Efeitos a curto prazo da plataforma vibratória e oscilatória em indivíduos saudáveis

Ulysses da Silva, Paula Caitano Fontela, Elenita Costa Beber Bonamigo, Eliane Roseli Winkelmann

Resumo


Introdução: As plataformas vibratória e oscilatória vêm sendo utilizadas como recurso terapêutico em diferentes populações. No entanto, seus efeitos hemodinâmicos, respiratórios e ventilatórios são pouco conhecidos.
Objetivo: Avaliar os efeitos hemodinâmicos, respiratórios e ventilatórios durante o exercício na plataforma nas modalidades vibratória e oscilatória em indivíduos saudáveis e comparar os efeitos entre as modalidades terapêuticas.
Materiais e Métodos: Foi realizado um ensaio clínico cruzado. A amostra foi constituída por dez indivíduos saudáveis, cinco homens e cinco mulheres, com idade entre 18 a 30 anos. Os indivíduos foram submetidos a um protocolo de exercício na plataforma vibratória e após na oscilatória, (com período de intervalo entre as modalidades), durante um período de nove minutos, sendo usadas três posições ortostáticas variando a flexão do joelho entre 120º, 150º e 180º, permanecendo um minuto em cada posição, repetindo-se três vezes a sequência de exercícios. Variáveis hemodinâmicas, respiratórias e ventilatórias foram coletadas no início, durante e após três minutos de recuperação do exercício.
Resultados: Verificou-se alterações fisiológicas durante o exercício nas variáveis hemodinâmicas (PAS e FC) e ventilatórias (VO2 e VCO2) nas plataformas vibratória e oscilatória. Ao comparar o exercício entre as modalidades da plataforma, observou-se que a oscilatória tende a provocar um maior aumento, comparada a vibratória, no VO2, VCO2 e potência circulatória. 
Conclusão: O exercício realizado nas duas modalidades de plataforma não apresentou alterações significativas, além das esperadas durante a realização de um exercício, nas respostas hemodinâmicas, respiratórias e ventilatórias em indivíduos jovens e saudáveis.


Palavras-chave


equipamento; terapia por exercício; vibração, hemodinâmica.

Texto completo:

PDF

Referências


Pardo EM, Páez LC, Ramón PEA, Gómez AB, Soler CN. Efectos agudos de las vibraciones mecánicas sobre el salto vertical. Ed Fís y Depor. 2007;87:81-5.

Kelley GA, Kelley KS. Efficacy of aerobic exercise on coronary heart disease risk factors. Prev Cardiol. 2008;11(2):71-5. http://dx.doi.org/10.1111/j.1751-7141.2008.08037.x

Hills AP, Street SJ, Byrne NM. Physical Activity and Health: “What is Old is New Again”. Adv Food Nutr Res. 2015;75:77-95. http://dx.doi.org/10.1016/bs.afnr.2015.06.001

Buzzachera CF, Elsangedy HM, Hallage T, Silva SG. Parâmetros fisiológicos e perceptivos durante caminhada de intensidade preferida por mulheres adultas, previamente sedentárias. Rev Bras Cineantr Desempenho Hum. 2007;9:170-6.

Rittweger J, Ehrig J, Just K, Mutschelknauss M, Kirsch KA, Felsenberg D. Oxygen uptake in whole-body vibration exercise: influence of vibration frequency, amplitude, and external load. Int J Sports Med. 2002;23(6):428-32. http://dx.doi.org/10.1055/s-2002-33739

Verschueren SM, Roelants M, Delecluse C, Swinnen S, Vanderschueren D, Boonen S. Effect of 6 month whole body vibration training on hip density, muscles strength, and postural control in postmenopausal women: a randomized controlled pilot study. J Bone Miner Res. 2004;19(3):352-9. http://dx.doi.org/10.1359/JBMR.0301245

Baum K, Votteler T, Schiab J. Efficiency of vibration exercise for glycemic control in type 2 diabetes patients. Int J Med Sci. 2007;4(3):159-63. http://dx.doi.org/10.7150/ijms.4.159

