Projeto InterAÇÃO: opiniões de alunos participantes

Valéria Lamb Corbellini, Inês Amaro da Silva, Alexander Sapiro, Denis Marcelo C Dockhorn, João Carlos Santana, Leunice Martins Oliveira, Eduardo Cristiano Hass Silva, Angélica Ribeiro Freitas, Jéssika Cefrin Pinto

Resumo


Introdução: No processo de inovação curricular, os currículos de muitos cursos da PUCRS, à luz das Diretrizes Curriculares Nacionais, contam hoje com disciplinas que desenvolvem estágios, práticas assistidas, atividades complementares e de extensão comunitária fora do Campus da Universidade. No sentido de aprimorar e estimular a participação dos estudantes nas atividades de aprendizagem que envolve a inserção dos mesmos, em comunidades com vulnerabilidade social, e considerando esta uma estratégia de formação que busca integrar a formação técnica com a formação humana e cidadã, criou-se o Projeto InterAÇÃO.
Objetivo: Colher informações sobre o projeto InterAÇÃO com alunos que realizaram as oficinas, no que tange ao desenvolvimento de habilidades voltadas à dimensão social e comunitária. 
Materiais e Métodos: Estudo descritivo, com abordagem qualitativa. Os participantes do estudo foram os alunos da PUCRS que participaram das oficinas o projeto InterAÇÃO, no 2º semestre de 2011 e 1º semestre de 2012. O número total de participantes foi de 173 alunos, de diferentes Áreas da Saúde, sendo las: Enfermagem, Serviço Social, Farmácia, Odontologia, Medicina, Nutrição, Fisioterapia, Educação Física e Psicologia. A coleta de dados foi feita por meio de um instrumento, com questões fechadas e abertas e os dados analisados pelo método de análise temática de Minayo.
Resultados: Emergiram quatro temáticas: Temores/desafios encontrados na relação com a comunidade/Instituição; Interação e construção de vínculos; Descobertas nos encontros/convívios com a comunidade/Instituição e competências/habilidades necessárias para desenvolver a prática na comunidade.
Conclusão: Destaca-se que o Projeto InterAÇÃO tem se constituído como um espaço relevante para o amadurecimento de um modelo de Educação Socialmente Responsável na Universidade, propiciando ao aluno criar significado “construtivo” na sua formação pessoal, profissional e como cidadão.


Palavras-chave


interação; comunidade; responsabilidade social; vulnerabilidade social.

Texto completo:

PDF

Referências


Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul. Projeto pedagógico institucional. Porto Alegre: EDIPUCRS; 2007.

llansana LS, Barrio JJM, Pujol JME. O educador marista: sua identidade, seu estilo educativo. Porto Alegre: EDIPUCRS; 2013.

Oliveira M, Dalla Rosa M, Silva IA. Um olhar sobre a responsabilidade social nas IES comunitárias. In: Nunes AK, organizador. Universidade comunitária e avaliação: os quinze anos do PAIUNG. Santa Cruz do Sul: UNISC; 2009.

Wagenberg A. A urgência da responsabilidade social universitária. Rev ABMES 2006;24,(36):35-55.

Vallaeys F. O que significa responsabilidade social universitária? Rev ABMES. 2006;24,(36):27-34

Silva IA. Responsabilidade social e sustentabilidade na universidade: a elaboração de políticas institucionais como estratégia. In: Anais do II Congresso Acadêmico do BAWB – Global Fórum America Latina. Curitiba; 2009.

Minayo MC. O Desafio do Conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. 7 ed. São Paulo: Hucitec; 2000.

Bauman, Z. A Sociedade Individualizada: vidas contadas e histórias vividas. Rio de Janeiro, Zahar; 2008.

Scherer ZAP, Scherer EA, Carvalho AMP. Reflexões sobre o ensino da enfermagem e os primeiros contatos do aluno com a profissão. Rev Lat Am Enfermagem. 2006;14(2):285-91. http://dx.doi.org/10.1590/S0104-11692006000200020

Souza MHN, Paz EPA, Griep RH, Sousa AI, Silva LL, Paixão AR. Experiências de ensino-aprendizagem de estudantes de enfermagem em uma comunidade do município do Rio de Janeiro. Esc Anna Nery Rev Enferm. 2006;10(2):251-7. http://dx.doi.org/10.1590/S1414-81452006000200012

Ferreira RC, Silva RF, Zanolli MB, Varga CRR. Relações éticas na Atenção Básica em Saúde: a vivência dos estudantes de medicina. Ciênc Saúde Coletiva. 2009;14 Suppl 1:1533-40. http://dx.doi.org/10.1590/S1413-81232009000800027

Riscal SA. A realidade social e os desafios para a pesquisa em educação. Psicol Educ. 2010;(31):45-52.

Holanda AB. Míni dicionário Aurélio da língua portuguesa: nova ortografia. 8ª ed. Curitiba: Positivo; 2010.

Vygotsky LS. A Formação social da mente. São Paulo: Martins Fontes; 1989.

Pupulin ART, Guilherme ALF, Araújo SMA, Falavigna DLM, Dias ML, Oliveira NLB, Oliveira RM. Envolvimento de acadêmicos em programa integrado visando a melhoria nas condições de vida de comunidades. Acta Sci. 2001;23(3):725-9.

Fagundes NC, Burnham TF. Discutindo a relação entre espaço e aprendizagem na formação de profissionais de saúde. Interface. 2005;9(16):105-14. http://dx.doi.org/10.1590/s1414-32832005000100009

Freire P, Shor I. Medo e ousadia: o cotidiano do professor. São Paulo: Paz e Terra; 1996.

Demo P. Habilidades e competências no século XXI. Porto Alegre: Mediação; 2010.

Perrenoud P. Construir as competências desde a escola. Porto Alegre: Artes Médicas; 1999.

Morin E. Os Sete Saberes Necessários à Educação do Futuro. São Paulo: Cortez; 2006.

Silva MJP. Comunicação tem remédio: a comunicação nas relações interpessoais em saúde. São Paulo: Gente; 1996.

Morin E. A Minha esquerda. Porto Alegre: Sulina; 2011.




DOI: http://dx.doi.org/10.15448/1983-652X.2016.2.21426

 

e-ISSN: 1983-652X 

 

Este periódico é membro do COPE (Committee on Publication Ethics) e adere aos seus princípios. http://www.publicationethics.org

***


Exceto onde especificado diferentemente, a matéria publicada neste periódico é licenciada sob forma de uma licença Creative Commons BY-NC 4.0 Internacional

 ***

Políticas Editoriais das Revistas Científicas Brasileiras. Disponibilidade para depósito: Azul.   

 Copyright: © 2006-2020 EDIPUCRS