Cobertura estimada de mamografia no estado do Paraná

Tiara Cristina Romeiro-Lopes, Angela Andréia França Gravena, Cátia Milene Dell'Agnolo, Ítalo Henrique Vieira Pires, Sheila Cristina Rocha-Brischiliari, Deise Helena Pelloso Borghesan, Marcela de Oliveira Demitto, Maria Dalva de Barros Carvalho, Sandra Marisa Pelloso

Resumo


Introdução: O câncer de mama tem alcançado altos índices de prevalência e está entre as principais causas de morte no mundo. 
Objetivo: Descrever o número de mamógrafos disponíveis e em uso na rede pública no estado do Paraná, e sua distribuição em relação à população feminina.
Materiais e Métodos: Inicialmente foi realizada a localização geográfica por macrorregionais dos serviços de saúde públicos por meio do Plano Diretor de Regionalização do Paraná e posteriormente consulta no banco de dados do Departamento de Informática do Sistema Único de Saúde. Foram avaliadas a distribuição geográfica dos mamógrafos e a faixa etária das mulheres.
Resultados: O número total de mamógrafos estimado nas faixas etárias de 40 69 anos foi de um para cada 6.397 mulheres e entre 50-69 anos foi de um para cada 7.148 mulheres. A relação de mamógrafos disponíveis e em uso está de acordo com o número de mulheres de 40 a 69 anos por macrorregiões. Pode-se observar a disponibilidade de um mamógrafo em uso para cada 7.741 mulheres.
Conclusão: O número de mamógrafos disponíveis e em uso está distribuído de maneira adequada no Estado do Paraná.


Palavras-chave


mamografia; cobertura de serviços públicos de saúde; neoplasias da mama; saúde da mulher.

Texto completo:

PDF

Referências


Brasil. Presidência da República. Secretaria de Políticas para as Mulheres. Plano Nacional de Políticas para as Mulheres. Brasília: Secretaria de Políticas para as Mulheres, 2013. p.114.

Ferlay J, Shin HR, Bray F, Forman D, Mathers C, Parkin DM. GLOBOCAN 2008 v1.2, cancer incidence and mortality worldwide [Internet]. Lyon: International Agency for Research on Cancer; 2010 [cited 2011 Jun 27]. (IARC CancerBase; n. 10). Available from: http://globocan.iarc.f

Keen JD, Keen JE. What is the point: will screening mammography save my life? BMC Medical Informatics and Decision Making. 2009; 9(18):1 14.

Tabar L, Yen MF, Vitak B, Chen HH, Smith RA, Duffy SW. Mammography service screening and mortality in breast cancer patients: 20-year follow-up before and after introduction of screening. Lancet. 2003; 361(9367):1405-10.

Gonçalves ATC, Jobim PFC, Vanacor R, Nunes LN, Albuquerque IM, Bozzetti MC. Câncer de mama: mortalidade crescente na Região Sul do Brasil entre 1980 e 2002. Cad. Saúde Pública. 2007; 23(8): 1785-90.

Gebrim LH, Quadros LGA. Rastreamento do câncer de mama no Brasil. Rev. Bras. Ginecol. Obstet. 2006; 28(6):319-323.

Instituto Nacional de Câncer (Brasil). Controle do câncer de mama: documento de consenso. Rio de Janeiro:INCA, 2004; 36 p.

Tiezzi DG. Câncer de mama: um futuro desafio para o sistema de saúde nos países em desenvolvimento. Rev Bras Ginecol Obstet. 2010; 32: 257-59.

Gotzche PC, Nielsen M. Screening for breast cancer with mammography. Cochrane Database Syst Rev. 2011; 19(1): DC001877

Elmore JG, Armstrong K, Lehman CD, Fletcher SW. Screening for breast cancer. JAMA. 2005; 293:1245-56.

Schmidt MI, Duncan BB, Silva GA, Menezes AM, Monteiro CA, Barreto SM, Chor D, Menezes PR. Doenças crônicas não transmissíveis no Brasil: carga e desafios atuais. Série Saúde no Brasil 4. [on-line]. Lancet. 2011;61-74. [acesso em 2012 jun 23]. Disponível em:

Hanson K, Montgomery P, Bakker D, Conlon M. Factors influencing mammography participation in Canada: an integrative review of the literature. Curr. Oncol. 2009; 16(5):65-75.

Bergamasco RB, Tsunechiro MA. Câncer de mama e auto-exame. In: Fernandes RAQ, Narchi NZ. Enfermagem e saúde da mulher. São Paulo: Manole; 2007. p.116-121.

Gotzche PC, Nielsen M. Screening for breast cancer with mammography. Cochrane Database Syst Rev. 2009; (4): DC001877.

Meissner HI, Klabunde CN, Han PK, Benard VB, Breen N. Breast cancer screening beliefs, recommendations and practices: primary care physicians in the united states. Cancer. 2011; 117:3101:11.

Parvinen I, Helenius H, Pylkkanen L, Anttila A, Immonen-Raiha P, Kauhava L, Rasanen O, Klemi PJ. Service screening mammography reduces breast cancer mortality among elderly women in Turku. J MedScreen. 2006;13(1):34-40.

Rosas MSL, Silva BNM, Pinto RGMP, Silva BV, Silva RA, Guerra LR, Soares GCMT, Castro HC, Lione VOF. Incidência do Câncer no Brasil e o Potencial Uso dos Derivados de Isatinas na Cancerologia Experimental. Rev. Virtual Quim. 2013; 5(2):243-265.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde [Internet]. VIGITEL Brasil 2007: Vigilância de fatores de risco e proteção para doenças crônicas por inquérito telefônico. Brasília (DF); 2008.

