Reprodução social e laços de parentesco da elite do município de São Carlos/SP - 1873 a 1904.

Carla Fernandes da Conceição

Resumo


No período compreendido entre a passagem do Império para a República, os fazendeiros de café paulistas compunham a elite econômica e política nas esferas municipal, estadual e federal. Estes fazendeiros formavam um grupo coeso a fim de exercer o domínio, a hegemonia e a legitimação do poder local viabilizados por interesses em comum e por uma rede de parentesco que lhes permitiam perpetuar e reproduzirem-se socialmente. Partindo de uma perspectiva da Sociologia Histórica e baseando-se nos autores clássicos do estudo das elites – Mosca, Pareto e Michels, este artigo analisa, portanto, as estratégias matrimoniais utilizadas por estes fazendeiros de café a fim de se manterem no poder, conservarem suas riquezas, terem cargos políticos locais, especificamente, no período entre 1873 a 1904, no município de São Carlos. 


Palavras-chave


São Carlos; Elites; Fazendeiros de café; Estratégias matrimoniais; Reprodução social

Texto completo:

PDF


e-ISSN: 2178-5694

 

Conversas & Controvérsias


Este periódico é membro do COPE (Committee on Publication Ethics) e adere aos seus princípios. http://www.publicationethics.org

Licença Creative Commons
Exceto onde especificado diferentemente, a matéria publicada neste periódico é licenciada sob forma de uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

 

 

Políticas Editoriais das Revistas Científicas Brasileiras. Disponibilidade para depósito: Azul.

 

 Copyright: © 2006-2018 EDIPUCRS