Uso de medicamentos por homens de uma unidade de saúde da família

Rinaldo Eduardo Machado de Oliveira, Marcela Stabile da Silva Fukui, Tiago Batistella, Jorgete Maria e Silva, Julieta Ueta

Resumo


Objetivo: Caracterizar o uso de medicamentos por homens cadastrados em uma Unidade de Saúde da Família (USF) de Ribeirão Preto, São Paulo. 
Materiais e Métodos: Estudo transversal descritivo com amostra de conveniência composta por 84 homens cadastrados na USF estratificada em faixas etárias: Grupo 1 (G1) – 30 homens com idades de 20 a 39 anos, Grupo 2 (G2) – 13 homens com idades entre 40 e 49 anos, Grupo 3 (G3) – 13 homens com idades entre 50 e 59 anos e Grupo 4 (G4) com 28 homens de idade igual ou superior a 60 anos. Realizou-se entrevista a partir de um questionário semiestruturado com variáveis sociodemográficas, econômicas, clínicas, acesso e utilização dos serviços de saúde, uso de medicamentos e adesão ao tratamento. 
Resultados: Baixa renda e escolaridade foram verificadas predominantemente no G4. Hipertensão Arterial Sistêmica foi à doença autorreferida mais frequente, seguida da hipercolesterolemia e Diabetes Mellitus. Em todos os grupos, a maioria dos entrevistados relatou utilizar a USF e adquirir os medicamentos em Farmácias na Rede Pública de Saúde. Verificou-se boa adesão ao tratamento medicamentoso e concordância entre doenças autorreferidas e medicamentos prescritos. O aumento da idade evidenciou associação com: número de doenças, utilização dos serviços de saúde, utilização da USF e participação no Grupo de Promoção à Saúde do Homem.
Conclusão: A caracterização desta amostra vem contribuir para avanços no conhecimento de aspectos relacionados à
saúde do homem e enfatizar que o uso racional de medicamentos deve ser uma preocupação constante das equipes, gerentes e gestores da saúde.


Palavras-chave


saúde do homem; atenção primária à saúde; uso de medicamentos.

Texto completo:

PDF

Referências


Gomes R, Nascimento EF. A produção do conhecimento da saúde pública sobre a relação homem-saúde: uma revisão bibliográfica. Cad Saúde Pública. 2006;22(5):901-11. http://dx.doi.org/10.1590/S0102-311X2006000500003

Gomes R. Sexualidade masculina e saúde do homem: proposta para uma discussão. Ciênc Saúde Coletiva. 2003;8(3):825-9. http://dx.doi.org/10.1590/S1413-81232003000300017

Schmidt MI, Ducan BB, Silva GA, Menezes AM, Monteiro CA, Barreto SA, Chor D, Menezes PR. Chronic non-communicable diseases in Brazil: burden and current challenges. Lancet. 2011;377(9781):1949-61. http://dx.doi.org/10.1016/S0140-6736(11)60135-9

Stevens A, Schmidt MI, Ducan BB. Desigualdades de gênero na mortalidade por doenças crônicas não transmissíveis no Brasil. Ciênc Saúde Coletiva. 2012;17(10):2627-34. http://dx.doi.org/10.1590/S1413-81232012001000012

Gomes R, Nascimento EF, Araujo FC de. Por que os homens buscam menos os serviços de saúde do que as mulheres? As explicações de homens com baixa escolaridade e homens com ensino superior. Cad Saúde Pública. 2007;23(3):565-74. http://dx.doi.org/10.1590/S0102-311X2007000300015

Ministério da Saúde (BR). Gabinete do Ministro. Portaria Nº 1.944, de 27 de agosto de 2009. Institui no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS), a Política Nacional de Atenção Integral à Saúde do Homem. DOU. 2009 Aug 27.

Figueiredo WS. Assistência à saúde dos homens: um desafio para os serviços de atenção primária. Ciênc Saúde Coletiva. 2005;10(1): 105-9. http://dx.doi.org/10.1590/S1413-81232005000100017

Melo DO, Ribeiro E, Storpirtis S. A importância dos estudos de utilização de medicamentos. Rev Bras Ciênc Farm. 2006;42(4): 475-85. http://dx.doi.org/10.1590/S1516-93322006000400002

Leite SN, Vieira M, Veber AP. Estudos de utilização de medicamentos: uma síntese de artigos publicados no Brasil e na América Latina. Ciênc Saúde Coletiva. 2008;13:793-802. http://dx.doi.org/10.1590/S1413-81232008000700029

Morisky DE, Green, LW, Levine, DM. Concurrent and predictive validity of a self-reported measure of medication adherence. Med Care. 1986;24(1):67-74. http://dx.doi.org/10.1097/00005650-198601000-00007

Organização Mundial da Saúde. Classificação estatística internacional de doenças e problemas relacionados à saúde, 10a revisão. São Paulo: Centro Colaborador da OMS para a Classificação de Doenças em Português; 1995.

