A concepção de demanda em saúde mental na Atenção Primária à Saúde

Tamara Alexandra Arias Schutel, Jeferson Rodrigues, Girlane Mayara Peres

Resumo


Objetivo: Analisar a concepção de demanda em saúde mental na Atenção Primária à Saúde.
Materiais e Métodos: Dados oriundos de uma revisão integrativa de literatura. A busca foi realizada em quatro bases de dados interdisciplinares, LILACS, Scielo Brasil, Index Psi e BDENF. Foi realizado o cruzamento de 30 descritores relacionados à temática abordada, resultando em 190 artigos dos quais foram selecionados 14 a partir dos critérios de inclusão e exclusão.
Resultados: Os dados foram sistematizados em duas categorias de análise: a) concepção interparadigmática de demanda em saúde mental na Atenção primária à Saúde e b) desafios para respostas às demandas em saúde mental na Atenção Primária à Saúde.
Conclusão: Constatou-se que as concepções de saúde mental na Atenção Básica estão pautadas nos manuais clínicos de inferência biomédica, trazendo à tona a prioridade em rever a concepção de demanda em saúde mental para a consolidação da reforma psiquiátrica e a prática profissional.


Palavras-chave


demanda; saúde mental; Atenção Primária à Saúde.

Texto completo:

PDF

Referências


Porto KF. Elementos para uma política de avaliação das ações de saúde mental na atenção primária: contribuições de uma pesquisa qualitativa avaliativa [dissertação]. Campinas: Universidade Estadual de Campinas Departamento de Saúde Coletiva; 2012.

Amarante PD, Diaz FS. Os movimentos sociais na Reforma Psiquiátrica. Cad Bras Saúde Mental 2012;4(8):83-95.

Ministério da Saúde (BR). Portaria nº3.088, de 23 de dezembro de 2011 que institui a Rede de Atenção Psicossocial. Brasília (DF): Ministério da Saúde; 2011.

Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Política Nacional de Atenção Básica. Brasília (DF): Ministério da Saúde; 2012.

Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Atenção à Saúde. Caderno de Atenção Básica, nº 34 – Saúde Mental. Brasília (DF): Ministério da Saúde; 2013.

Florianópolis. Secretária Municipal de Saúde. Carteira de serviços da atenção primária à saúde. Florianópolis: Secretária Municipal de Saúde; 2014.

Lancetti A. Saúde mental nas entranhas da metrópole. In: Lancetti A, organizador. Saúde e loucura: saúde mental e saúde da família. 3ª ed. São Paulo: Hucitec; 2013. p. 11-52.

Ganong LH. Integrative review of nursing research. Rev Nursing Health 1987;10(1):1-11. http://dx.doi.org/10.1002/nur.4770100103

Brasil. Lei nº 10.216, de 6 de abril de 2001: dispõe sobre a proteção e os direitos das pessoas portadoras de transtornos mentais e redireciona o modelo assistencial em saúde mental. Brasília, DF.

Minayo MCS. O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. 9ª ed. São Paulo: Abrasco; 2007.

Amarante P. O homem e a serpente outras histórias para a loucura e a psiquiatria. Rio de Janeiro: FIOCRUZ; 1996. http://dx.doi.org/10.7476/9788575413272

Vasconcelos EM. Complexidade e pesquisa interdisciplinar epistemologia e metodologia operativa. Petrópolis: Vozes; 2002.

Aurélio O. Minidicionário da língua portuguesa. 4ª ed. 7ª impr. Rio de Janeiro: Aurélio; 2012.

Quinet A. A descoberta do inconsciente: do desejo ao sintoma. 4ª ed. Rio de Janeiro: Jorge Zahar; 2011.

Lacan J. O Seminário livro 7 a ética da psicanálise. Rio de Janeiro: Jorge Zahar; 1988.

Baremblitt G. Compêndio de análise institucional. 3ª ed. Rio de Janeiro: Rosa dos Tempos; 1996.

Martins AKL, Braga VAB, Souza AMA. Prática em saúde mental na Estratégia Saúde da Família: um estudo bibliográfico. Rev Rene 2009;10(4):165-72.

