Efeitos de longo prazo do estresse neonatal com lipopolissacarídeo em ratos

Adroaldo Lunardelli, Carolina Luft, Leonardo Pedrazza, Márcio Vinícius Fagundes Donadio

Resumo


Introdução: Diversos modelos experimentais têm sido utilizados para demonstrar que intervenções no início da vida podem gerar alterações permanentes que perduram ao longo da vida. A administração de lipopolissacarídeo (LPS) no período neonatal gera um estímulo imunológico estressante capaz de alterar muitas respostas fisiológicas ao estresse na vida adulta.

Objetivo: Revisar a literatura acerca das influências, em longo prazo, que a administração de LPS no período neonatal pode gerar na vida adulta em modelos experimentais.

Materiais e Métodos: O presente estudo consiste em uma revisão integrativa da literatura com base na busca de artigos científicos disponíveis nas bases de dados Medline/PubMed e Science Direct, utilizando os descritores neonatal programming, neonatal stress, neonatal LPS e neonatal lipopolysaccharide. Foram incluídas publicações cuja temática abordasse os resultados da utilização de LPS como estressor neonatal em protocolos experimentais, sem limite de data.

Resultados: Foram selecionados 15 artigos que mostram modelos experimentais em que a injeção de LPS em ratos neonatos causa modificações funcionais da resposta do eixo hipotálamo-hipófise-adrenal (HPA) quando adultos, incluindo elevação nos níveis plasmáticos de corticosterona. Ainda, há diminuição das concentrações circulantes de citocinas pró-inflamatórias, hiperalgesia, aumento na sensibilidade ao estresse e aumento do comportamento de ansiedade e depressão.

Conclusão: Os resultados demonstram que a administração neonatal de LPS consiste em um modelo experimental efetivo de programming, provocando uma série de alterações imunológicas e comportamentais na vida adulta.


Palavras-chave


Animais recém-nascidos; inflamação; modelos animais; estresse fisiológico

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.15448/1983-652X.2014.1.14971

 

e-ISSN: 1983-652X 

 

Este periódico é membro do COPE (Committee on Publication Ethics) e adere aos seus princípios. http://www.publicationethics.org

***


Exceto onde especificado diferentemente, a matéria publicada neste periódico é licenciada sob forma de uma licença Creative Commons BY-NC 4.0 Internacional

 ***

Políticas Editoriais das Revistas Científicas Brasileiras. Disponibilidade para depósito: Azul.   

 Copyright: © 2006-2019 EDIPUCRS