Parques de Ecologia Industrial: ecoinovação organizacional para o desenvolvimento regional sustentável

Ana Clara Aparecida Alves de Souza, Josimar Souza Costa, Jose Carlos Lazaro da Silva Filho

Resumo


O modelo de desenvolvimento regional tradicional, baseado em parques industriais, tem sido questionado por diversos autores devido aos possíveis problemas relacionados à concentração industrial e aos prejuízos ambientais causados pelas atividades desenvolvidas. Diante deste cenário a ecologia industrial e suas vertentes, dentre essas, a simbiose industrial, apresentam-se como uma abordagem alternativa ao modelo tradicional de parques industriais. O presente trabalho parte da discussão sobre categorias e níveis de implantação de inovações de baixo impacto ambiental com o objetivo de reduzir os efeitos deletérios da sociedade no ambiente – eco-inovação. Tem-se por objetivo apresentar um panorama sobre o conceito de ecologia industrial e suas práticas em expansão com o desenvolvimento de Parques de Ecologia Industrial mundialmente. Foi conduzida uma pesquisa exploratória e descritiva, que teve como resultado final um panorama da difusão de práticas inovadoras de ecologia industrial nas empresas estabelecidas em Parques Industriais.


Palavras-chave


Ecologia industrial. Ecoinovação. Desenvolvimento sustentável.

Texto completo:

PDF

Referências


ALDRICH, HE; FIOL, C.M.. Fool Rush in? The Institutional Context of Industry Creation. Academy of Management Review. v. 19, n. 4, p. 645-670, 1994.

BEHERA et al.Evolution of ‘designed’ industrial symbiosis networks in the Ulsan Eco-industrial Park: ‘research and development into business’ as the enabling framework. Journal of Cleaner Production.v. 29–30, p.103–112, 2012.

BESSANT, J. R.; TIDD, J. Innovation and entrepreneurship. England: John Wiley & Sons Ltd, The Atrium, Southern Gate, Chichester, West sussex, 2008.

BENYUS, J. M. Biomimética: inovação inspirada pela Natureza. São Paulo: Cultrix, 1997.

BORDENS, K. S.; ABBOTT, B. B. Research design and methods: a process approach. 8th. New York: McGraw-Hill, 2011.

BURNS, T.; STALKER, G. M. The Management of Innovation. London: Tavistok, 1961.

CHERTOW, M. R. The Eco-industrial Park Model Reconsidered. Journal of Industrial Ecology.v.2, n. 3, 1998.

CHERTOW, M. R. Industrial symbiosis: literature and taxonomy. Annual Review of Energy and the Environment, v. 25, n.1, p. 313-337, 2000.

CHERTOW, M. R. Uncovering industrial symbiosis.Journal of Industrial Ecology, v. 11, n. 1, p. 11-30, 2007.

CHERTOW, M. R; ASHTON, W. S.; ESPINOSA, J. C. Industrial Symbiosis in Puerto Rico: Environmentally Related Agglomeration Economies. Regional Studies, v. 42.10, p. 1299–1312, 2008.

CHERTOW, M. R.; EHRENFELD, J. Organizing Self-Organizing Systems: Toward a Theory of Industrial Symbiosis. Journalof Industrial Ecology. v.16, n.1, 2012.

COLLIS, J; HUSSEY, R. Pesquisa em administração: um guia prático para alunos de graduação e pós-graduação. 2. ed. Porto Alegre: Bookman, 2005.

CHIZZOTTI, A. Pesquisa em ciências humanas e sociais.Petrópolis, RJ: Vozes, 2006.

DEVENS.Welcometodevens. Disponível em:http://www.devensec.com/sustain.html. Acesso em: 05 mai. 2013.

DEVENS. Annual Report. 2012. Disponível em: http://www.massdevelopment.com/wp-content/uploads/2013/01/Devens_Annual_Report_2012.pdf. Acessoem: 05 mai. 2013.

