Políticas Editoriais

Foco e Escopo

A revista Conversas e  Controvérsias é um periódico editado pelo curso de graduação e pelo Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais da Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS). O foco da revista é constituir um espaço de debates e de divulgação da produção científica discente. Dessa forma, visa incentivar a pesquisa científica entre os estudantes de graduação e pós-graduação, sobretudo na área de Ciências Sociais. A revista conta com três editores vinculados à PUCRS, uma equipe executiva constituída por estudantes da graduação e da pós-graduação em Ciências Sociais da PUCRS e um conselho editorial, composto por professores e pesquisa de diferentes instituições de ensino e pesquisa do país. Conversas e Controvérsias é uma publicação exclusivamente digital de periodicidade semestral, sendo que cada edição conta com três sessões, a saber: dossiê temático, artigos livres e resenhas.

 

Políticas de Seção

Artigo Livre

Esta seção recebe submissões em fluxo contínuo.

Verificado Submissões abertas Verificado Indexado Verificado Avaliado pelos pares

Resenha

Esta seção recebe submissões em fluxo contínuo.

Verificado Submissões abertas Verificado Indexado Verificado Avaliado pelos pares

Dossiê - Relações Internacionais e Meio Ambiente

Editores
  • Isabela Battistello Espíndola
  • Wagner Ribeiro
  • Cínthia Leone Santos
Não verificado Submissões abertas Verificado Indexado Verificado Avaliado pelos pares

Dossiê - Partidos e representação política

Nas democracias liberais, as instituições (partidos políticos, franquia eleitoral e os poderes Executivo e Legislativo) cumprem papel fundamental enquanto filtro que normatiza a disputa pelos espaços formais de representação. Para ocupar estes espaços de poder, vereadores, prefeitos, deputados, senadores, governadores e presidentes têm que cumprir uma série de quesitos como a filiação a um partido político, a sua indicação como candidatos e o sucesso na disputa pelo voto. Embora sejam veículos fundamentais no processo, os partidos políticos não esgotam a representação. Para além de representarem suas legendas, lideranças políticas buscam se legitimar enquanto representantes dos mais diversos interesses, “bandeiras de luta”, causas e identidades, que se encontram disseminados no âmbito da sociedade civil. Ideologia, religião, interesses corporativos, vínculos geográficos e culturais, classe social, gênero, raça e opção sexual são alguns exemplos de imagens mobilizadas na luta por espaços de representação. O objetivo deste dossiê é reunir trabalhos que analisam como (estas e outras) identidades particulares possuem maiores ou menores chances de passar pelos filtros institucionais e alcançar espaços de representação. Como o controle sobre diferentes tipos de capitais passíveis de serem convertidos em capital político (ou a sua ausência) impacta nas chances de determinados grupos, interesses e identidades terem êxito na luta por representação política. Buscar-se-á neste dossiê reunir artigos que partam de diferentes enfoques, que façam uso de diferentes técnicas de pesquisa e que se debrucem sobre diferentes escopos de análise (cargos municipais, estaduais e/ou nacionais).

Palavras-chave: Representação; partidos políticos; democracia.

Editores
  • marcos Quadros
  • Roeder Roeder
  • Vinicius Zuccolotto
Não verificado Submissões abertas Verificado Indexado Verificado Avaliado pelos pares

