Vínculo na balança: a relação mãe-filho influenciando o tratamento da obesidade infantil

Tatiane Britto da Silveira, Camila Irigonhé Ramos, Priscila Wittemberg Azevedo

Resumo


Introdução: A obesidade vem sendo alvo crescente de estudos em todo o mundo, principalmente no que trata sobre a obesidade infantil.
Objetivos: Contribuir para uma melhor compreensão a respeito do vínculo entre mãe e filho na adesão ao tratamento da obesidade infantil.
Materiais e Métodos: Foram entrevistadas sete mães de crianças obesas, todas usuárias do Ambulatório de Nutrição, localizado no sul do Rio Grande do Sul. Os dados foram coletados através de entrevistas semiestruturadas e o material foi submetido a análise de conteúdo.
Resultados: Após análise e categorização dos dados provenientes das entrevistas foram identificados três eixos temáticos, a saber: 1) cuidados com a  riança; 2) trajetória dos vínculos e 3) dificuldade de a mãe perceber o peso da criança. Esses eixos nortearam a discussão sobre a atenção à saúde da criança com excesso de peso neste estudo. Foi demonstrado que a ligação materna influencia negativamente sobre a adesão, já que não há uma única forma de estabelecer essa relação. Pode ser visto que, embora não haja uma única forma de estabelecer o vínculo materno, teve uma influência negativa sobre a adesão ao tratamento.
Conclusão: No final do estudo, pode-se perceber que o vínculo materno influencia na adesão ao tratamento, mas, não há uma maneira simples para estabelecer esta ligação, por conseguinte, não há um tratamento mais eficiente ou mais correto, este dependerá de cada paciente e como mãe e filho interagem diante de situações.


Palavras-chave


criança; obesidade; tratamento.

Texto completo:

PDF

Referências


Tavares T. Obesidade e qualidade de vida: revisão da literatura. Rev Méd Minas Gerais. 2010;20(3):359-66.

Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Atenção à Saúde. Cadernos de Atenção Básica. Diabetes Mellitus. Brasília: Ministério da Saúde; 2006.

Sociedade Brasileira de Pediatria. Obesidade na infância e adolescência: manual de orientação. São Paulo: SBP; 2012.

Setzer V. Efeitos negativos dos meios eletrônicos em crianças, adolescentes e adultos [Internet]. 2012 [cited 2016]. Available from: http://www.ime.usp.br/~vwsetzer/efeitos-negativos-meios.html

Moraes P, Dias C. Nem só de pão de vive: a voz das mães na obesidade infantil. Psicol Ciênc Prof. 2013;33(1):46-59. http://dx.doi.org/10.1590/S1414-98932013000100005

Bowlby J. Apego e perda: separação, angustia e raiva. 3ª ed. São Paulo: Martins Fontes; 2004.

Brenner C. Noções básicas de psicanálise: introdução à psicologia psicanalítica. Rio de Janeiro: Editora Imago; 1987.

Weber L, Prado P, Viezzer A, Brandenburg O. Identificação de estilos parentais: o ponto de vista dos pais e dos filhos. Psicol Reflex Crít. 2004;17(3):323-31. http://dx.doi.org/10.1590/S0102-79722004000300005

Minayo M. O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. 11ª ed. São Paulo: Hucitec; 2000.

Bardin L. Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70; 1979.

Winnicott D. Os bebês e suas mães. 4ª ed. São Paulo: Martins Fontes; 2013.

Wagner M, Oliveira M. Habilidades sociais e abuso de drogas em adolescentes. Psicol Clín. 2007;19(2):101-16. http://dx.doi.org/10.1590/s0103-56652007000200008

Carmona E, Coca K, Vale I, Abrão A. Conflito no desempenho do papel de mãe em estudos com mães de recém-nascidos hospitalizados: revisão integrativa. Rev Esc Enferm USP. 2012; 46(2):505-12. http://dx.doi.org/10.1590/S0080-62342012000200032

Santos L, Rabinovich E. Situações familiares na obesidade exógena infantil do filho único. Saúde Soc. 2011;20(2):507-21. http://dx.doi.org/10.1590/S0104-12902011000200021

Spada P. Obesidade infantil: aspectos emocionais e vínculo mãe/filho. Rio de Janeiro: Editora Revinter; 2005.

Parizkavá J, Hills A. Childhood obesity: prevention and treatment. Florida: CRC Press; 2005.




DOI: http://dx.doi.org/10.15448/1983-652X.2016.3.21413

 

e-ISSN: 1983-652X 

 

Este periódico é membro do COPE (Committee on Publication Ethics) e adere aos seus princípios. http://www.publicationethics.org

***


Exceto onde especificado diferentemente, a matéria publicada neste periódico é licenciada sob forma de uma licença Creative Commons BY-NC 4.0 Internacional

 ***

Políticas Editoriais das Revistas Científicas Brasileiras. Disponibilidade para depósito: Azul.   

 Copyright: © 2006-2019 EDIPUCRS