Qualidade de vida em homens usuários de Unidade de Saúde da Família

Luiz Gustavo Silva Souza, Ana Claudia Ferreira Sanches, Alexsandro Luiz de Andrade

Resumo


Introdução: A crescente importância da Atenção Primária à Saúde (APS) e da promoção da saúde, no Brasil, tem colocado em evidência o tópico da qualidade de vida de usuários do Sistema Único de Saúde (SUS). 
Objetivo: Correlacionar a qualidade de vida (QV) de homens de classe popular, usuários de Unidade de Saúde da Família (USF), com variáveis sociodemográficas.
Materiais e Métodos: Estudo transversal analítico. Participaram 300 homens, usuários de uma USF do município de Vitória, ES. Eles responderam ao WHOQOL-BREF, aplicado como entrevista individual, e a um questionário sociodemográfico. Os dados foram analisados com teste t, ANOVA, ANCOVA e coeficiente de correlação de Pearson.
Resultados: Os usuários que estavam trabalhando obtiveram escores maiores do que aqueles que não estavam trabalhando nos domínios de QV: global (t=1,98; p=0,04), físico (t=4,88; p<0,001), psicológico (t=2,46; p=0,01) e social (t=2,89; p=0,004). A idade apresentou correlação negativa com os domínios de QV: global (r=-0,11; p<0,05), físico (r=-0,22; p<0,01), psicológico (r=-0,12; p<0,05) e social (r=-0,15; p<0,01). A renda apresentou correlação positiva com todos os domínios de QV: global (r=0,19; p<0,01), físico (r=0,22; p<0,01), psicológico (r=0,14; p<0,05), social (r=0,16; p<0,01) e ambiental (r=0,32; p<0,01). A escolaridade apresentou correlação positiva com os domínios físico (r=0,13; p<0,05), social (r=0,15, p<0,01) e ambiental (r=0,19; p<0,01).
Conclusão: Foi identificada relação de maiores níveis percebidos de QV em homens de classe popular que tinham trabalho, menor idade e maior escolaridade e renda.


Palavras-chave


qualidade de vida; saúde do homem; atenção primária à saúde.

Texto completo:

PDF

Referências


Ministério da Saúde (BR). Política Nacional de Atenção Básica. Brasília: Ministério da Saúde; 2012.

Fertonani HP, Pires DEP, Biff D, Scherer MDA. Modelo assistencial em saúde: conceitos e desafios para a atenção básica brasileira. Ciênc Saúde Coletiva. 2015;20:1869-78. http://dx.doi.org/10.1590/1413-81232015206.13272014

Seidl EM, Zannon CMLC. Qualidade de vida e saúde: aspectos conceituais e metodológicos. Cad Saúde Pública. 2004;20:580-88. http://dx.doi.org/10.1590/S0102-311X2004000200027

Whoqol Group. The World Health Organization Quality of Life Assessment (WHOQOL): position paper from the World Health Organization. Soc Sci Med. 1995;41(10):1403-9. http://dx.doi.org/10.1016/0277-9536(95)00112-K

Fleck MPA, Louzada S, Xavier M, Chachamovich E, Vieira G, Santos L, Pinzon V. Aplicação da versão em português do instrumento abreviado de avaliação da qualidade de vida “WHOQOL-bref. Rev Saúde Pública. 2000;34:178-83. http://dx.doi.org/10.1590/S0034-89102000000200012

Blay SL, Marchesoni MSM. Association among physical, psychiatric and socioeconomic conditions and WHOQOL-Bref scores. Cad Saúde Pública. 2011;27:677-86.

Azevedo ALS, Silva RA, Tomasi E, Quevedo LA. Doenças crônicas e qualidade de vida na atenção primária à saúde. Cad Saúde Pública. 2013;29:1774-82. http://dx.doi.org/10.1590/S0102-311X2013001300017

Guedes KD, Guedes HM. Qualidade de vida do paciente portador de insuficiência renal crônica. Ciênc. Saúde (Porto Alegre). 2012;5(1):48-53.

Lara CR, Santos FAOG, Silva TJ, Camelier FWR. Qualidade de vida de pacientes renais crônicos submetidos à fisioterapia na hemodiálise. Ciênc. Saúde (Porto Alegre). 2013;6(3):163-71.

Alexandre TS, Cordeiro RC, Ramos LR. Factors associated to quality of life in active elderly. Rev Saúde Pública. 2009;43:613-21. http://dx.doi.org/10.1590/S0034-89102009005000030

Ministério da Saúde (BR). Política Nacional de Atenção Integral à Saúde do Homem. Brasília: Ministério da Saúde; 2008.

