Fragmentação partidária e partidos pequenos no Brasil (1998-2014)

Willber Nascimento

Resumo


Qual é o efeito dos partidos pequenos na fragmentação partidária brasileira? Neste artigo, fazemos uma breve revisão acerca da fragmentação partidária e do seu debate no cenário brasileiro, bem como os apontamentos da literatura acerca de sua relação com os partidos pequenos. Partimos da hipótese de que estes partidos exercem um efeito positivo e mais forte sobre a fragmentação do sistema partidário. Metodologicamente combinamos estatística descritiva, teste t para amostras emparelhadas e teste de correlação para mensurar o efeito dos partidos pequenos nas eleições para a Câmara dos Deputados. Os resultados indicam que: (1) sem os partidos pequenos a fracionalização continuaria elevada; (2) sem os partidos pequenos o NEP seria de 2,9 partidos em média no período; (3) partidos médios tem um peso maior na fragmentação, principalmente levando em conta que eles representam uma parcela menor do número total de partidos que disputam em uma UF.


Palavras-chave


Partidos Pequenos; Fragmentação Partidária; Câmara dos Deputados

Texto completo:

PDF

Referências


BORGES, André. Já não se fazem mais máquinas políticas como antigamente: competição vertical e mudança eleitoral nos estados brasileiros. Revista de Sociologia e Política, v. 18, n. 35, 2010.

DALMORO, Jefferson; FLEISCHER, David. Eleição proporcional: os efeitos das coligações e o problema da proporcionalidade. In: KRAUSE, Silvana; SCHMITT, Rogério (Org.). Partidos e coligações no Brasil. Rio de Janeiro/SãoPaulo: Konrad-Adenauer Stiftung/Editora Unesp, 2005.

DANTAS, Humberto; PRAÇA, Sérgio. Pequenos partidos nas coligações eleitorais para prefeituras em 2000. Revista Leviatã, n. 1, 2004.

DUVERGER, Maurice. Os Partidos Políticos. Brasília, Ed. UnB, 1970.

HAIR, Joseph et al. Análise multivariada de dados. Bookman, 2009.

KING, Gary. Replication, replication. PS: Political Science & Politics, v. 28, n. 03, p. 444-452, 1995.

KINZO, Maria D.'Alva. Legislação eleitoral, sistema partidário e reforma política. Política & Sociedade, v. 2, n. 2, p. 11-21, 2003.

KINZO, Maria D'Alva G. Partidos, eleições e democracia no Brasil pós-1985. Revista brasileira de ciências sociais. São Paulo, v. 19, n. 54, p. 23-40, 2004.

LANE, Jan-Erik; ERSSON, Svante. Party system instability in Europe: persistent differences in volatility between West and East? Democratisation, v. 14, n. 1, p. 92-110, 2007.

LAMOUNIER, Bolívar; MENEGUELLO, Rachel. Partidos políticos e consolidação democrática: o caso brasileiro. IDESP, Instituto de Estudos Econômicos, Sociais e Políticos, 1986.

LAVAREDA, José Antônio. A democracia nas urnas: o processo partidário-eleitoral brasileiro (1945-1964). Ed. 3, Editora Revan, 2012.

LAVAREDA, Antônio. Emoções Ocultas e Estratégias Eleitorais. Rio de Janeiro: Objetiva, 2009.

LINDBERG, Staffan I. Institutionalization of party systems? Stability and fluidity among legislative parties in Africa's democracies. Government and Opposition, v. 42, n. 2, p. 215-241, 2007.

LOOSEMORE, John; HANBY, Victor J. The theoretical limits of maximum distortion: some analytic expressions for electoral systems. British Journal of Political Science, v. 1, n. 04, p. 467-477, 1971.

MARCHETTI, Vitor. Poder Judiciário e Competição Política no Brasil: uma análise das decisões do TSE e do STF sobre as regras eleitorais. 2008. Tese de Doutorado. Tese de doutorado em Ciências Sociais: Política. PUC-SP, São Paulo, 2008. Disponível em: .