Bogaerts A, Delecluse C, Claessens AL, Coudyzer W, Boonen S, Verschueren SM. Impact of Whole-Body Vibration Training Versus Fitness Training on Muscle Strength and Muscle Mass in Older Men: A 1-Year Randomized Controlled Trial. J Gerontol A Biol Sci Med Sci. 2007;62(6): 630–5. http://dx.doi.org/10.1093/gerona/62.6.630

Anderson K; Behm DG. The impact of instability resistance training on balance and stability. Sports Med. 2005;35(1):45-53. http://dx.doi.org/10.2165/00007256-200535010-00004

Borghuis J, Hof AL, Lemmink KA. The importance of sensory-motor control in providing core stability implications for measurement and training. Sports Med. 2008;38(11):893-916. http://dx.doi.org/10.2165/00007256-200838110-00002

Hill KD, Logiudice D, Lautenschlager NT, Said CM, Dodd KJ, Suttanon P. Effectiveness of balance training exercise in people with mild to moderate severity Alzheimer’s disease: protocol for a randomized trial. BMC Geriatr. 2009;9:29. http://dx.doi.org/10.1186/1471-2318-9-29

Rasool J, George K. The impact of single-leg dynamic balance training on dynamic stability. Phys Ther Sport. 2007;8:177-84. http://dx.doi.org/10.1016/j.ptsp.2007.06.001

Laudner KG, Koschnitzky MM. Ankle muscle activation when using the Both Sides Utilized (BOSU) balance trainer. J Strength Cond Res. 2010;24(1):218–22. http://dx.doi.org/10.1519/JSC.0b013e3181c490d4

Yaggie JA, Campbell BM. Effects of balance training on selected skills. J Strength Cond Res. 2006;20(2):422-8.

American College of Sports Medicine. Diretrizes do ACSM para os testes de esforço e sua prescrição. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan; 2003.

Dall’Ago P, Chiappa GR, Guths H, Stein R, Ribeiro JP. Inspiratory muscle training in patients with heart failure and inspiratory muscle weakness. A randomized trial. J Am Coll Cardiol. 2006;47(4): 757-63. http://dx.doi.org/10.1016/j.jacc.2005.09.052

Gademan MG, Swenne CA, Verwey HF, van de Vooren H, Haest JC, van Exel HJ, Lucas CM, Cleuren GV, Schalij MJ, van der Wall EE. Exercise training increases oxygen uptake efficiency slope in chronic heart failure. Eur J Cardiovasc Prev Rehabil. 2008;15(2):140-4. http://dx.doi.org/10.1097/HJR.0b013e3282ef19986

Pessoa MF. Efeitos cardiopulmonares do treinamento em plataforma vibratória em idosos saudáveis [dissertação]. Recife: Universidade Federal de Pernambuco; 2012.

Fisiologia do exercício. Brasília: Fundação Vale; 2013.

Neder JA, Nery LE, Castelo A, Andreoni S, Lerario MC, Sachs A, Silva AC, Whipp BJ. Prediction of metabolic and cardiopulmonary responses to maximum cycle ergometry: a randomized study. Eur Respir J. 1999;14(6):1304-13. http://dx.doi.org/10.1183/09031936.99.14613049

Winkelmann ER, Chiappa GR, Lima CO, Viecili PR, Stein R, Ribeiro JP. Addition of inspiratory muscle training to aerobic training improves cardiorespiratory responses to exercise in patients with heart failure and inspiratory muscle weakness. Am Heart J. 2009;158(5):768. e1-7. http://dx.doi.org/10.1016/j.ahj.2009.09.005

Zurek M, Binder RK, Saner H, Schmid J-P. Exercise training reduces oscillatory ventilation during exercise. Eur J Cardiovasc Prevent Rehabil 2008;15(Suppl 1):S74.




DOI: http://dx.doi.org/10.15448/1983-652X.2015.3.20882

 

e-ISSN: 1983-652X 

 

Este periódico é membro do COPE (Committee on Publication Ethics) e adere aos seus princípios. http://www.publicationethics.org

***


Exceto onde especificado diferentemente, a matéria publicada neste periódico é licenciada sob forma de uma licença Creative Commons BY-NC 4.0 Internacional

 ***

Políticas Editoriais das Revistas Científicas Brasileiras. Disponibilidade para depósito: Azul.   

 Copyright: © 2006-2019 EDIPUCRS