Dossiê - Dinâmicas contemporâneas das mobilizações sociais

Dossiê: Dinâmicas contemporâneas das mobilizações sociais

As ações coletivas – ou seja, a mobilização e coordenação de esforços de indivíduos e grupos em torno de interesses e objetivos compartilhados – constituem importantes processos na conformação da vida social em todas as épocas. Os processos de mobilização e organização social não são, porém, efeitos automáticos ou resultados necessários de condições compartilhadas, privações coletivas ou constrições estruturais. Desta forma, é fundamental, do ponto de vista analítico, considerar os mecanismos que produzem os processos de ação coletiva, percebendo como tais processos são ativados e mantidos e quais as suas consequências. 
O campo de estudos sobre ações coletivas se desenvolveu de forma expressiva nas últimas décadas, relacionando diferentes objetos empíricos e perspectivas teóricas, especialmente aqueles que conformam processos de contestação social e política, tais como: as pesquisas sobre associativismo e sociedade civil; as teorias sobre movimentos sociais e contestação; e os estudos sobre engajamento e militantismo. 
Contudo, tal campo foi surpreendido nos últimos anos por processos contestatórios que trouxeram novos desafios à agenda de pesquisa. No Brasil, o ciclo recente de protestos está tensionando quadros teóricos já consolidados e produzindo efeitos nas mais variadas áreas das Ciências Sociais. Além disso, a atual conjuntura política do país vem desafiando um dos importantes avanços neste campo de estudos: a crítica à visão dicotômica e maquineísta entre sociedade civil e Estado. Esta crítica, realizada a partir de um conjunto de pesquisas empíricas, foi objeto de significativa e relevante produção nos últimos anos, com consistentes contribuições sobre os condicionantes político-institucionais dos processos associativos. Dada à conjuntura, os processos assumem novos contornos, justificando a realização e divulgação de pesquisas que tratem sobre essa diversidade de fenômenos e de perspectivas teórico-metodológicas.
Neste cenário, o objetivo deste dossiê é promover a discussão em torno de processos contemporâneos de organização e mobilização social em diferentes contextos e que busquem o diálogo com as diversas perspectivas teóricas sobre os processos de associação, contestação e engajamento.

Prazo final para submissão de artigos e resenhas: 30 de março de 2018

Editores
  • ESPINDULA Espindula
  • Camila Farias da Silva
  • Marcelo K. Silva
  • Carla Rech
Não verificado Submissões abertas Verificado Indexado Verificado Avaliado pelos pares

Dossiê - Reconhecimento, autonomia e liberdade social: abordagens em Teoria Social

V. 4, N. 2 (2017).

Submissões de artigos prorrogadas.

Só serão aceitas submissões online via sistema OJS, na página da revista (Clique aqui)

Orientações e diretrizes para submissões, no link Submissões online.

A Teoria Social tem sido amplamente desenvolvida e debatida ao longo da modernidade, tanto na Filosofia quanto nas Ciências Sociais. Se num primeiro momento, influenciada pelo Iluminismo, ela se voltava às correntes tradicionais como marxismo, positivismo e idealismo, ao longo do século XX mudanças teóricas e metodológicas foram ganhando campo, entre as quais a Teoria Crítica, o Realismo Crítico, a Pós-Modernidade.

No campo da Teoria Social criam-se nichos epistemológicos que possibilitam compreender os fenômenos sociais múltiplos, difusos e dinâmicos de uma contemporaneidade que se encontra armadilhada entre ideais do passado e de um futuro incerto.

Nesse sentido, o presente dossiê proposto pela revista Conversas & Controvérsias pretende ser um espaço amplo e plural para a proposição e discussão de questões atinentes à Teoria Social, em especial à Teoria Crítica, ancoradas em três pilares: reconhecimento, autonomia e liberdade social

Editores
  • Guilherme Böes
  • Santiago Pavani Dias
  • Vagner Vargas
Não verificado Submissões abertas Verificado Indexado Verificado Avaliado pelos pares

Dossiê - Biografia e sociedade

Dossiê “Biografia e sociedade”– submissões: abril-maio/ 2019

Organizadores: Hermílio Santos, Naida Menezes, Lucas Sangalli, Priscila Susin

Editores
  • Suliane Cardoso
  • Hermílio dos Santos Filho
  • Naida Menezes
  • Karina Reif
  • Lucas Sangalli
  • Priscila Susin
Verificado Submissões abertas Verificado Indexado Verificado Avaliado pelos pares

Dossiê - Juventudes, participação e políticas públicas

Dossiê “Juventudes, participação e políticas públicas” – submissões: junho-julho / 2019

Organizadores: Fernanda Bittencourt Ribeiro, Ane Briscke, Bruna Koerich

Não verificado Submissões abertas Verificado Indexado Verificado Avaliado pelos pares
 

Processo de Avaliação pelos Pares

A publicação de trabalhos está condicionada à aprovação por dois consultores(as), membros ou não do conselho editorial da revista.

 

Periodicidade

Publicação eletrônica - semestral.

 

Política de Acesso Livre

Esta revista proporciona acesso aberto a todo seu conteúdo, seguindo o princípio de que tornar gratuito o acesso a pesquisas gera um maior intercâmbio global de conhecimento. Tal acesso está associado a um crescimento da leitura e citação do trabalho de um autor. Para maiores informações sobre esta abordagem, visite Public Knowledge Project, projeto que desenvolveu este sistema para melhorar a qualidade acadêmica e pública da pesquisa, distribuindo o OJS assim como outros softwares de apoio ao sistema de publicação de acesso aberto a fontes acadêmicas.

