Feminismo e o anarquismo pelas bordas: a resistência enquanto ação política

Daniela Dalbosco Dell'Aglio, Paula Sandrine Machado

Resumo


Esse artigo coloca em questão o conceito de resistência para pensar o feminismo anarquista, anarca-feminismo, ou ainda, as políticas queer, e os modos de fazer política que consideramos que escapam do esperado, não percorrem caminhos institucionais e que utilizam estratégias fora do alcance do Estado. A partir de conceitos que envolvem a analítica de poder, do Foucault, compreendemos como o Estado está imbricado nas construções dos modos de vida, opressões e hierarquias. A partir desta análise, abordaremos o anarquismo enquanto uma estratégia atrelada à resistência, que deve ser compreendida enquanto uma prática de liberdade e, ainda, enquanto uma forma de rejeição da tutoria e autoridade que controlam as subjetividades.


Palavras-chave


anarca-feminismo; feminismo anarquista; queer; resistência

Texto completo:

PDF

Referências


AÇÃO ANTISEXISTA. Coletivo Feminista. Sem ano. Disponível em: . Acesso em 08 fev 2016.

AVELINO, Nildo. Estudos anarquistas e teoria política: entre Proudhon e Foucault. Revista de Ciências Sociais, v.36, p.187-206, 2012.

BOLEVARI, Valéria. E As Anarco-Feministas O Que São?. 1995. Disponível em: . Acesso em: 08 fev 2016.

BUTLER, Judith. Sobre anarquismo: uma entrevista com Judith Butler. Revista de Ciências Sociais, v.36, p.19-27, 2012.

CLASTRES, Pierre. A sociedade contra o Estado – pesquisas de antropologia política. São Paulo: Cosac Naify, 2003.

DARING, C. B.; ROGUE, J.; VOLCANO, A; SHANNON, D. Introduction: Queer Meet Anarchism, Anarchism Meet Queer. In: C. B. Daring; J. Rogue; D. Shannon; A. Volcano (org.) (2012), Queering Anarchism: Essays on Gender, Power, and Desire. AK Press: Oakland, Edinburgh, Baltimore, p.5-18, 2012.

DAS, Veena; POOLE, Deborah. “States and its Margins”. In: V. Das; D. Poole, (org.). Anthropology in the Margins of the State. Santa Fe: School of American Research Press, p.279-288, 2004.

DAS, Veena. The act of witnessing: violence, gender and subjectivity. Life and Words, p.59-78, 2007.

DELL’AGLIO, Daniela Dalbosco. Marcha das Vadias: entre tensões, dissidências e rupturas nos feminismos contemporâneos. Dissertação de Mestrado do Programa de Pós-Graduação em Psicologia Social e Institucional da Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Porto Alegre, 2016.

DÍAZ, Reinaldo Giraldo. Poder y resistência em Michel Foucault. Tabula Rasa, v.4, p.103-122, 2006.

DUARTE, André de Machado; CESAR, Maria Rita de Assis. Estética da existência como política da vida em comum: Foucault e o conceito de comunidades plurais. O Que nos Faz Pensar (PUCRJ), v. 31, p. 175-196, 2012.

ECKERT, Lena. Pós-anarquismo e as práticas constrasexuais de ciborgues na dildotopia. Revista Artemis, v. 13, p. 90-108, 2012.

FOUCAULT, Michel. Microfísica do poder. Rio de janeiro: Graal, 1979.

___________. História da sexualidade 2: o uso dos prazeres. Rio do Janeiro: Graal, 1984.

___________. História da sexualidade 1: a vontade de saber. Rio do Janeiro: Graal, 1988.

___________. Vigiar e Punir. Rio de Janeiro: Graal, 1994.

___________. A ética do cuidado de si como prática de liberdade. In: M. FOUCAULT. Ditos e Escritos - V. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2006.

___________. O sujeito e o poder. In: M. FOUCAULT, Ditos e Escritos – IX. Rio de Janeiro: Forense Universitária, p. 118-140, 2014.

HARAWAY, Donna. Manifesto Ciborgue: ciência, tecnologia e feminismosocialista no final do século XX. In: T. T. SILVA: Antropologia do ciborgue: as vertigens do pós-humano. Belo Horizonte, Autêntica, 2000.

LAVALLE, Adrian Gurza; CARLOS, Euzeneia.; DOWBOR, Monica.; ALBUQUERQUE, Maria do Carmo Alves. Movimentos sociais, institucionalização e domínios de agência. Centro de Estudos da Metrópole (CEM), Série Textos para Discussão CEM, n.19, p.3-40, 2017.

LOURAU, René. O instituinte contra o instituído. In: ALTOÉ, S. (org.). René Lourau: analista institucional em tempo integral. São Paulo: Hucitec, p. 47-65. 2004.

LUANA, Vanessa; DIAS, Mabel. Considerações Sobre o AnarcoFeminismo. 2007. Disponível em: . Acesso em 08 fev 2016.

ORTNER, Sherry. Poder e projetos: reflexões sobre a agência. In: M. P. Grossi, C. Eckert, P. Fry (orgs), Conferências e Diálogos: saberes e práticas antropológicas, p.45-80, 2007.

PAES, Rui Eduardo. ANARCO-QUEER? QUEERCORE! 2014. Disponível em: . Acesso em 15 fev 2016.

PELEGRINI, Maurício. Foucault, feminismo e revolução. Anais do XXI Encontro Estadual de História – ANPUH-SP, 2012.

PRECIDADO, Paul. Kontrasexuelles manifest. Berlim: b_books: 2003.

ROSE, Nikolas. Governing ‘‘Advanced’’ Liberal Democracies. In: A. SHARMA; A. GUPTA (orgs.): The Anthropology of the State, a reader. Malden, Blackwell Publishing, p.144-162, 2006.

SCOTT, James. Formas cotidianas de resistência camponesa. Raízes, v.21, n.1, p.10-31, 2002.

_______. The art of noit being governed. An anarquist history of Upland Southeast Asia. New Haven and London: Yale University Press, 2009.

SCOTT, Joan. W. Gênero: uma categoria única para análise histórica. Educação & Realidade, v.20, n.2, p.71-99, 1995.

SHARMA, Aradhana; GUPTA, Akhil. Introduction: Rethinking Theories of the State in an Age of Globalization. In: A. SHARMA; A. GUPTA (orgs.): The Anthropology of the State, a reader. Malden, Blackwell Publishing, p.1-42

SIMÃO, Azis. Os anarquistas: duas gerações distanciadas. Tempo Social., v. 1, n. 1, p. 57-69, 1989. DOI: https://doi.org/10.1590/ts.v1i1.83320




DOI: http://dx.doi.org/10.15448/2178-5694.2018.1.30239

e-ISSN: 2178-5694

 

Conversas & Controvérsias


Este periódico é membro do COPE (Committee on Publication Ethics) e adere aos seus princípios. http://www.publicationethics.org

Licença Creative Commons
Exceto onde especificado diferentemente, a matéria publicada neste periódico é licenciada sob forma de uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

 

 

Políticas Editoriais das Revistas Científicas Brasileiras. Disponibilidade para depósito: Azul.

 

 Copyright: © 2006-2018 EDIPUCRS