Marchi AA, Gurgel MSC. Adesão ao rastreamento mamográfico oportunístico em serviços de saúde públicos e privados. Rev Bras Ginecol Obstet. 2010; 32(4):191-7.

American Cancer Society. Cancer prevention and early detection. Facts and figures, 2009. Atlanta: American Cancer Society; 2009.

Correa RS, Freitas-Junior R, Peixoto JE, Rodrigues-Neto DC, Lemos MEF, Marins LAP, Silveira EA. Estimativas da cobertura mamográfica no Estado de Goiás, Brasil. Cad. Saúde Pública. 2011; 27:1757-67.

Brasil. Datasus, Ministério da Saúde. Departamento de Informática do SUS. Informações de Saúde. Disponível em: http://tabnet.datasus.gov.br/cgi/tabcgi.exe?ibge/cnv/poppr.def . Acesso em 06 de abril de 2012.

Sesa. Secretaria de Saúde. Paraná. Governo do Estado. Regionais de Saúde. Disponível em: http://sesa.pr.gov.br/modules/conteudo/conteudo.php?conteudo=2752. Acesso em 06 de abril de 2012.

Secretaria de Saúde. Plano Diretor de Regionalização: hierarquização e regionalização da assistência à saúde, no estado do Paraná, 2009. Disponível em: http://saude.pr.gov.br/arquivos/File/PDR/PDR_atualizado_13082010.pdf Acesso em 06 de abril de 2012.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Instituto Nacional de Câncer. Coordenação de Prevenção e Vigilância. A situação do câncer no Brasil/Ministério da Saúde, Secretaria de Atenção à Saúde, Instituto Nacional de Câncer, Coordenação de Prevenção e Vigilância. -Rio de Janeiro: INCA, 2006.

Carlson RW, Allred DC, Anderson BO, Burstein HJ, Carter WB, Edge SB, , Erban JK, Farrar WB, Goldstein LJ, Gradishar WJ, Hayes DF, Hudis CA, Jahanzeb M,Kiel K, Ljung BM, Marcom PK, Mayer IA, McCormick B, Nabell LM, Pierce LJ, Reed EC, Smith ML, Somlo G, Theriault RL, Topham NS, Ward JH, Winer EP, Wolff AC. Breast cancer: clinical practice guidelines in oncology. J. Natl. Compr. Canc. Netw.2009; 7(2):122-192.

Tiezzi DG. Cirurgia conservadora no câncer de mama. Rev Bras Ginecol Obstet. 2007; 29(8):428-34.

Brasil. Ministério da Saúde. Portaria 1101/GM de 12 de junho de 2002. Disponível em: http://dtr2001.saude.gov.br/sas/PORTARIAS/Port2002/Gm/GM-1101.htm.

Rezende MCR, Kochch HA, Figueiredo JA, Thuler LCS. Causas do retardo na confirmação diagnóstica de lesões mamárias em mulheres atendidas em um centro de referência do Sistema Único de Saúde no Rio de Janeiro. Rev. Bras. Ginecol. Obstet. 2009; 31(2):75-8.

Silva LMC, Fonseca AJ, Ferreira LP, Dalla-Benetta AC, Navarro C. Atitude e Conhecimento de Médicos da Estratégia Saúde da Família sobre Prevenção e Rastreamento do Câncer. Revista Brasileira de Cancerologia. 2011; 57(4):525-34.

Maheswaran R, Pearson T, Jordan H, Black D. Socioeconomic deprivation, travel distance, location of service, and uptake of breast cancer screening in North Derbyshire, UK. J Epidemiol Community Health. 2006; 60(3):208-12.

Huang B, Dignan M, Han D, Johnson O. Does distance matter? Distance to mammography facilities and stage at diagnosis of breast cancer in Kentucky. J. Rural Health. 2009; 25(4):366-371.

Bim CR, Pelloso SM, Carvalho MDB, Previdelli IT. Diagnóstico precoce do câncer de mama e colo uterino em mulheres do município de Guarapuava, Paraná, Brasil. Rev Esc Enferm USP. 2010; 44(4):940-46.

Barros AF, Uemura G, Macedo JLS. Atraso no diagnóstico e tratamento do câncer de mama e estratégias para a sua redução. Femina. 2012; 40(1):32-36.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Instituto Nacional de Câncer. Coordenação de Prevenção e Vigilância. Estimativa 2005: Incidência de Câncer no Brasil. Rio de Janeiro: INCA, 2004. 94p.

Facina F. Estimativa 2012: incidência de câncer no Brasil / Instituto Nacional de Câncer. Rev Bras de Cancerol. 2011; 57(4):557.

Rodrigues BC, Carneiro ACMO, Silva TL, Solá ACN, Manzi NM, Schechtman NP, Magalhães H, Dytz J. Educação em saúde para a prevenção do câncer cérvico-uterino. Rev. bras. educ. med. 2012; 36(1):149-154.




DOI: http://dx.doi.org/10.15448/1983-652X.2015.2.20219

 

e-ISSN: 1983-652X 

 

Este periódico é membro do COPE (Committee on Publication Ethics) e adere aos seus princípios. http://www.publicationethics.org

***


Exceto onde especificado diferentemente, a matéria publicada neste periódico é licenciada sob forma de uma licença Creative Commons BY-NC 4.0 Internacional

 ***

Políticas Editoriais das Revistas Científicas Brasileiras. Disponibilidade para depósito: Azul.   

 Copyright: © 2006-2019 EDIPUCRS