Condições de saúde e utilização de um serviço de atenção primária em pacientes hipertensos e/ou diabéticos

Sara Bortoluz, Lena Azeredo de Lima, Fúlvio Borges Nedel

Resumo


Objetivos: Caracterizar condições sociodemográficas e de saúde, hábitos, uso e percepção da qualidade dos serviços de saúde dos hipertensos e/ou diabéticos usuários do Serviço de Saúde Comunitária do Grupo Hospitalar Conceição. 
Materiais e Métodos: Análise univariada transversal do perfil sociodemográfico, fatores de risco para doenças cardiovasculares, percepção de saúde, utilização e satisfação com o serviço de saúde de uma amostra aleatória de pessoas com hipertensão e/ou diabetes acompanhados pelo Serviço de Saúde  omunitária do Grupo Hospitalar Conceição, que responderam a um questionário estruturado com perguntas fechadas, aplicado em entrevista domiciliar por entrevistadores treinados.
Resultados: Dos 2.482 analisados, 67% eram apenas hipertensos, 6% apenas diabéticos e 27% apresentavam as duas condições. Eram em maioria mulheres (68%), idosos (60%), com escolaridade até o ensino fundamental completo (78%) e grande parte considerou sua saúde regular (42%) ou boa (41%), sendo que 11% consideraram ruim. Quanto aos fatores de risco, 15% eram fumantes, 30% apresentavam alimentação inadequada, metade eram sedentários e 70% apresentavam excesso de peso, sendo 31% obesos. Mais de 63% consultou com o médico pelo menos uma vez nos últimos seis meses, mas acompanhamento regular por outros profissionais ou a participação em grupos é baixa.
Conclusão: Conclui-se que o cuidado com os fatores de risco relacionados com estilo de vida pode ser intensificado, através da melhor utilização dos recursos da unidade de saúde, como participação em grupos, visitas domiciliares e consultas com os enfermeiros e dentistas.


Palavras-chave


doença crônica; acesso aos serviços de saúde; satisfação do paciente; atenção primária à saúde.

Texto completo:

PDF

Referências


World Health Organization. World Health Statistics 2012 [Internet]. Geneva: WHO; 2012 [cited 2016]. p. Available from: http://apps.who.int/iris/bitstream/10665/44844/1/9789241564441_eng.pdf

Freitas LRS, Garcia LP. Evolução da prevalência do diabetes e deste associado à hipertensão arterial no Brasil: análise da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios, 1998, 2003 e 2008. Epidemiol Serv Saúde. 2012;21(1):7–19. http://dx.doi.org/10.5123/S1679-49742012000100002

Rocha-Brischiliari SC, Agnolo CMD, Gravena AAF, Lopes TCR, Carvalho MD de B, Pelloso SM. Doenças Crônicas não Transmissíveis e associação com fatores de risco. Rev Bras Cardiol. 2014;27(1): 531-8.

Oliveira-Campos M, Rodrigues-Neto JF, Silveira MF, Neves DMR, Vilhena JM, Oliveira JF, Magalhães JC, Drumond D. Impacto dos fatores de risco para doenças crônicas não transmissíveis na qualidade de vida. Cien Saude Colet. 2013;18(3):873-82. http://dx.doi.org/10.1590/S1413-1232013000800033

Schmidt MI, Duncan BB, Hoffmann JF, Moura L de, Malta DC, Carvalho RMSV. Prevalência de diabetes e hipertensão no Brasil baseada em inquérito de morbidade auto-referida, Brasil, 2006. Rev Saude Publica. 2009;43(Supl 2):74-82. http://dx.doi.org/10.1590/S0034-9102009000900010

Sociedade Brasileira de Diabetes. Diretrizes da Sociedade Brasileira de Diabetes 2013-2014 [Internet]. São Paulo: AC Farmacêutica; 2014 [cited 2016]. Available from: http://www.nutritotal.com.br/diretrizes/files/342--diretrizessbd.pdf

Moraes AS, Freitas ICM, Gimeno SGA, Mondini L. Prevalência de diabetes mellitus e identificação de fatores associados em adultos residentes em área urbana de Ribeirão Preto, São Paulo, Brasil, 2006: Projeto OBEDIARP. Cad Saúde Pública. 2010;26(5):929-41. http://dx.doi.org/10.1590/S0102-311X2010000500015

Sociedade Brasileira de Cardiologia. Departamento de Hipertensão Arterial. VI Diretrizes Brasileiras de Hipertensão. Rev Bras Hipertens. 2010;17(1):69.