MAINWARING, Scott. Sistemas partidários em novas democracias: o caso do Brasil. FGV, São Paulo, 2001.

MAINWARING, Scott; TORCAL, Mariano. Teoria e institucionalização dos sistemas partidários após a terceira onda de democratização. Opinião Pública, vol. 11, n.2, p. 249-286, 2005.

MELO, Carlos Ranulfo. Eleições presidenciais, jogos aninhados e sistema partidário no Brasil. Revista Brasileira de Ciência Política, nº 4. Brasília, p. 13-41, 2010.

NICOLAU, Jairo. A reforma política e os pequenos partidos. In: HERMANNS, Klaus; MORAES, Filomeno (Org.). Reforma política no Brasil: realizações e perspectivas. Fortaleza: Fundação Konrad Adenauer, p. 11-18, 2003.

NICOLAU, Jairo. O sistema eleitoral de lista aberta no Brasil. Revista Dados, v. 49, n. 4, p. 689-720, 2006.

PAIVA, Denise; BATISTA, Carlos Marcos; STABILE, Max. A evolução do sistema partidário brasileiro: número de partidos e votação no plano subnacional 1982-2006. Opinião Pública, v. 14, n. 2, p. 432-453, 2008.

PAIVA, Denise; BOHN, Simone R. A volatilidade eleitoral nos Estados. Revista de Sociologia e Política, v. 17, n. 33, p. 187-208, 2009.

PAIVA, Denise; TAROUCO, Gabriela. Voto e identificação partidária: os partidos brasileiros e a preferência dos eleitores. Opinião Pública, v. 17, n. 2, p. 426-451, 2011.

PEDERSEN, Mogens. The dynamics of European party systems: changing patterns of electoral volatility. European Journal of Political Research, v. 7, n. 1, p. 1-26, 1979.

PEREIRA, Carlos; MUELLER, Bernardo. Partidos fracos na arena eleitoral e partidos fortes na arena legislativa: a conexão eleitoral no Brasil. DADOS Revista de Ciências Sociais, Rio de Janeiro, Vol. 46, no 4, 2003, p. 735-771, 2003.

RABAT, Nuno. Impacto das propostas da comissão de reforma política sobre os pequenos partidos. Nota Técnica, Câmara dos Deputados, Brasília, DF, 2012.

RAE, Douglas W. The political consequences of electoral laws. New Haven: Yale University Press, Estados Unidos, 1967.

RENNÓ, Lúcio. O dilema do rico: número de candidatos, identificação partidária e accountability nas eleições de 2002 para a Câmara dos Deputados. In: SOARES, G. A. D.; RENNÓ, L. R. (orgs.). Reforma política: lições da história recente. Rio de Janeiro, Editora FGV, p. 47-68, 2006.

RODRIGUES, Leôncio Martins. Eleições, fragmentação partidária e governabilidade. Novos Estudos, v. 41, p. 78-90, 1995.

SADEK, Maria Teresa. Sistema Partidário Brasileiro: a debilidade institucional. Working Paper nº 72. Instituto de Estudios Económicos, Sociais e Políticos SP , Barcelona, 1993. Disponível em: .

SARTORI, Giovani. Partidos e Sistemas Partidários. Brasília, Ed. UnB, 1982.

SPECK, Bruno Wilhelm; CAMPOS, Mauro Macedo. Incentivos para a fragmentação e a nacionalização do sistema partidário a partir do horário eleitoral gratuito no Brasil. Teoria e Pesquisa, Vol. 23, pp. 12 40, 2014.




DOI: http://dx.doi.org/10.15448/2178-5694.2018.2.31837

e-ISSN: 2178-5694

 

Conversas & Controvérsias


Este periódico é membro do COPE (Committee on Publication Ethics) e adere aos seus princípios. http://www.publicationethics.org

Licença Creative Commons
Exceto onde especificado diferentemente, a matéria publicada neste periódico é licenciada sob forma de uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

 

 

Políticas Editoriais das Revistas Científicas Brasileiras. Disponibilidade para depósito: Azul.

 

 Copyright: © 2006-2019 EDIPUCRS