Courtenay, WH. Engendering health: A social constructionist examination of men’s health beliefs and behaviors. Psychol Men Masc. 2000;1:4-15. http://dx.doi.org/10.1037/1524-9220.1.1.4

Schraiber LB, Figueiredo WS, Gomes R, Couto MT, Pinheiro TF, Machin R, Silva GSN, Valença O. Necessidades de saúde e masculinidades: atenção primária no cuidado aos homens. Cad Saúde Pública. 2010;26:961-70. http://dx.doi.org/10.1590/S0102-311X2010000500018

Associação Brasileira de Empresas de Pesquisa. Critério de classificação econômica Brasil [Internet]. [acesso em 2015 jul. 21]. Disponível em: http://www.abep.org/criterio-brasil

Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento, Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada, Fundação João Pinheiro. Atlas do Desenvolvimento Humano no Brasil [Internet]. [acesso em 2015 jul. 22]. Disponível em: http://www.atlasbrasil.org.br/2013/pt/

Piccinini CA, Silva MR, Gonçalves TR, Lopes RCS, Tudge J. Envolvimento paterno aos três meses de vida do bebê. Psic Teor Pesq. 2012; 28:303-14. http://dx.doi.org/10.1590/S0102-37722012000300006

Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada. Gastos com a política social: alavanca para o crescimento com distribuição de renda. Comunicado [Internet]. 2011(75). [acesso em 2015 jul. 22]. Disponível em: http://www.ipea.gov.br/agencia/images/stories/PDFs/comunicado/110203_comunicadoipea75_apresentacao.pdf

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Censo Demográfico 2010. Rio de Janeiro: IBGE; 2012.

Mariano, R. Expansão pentecostal no Brasil: o caso da Igreja Universal. Estud Av. 2004;18:121-38. http://dx.doi.org/10.1590/S0103-40142004000300010

Pucci G, Reis RS, Rech CR, Hallal PC. Quality of life and physical activity among adults: population-based study in Brazilian adults. Qual Life Res. 2012;21(9):1537-43. http://dx.doi.org/10.1007/s11136-011-0083-5

Campolina AG, Pinheiro MM, Ciconelli RM, Ferraz MB. Quality of life among the Brazilian adult population using the generic SF-8 questionnaire. Cad Saúde Pública. 2011;27:1121-31. http://dx.doi.org/10.1590/S0102-311X2011000600009

Bauman Z. O mal-estar da pós-modernidade. Rio de Janeiro: Jorge Zahar; 1998.

Caron E, Lefèvre F, Lefèvre AMC. Afinal, somos ou não somos uma sociedade de consumo? Consequências para a saúde. Ciênc Saúde Coletiva. 2015;20:145-53. http://dx.doi.org/10.1590/1413-81232014201.18812013

Veloz MCT, Nascimento-Schulze CM, Camargo BV. Representações sociais do envelhecimento. Psicol Reflex Crít. 1999; 12:479-501. http://dx.doi.org/10.1590/S0102-79721999000200015

Guerra ACLC, Caldas CP. Dificuldades e recompensas no processo de envelhecimento: a percepção do sujeito idoso. Ciênc Saúde Coletiva. 2010;15:2031-40. http://dx.doi.org/10.1590/S1413-81232010000600031

Tahan-Santos E, Cardoso CL. Experiências de participantes em um Grupo de Promoção de Saúde na Estratégia Saúde da Família. Psico. 2008;39:410-17.

Tahan J, Carvalho ACD. Reflexões de idosos participantes de grupos de promoção de saúde acerca do envelhecimento e da qualidade de vida. Saúde Soc. 2010;19:878-88. http://dx.doi.org/10.1590/S0104-12902010000400014

Souza LGS. Profissionais de Saúde da Família e representações sociais do alcoolismo [Tese de Doutorado]. Vitória (ES): Universidade Federal do Espírito Santo; 2012.




DOI: http://dx.doi.org/10.15448/1983-652X.2016.2.22031

 

e-ISSN: 1983-652X 

 

Este periódico é membro do COPE (Committee on Publication Ethics) e adere aos seus princípios. http://www.publicationethics.org

***


Exceto onde especificado diferentemente, a matéria publicada neste periódico é licenciada sob forma de uma licença Creative Commons BY-NC 4.0 Internacional

 ***

Políticas Editoriais das Revistas Científicas Brasileiras. Disponibilidade para depósito: Azul.   

 Copyright: © 2006-2019 EDIPUCRS