Kanno NP, Bellodi PL, Tess BH. Profissionais da Estratégia Saúde da Família diante de demandas médico-sociais: dificuldades e estratégias de enfrentamento. Rev Saúde Soc 2012;21(4):884-94. http://dx.doi.org/10.1590/s0104-12902012000400008

Souza J, Luis MV. Demandas de saúde mental: percepção de enfermeiros de equipes de saúde da família. Acta Paul Enferm 2012;25(6):852-8. http://dx.doi.org/10.1590/S0103-21002012000600005

Vaschetto E. Epistemologia Y Psiquiatria: relaciones peligrosas. Bueno Aires: Polemos; 2012.

Burkle TS. Uma reflexão crítica sobre as edições do Manual de Diagnóstico e Estatística das Perturbações Mentais – DSM [dissertação]. Rio de Janeiro: UFRJ; 2009.

Souza LGS, Menandro MCS, Couto LLM, Schimith PB, Lima RP. Saúde mental na Estratégia Saúde da Família: revisão da literatura brasileira. Rev Saúde Soc 2012;12(4):1022-34. http://dx.doi.org/10.1590/s0104-12902012000400019

Baroni DPM, Fontana LM. Ações em saúde na atenção primária no município de Florianópolis, Santa Catarina. Rev Mental 2009; VII(12):15-37.

Tavares LB, Souza AR, Pontes RJS. Estudo da demanda de saúde mental em centros de saúde da Família em Caucaia, Ceará, Brasil. RBMFC 2013;8(26):35-42. http://dx.doi.org/10.5712/rbmfc8(26)492

Dimenstein M, Severo AK, Brito M, Pimenta AL, Medeiros V, Bezerra E. O Apoio Matricial em Unidades de saúde da família: experimentando inovações em saúde mental. Rev Saúde Soc 2009; 18(1):63-74.

Bezerra IC, Jorge MSB, Gondim APS, Lima, LL, Vasconcelos MGF. “Fui lá no posto e o doutor me mandou foi pra cá”: processo de medicamentalização e (des)caminhos para o cuidado em saúde mental na Atenção Primária. Interface 2014;18(48):61-74. http://dx.doi.org/10.1590/1807-57622013.0650

Soares TC. “A vida é mais forte do que as teorias” O psicólogo nos serviços de Atenção Primária à Saúde. Psicol Ciênc 2005;25(4): 590-601. http://dx.doi.org/10.1590/S1414-98932005000400008

Dimenstein M, Severo AK, Brito M, Santos YF, Morais, C. Demanda em saúde mental em Unidades de Saúde da Família. Rev Mental 2005; III:33-42.

Camuri D, Dimenstein M. Processos de Trabalho em Saúde: práticas de cuidado em saúde mental na Estratégia Saúde da Família. RevSaúde Soc 2010;19(4):803-13. http://dx.doi.org/10.1590/s0104-12902010000400008

Barros SCM, Dimenstein M. O apoio institucional como dispositivo de reordenamento dos processos de trabalho na atenção básica. Estud Pesqui Psicol 2010;10(1):48-67. http://dx.doi.org/10.12957/epp.2010.9017

Molina MRAL, Wiener CD, Branco JC, Jansen K, Souza LDM, Tomasi E, Silva RA, Pinheiro RT. Prevalência de depressão em usuários de unidades de atenção primária. Rev Psiquiatr Clín 2012:39(6): 194-7. http://dx.doi.org/10.1590/S0101-60832012000600003

Pinto AGA, Jorge MSB, Vasconcelos MGF, Sampaio JJC, Lima GP, Bastos VC, Sampaio HA de C. Apoio matricial como dispositivo do cuidado em saúde mental na atenção primária: olhares múltiplos e dispositivos para resolubilidade. Rev Ciência Saúde Colet 2012;17(3):653-60. http://dx.doi.org/10.1590/S1413-81232012000300011

Basaglia FO, organizador. Dalla psichiatria fenomenológica all’esperienza di Goriza. Torino: Einaud; 1981.

Rodrigues J, Brognoli FF. Acolhimento no serviço de atenção psicossocial. Cad Bras Saúde Mental 2014;6(13):61-74.




DOI: http://dx.doi.org/10.15448/1983-652X.2015.2.20167

 

e-ISSN: 1983-652X 

 

Este periódico é membro do COPE (Committee on Publication Ethics) e adere aos seus princípios. http://www.publicationethics.org

***


Exceto onde especificado diferentemente, a matéria publicada neste periódico é licenciada sob forma de uma licença Creative Commons BY-NC 4.0 Internacional

 ***

Políticas Editoriais das Revistas Científicas Brasileiras. Disponibilidade para depósito: Azul.   

 Copyright: © 2006-2019 EDIPUCRS