Fatores de risco para mortalidade neonatal em um município na região sul

Thalise Salas Borges, Stela Adami Vayego

Resumo


Objetivo: Identificar os fatores de risco para mortalidade neonatal e verificar a associação entre mortalidade neonatal e as variáveis neonatais, obstétricas e maternas na população de nascidos vivos (NV) filhos de mães residentes em
Curitiba e Região Metropolitana em 2001 e 2011.
Materiais e Métodos: Trata-se de um estudo de caso-controle. Foram obtidos dados secundários do SINASC – Sistema de Informação de Nascidos Vivos e do SIM - Sistema de Informação de Mortalidade, coletados dos Nascidos Vivos (NV) filhos de mães residentes em Curitiba e Região Metropolitana nos anos de 2001 e 2011. Calculou-se os coeficientes de mortalidade neonatal (CMN) e as taxas de morte neonatal (TMN). O risco relativo (RR) foi calculado para as variáveis que apresentaram associação estatística significativa.
Resultados: Foi possível observar associação estatística significativa no ano de 2001 para as variáveis: local de nascimento, peso ao nascer, idade da mãe, escolaridade da mãe, duração da gestação e tipo de gestação. No ano de 2011, as variáveis que apresentaram associação estatística significativa foram: sexo, peso ao nascer, escolaridade da mãe, duração gestação e tipo de gestação.
Conclusão: Foram identificadas como fatores de risco para o desfecho/óbito neonatal nesta região as variáveis: local de nascimento, peso ao nascer, idade da mãe, escolaridade da mãe, duração da gestação e tipo de gestação e sexo.


Palavras-chave


Mortalidade infantil. Fatores de risco. Medidas em epidemiologia.

Texto completo:

PDF

Referências


Silva CF, Leite AJM, Almeida NMGS. Linkage entre banco de dados de nascidos vivos e óbitos infantis em município do Nordeste do Brasil: qualidade dos sistemas de informação. Cad Saúde Pública. 2009;25(7):1552-58. http://dx.doi.org/10.1590/S0102 311X2009000700013

Neto OLM, Barros MBA. Fatores de risco para mortalidade neonatal e pós-neonatal na Região Centro-Oeste do Brasil: linkage entre bancos de dados de nascidos viços e óbitos infantis. Cad Saúde Pública. Apr/Jun 2000;16(2):477-85. http://dx.doi.org/10.1590/ S0102-311X2000000200018

Ribeiro VS, Silva AAM. Tendências da mortalidade neonatal em São Luis, Maranhão, Brasil, de 1979 a 1996. Cad Saúde Pública. Apr/Jun 2000;16(2):429-38. http://dx.doi.org/10.1590/S0102- 311X2000000200013

Soares ES, Menezes GMS. Fatores associados à mortalidade neonatal precoce: análise de situação no nível local. Epidemiol Serv Saúde. 2010;19(1):51-60. http://dx.doi.org/10.5123/S1679- 49742010000100007

Maia LTS, Souza WV, Mendes ACG. Diferenciais nos fatores de risco para a mortalidade infantil em cinco cidades brasileiras: um estudo de caso controle com base no SIM e no SINASC. Cad Saúde Pública. 2012;28(11):2163-76. http://dx.doi.org/10.1590/S0102- 311X2012001100016

Aguiar JB. Fatores de risco para mortalidade neonatal, em hospital de referencia [dissertação]. Fortaleza (CE): Universidade Estadual do Ceará; 2011.

Maran E. Mortalidade neonatal: fatores de risco no município de Maringá – PR em 2003 e 2004 [dissertação]. Maringá (PR): Universidade Estadual de Maringá; 2006.

Almeida SDM, Barros MBA. Atenção à saúde e mortalidade neonatal: estudo caso-controle realizado em Campinas, SP. Rev Bras Epidemiol. 2004;7(1):22-35. http://dx.doi.org/10.1590/S1415- 790X2004000100004

Jekel JF, Katz DL, Elmore JG. Epidemiologia, Bioestatística e Medicina Preventiva. 2ª ed. Porto Alegre: Artmed; 2005.

Carvalho PI, Pereira PMH, Frias PG, Vidal SA, José NF. Fatores de risco para mortalidade neonatal em coorte hospitalar de nascidos vivos. Epidemiol Serv Saúde. 2007;16(3):185-94. http://dx.doi. org/10.5123/S1679-49742007000300005

Araújo NSA. O papel da assistência hospitalar ao recém nascido na mortalidade neonatal precoce na Região Sul do município de São Paulo: estudo caso-controle [tese]. São Paulo: Universidade de São Paulo; 2006.

Sarinho SW, Filho DAM, Silva GAP, Lima MC. Fatores de risco para óbitos neonatais no Recife: um estudo caso-controle. J Pediatr. 2001;77(4):294-8. http://dx.doi.org/10.2223/JPED.237

Almeida MF, Novaes HMD, Alencar GP, Rodrigues LC. Mortalidade neonatal no município de São Paulo: influência do peso ao nascer e de fatores socio-demigráficos e assistênciais. Rev Bras Epidemiol 2002;5(1):93-107. http://dx.doi.org/10.1590/S1415- 790X2002000100011

Silva CF, Leite AJM, Almeida NMGS, Gondin RC. Fatores de risco para mortalidade infantil em município do Nordeste do Brasil: linkage entre bancos de dados de nascidos vivos e óbitos infantis – 2000 a 2002. Rev Bras Epidemiol. 2006;9(1):69-80. http://dx.doi. org/10.1590/S1415-790X2006000100009

Cascaes AM, Gauche H, Baramarchi FM, Borges CM, Peres KG. Prematuridade e fatores associados no Estado de Santa Catarina, Brasil, no ano de 2005: análise dos dados do Sistema de Informações sobre Nascidos Vivos. Cad Saúde Pública. 2008;24(5):1024-32. http://dx.doi.org/10.1590/S0102-311X2008000500009

Knupp VMAO. Fatores de risco associado à mortalidae neonatal a partir de uma coorte de nascidos vivo no município do Rio de Janeiro em 2005 [dissertação]. Rio de Janeiro (RJ): Universidade do Rio de Janeiro; 2010.

Maran E, Uchimura TT. Mortalidade Neonatal: fatores de risco em um município no sul do Brasil. Rev Eletr Enf. 2008;10(1):29-38.




DOI: http://dx.doi.org/10.15448/1983-652X.2015.1.21010

 

e-ISSN: 1983-652X 

 

Este periódico é membro do COPE (Committee on Publication Ethics) e adere aos seus princípios. http://www.publicationethics.org

***


Exceto onde especificado diferentemente, a matéria publicada neste periódico é licenciada sob forma de uma licença Creative Commons BY-NC 4.0 Internacional

 ***

Políticas Editoriais das Revistas Científicas Brasileiras. Disponibilidade para depósito: Azul.   

 Copyright: © 2006-2019 EDIPUCRS