentos negativos relacionados principalmente  o medo que esta unidade hospitalar representa. A emergência de sentimentos positivos esteve direcionada à possibilidade de reestabelecimento do estado de saúde. Os cuidados e a atenção desenvolvidos pela equipe de intensivistas foram percebidos pelos pacientes como auxiliares no seu enfrentamento às dificuldades vivenciadas na UTI. Ressalta-se a importância da sensibilidade e da escuta às singularidades dos sujeitos em contato com a UTI.


Palavras-chave


sentimentos; pacientes internados; unidades de terapia intensiva.

Texto completo:

PDF

Referências


Proença MO, Dell Agnolo CM. Internação em unidade de terapia intensiva: percepção de pacientes. Rev Gaúcha Enferm. 2011;32(2):279-286. http://dx.doi.org/10.1590/S1983-14472011000200010

Silveira, RS, Martins CR, Lunardi VL, Vargas MAO, Filho WDL, Avila LI. A dimensão moral do cuidado em terapia intensiva. Cienc Cuid Saude. 2014;13(2):327-34. http://dx.doi.org/10.4025/cienccuidsaude.v13i2.19235

Lemos, RCA, Rossi LA. O significado cultural atribuído ao centro de terapia intensiva por clientes e seus familiares: um elo entre a beira do abismo e a liberdade. Rev Latino-am Enferm. 2002;10(3): 345-57. http://dx.doi.org/1590/S0104-11692002000300009

Lucchesi F, Macedo PCM, De Marco MA. Saúde mental na unidade de terapia intensiva. Rev SBPH. 2008;11(1):19-30. 5. Pina RZ, Lapchinsk LF, Pupulim JSL. Percepção de pacientes sobre o período de internação em unidade de terapia intensiva. Cienc Cuid Saude. 2008;7(4):503-8. http://dx.doi.org/10.4025/cienccuidsaude.v7i4.6658

Rosa BA, Rodrigues RCM, Gallani CBJ, Spane TM, Pereira CGS. Estressores em unidade de terapia intensiva: versão brasileira do The Environmental Stressor Questionnaire. Rev Esc Enferm USP. 2010;44(3):627-35. http://dx.doi.org/10.1590/S0080-62342010000300011

Backes MTS, Erdmann AL, Büscher A. O cuidado intensivo oferecido ao paciente no ambiente de unidade de terapia intensiva. Esc Anna Nery. 2012;16(4):689-96. http://dx.doi.org/10.1590/S1414-81452012000400007

Maestri E, Nascimento ERP, Bertoncello KCG, Martins JJ. Avaliação das estratégias de acolhimento na unidade de terapia intensiva. Rev Esc Enferm USP. 2012;46(1):75-81. http://dx.doi.org/10.1590/S0080-62342012000100010

Backes MTS, Backes DS, Erdamann AL. Relações e internações no ambiente de cuidados em unidade de terapia intensiva. Acta Paul Enferm. 2012;25(5):679-85. http://dx.doi.org/10.1590/S0103-21002012000500006

Barlem ELD, Rosenhein DPN, Lunardi VL, Lunardi Filho WD. Comunicação como instrumento de humanização do cuidado de enfermagem: experiências em unidade de terapia intensiva. Rev Eletr Enf [Internet]. 2008 [cited 2015 Jan 10];10:[8 telas]. Available from: http://www.fen.ufg.br/revista/v10/n4/v10n4a16.htm

Silva FD, Chernicharo IM, Silva RC, Ferreira MA. Discursos de enfermeiros sobre humanização na unidade de terapia intensiva. Esc Anna Nery. 2012;16(4):719-27. http://dx.doi.org/10.1590/S1414-1452012000400011

Rodrigues Jr GR, Amaral JLG. Impacto psicológico da internação na unidade de terapia intensiva. Rev Bras Ter Intensiva. 2001;13(4): 92-98.

Bardin L. Análise de conteúdo. São Paulo: Edições 70; 2011.

Conselho Nacional de Saúde (BR). Resolução nº 466, de 12 de dezembro de 2012. Brasília: CNS; 2012.

Kaplan RI, Sadock BJ, Grebb JA. Compêndio de psiquiatria: ciência do comportamento e psiquiatria clínica. 9th ed. Porto Alegre: Artemed; 2007.

Eulálio MC. A história oral: vetor tempo para pessoas idosas. In: Whitaker DCA, Velôso RMG, organizadoras. Oralidade e subjetividade. Campina Grande: EDUEP; 2005. p. 69-85.

Ribeiro JP. Teorias e técnicas psicoterápicas. Petrópolis: Vozes; 2013.

Czeresnia D, Maciel EMGS, Oviedo RAM. Os sentidos da saúde e da doença. Rio de Janeiro: Editora Fiocruz; 2013.

Silva E, Pedro Mde A, Sogayar AC, Mohovic T, Silva CL, Janiszewski M, Cal RG, de Sousa EF, Abe TP, de Andrade J, de Matos JD, Rezende E, Assunção M, Avezum A, Rocha PC, de Matos GF, Bento AM, Corrêa AD, Vieira PC, Knobel E; Brazilian Sepsis Epidemiological Study (BASES study). Crit Care. 2004;8(4): R251-60. http://dx.doi.org/10.1186/cc2892

Nogueira LS, Koike KM, Sardinha DS, Padilha KG, Sousa RM. Carga de trabalho de enfermagem em unidades de terapia intensiva públicas e privadas. Rev Bras Ter Intensiva. 2013;25(3):225-32. http://dx.doi.org/10.5935/0103-507X.20130039




DOI: http://dx.doi.org/10.15448/1983-652X.2016.3.23990

 

e-ISSN: 1983-652X 

 

Este periódico é membro do COPE (Committee on Publication Ethics) e adere aos seus princípios. http://www.publicationethics.org

***


Exceto onde especificado diferentemente, a matéria publicada neste periódico é licenciada sob forma de uma licença Creative Commons BY-NC 4.0 Internacional

 ***

Políticas Editoriais das Revistas Científicas Brasileiras. Disponibilidade para depósito: Azul.   

 Copyright: © 2006-2019 EDIPUCRS