Programa de alimentação do trabalhador e qualidade nutricional das refeições

Laura Helena Salvetti, Gabriela Possa

Resumo


Objetivo: Avaliar a qualidade das refeições oferecidas em uma Unidade de Alimentação e Nutrição cadastrada no Programa de Alimentação do Trabalhador.
Materiais e Métodos: Do total de cardápios fornecidos, foram selecionados 30% (71 cardápios) por meio de sorteio sistemático. Os mesmos foram avaliados quanto a sua oferta energética e dos nutrientes carboidratos, proteínas, gorduras totais e saturadas, fibra e sódio. Os valores encontrados foram comparados com os parâmetros estabelecidos pelo Programa de Alimentação do Trabalhador.
Resultados: Observou-se inadequação na oferta energética, a qual ficou em média 60 kcal superior ao limite recomendado, e na contribuição energética da proteína (19% vs 15%, este último valor referente à recomendação do Programa de Alimentação do Trabalhador). Em relação à oferta de fibras e sódio, também foram encontrados valores acima da recomendação, no entanto, não foi observado inadequação na oferta de carboidratos, gorduras totais e gorduras saturadas.
Conclusão: No presente estudo, a oferta de macro e micronutrientes mostrou-se inadequada em relação aos parâmetros estabelecidos pelo Programa de Alimentação do Trabalhador.


Palavras-chave


hábitos alimentares; alimentação coletiva; serviços de alimentação

Texto completo:

PDF

Referências


Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Atenção à Saúde. Guia alimentar para a população brasileira: promovendo a alimentação saudável. Brasília: Ministério da Saúde; 2008.

Levy-Costa RB, Sichieri R, Pontes NS, Monteiro CA. Disponibilidade domiciliar de alimentos no Brasil: distribuição e evolução (1974- 2003). Rev Saúde Pub. 2005;39(4):1-10. https://doi.org/10.1590/ s0034-89102005000400003

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Pesquisa de orçamentos familiares 2008-2009: aquisição alimentar domiciliar per capita: Brasil e grandes regiões. Rio de Janeiro: IBGE; 2010.

Associação Brasileira das Empresas de Refeições Coletivas. Mercado Real de Refeições [Internet]. São Paulo: ABERC; 2015 [cited 2015 Set 7]. Available from: http://www.aberc.com.br 5. Ministério do Trabalho e do Emprego (BR). Programa de Alimentação do Trabalhador - PAT [internet]. [cited 2016 Maio 15]. Available from: http://acesso.mte.gov.br/pat/programa-de-alimentacao-dotrabalhador-

pat.htm

Gorgulho BM, Lipi M, Marchioni DML. Qualidade nutricional das refeições servidas em uma unidade de alimentação e nutrição de uma indústria da região metropolitana de São Paulo. Rev Nutr. 2011;24(3):463-72. https://doi.org/10.1590/S1415- 52732011000300009

Núcleo de Estudos e Pesquisas em Alimentação - NEPA, Universidade Estadual de Campinas. Tabela brasileira de composição de alimentos – TACO. 4ª ed. Campinas: NEPA-UNICAMP; 2011.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Pesquisa de orçamentos familiares 2008-2009: Tabelas de composição nutricional dos alimentos consumidos no Brasil. Rio de Janeiro: IBGE; 2011.

Carneiro NS, Moura CMA, Souza SCC. Avaliação do almoço servido em uma unidade de alimentação e nutrição, segundo os critérios do Programa de Alimentação do Trabalhador. Braz J Food Nutr. 2013;24(3):361-5.

Sousa FA, Silva RCO, Fernandes CE. Avaliação nutricional de cardápios em unidades de alimentação e nutrição: Adequação ao Programa de Alimentação do Trabalhador. Veredas-Favip Rev Eletr de Cienc. 2009;2:43-50.

Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Guia alimentar para a população brasileira. 2ª ed. Brasília: Ministério da Saúde; 2014.

Silveira PM, Silva KS, Silva JA, Oliveira ESA, Barros MVG, Nahas MV. Overweight in Brazilian industry workers: Prevalence and association with demographic and socioeconomic factors and soft drink intake. Rev Nutr. 2014;27(4):435-45. https://doi.org/10.1590/1415- 52732014000400005

Lagemann MD, Fassina P. Avaliação da composição nutricional de refeições oferecidas em uma unidade de alimentação e nutrição. Cad Pedagog. 2015;12(1):36-45.

Rocha MP, Matias ACG, Spinelli MGN, Abreu ES. Adequação dos cardápios de uma unidade de alimentação em relação ao programa de alimentação do trabalhador. Rev Univap. 2014;20(35):112-8. https://doi.org/10.18066/revunivap.v20i35.211

Bernaud FSR, Rodrigues TC. Fibra alimentar: ingestão adequada e efeitos sobre a saúde do metabolismo. Arq Bras Endocrinol. 2013;57(6):397-405. https://doi.org/10.1590/S0004-27302013

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Pesquisa de orçamentos familiares 2008-2009: análise do consumo alimentar pessoal no Brasil. Rio de Janeiro: IBGE; 2011.

Dickinson BD, Havas S. Reducing the population burden of cardiovascular disease by reducing sodium intake: a report of the Council on Science and Public Health. Arch Intern Med. 2007;167(14):1460-8. https://doi.org/10.1001/archinte.167.14. 1460

Zhao D, Qi Y, Zheng Z, Wang Y, Zhang XY, Li HJ, Liu HH, Zhang XT, Du J, Liu J. Dietary factors associated with hypertension. Nat Rev Cardiol. 2011;8:456-65. https://doi.org/10.1038/nrcardio. 2011.75 19. He FJ, MacGregor GA. Reducing population salt intake worldwide: from evidence to implementation. Prog Cardiovasc Dis. 2010;52(5):363-82. https://doi.org/10.1016/j.pcad.2009.12.006

He FJ, MacGregor GA. Reducing population salt intake worldwide: from evidence to implementation. Prog Cardiovasc Dis. 2010;52(5):363-82. https://doi.org/10.1016/j.pcad.2009.12.006

Oliveira MM, Malta DC, Santos MAS, Oliveira TP, Nilson EAF, Claro RM. Consumo elevado de sal autorreferido em adultos: dados da Pesquisa Nacional de Saúde, 2013. Epidemiol Serv Saúde. 2015;24(2):249-56. https://doi.org/10.5123/S1679- 49742015000200007

Sarno F, Claro RM, Levy RB, Bandoni DH, Monteiro CA. Estimativa de consumo de sódio pela população brasileira, 2008-2009. Rev Saúde Publ. 2009; 47(3):571-8. https://doi.org/10.1590/S0034- 8910.2013047004418

World Health Organization. Guideline: Sodium intake for adults and children. Geneva: WHO; 2012.

Agência Nacional de Vigilância Sanitária (BR). Guia de Boas Práticas Nutricionais: restaurantes coletivos. Brasília: Ministério da Saúde; 2014.




DOI: http://dx.doi.org/10.15448/1983-652X.2017.1.23634

 

e-ISSN: 1983-652X 

 

Este periódico é membro do COPE (Committee on Publication Ethics) e adere aos seus princípios. http://www.publicationethics.org

***


Exceto onde especificado diferentemente, a matéria publicada neste periódico é licenciada sob forma de uma licença Creative Commons BY-NC 4.0 Internacional

 ***

Políticas Editoriais das Revistas Científicas Brasileiras. Disponibilidade para depósito: Azul.   

 Copyright: © 2006-2019 EDIPUCRS