Ciência Política na Ufrgs: formação, evolução e perfil da produção científica

Cristiana Maglia, Paulo Peres

Resumo


O objetivo central deste artigo é reconstruir a história do processo de autonomização acadêmica da Ciência Política no Rio Grande do Sul, desde a criação do Programa de Pós-Graduação, em 1973, até o momento atual, a partir da análise descritiva de documentos e de entrevistas com personagens centrais desse processo. Com base nesse material, defendemos o argumento de que houve uma geração de cientistas políticos na Ufrgs que contribuiu para a autonomia acadêmica da disciplina em âmbito regional e nacional e, concomitantemente, foi responsável pela difusão de paradigmas predominantes na Ciência Política norte-americana e europeia. Para evidenciar a adesão aos paradigmas, são analisadas as teses e as dissertações defendidas no período de 1977 a 2016, com base em categorias teórico-metodológicas para a sua classificação.


Palavras-chave


História da Ciência Política. Ciência Política no Brasil. Ciência Política na América Latina.

Texto completo:

PDF

Referências


ADCOCK, Robert; BEVIR, Mark. Political science. In: BACKHAOUSE, Roger E.; FONTAINE, Philippe (org.). The history of the social sciences since 1945. Cambridge: Cambridge University Press, 2010. p. 71-101. https://doi.org/10.1017/cbo9780511845260.006

ALMEIDA, Maria Hermínia Tavares de. Ciência política no Brasil: avanços e desafios. In: MARTINS, Carlos Benedito (org.). Para onde vai a pós graduação em Ciências Sociais no Brasil. Bauru: Edusc/Anpocs, 2001. p. 105-121. https://doi.org/10.1590/2238-38752011v1111

ALMOND, Gabriel A. Discipline divided: schools and sects in Political Science. London: Sage, 1990.

AMORIM NETO, Octavio; SANTOS, Fabiano. La ciencia política en Brasil: el desafío de la expansión. Revista de Ciencia Politica, Santiago, v. 25, n. 1,

p. 101-110, 2005. Disponível em: https://scielo.conicyt.cl/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0718-090X2005000100007. Acesso em: 16 out. 2019. https://doi.org/10.4067/s0718-090x2005000100007

AMORIM NETO, Octavio; SANTOS, Fabiano. La ciencia política en Brasil en la última década: la nacionalización y la lenta superación del parroquialismo. Revista de Ciencia Política, Santiago, v. 35, n. 1, p. 19-31, 2015. Disponível em: https://scielo.conicyt.cl/scielo.php?script=sci_abstract&pid=S0718-090X2015000100002&lng=pt&nrm=iso. Acesso em: 16 out. 2019. https://doi.org/10.4067/s0718-090x2015000100002

ASSIS BRASIL, Joaquim Francisco de. Democracia representativa: do voto e do ato de votar. Rio de Janeiro: Typografia Leuzinger e Filhos, 1893.

AVRITZER, Leonardo. O papel do pluralismo na formaçã o e consolidaçã o da ciência política no Brasil. In: AVRITZER, Leonardo; MILANI, Carlos; BRAGA, Maria do Socorro (org.). A ciência política no Brasil: 1960-2015. Rio de Janeiro: FGV, 2016. p. 165-183. https://doi.org/10.1590/0103-335220192908

BULCOURF, Pablo; GUTIÉRREZ MÁRQUEZ, Enrique; CARDOZO, Nelson. Historia y desarrollo de la ciencia política em América Latina: reflexones sobre la constitución del campo de estudios. Revista de Ciencia Política, Santiago, v. 35, n. 1, p. 179-199, 2015. Disponível em: https://scielo.conicyt.cl/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0718-090X2015000100009. Acesso em: 16 out. 2019. https://doi.org/10.4067/s0718-090x2015000100009

CAMPOS, Luiz Augusto; FERES JUNIOR, João; GUARNIERI, Fernando. 50 anos da Revista Dados: uma análise bibliométrica do seu perfil disciplinar e temático. Dados, Rio de Janeiro, v. 60, n. 3, p. 623-661, 2017. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0011-52582017000300623&script=sci_abstract&tlng=pt. Acesso em: 16 out. 2019. https://doi.org/10.1590/001152582017131

DRYZEK, John S. Revolutions without enemies: key transformations in political science. American Political Science Review, Baltimore, v. 100, n. 4, p. 487-492, 2006. Disponível em: https://doi.org/10.1017/S0003055406062332. Acesso em: 16 out. 2019.

EASTON, David. Political science in the United States: past and present. International Political Science Review, Guildford, v. 6, n. 1, p. 133-152, 1985. Disponível em: https://www.jstor.org/stable/1600975. Acesso em: 16 out. 2019. https://doi.org/10.1177/019251218500600113

EASTON, David. Uma teoria de análise política. Rio de Janeiro: Zahar, 1968.

