Formação de educadores de EJA: caminhos inovadores da prática docente

Antonio Amorim, Maria Luiza Ferreira Duques

Resumo


Este estudo investigou as necessidades formativas de educadores baianos que atuam na EJA, a fim de desenvolver ações que contribuam para a melhoria dos processos formativos. Pela importância da temática foi preciso dialogar com Freire (1996), Di Pierro (2006), Machado (2000), Moura (2006), Pimenta (1999) e Nóvoa (1992), entre outros. A investigação se pautou na abordagem qualitativa para aprimorar os achados. Pelos resultados encontrados, os educadores revelaram a necessidade relacionada à prática docente, à gestão da escola, de Educação de Jovens e Adultos, ao currículo e à formação continuada, sendo que as necessidades correlatas à formação continuada foram enfatizadas como o maior empecilho para o trabalho na EJA. Faz-se urgente a instituição de políticas públicas voltadas a essa modalidade, pois, apesar das dificuldades, os educadores desejam um processo formativo que garanta o desenvolvimento qualificado das práticas. Conclui-se pela necessidade de se respeitar os educadores que atuam na
EJA com a formulação de políticas públicas que valorizem a profissionalização desses educadores.


Palavras-chave


Formação de educadores. Práticas docentes. Educação de Jovens e Adultos.

Texto completo:

PDF

Referências


ALARCÃO, Isabel. Formação continuada como instrumento

de profissionalização docente. In: VEIGA, Ilma Passos A.

(Org.). Caminhos da profissionalização do magistério.

ed. Campinas: Papirus 2003. p. 99-136. (Coleção Magistério:

Formação e Trabalho Pedagógico).

ALVES-MAZZOTTI, Alda Judith; GEWANDSZNAJDER,

Fernando. O método nas ciências naturais e sociais: pesquisa

quantitativa e qualitativa. São Paulo: Thomson, 2002.

BARDIN, Laurence. Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70,

BOGDAN, Robert; BIKLEN, Knopp Sari. Investigação

qualitativa em educação: uma introdução à teoria e aos

métodos. Portugal: Porto, 1994.

BRASIL. Constituição: República Federativa do Brasil. Brasília:

Senado Federal, 1988.

______. Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as

diretrizes e bases da educação nacional. Brasília, 20 dez. 1996.

______. Ministério da Educação. Conselho Nacional de Educação. Parecer CNE/CEB nº 11/2000. Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação de Jovens e Adultos. Brasília: maio de 2000. Disponível em: . Acesso em: 08 ago. 2015.

______. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – IBGE. Censo Demográfico 2010. Disponível em: .

Acesso em: 22 abr. 2014.

CONTRERAS, Domingo José. Autonomia de professores. São Paulo: Cortez, 2002.

DI PIERRO, Maria Clara. Contribuições do I Seminário Nacional de Formação de Educadores de Jovens e Adultos. In: SOARES, Leôncio (Org.). Formação de Educadores de Jovens e Adultos. Belo Horizonte: Autêntica/Secad-MEC/Unesco, 2006.

______. Seis anos de Jovens e Adultos no Brasil: os compromissos e a realidade, São Paulo: Ação Educativa, 2003.

FREIRE, Paulo. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Paz e Terra, 1996.

GATTI, Bernadete Angelina; BARRETO, Elba Siqueira de Sá. Professores do Brasil: impasses e desafios. Brasília: Unesco, 2009.

GONZALEZ REY, Fernando. Pesquisa qualitativa e subjetividade: os processos de construção da informação. São Paulo: Pioneira Thomson Learning, 2005.

LIBÂNEO. José Carlos. Reflexividade e formação de professores: outra oscilação do pensamento pedagógico brasileiro? In: PIMENTA, Selma Garrido; GHEDIN, Evandro (Orgs.). Professor reflexivo no Brasil: gênese e crítica de um conceito. 7. ed. São Paulo: Cortez, 2012.

MACHADO, M. M. A prática e a formação de professores na EJA: uma análise de dissertações e teses produzidas no período de 1986 a 1998. In: Reunião Anual da Anped , 23., Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Educação, Caxambu, 2000.

______. Formação de professores para a EJA: uma perspectiva de mudança. Retratos da Escola, Brasília, v. 2, n. 2-3, p. 161-174, jan./dez. 2008.

MARCONI, Marina de Andrade; LAKATOS, Eva Maria. Técnicas de pesquisa. In: MARCONI, Marina de Andrade; LAKATOS, Eva Maria. Fundamentos de metodologia científica. 6. ed. São Paulo: Atlas, 2009.

MOURA, Tânia Maria de Melo. Os estudos e as pesquisas sobre a formação de professores para a educação de jovens e adultos: Uma releitura do silêncio, dos vazios e das lacunas institucionais no Estado de Alagoas In: SOARES, Leôncio (Org.). Formação de Educadores de Jovens e Adultos. Belo Horizonte: Autêntica/Secad-MEC/Unesco, 2006.

NÓVOA, A. (Org.). Vida de professores. Porto, Portugal: Porto Editora, 1992.

______. Profissão professor. Porto: Porto Editora, 1991.

PERRENOUD, Philippe; ALTET, Marguerite; CHARLIER, Évelyne. Formando professores profissionais: quais estratégias? Quais competências? Tradução de Fátima Murad e Eunice Gruman. 2. ed., rev. Porto Alegre: Artmed, 2001.

______. A prática reflexiva no ofício de professor: profissionalização e razão pedagógica. Porto Alegre: Artmed, 2002.

PIMENTA, Selma Garrido; GHEDIN, Evandro (Org.). Professor reflexivo no Brasil: gênese e crítica de um conceito. 7. ed. São Paulo: Cortez, 2012.

PLANO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO – Município de Matina (BA). Bahia, 2015-2025, Lei nº 32, de 16 de junho de 2015.

SOARES, Leôncio. Aprendendo com as diferenças: estudos e pesquisas em Educação de Jovens e Adultos, 2. ed. Belo Horizonte: Autêntica, 2006.

______. Educação de Jovens e Adultos. Rio de Janeiro: DP&A, 2002.

VENTURA, Jaqueline. A EJA e a formação docente nas licenciaturas. Revista da Faeeba, v. 21, n. 37, p. 71-82, jan./jun. 2012.

YIN, R. Estudo de caso: planejamento e métodos, 2. ed. Porto Alegre: Bookman, 2001.




DOI: http://dx.doi.org/10.15448/1981-2582.2017.2.22483

Este periódico é membro do COPE (Committee on Publication Ethics) e adere aos seus princípios. http://www.publicationethics.org


Apoio Institucional – fev./dez. 2012 referente ao Edital MCTI/CNPq/MEC/CAPES Nº. 15/2011.




Educação

e-ISSN 1981-2582
ISSN-L 0101-465X


Avaliação do Qualis CAPES - 2014 
ÁREA CAPES - Educação
CLASSIFICAÇÃO - A2

E-mail: reveduc@pucrs.br



Licença Creative Commons
Exceto onde especificado diferentemente, a matéria publicada neste periódico é licenciada sob forma de uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

 

 

Políticas Editoriais das Revistas Científicas Brasileiras.

Disponibilidade para depósito: Azul

 

Copyright: © 2006-2017 EDIPUCRS