Hábitos de vida e condições de saúde dos caminhoneiros do Brasil: uma revisão da literatura

Angélica Alessi, Márcia Keller Alves

Resumo


Introdução: O trabalho como motorista de caminhão pode levar a prejuízos à saúde, pois favorece a adoção de estilos de vida pouco saudáveis, além de práticas que deixam estes profissionais vulneráveis a doenças. Sedentarismo, hábitos alimentares inadequados, excesso de peso e nível de estresse elevado são fatores que contribuem para o aparecimento das mesmas.
Objetivo: Revisar os hábitos de vida e condições de saúde dos caminhoneiros do Brasil. 
Materiais e Métodos: Foi realizado levantamento bibliográfico na Base de Dados MedLine através do site de busca da Biblioteca Virtual em Saúde, usando as palavras-chaves “caminhoneiro”, “caminhão” e “motorista de caminhão”. Para a seleção, foi aplicado o filtro “ano de publicação”, buscando apenas artigos publicados a partir de 2002. Os artigos encontrados foram selecionados quanto à originalidade e relevância, considerando-se a adequação do delineamento, número amostral e relação do conteúdo com as questões de pesquisa.
Resultados: Foram identificados 61 artigos e incluídos 18 trabalhos que apontam fatores de risco para doenças crônicas não transmissíveis, bem como a presença destas doenças em alguns caminhoneiros. Verificou-se ainda que a trajetória do caminhoneiro interfere em sua saúde, pois o torna vulnerável a adoção de hábitos de vida pouco saudáveis, comportamento que pode ser encontrado em profissionais submetidos a condições semelhantes de trabalho.
Conclusão: Os caminhoneiros possuem hábitos de vida nocivos à saúde, tais como alimentação não saudável, falta de atividade física, tempo insuficiente de descanso, vícios (cigarro e álcool), além do uso de drogas, exposição a doenças transmissíveis e ausência de controle periódico em saúde. Isto pode estar relacionado às doenças encontradas nestes profissionais, como hipertensão arterial, excesso de peso, diabetes mellitus, dislipidemias e doenças infectocontagiosas.


Palavras-chave


fatores de risco; estilo de vida; riscos ocupacionais; saúde do trabalhador.

Texto completo:

PDF

Referências


Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Políticas de Saúde. Projeto Promoção da Saúde. As cartas da promoção da saúde. Brasília: Ministério da Saúde; 2002.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Indicadores sócio demográficos e de saúde no Brasil. Rio de Janeiro: IBGE; 2009.

Malta DC, Cesário AC, Moura L, Neto OLM, Silva J, Jarbas B. A construção da vigilância e prevenção das doenças crônicas não transmissíveis no contexto do Sistema Único de Saúde. Epidemiol Serv Saúde. 2006;15(3):47-65. http://dx.doi.org/10.5123/s1679-49742006000300006

Masson VA, Monteiro MI. Estilo de vida, aspectos de saúde e trabalho de motoristas de caminhão. Rev Bras Enferm. 2010;36(4):533-40. http://dx.doi.org/10.1590/S0034-71672010000400006

Resende PTV, Souza PR, Cerqueira PR. Hábitos de vida e segurança dos caminhoneiros brasileiros. In: Simpósio de Administração da Produção, Logística e Operações Internacionais. Anais do SIMPOI 2010; 2010 ago. São Paulo: FGV; 2010. p. 1-17.

Gil AC. Como delinear uma pesquisa bibliográfica. In: Gil AC. Como elaborar projetos de pesquisa. São Paulo: Atlas; 2002. p. 59-85.

Lago M. Perfil lipídico e fatores de risco cardiovasculares em motoristas de caminhão da região norte do estado do Rio Grande do Sul [Monografia]. Carazinho: Universidade Luterana do Brasil; 2009.

Cavagioni LC, Pierin AMG, Batista KM, Bianchi ERF, Costa ALS. Agravos à saúde, hipertensão arterial e predisposição ao estresse em motoristas de caminhão. Rev Esc Enferm USP. 2009;43(Esp 2): 1267-71.

Guedes HM, Brum KA, Costa PA, Almeida MEF. Fatores de risco para o desenvolvimento de hipertensão arterial entre motoristas caminhoneiros. Cogitare Enferm. 2010 out./dez.;15(4):652-8.