 

Arquivamento

Esta revista utiliza o sistema LOCKSS para criar um sistema de arquivo distribuído entre as bibliotecas participantes e permite às mesmas criar arquivos permanentes da revista para a preservação e restauração. Saiba mais...

 

Dados de catalogação e depósito legal

Ficha Catalográfica elaborada pelo Setor de Tratamento da Informação da Biblioteca Central da PUCRS

É realizado o depósito legal na Biblioteca Nacional

 

Qualis CAPES 2013-2016

ÁREA CAPES – Ciência Política e Relações Internacionais

CLASSIFICAÇÃO – B5

 

Diretrizes para organizadores de dossiês temáticos

Desde 2016, a revista discente Conversas e Controvérsias apresenta um dossiê temático por número, além das sessões artigos livres e resenhas. Visando ampliar o caráter democrático da publicação, abre-se a toda a comunidade acadêmica a possibilidade de contribuir com a revista a partir da proposição e organização de dossiê temáticos.

 As propostas de dossiês encaminhadas pela comunidade acadêmica serão examinadas pelos editores e pela equipe editorial da revista, que serão responsáveis pela seleção das propostas aprovadas e pelo estabelecimento do calendário de publicação dos dossiês. A seleção das propostas levará em consideração o atendimento dos seguintes critérios:

 

1) Sobre os organizadores:

 Recomendamos que a proposta conte com no máximo quatro organizadores e no mínimo dois, sendo preferível que os organizadores estejam vinculados à uma instituição de ensino e/ou pesquisa. Espera-se que ao menos um organizador possua o grau de doutor.

 

2) Sobre as propostas:

 A revista privilegiará as propostas que abordem temas de interesse das Ciências Sociais. Espera-se que a proposta incentive a reunião de trabalhos acadêmicos originais e inéditos de autoria de estudantes de graduação e pós-graduação que desenvolvam pesquisas nas perspectivas das Ciências Sociais (Sociologia, Antropologia e Ciência Política), bem como de áreas afins (Filosofia, História, Geografia, Educação, Direito e Relações Internacionais).

 

3) Sobre o envio das propostas:

 Os candidatos devem enviar a proposta à equipe editoral da revista Conversas e Controvérsias por meio do e-mail: conversas.controversias@gmail.com A proposta deve conter o título do dossiê, um resumo que apresente brevemente a justificativa e relevância da proposta temática, seu foco e objetivos (500 palavras), três palavras-chaves, além do nome e link para currículos lattes dos organizadores. Os proponentes também podem listar os artigos que serão convidados a compor o dossiê (opcional). A lista deve ser composta por no máximo cinco artigos inéditos e deve conter os nomes e instituições de origem dos autores, títulos, resumos (150 palavras) e palavras-chaves de cada artigo proposto. Espera-se que o dossiê seja plural quanto às instituições de origem dos seus autores. Destacamos que a aprovação do dossiê não implica a aprovação automática dos artigos nele propostos, bem como não limita o recebimento e aprovação de artigos enviados pela comunidade acadêmica que não foram convidados pelos organizadores a compor o dossiê. Todos os artigos enviados à revista Conversas e Controvérsias são submetidos à avaliação cega por pares que podem aprovar os artigos, fazer sugestões de alterações ou reprovar a sua publicação.

 

4) Sobre as responsabilidades dos organizadores:

 Ao enviar uma proposta, os proponentes se comprometem em colaborar com a divulgação da chamada para artigos do dossiê, com a submissão dos artigos recebidos para a avaliação cega, com a escolha de avaliadores (os quais devem ser doutores vinculados à instituições de ensino, preferencialmente de fora do estado do Rio Grande do Sul), com a preparação dos artigos de acordo com as regras editoriais da revista e com a divulgação do número após a sua publicação. Para tanto, durante o processo de organização do número, os organizadores terão acesso ao sistema da revista. Os organizadores também são responsáveis pela escrita do texto de apresentação do número. Por fim, cabe destacar que uma vez selecionada a proposta, os organizadores devem prezar pela qualidade e reputação da revista e pelo respeito à normas éticas que servem como base para a atuação dos profissionais das ciências sociais.