Coligações partidárias nas eleições proporcionais de Curitiba em 2016: Fragmentação, densidade eleitoral e financiamento

Ana Paula Brito Maciel, Breno Pacheco Leandro, Ulisses Alves Arias

Resumo


O sistema eleitoral brasileiro permitia – até a criação de uma cláusula de barreira – a formação de coligações entre partidos políticos que poderia ser usada como estratégia para garantir o sucesso eleitoral, tanto em candidaturas do sistema majoritário quanto no proporcional. Buscamos analisar o quanto as coligações foram significativas nas eleições proporcionais do município de Curitiba, em 2016, qual foi Número Efetivo de Partidos (NEP) e taxa de fracionalização, para averiguar o nível de fragmentação, a partir de dados disponibilizados pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE). Além disso, observamos o quanto o financiamento garantiu o sucesso eleitoral dos vereadores, utilizando banco de dados cedidos pelo Laboratório de Análise de Redes (LAR) da UFPR. Os resultados reiteram a teoria de que coligações e financiamento são fatores determinantes para a garantia do sucesso eleitoral, sendo o financiamento a forma individual de conseguir votos e a coligação a forma institucional.


Texto completo:

PDF

Referências


CARREIRÃO, Y. O sistema partidário brasileiro: um debate com a literatura recente. Revista Brasileira de Ciência Política, nº14. Brasília, p. 255-295, 2014.

CARREIRAO, Yan de Souza. Ideologia e partidos políticos: um estudo sobre coligações em Santa Catarina. Opin. Publica, Campinas, v. 12, n. 1, p. 136-163, May 2006. Disponível em: < http://www.scielo.br/pdf/op/v12n1/29401.pdf>. Acesso em: 03 de outubro de 2018. http://dx.doi.org/10.1590/S0104-62762006000100006.

CARREIRÃO, Y. de S., NASCIMENTO, F.P. As coligações nas eleições para o Senado brasileiro (1990/2006). In S. Krause et al. (orgs), Coligações Partidárias na Nova Democracia Brasileira. Perfis e Tendências, Rio de Janeiro, Konrad-Adenuer-Stiftung, São Paulo, Ed. unesp, p. 99-135, 2010.

CERVI, E. U. Financiamento de campanhas e desempenho eleitoral no Brasil: análise das contribuições de pessoas físicas, jurídicas e partidos políticos às eleições de 2008 nas capitais de estado. Revista Brasileira de Ciência Política, Brasília, n. 4, p. 135-167, jul/dez, 2010.

CERVI, E. U., SILVA, B. F. Padrões de financiamento eleitoral no Brasil: as receitas de postulantes à Câmara dos Deputados em 2010 e 2014. Revista Brasileira de Ciência Política, nº 23. Brasília, mai/ago, , p. 75-110, 2017.

DANTAS, H. Coligações em eleições majoritárias municipais: a lógica do alinhamento dos partidos políticos brasileiros nas disputas de 2000 e 2004. São Paulo. Tese (Doutorado em Ciência Política). Universidade de São Paulo, São Paulo, 2007.

GIMENES, É. R. Partidarismo, mobilização cognitiva e participação política no Brasil. In: MARTELLI, C. C. G.; JARDIM, M. C.; GIMENES, É. R. Participação política e democracia no Brasil contemporâneo. Araraquara: Universidade Estadual Júlio de Mesquita Filho, 2017.

KRAUSE, S. & GODOI, P. P. Coligações eleitorais para os executivos estaduais (1986-2006): padrões e tendências. In: KRAUSE, S.; DANTAS, H. & MIGUEL, L. F. (orgs.). Coligações partidárias na nova democracia brasileira: perfis e tendências. Rio de Janeiro: Konrad Adenauer, 2010.

LAAKSO, M.; TAAGEPERA, R. “Effective” Number of Parties: a Measure with Application to Western Europe. Comparative Political Studies, V. 12, pp. 3-27, 1979.

MACHADO, C. M. M. ; MIGUEL, L. F. 2008. Coerência, coesão e consistência: uma proposta de tipologia para coligações municipais. Trabalho apresentado no 6º Encontro da ABCP, realizado em Campinas, jul-ago, 2018.

MELO, M.A. Institucional Design, Normative Political Theory and Accountability. Revista de direito, GV. Edição especial 1, p. 195-206, 2005. Disponível em : http://bibliotecadigital.fgv.br/ojs/index.php/revdireitogv/article/viewFile/35252/34050.

MELO, C.A.V. ; SOARES, K.C.C. , “Coligações partidárias em eleições proporcionais municipais: fragmentação e sucesso de candidatos com baixa densidade eleitoral”. Análise Social, 220, Ed. 3, p. 684-719, 2016.

PEIXOTO, Vitor M. Eleições e financiamento de campanhas no Brasil. 2010. Tese (Doutorado em Ciência Política). Instituto Universitário de Pesquisas do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2010.

RIBEIRO, Ednaldo; BOLOGNESI, Bruno. Ideologia e representação: valores e atitudes de legisladores municipais. In: GIMENES, Éder Rodrigo; BORBA, Julian (Org.).  Poder legislativo e cultura política: Valores, atitudes, trajetória e comportamento político dos vereadores e vereadoras do estado de Santa Catarina. Curitiba: Cpop, 2018. p. 131-180. Disponível em: . Acesso em: 21 set. 2018.

SÁEZ, M. A.; FREIDENBERG, F. Partidos políticos na América Latina. Opinião Pública, 8, 2, pp. 137-157, 2002.

SCHMITT, R.A. Coligações eleitorais e sistema partidário no Brasil. Istituto Universitário de pesquisa do Rio de Janeiro (IUPERJ) , Rio de Janeiro, 1999.

SCHMITT, Rogério. Os estudos sobre alianças e coligações eleitorais na Ciência Política brasileira. In: KRAUSE, Silvana; SCHMITT, Rogério (orgs.) Partidos e coligações eleitorais no Brasil. Rio de Janeiro: Konrad Adenauer; São Paulo: Fundação Editora da Unesp, 2005.




DOI: http://dx.doi.org/10.15448/2178-5694.2018.2.32174

e-ISSN: 2178-5694

 

Conversas & Controvérsias


Este periódico é membro do COPE (Committee on Publication Ethics) e adere aos seus princípios. http://www.publicationethics.org

Licença Creative Commons
Exceto onde especificado diferentemente, a matéria publicada neste periódico é licenciada sob forma de uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

 

 

Políticas Editoriais das Revistas Científicas Brasileiras. Disponibilidade para depósito: Azul.

 

 Copyright: © 2006-2019 EDIPUCRS