Penteado RZ, Gonçalves CGO, Costa DD, Marques JM. Trabalho e saúde em motoristas de caminhão no interior de São Paulo. Saúde Soc. 2008;17(4):35-45. http://dx.doi.org/10.1590/S0104-12902008000400005

Coser J, Fontoura S, Fontoura T, Rizzi C. Triagem dos perfis lipídico e glicídico em caminhoneiros que trafegam no centro unificado de fronteira, entre Brasil e Argentina. RBAC. 2009;41(3):223-8.

Wendler EA, Busato CR, Miyoshi E. Uso de anfetaminas por motoristas de caminhão para reduzir o sono. Publ UEPG Ci Biol Saude. 2003;9:7–14.

Nascimento EC, Nascimento E, Silva JP. Uso de álcool e anfetaminas entre caminhoneiros de estrada. Rev Saude Publica. 2007;41(2):290-3.

Moreira RS, Gadani JAAB. A prevalência do uso de anfetaminas por caminhoneiros que passam pela cidade de Dourador-MS. Interbio, 2009;3(2):27-34.

Leal AF. No peito e na raça: a construção da vulnerabilidade de caminhoneiros – um estudo antropológico de políticas públicas para HIV/AIDS no Sul do Brasil [tese]. Porto Alegre: Universidade Federal do Rio Grande do Sul; 2008.

Villarinho L, Bezerra I, Lacerda R, Latorre MRDO, Paiva V, Stall R, Hearst N. Caminhoneiros de rota curta e sua vulnerabilidade ao HIV, Santos, SP. Rev Saúde Pública. 2002;36(4):61-7. http://dx.doi.org/10.1590/S0034-89102002000500009

Nascimento E. Desenvolvimento de pesquisa-ação com caminhoneiros de estrada: trabalhando na problematização as questões voltadas à sexualidade, DST/AIDS e drogas [tese]. Ribeirão Preto: Universidade de São Paulo; 2003.

Rocha EM. DST e AIDS em regiões de fronteiras: um estudo com caminhoneiros no estado de Rondônia [dissertação]. Brasília: UnB; 2008.

Teles AS, Matos MA, Caetano KAA, Costa LA, França DDS, Pessoni GC, Brunini SM, Martins RMB. Comportamentos de risco para doenças sexualmente transmissíveis em caminhoneiros no Brasil. Rev Panam Salud Publica. 2008;24(1):25-30. http://dx.doi.org/10.1590/S1020-49892008000700003

Domingos JBC, Jora NP, Carvalho AMP, Pillon SC. Consumo de álcool, sobrepeso e obesidade entre caminhoneiros. Rev Enferm UERJ. 2010;18(3):377-82.

Seidl EMF, Zannon CMLC, Tróccoli BT. Pessoas vivendo com HIV/ AIDS; enfrentamento, suporte social e qualidade de vida. Psicol Reflex Crit. 2005;18(2):188-95. http://dx.doi.org/10.1590/S0102-79722005000200006

Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Vigilância à Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Diretrizes e recomendações para o cuidado integral de doenças crônicas não transmissíveis: promoção da saúde, vigilância, prevenção e assistência. Brasília: Ministério da Saúde; 2008.

Berra JAP, Bacetti L, Alves K, Fiório V. Soroprevalência de HIV em caminhoneiros usuários da Rodovia Anhanguera, SP 330, Brasil. Rev Inst Adolfo Lutz. 2003;62(3):171-6.

Teixeira CC, Sesti LFC. Soroprevalência de HBsAg e Anti-HBc em caminhoneiros da região central do Rio Grande do Sul. News Lab. 2011;107:184-90.




DOI: http://dx.doi.org/10.15448/1983-652X.2015.3.18184

 

e-ISSN: 1983-652X 

 

Este periódico é membro do COPE (Committee on Publication Ethics) e adere aos seus princípios. http://www.publicationethics.org

***


Exceto onde especificado diferentemente, a matéria publicada neste periódico é licenciada sob forma de uma licença Creative Commons BY-NC 4.0 Internacional

 ***

Políticas Editoriais das Revistas Científicas Brasileiras. Disponibilidade para depósito: Azul.   

 Copyright: © 2006-2019 EDIPUCRS