World Health Organization. Collaborating Centre for Drug Statistics Methodologhy. Guideline for ATC classification end DDD assignment. Oslo: WHO; 2000.

Pagano M, Gauvreau K. Princípios de bioestatística. São Paulo: Pioneira Thomson Learnin; 2004.

Mastroeni MG, Erzinger GS, Mastroeni SSBS, Silva NN, Marucci MFN. Perfil demográfico de idosos da cidade de Joinville, Santa Catarina: estudo de base domiciliar. Rev Bras Epidemiol. 2007;10:190-201. http://dx.doi.org/10.1590/S1415-790X2007000200007

Balestre KCE, Teixeira JJV, Crozatti MTL, Cano FG, Gunther LSA. Relato de um Seguimento farmacoterapêutico de pacientes portadores de diabetes do Programa Saúde da Família de Atalaia, Paraná. Rev Ciênc Farm Básica Apl. 2007;28(2):203-8.

Polisello C, Oliveira CM de, Pavan M, Goraveb R. Percepções de homens idosos sobre saúde e os serviços primários de saúde. Rev Bras Med Fam Comunidade. 2014;9(33):323-35. http://dx.doi.org/10.5712/rbmfc9(33)797

Loyola Filho AI, Uchoa E, Lima-Costa MF. Estudo epidemiológico de base populacional sobre uso de medicamentos entre idosos na Região Metropolitana de Belo Horizonte, Minas Gerais, Brasil. Cad Saude Publica. 2006;22(12):2657-67. http://dx.doi.org/10.1590/S0102-311X2006001200015

Pinheiro SP. Gênero, morbidade, acesso e utilização de serviços de saúde no Brasil. Ciênc Saúde Coletiva. 2002;7(4):687-707. http://dx.doi.org/10.1590/S1413-81232002000400007

Lima Junior EA, Lima HS. Promoção da saúde masculina na Atenção Básica. Pesq Foco. 2009;17(2):32-41.

Laurenti R, Jorge MHPM, Gotlieb SLD. Perfil epidemiológico da morbi-mortalidade masculina. Ciênc Saúde Coletiva. 2005;10(1): 35-46. http://dx.doi.org/10.1590/S1413-81232005000100010

Santos-Pinto CDB, Costa NR, Osorio-de-Castro CGS. Quem acessa o Programa Farmácia Popular do Brasil? Aspectos do fornecimento público de medicamentos. Ciênc Saúde Coletiva. 2001;16(6): 2963-73. http://dx.doi.org/10.1590/S1413-81232011000600034

Averina M, Nilssen O, Brenn T, Brox J, Arkhipovsky VL, Kalinin AG. Social and lifestyle determinants of depression, anxiety, sleeping disorders and self-valuated quality of life in Russia. Soc Psychiatry Psychiatr Epidemiol. 2005;40(7):511-8. http://dx.doi.org/10.1007/s00127-005-0918-x

Schraiber LB, Gomes R, Couto MT. Homens e saúde na pauta da Saúde Coletiva.iva. Ciênc Saúde Coletiva. 2005;10(1):1-20. http://dx.doi.org/10.1590/S1413-81232005000100002

Flores LM, Mengue SS. Uso de medicamentos por idosos em uma região do sul do Brasil. Rev Saúde Pública. 2005;39(6):924-9. http://dx.doi.org/10.1590/S0034-89102005000600009

World Health Organization. Adherence to long-term therapies: evidence for action. Geneva: WHO; 2003.

Remondi FA, Oda S, Cabrera MASC. Não adesão à terapia medicamentosa: da teoria a prática cínica. Rev Ciênc Farm Básica Apl. 2014;35 (2):177-85.




DOI: http://dx.doi.org/10.15448/1983-652X.2016.2.22845

 

e-ISSN: 1983-652X 

 

Este periódico é membro do COPE (Committee on Publication Ethics) e adere aos seus princípios. http://www.publicationethics.org

***


Exceto onde especificado diferentemente, a matéria publicada neste periódico é licenciada sob forma de uma licença Creative Commons BY-NC 4.0 Internacional

 ***

Políticas Editoriais das Revistas Científicas Brasileiras. Disponibilidade para depósito: Azul.   

 Copyright: © 2006-2019 EDIPUCRS