Gerais FDM, Ho rizonte-mg B, Assis TD, Barreto SM. Hipertensão arterial no Brasil : estimativa de prevalência a partir de estudos de base populacional. Epidemiol Serv Saúde. 2006;15(1):35-45.

Moura EC, Silva SA da, Malta DC, Neto OLM. Fatores de risco e proteção para doenças crônicas: vigilância por meio de inquérito telefônico, VIGITEL, Brasil, 2007. Cad Saude Publica. 2011;27(3):486-96. http://dx.doi.org/10.1590/S0102-311X2011000300009

Capilheira MF, Santos IS, Azevedo Jr. MR, Reichert FF. Risk factors for chronic non-communicable diseases and the CARMEN Initiative : a population-based study in the South of Brazil. Cad Saúde Pública. 2008;24(12):2767-74. http://dx.doi.org/10.1590/S0102-311X2008001200005

Starfield B. Atenção primária equilíbrio entre necessidades de saúde, serviços e tecnologia. Brasília: Ministério da Saúde; 2002.

Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Análise de Situação de Saúde. Coordenação Geral de Doenças e Agravos Não Transmissíveis. Plano de Ações Estratégicas para o Enfrentamento das Doenças Crônicas Não Transmissíveis (DCNT) no Brasil 2011-2022 [Internet]. Brasília, DF: Ministério da Saúde; 2011 [cited 2016]. Available from: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/plano_acoes_enfrent_dcnt_2011.pdf

Ramos DD, Lima MADS. Acesso e acolhimento aos usuários em uma unidade de saúde de Porto Alegre, Rio Grande do Sul, Brasil. Cad Saúde Pública. 2003;19(1):27-34. http://dx.doi.org/10.1590/S0102-11X2003000100004

Ministério da Saúde (BR). Guia alimentar: como ter uma alimentação saudável [Internet]. Brasília, DF: Ministério da Saúde; 2006 [cited 2016]. Available from: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/guia_alimentar_populacao_brasileira_2008.

Shayesta D, Jacek K. The CAGE questionnaire for alcohol misuse: A review of reliability and validity studies. Clin Invest Med. 2007;30(1):33-41.

Benedetti TRB, Antunes PC, Rodriguez-Anez CR, Mazo GZ, Petrosk EL. Reprodutibilidade e validade do Questionário Internacional de Atividade Física (IPAQ) em homens idosos. Rev Bras Med Esporte. 2007;13:1. http://dx.doi.org/10.1590/S1517-86922007000100004

World Health Organization. Obesity: preventing and managing the global epidemic. Report of a World Health Organization Consultation. Geneva: WHO; 2000. WHO Obesity Technical Report Series, nº 284.

Barros ACM, Rocha MB, Helena ETIS. Adesão ao tratamento e satisfação com o serviço entre pessoas com diabetes mellitus atendidas no PSF em Blumenau, Santa Catarina. ACM Arq Catarin Med. 2006;37(1):54-62.