FARR, James. Francis Lieber and the interpretation of American political science. The Journal of Politics, [s. l.]. v. 52, n. 4, p. 1027-1049, 1990. Disponível em: https://www.jstor.org/stable/2131681. Acesso em: 16 out. 2019.

FARR, James. The history of political science. American Journal of Political Science, Austin, v. 32, n. 4, p. 1175-1195, 1988. Disponível em: https://www.jstor.org/stable/2111205. Acesso em: 16 out. 2019.

FLICK, Uwe. Uma introdução à pesquisa qualitativa. Porto Alegre: Bookman, 2004.

FORJAZ, Maria Cecília Spina. A emergência da ciência política no Brasil: aspectos institucionais. Revista Brasileira de Ciências Sociais, São Paulo, v. 12, n. 35, p. 1-22, 1997. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/S0102-69091997000300007. Acesso em: 16 out. 2019.

GOODING, Robert E.; KLINGEMANN, Hans-Dieter. Political science: the discipline. In: GOODING, Robert; KLINGEMANN, Hans-Dieter (org.). A new handbook of political science. Oxford: Oxford University Press, 1996. p. 3-49. https://doi.org/10.1017/s0048840200028999

HALL, Peter A.; TAYLOR, Rosemary C. R. As três versões do neo institucionalismo. Lua Nova: Revista de Cultura e Política, São Paulo, n. 58, p. 193-223, 2003. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/S0102-64452003000100010. Acesso em: 16 out. 2019.

KUHN, Thomas. A estrutura das revoluções científicas. Lisboa: Guerra e Paz, 2005.

LAMOUNIER, Bolívar. A ciência política no Brasil: roteiro para um balanço crítico. In: LAMOUNIER, Bolívar (org.). A ciência política nos anos 80. Brasília: UnB, 1982. p. 407-433.

LEITE, Fernando. Posições e divisões na Ciência Política brasileira contemporânea: explicando sua produção acadêmica. Revista de Sociologia e Política, Curitiba, v. 18, n. 37, p. 149-182, 2010. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/S0104-44782010000300011. Acesso em: 16 out. 2019.

LEITE, Fernando. Tradições intelectuais na ciência política brasileira contemporânea. Dados, Rio de Janeiro, v. 60, n. 3, p. 751-791, 2017. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/001152582017134. Acesso em: 16 out. 2019.

LEITE, Fernando; CODATO, Adriano. Autonomização e institucionalização da ciência política brasileira: o papel do sistema Qualis-Capes. Agenda Política, São Paulo, v. 1, n. 1, p. 1-21, 2013. Disponível em: http://www.agendapolitica.ufscar.br/index.php/agendapolitica/article/view/10/8. Acesso em: 16 out. 2019.

LESSA, Renato. O campo da ciência política no Brasil: uma aproximação construtivista. In: Martins, Carlos Benedito (org.). Horizontes das ciências sociais no Brasil: Ciência Política. São Paulo: Anpocs, 2010. p. 13-50. https://doi.org/10.1590/2238-38752011v1111

LIMONGI, Fernando; ALMEIDA, Maria Hermínia Tavares; FREITAS, Andrea. Da sociologia ao (neo)institucionalismo: 30 anos que mudaram a ciência política no Brasil. In: AVRITZER, Leonardo; MILANI, Carlos; BRAGA, Maria do Socorro (org.). A ciência política no Brasil: 1960-2015. Rio de Janeiro: FGV, 2016. p. 61-91. https://doi.org/10.1590/0103-335220192908

MARCH, James G.; OLSEN, Johan P. Neo-Institucionalismo: fatores organizacionais na vida política. Revista de Sociologia e Política, Curitiba, v. 16, n. 31, p. 121-142, 2008. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/S0104-44782008000200010. Acesso em: 16 out. 2019.

MARENCO, André. The three Achilles’ heels of Brazilian political science. Brazilian Political Science Review, São Paulo, v. 8, n. 3, p. 3-38, 2014. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/1981-38212014000100019. Acesso em: 16 out. 2019.

MARENCO, André. When institutions matter: Capes and political science in Brazil. Revista de Ciencia Política, Santiago, v. 35, n. 1, p. 33-46, 2015. Disponível em: http://www.redalyc.org/articulo.oa?id=32439319003. Acesso em: 16 out. 2019.

MICELI, Sergio (org.). História das ciências sociais no Brasil. São Paulo: IDESP, 1989. v. 1.

MICELI, Sergio (org.). História das ciências sociais no Brasil. São Paulo: Sumaré, Fapesp, 1995. v. 2.

MONTEIRO, Lorena Madruga. A estratégia dos católicos na conquista da Sociologia na UFRGS (1940-1970). 2006. Dissertação (Mestrado em Ciência Política) – Programa de Pós-Graduação em Ciência Política, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2006.