DRUCKER, P. The Next Society. The Economist. 01 nov. 2001. Disponível em:http://www.economist.com/node/770819.Acesso em: 01 ago. 2012.

FROSCH, R. A.; GALLOPOULOS, N. E. Strategies for manufacturing.Scientific American, v. 261, n. 3, p. 144-152, 1989.

HEMMELSKAMP, J. Environmental policy instruments and their effects on innovation.ZEW DiscussionPapers.n. 96-22, p.01-27, 1996.Disponível em: http://www.econstor.eu/dspace/bitstream/10419/29463/1/257727930.pdfAcesso em:04 mai. 2013.

JACKSON, S. L. Research methods : a modular approach. 2nd. Belmont, CA: Wadsworth/Cengage Learning, 2011.

LIFSET, R.; GRAEDEL, T. E. Industrial ecology: goals and definitions. In: Ayres, R. U.; Ayres, L. W. A handbook of industrial ecology.Northhampton: Edward Elgar Publishing, 2002.

LOWITT, Peter. Devens: an eco-industrial park.Devens, Massachusetts USA,

Disponível em: http://www.eco-innovera.eu/lw_resource/datapool/_items/item_281/7-eco_innovation_park_devens.pdf Acesso em: 05 mai. 2013.

MINAYO, Maria Cecília de Souza. O desafio do conhecimento científico: pesquisaqualitativa em saúde. 2a edição. São Paulo/Rio de Janeiro: Hucitec-Abrasco, 1993.

OCDE/FINEP. Manual de Oslo:propostas de diretrizes para coleta e interpretação de dados sobre inovação tecnológica, 1997. Disponível em: http://download.finep.gov.br/imprensa/manual_de_oslo.pdf. Acessoem: 01 jun. 2012.

OSBORNE, S. P.; BROWN, L. Innovation, public policy and public services delivery in the UK. The word that would be king? Public Administration, v. 89, n. 4, p. 1335-1350, 2011. Disponível em:http://dx.doi.org/10.1111/j.1467-9299.2011.01932.x. Acesso em: 01mai.2013.

PAULUS, P.; NIJSTAT, B. Group Creativity: Innovation through Collaboration. Oxford: Oxford University Press, 2003.

PARK, H. S. WON, J. Y. Ulsan Eco-industrial Park: Challenges and Opportunities Journal of Industrial Ecology. v. 11, n. 3, 2007.

PETTIGREWet al. Innovative Forms of Organizing. London: Sage, 2003.

RENNINGS, K. Redefining innovation: eco-innovation research and the contribution from ecological economics. EcologicalEconomics, v.32, p. 319–332, 2000.

SCHUMPETER, Joseph. O Fenômeno Fundamental do Desenvolvimento Econômico. In: SCHUMPETER, JosephA Teoria do Desenvolvimento Econômico. Rio de Janeiro: Nova Cultural, 1985.

SCHUMPETER, J. A. Capitalism, Socialism and Democracy. Kessinger Publishing, 2010. Disponível em: http://books.google.com.br/books?id=Yk9wDwEACAAJ.Acesso em: 03 mar. 2013.

TEDA.Tianjin Economic-Technological Development Area.[2013] Disponível em:http://en.investteda.org/. Acesso em: 05 jan. 2013.

TEDA. ECO CenterAnnual Report. 2011.

TEDA.9th Annual Industrial Symbiosis Research Symposium.Handbook. Tianjin, China: 2012.

TRÍAS DE BES, Fernando; KOTLER, Philip. A Bíblia da Inovação. São Paulo: Leya, 2011.




ISSN-L: 1516-2680
e-ISSN:
1980-6302


Este periódico é membro do COPE (Committee on Publication Ethics) e adere aos seus princípios. http://www.publicationethics.org

Exceto onde especificado diferentemente, a matéria publicada neste periódico é licenciada sob forma de uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

 

Políticas Editoriais das Revistas Científicas Brasileiras. *Disponibilidade para depósito: Azul.

Copyright: © 2006-2019 EDIPUCRS