Paiva DCP de, Bersusa AAS, Escuder MML. Avaliação da assistência ao paciente com diabetes e/ou hipertensão pelo Programa Saúde da Família do Município de Francisco Morato, São Paulo, Brasil. Cad Saude Publica. 2006;22(2):377-85. http://dx.doi.org/10.1590/S0102-311X2006000200015

Zils AA, Castro RCL de, Oliveira MMC de, Harzheim E, Duncan BB. Satisfação dos usuários da rede de Atenção Primária de Porto Alegre. Rev Bras Med Fam Com. 2009;4(16):270-6. http://dx.doi.org/10.5712/rbmfc4(16)233

Lima LM de, Schwartz E, Muniz RM, Zillmer JGV, Ludtke I. Perfil dos usuários do hiperdia de três unidades báscias de saude do sul do Brasil. Rev Gaúcha Enferm. 2011;32(2):323-9. http://dx.doi.org/10.1590/S1983-14472011000200016

Pereira JN, Lucio LM, Silva TC. Avaliação da assistência prestada ao paciente com diabetes mellitus tipo 2, pela Estratégia Saude da Família no 6, da cidade do Paranoá-DF, Brasil. Rev APS. 2013;16(4):350-6.

Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Cadernos de Atenção Básica Estratégias para o cuidado da pessoa com doença crônica Diabetes Mellitus [Internet]. Brasília, DF: Ministério da Saúde; 2013 [cited 2016]. Available from: http://189.28.128.100/dab/docs/portaldab/publicacoes/caderno_36.pdf

Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Análise de Situação de Saúde. Saúde Brasil 2011 Uma análise da situação de saúde e a vigilância da saúde da mulher [Internet]. Brasília, DF: Ministério da Saúde; 2012 [cited 2016]. Available from: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/saude_brasil_2011.pdf

Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Cadernos de Atenção Básica Estrtatégias para o cuidado da pessoa com doença crônica Hipertensão Arterial Sistêmica [Internet]. Brasília, DF: Ministério da Saúde; 2013 [cited 2016]. Available from: http://189.28.128.100/dab/docs/portaldab/publicacoes/caderno_37.pdf

Azevedo ALS, Silva RA, Tomasi E, Quevedo L Á. Doenças crônicas e qualidade de vida na atenção primária à saúde. Cad Saúde Pública. 2013;29(9):1774-82. http://dx.doi.org/10.1590/S0102-311X2013001300017

Almeida MF, Barata RB, Montero CV, Silva ZP. Prevalência de doenças crônicas auto-referidas e utilização de serviços de saúde, PNAD / 1998, Brasil. Ciênc Saúde Colet. 2002;7(4):743-56. http://dx.doi.org/10.1590/s1413-81232002000400011

Pérez-cuevas R, Morales HR, Doubova SV, Arias MZ, Rodríguez GD, Valdovinos AP, Hernández OM. Atención integral de pacientes diabéticos e hipertensos con participación de enfermeras en medicina familiar. Rev Panam Salud Públ. 2009;26(6):511-7. http://dx.doi.org/10.1590/S1020-

Guandalini VR. Estratégia Saúde da Família: avaliação dos cuidados em saúde e nutrição aos adultos diabéticos e hipertensos, Matão/SP [tese]. São Paulo: UNESP; 2013.

Jardim ADI, Leal AMO. Qualidade da informação sobre diabéticos e hipertensos registrada no Sistema HIPERDIA em São Carlos - SP, 2002-2005. Physis Rev Saúde Colet. 2009;2(19):2002-5. http://dx.doi.org/10.1590/s0103-73312009000200009

Agostinho MR, Oliveira MC, Pinto MEB, Balardin GU, Harzheim E. Autopercepção da saúde entre usuários da Atenção Primária em Porto Alegre, RS. Rev Bras Med Fam Comunidade. 2010;5(51):9-15. http://dx.doi.org/10.5712/rbmfc5(17)175

Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Vigilância em Saúde. Vigitel Brasil 2013. Vigilância de Fatores de Risco e Proteção para Doenças Crônicas por Inquérito Telefônico [Internet]. Brasília, DF: Ministério da Saúde; 2014. [cited 2016]. Available from: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/vigitel_brasil_2013.pdf

Miranzi S de SC, Ferreira FS, Iwamoto HH, Pereira G de A, Miranzi MAS. Qualidade de vida de indivíduos com diabetes mellitus e hipertensão acompanhados por uma equipe de saúde da família. Texto Contexto Enferm. 2008;17(4):672-9. http://dx.doi.org/10.1590/s0104-7072008000400007

