Uniforme escolar: regulando os modos de vestir para a produção de um/a aluno/a “boa pinta”

Suelén Teixeira da Silva, Angela Dillmann Nunes Bicca

Resumo


Objetiva-se, a partir dos estudos culturais pós-estruturalistas articulados ao campo da Educação, compreender como o Manual do Uniforme Escolar do “Projeto Boa Pinta – Uniforme Escolar” participa da produção de sentidos sobre as vestimentas para ir à escola na rede municipal de ensino da cidade de Pelotas. Para cumprir tal objetivo, analisou-se o Manual do Uniforme Escolar, distribuído juntamente com os kits de uniformes da rede municipal de Pelotas, a partir do conceito de representação cultural. Essa discussão focalizou como a vestimenta pode disciplinar e regular os indivíduos, instaurando compreensões acerca de igualitarismo, de higiene e de segurança, que, por sua vez, funcionam para produzir modos específicos de vestir-se para ir à escola e, ao contrário do que possa parecer, valorizam a aparência.


Palavras-chave


Estudos culturais; Uniformes escolares; Disciplinamento; Regulação.

Texto completo:

PDF

Referências


AUGUSTO, Ácacio. Governando crianças e jovens: escola, drogas e violência. In: RESENDE, Haroldo (Org.). Michel Foucault: o governo da infância. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2015. p. 11-24.

BECK, Dinah Quesada. Com que roupa eu vou? Embelezamento e consumo na composição dos uniformes escolares infantis. 2012. 279 f. Tese (Doutorado em Educação) – Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2012.

BRANDÃO, Maria de Fátima Morais. Representações da velhice nos discrusos juvenis em comunidade do Orkut. 2009. 115 f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade Luterana do Brasil, Canoas, 2009.

DUSSEL, Inês. Cuando las apariencias no engañan: uma historia comparada de los uniformes escolares en Argentina y Estados Unidos (siglos XIX-XX). Pro-Posições, Campinas, v. 16, n. 1 (46), p. 65-86, jan./abr, 2005.

______. Los uniformes como políticas del cuerpo. Um acercamiento foucaultiano a historia e el presente de los códigos de vestimenta em la escuela. In: GÓMEZ, Zandra (Compiladora). Políticas y estéticas del cuerpo en América Latina. Bogotá: Ediciones Uniandes, 2007, p. 131-160.

______. Inclusión y exclusión em la escuela moderna argentina: uma perspectiva postestructuralista. Cadernos de Pesquisa, v. 34, n. 122, p. 305-335, maio/ago. 2004.

______; CARUSO, Marcelo. A invenção da sala de aula: uma genealogia das formas de ensinar. São Paulo: Moderna, 2003.

EWALD, François. Foucault, a norma e o direito. Lisboa: Veja, 1993.

FOUCAULT, Michel. O sujeito e o poder. In: DREYFUS, Hubert L.; Rabinow, Paul. Michel Foucault – uma trajetória filosófica: para além do estruturalismo e da hermenêutica. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 1995, p. 231-249.

______. Em defesa da sociedade: curso no Collège de France (1975-1976). São Paulo: Martins Fontes, 2005.

______. História da sexualidade: a vontade de saber. 18 ed. São Paulo: Edições Graal, 2007.

______. Vigiar e punir: nascimento da prisão. 42. ed. Petropólis, RJ: Vozes, 2014.

GADELHA, Sylvio. Biopolítica, governamentalidade e educação: introdução e conexões a partir de Michel Foucault/Sylvio Gadelha. Belo Horizonte: Autêntica, 2009.

HALL, Stuart. The work of representation. In: HALL, Stuart (Org.). Representation: cultural representations and signying produces. London/Thousand/New Delhi: Sage/Open University, 1997, p. 1-74.

KINDEL, Eunice Aita Isaia. A natureza no desenho animado ensinando sobre homem, mulher, raça, etnia e outras coisas mais... 2003. 195f. Tese (Doutorado em Educação) – Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2003.

MEYER, Dagmar; PARAÍSO, Marlucy. Metodologias de pesquisas pós-críticas ou sobre como fazemos nossas investigações. In: MEYER, Dagmar; PARAÍSO, MARLUCY (Orgs.). Metodologias de pesquisas pós-criticas em educação. Belo Horizonte: Mazza Edições, 2012. p. 15-22.

PARAÍSO. Marlucy. Metodologias de pesquisa pós-crítica em educação e currículo: trajetórias, pressupostos, procedimentos e estratégias analíticas. In: MEYER, Dagmar; PARAÍSO, Marlucy (Orgs.). Metodologias de pesquisas pós-críticas em Educação. Belo Horizonte: Mazza Edições, 2012. p. 23-46.

PELOTAS. Decreto 5.726, de 30 de janeiro de 2014. Diário Popular, Pelotas, 4 de fev. 2014.

PELOTAS. Manual do uniforme escolar. Prefeitura Municipal de Pelotas, 2015.

RIBEIRO, Ivanir; SILVA, Vera Lucia Gaspar da. Das materialidades da escola: o uniforme escolar. Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 38, n. 3, p. 575-588, jul./set. 2012.

VEIGA-NETO, Alfredo. “Pensar a escola como uma instituição que pelo menos garanta a manutenção das conquistas fundamentais da modernidade. In: COSTA, Marisa Vorraber (Org.). A escola tem futuro? Rio de Janeiro: DP&A, 2003, p.103-126.

______. Foucault & Educação. Belo Horizonte: Autêntica, 2005.

WORTMANN, Maria Lúcia C. O uso do termo representação na educação em ciências e nos estudos culturais. Pro-Posições, Campinas, v. 12, n. 1, p. 151-161, mar. 2001.




DOI: http://dx.doi.org/10.15448/1981-2582.2018.3.27831

Este periódico é membro do COPE (Committee on Publication Ethics) e adere aos seus princípios. http://www.publicationethics.org


Apoio Institucional – fev./dez. 2012 referente ao Edital MCTI/CNPq/MEC/CAPES Nº. 15/2011.




Educação

e-ISSN 1981-2582
ISSN-L 0101-465X


Avaliação do Qualis CAPES - 2014 
ÁREA CAPES - Educação
CLASSIFICAÇÃO - A2

E-mail: reveduc@pucrs.br



Licença Creative Commons
Exceto onde especificado diferentemente, a matéria publicada neste periódico é licenciada sob forma de uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

 

 

Políticas Editoriais das Revistas Científicas Brasileiras.

Disponibilidade para depósito: Azul

 

Copyright: © 2006-2017 EDIPUCRS