Biologia, conhecimento e consciência: articulações possíveis na construção da aprendizagem

Pâmela Ziliotto Sant'Anna Flach, Fernando Becker

Resumo


Neste trabalho apresenta-se uma discussão acerca das contribuições da neurobiologia e da epistemologia genética aos processos de construção do conhecimento e da consciência. Discute-se, também, como tais processos se relacionam com os mecanismos de conservação da homeostase dos organismos. Para isso, debruçou-se sobre obras de António Damásio e Jean Piaget na tentativa de compreender as articulações entre organismo e sujeito epistêmico como protagonistas dos atos de manter-se vivo, conhecer e tomar consciência. Seja no âmbito orgânico ou no cognitivo, a manutenção da vida passa pela interação constante e permanente entre organismo e meio. Concebe-se essa interação como fonte de sempre novos desequilíbrios que abrem espaço para novas experiências que, por sua vez, geram novos desenvolvimentos afetivos ou cognitivos. Com isso, são possibilitadas novas aprendizagens, escolares ou não, que concorrem para a sobrevivência em todos os níveis da vida humana.


Palavras-chave


Homeostase. Conhecimento. Consciência. Aprendizagem.

Texto completo:

PDF

Referências


BECKER, Fernando. Ensino e pesquisa: qual a relação? In: BECKER, Fernando; MARQUES, Tania Beatriz Iwasko (Org.). Ser professor é ser pesquisador. Porto Alegre: Mediação, 2010, p. 11-20.

BECKER, Fernando. A epistemologia do professor: o cotidiano da escola. Petrópolis: Vozes, 2012a.

BECKER, Fernando. Educação e construção do conhecimento. Porto Alegre: Penso, 2012b.

DAMASIO, António. O mistério da consciência. São Paulo: Companhia das Letras, 2000.

DAMÁSIO, António. E o cérebro criou o homem. São Paulo: Companhia das Letras, 2011.

DAMÁSIO, António. O erro de Descartes: emoção, razão e o cérebro humano. São Paulo: Companhia das Letras, 2012.

FREIRE, Paulo. Uma educação para a liberdade. Porto: Dinalivro, 1974.

FREIRE, Paulo. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Paz e Terra, 1996.

KEBACH, Patrícia Fernanda Carmen. O professor construtivista: um pesquisador em ação. In: BECKER, Fernando; MARQUES, Tania Beatriz Iwaszko (org.). Ser professor é ser pesquisador. Porto Alegre: Mediação, 2010. p. 43-54.

MORIN, Edgar. A cabeça-bem-feita: repensar a reforma, reformar o pensamento. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2002.

MORIN, Edgar. Da necessidade de um pensamento complexo. In: MARTINS, Francisco Menezes; SILVA, Juremir Machado. Para navegar no século XXI. Porto Alegre: Sulina/EDIPUCRS, 2003, p. 13-36.

PIAGET, Jean. Biologia e conhecimento: ensaio sobre as relações orgânicas e os processos cognitivos. Petrópolis: Vozes, 1973.

PIAGET, Jean. Adaptation vitale et psychologie de l’intelligence: sélection organique et phénocopie. Paris: Hermann, 1974.

PIAGET, Jean. [1969] Psicologia e pedagogia. Rio de Janeiro: Forense, 1976.

PIAGET, Jean. A tomada de consciência. São Paulo: EDUSP/Melhoramentos, 1977a.

PIAGET, Jean. O desenvolvimento do pensamento: equilibração das estruturas cognitivas. Lisboa: Dom Quixote, 1977b.

PIAGET, Jean. A teoria de Piaget. In: CARMICHAEL, Leonard. Manual de psicologia da criança. Desenvolvimento cognitivo I. São Paulo: EPU/EDUSP, 1977c, p. 70115.

PIAGET, Jean. Memória e inteligência. Brasília: Artenova, 1979.




DOI: http://dx.doi.org/10.15448/1981-2582.2016.1.20595

ATENÇÃO

Sistema em manutenção

Migração do sistema OJS para a versão 3.0. Durante este período os usuários:

  • Poderão acessar todo o conteúdo já publicado
  • Não poderão efetivar encaminhamentos do fluxo editorial (submissão, avaliação, publicação)

Previsão: 06/07/2020


ISSN-L: 0101-465X | e-ISSN: 1981-2582


Exceto onde especificado diferentemente, aplicam-se à matéria publicada neste periódico os termos de uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional, que permite o uso irrestrito, a distribuição e a reprodução em qualquer meio desde que a publicação original seja corretamente citada.