Souto CO, Silbermann CD, Aita GL, Benvegnu LA. Avaliação da assistência a diabéticos e ou hipertensos em uma unidade de Atenção Primária à Saúde. Rev Bras Med Fam Comunidade. 2009;4(16):260-9. http://dx.doi.org/10.5712/rbmfc4(16)232

Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Cadernos de Atenção Básica Estratégias para o cuidado da pessoa com doença crônica [Internet]. Brasília, DF: Ministério da Saúde; 2014 [cited 2016]. Available from: http://189.28.128.100/dab/docs/portaldab/publicacoes/caderno_35.pdf

Lima LA de, Nedel FB, Olinto MTA, Baldisserotto J. Food habits of hypertensive and diabetics cared for in a Primary Health Care Service in the South of Brazil. Rev Nutr. 2015;28(2):197-206. http://dx.doi.org/10.1590/1415-52732015000200008

Ferreira SRS, Bianchini IM, Flores R. A Organização do cuidado às pessoas com hipertensão arterial sistêmica em Serviços de Atenção Primária à Saúde. Porto Alegre: Grupo Hospitalar Conceição; 2011.

Ferreira SRS, Bianchini IM, Flores R. A organização do cuidado às Pessoas com diabetes mellitus tipo 2, em Serviços de Atenção Primária à Saúde. Porto Alegre: Grupo Hospitalar Conceição; 2011.

Mendes EV. As redes de atenção à saúde [Internet]. 2ª ed. Brasília, DF: Organização Pan-Americana da Saúde; 2011 [cited 2016]. Available from: http://apsredes.org/site2012/wp-content/uploads/2012/03/Redes-de-Atencao-mendes2.pdf

Franzen E, Almeida MA, Aliti G, Bercini RR, Menegon DB, Rabelo ER. Adultos e idosos com doenças crônicas: implicações para o cuidado de enfermagem. Rev HCPA. 2007;27(2):28-31.

Souza MF, Figueiredo LA, Pinto IC. Análise da utilização do serviço de pronto-socorro na percepção do usuário. Cienc Cuid Saude. 2010;9(1):13-20. http://dx.doi.org/10.4025/cienccuidsaude. v9i1.5242

Terra BG, Goulart RR, Bavaresco CS. O Cuidado odontológico do paciente portador de diabetes mellitus tipo 1 e 2 na atenção primária à saúde. Rev APS. 2011;14(2):149-61.

Mendes EV. O cuidado das condições crônicas na atenção primária à saúde: o imperativo da consolidação da estratégia da saúde da família [Internet]. Brasília, DF: Organização Pan-Americana da Saúde; 2012 [cited 2016]. Available from: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/cuidado_condicoes_atencao_primaria_saude.pdf

Cunha MS, Sá MC. A visita domiciliar na Estratégia de Saúde da Família: os desafios de se mover no território. Interface (Botucatu). 2013;17(44):61-73. http://dx.doi.org/10.1590/S1414-32832013000100006

Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Política Nacional de Atenção Básica [Internet]. Brasília, DF: Ministério da Saúde; 2012. Available from: http://189.28.128.100/dab/docs/publicacoes/geral/pnab.pdf

Cotta RMM, Marques ES, Maia TM, Azeredo CM, Schott M, Franceschini SC, Priore SE. A satisfação dos usuários do Programa de Saúde da Família : avaliando o cuidado em saúde. Sci Med (Porto Alegre). 2005;15(4):227-34.




DOI: http://dx.doi.org/10.15448/1983-652X.2016.3.22009

 

e-ISSN: 1983-652X 

 

Este periódico é membro do COPE (Committee on Publication Ethics) e adere aos seus princípios. http://www.publicationethics.org

***


Exceto onde especificado diferentemente, a matéria publicada neste periódico é licenciada sob forma de uma licença Creative Commons BY-NC 4.0 Internacional

 ***

Políticas Editoriais das Revistas Científicas Brasileiras. Disponibilidade para depósito: Azul.   

 Copyright: © 2006-2019 EDIPUCRS