NICOLAU, Jairo; OLIVEIRA, Lilian. A produção da Ciência Política brasileira: uma análise dos artigos acadêmicos. In: ENCONTRO ANUAL DA ANPOCS, 37., 2013, Águas de Lindóia. Anais [...]. Águas de Lindóia: ANPOCS, 2013.

NUPERGS. [Site]. Porto Alegre: UFRGS, [2019]. Disponível em: www.ufrgs.br/nupergs. Acesso em: 16 out. 2019.

PEIXOTO, Fernanda Arêas. Franceses e norte-americanos nas ciências sociais brasileiras (1930-1960). In: MICELLI, Sergio (org.). História das ciências sociais no Brasil. São Paulo: Sumaré, 2001. v. 1, p. 477-531.

PERES, Paulo Sérgio. Comportamento ou instituições? A evolução histórica do neo-institucionalismo da ciência política. Revista Brasileira de Ciências Sociais, São Paulo, v. 23, n. 68, p. 53-72, 2008. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/S0102-69092008000300005. Acesso em: 16 out. 2019.

QUIRINO, Célia. Departamento de ciência política. Estudos Avançados, São Paulo, v. 8, n. 22, p. 337-348, 1994. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/S0103-40141994000300043. Acesso em: 16 out. 2019.

REIS, Bruno. P. W.; ARAÚJO, Cícero. A formação do pós-graduando em ciência política. In: MARTINS, Carlos Benedito (org.). Para onde vai a pós-graduação em ciências sociais no Brasil. Bauru: EDUSC, 2005. p. 51-72.

REIS, Elisa Pereira. A construção intelectual e a política das ciências sociais brasileiras: a experiência do IUPERJ. In: MICELLI, Sergio (org.). A Fundação Ford no Brasil. São Paulo: Sumaré, 1993. p. 114-129.

SANTOS, Wanderley Guilherme. A ciência política na América Latina. Dados, Rio de Janeiro, v. 23, n. 1, p. 15-20, 1980.

SEELEY, John Robert. Introduction to political science. London: Macmillan, 1896.

SOARES, G. A. D. O calcanhar metodológico da Ciência Política no Brasil. In: MARTINS, Carlos Benedito (org.). Para onde vai a pós-graduação em ciências sociais no Brasil. Bauru: EDUSC, 2005. p. 73-104.

TRINDADE, Hélgio H. C. A ciência política na Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS): etapa fundacional e de inserçã o nacional (1968 1980). In: AVRITZER, Leonardo; MILANI, Carlos; BRAGA, Maria do Socorro (org.). A ciência política no Brasil: 1960-2015. Rio de Janeiro: FGV, 2016. p. 93-122.

TRINDADE, Hélgio H. C. Ciências sociais no Brasil: diálogos com mestres e discípulos. Brasília: Lieber Livro, 2012.

TRINDADE, Hélgio H. C. Ciências sociais no Brasil em perspectiva: fundação, consolidação e expansão. In: TRINDADE, Hélgio H. C. (org.). As ciências sociais na América Latina em perspectiva comparada (1930 2005). Porto Alegre: UFRGS, 2007. p. 71-169.

TRINDADE, Hélgio Henrique C. O político e o professor. In: TRINDADE, Hélgio H. C.; LEITE, Luiz Osvaldo (org.). Leônidas Xausa. Porto Alegre: UFRGS, 2004. p. 539-567.

TRINDADE, Hélgio Henrique C. Participação político-social ao nível local. Dados, Rio de Janeiro, n. 8, 1971.

UFRGS. Processo de credenciamento do curso de pós-graduação em Ciência política da Universidade Federal do Rio Grande do Sul junto à Coordenação de Aperfeiçoamento do Pessoal de Nível Superior. Porto Alegre: UFRGS, 1996.

UFRGS. Proposta de doutorado em ciência política: ênfase em política comparada e integração Latino-Americana. Porto Alegre: UFRGS, 1995.

VIANNA, Luiz Werneck et al. Doutores e teses em ciências sociais. Dados, Rio de Janeiro, v. 41, n. 3, 1998. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/S0011-52581998000300001. Acesso em: 16 out. 2019.




DOI: http://dx.doi.org/10.15448/1984-7289.2019.3.33468

Direitos autorais 2019 Civitas - Revista de Ciências Sociais

ISSN-L: 1519-6089  -  e-ISSN: 1984-7289

Civitas - Revista de Ciências Sociais

....................................................................................................................................................................................................

Este periódico é membro do Cope (Committee on Publication Ethics) e adere aos seus princípios. http://www.publicationethics.org


Licença Creative Commons
Exceto onde especificado diferentemente, a matéria publicada neste periódico é licenciada sob forma de uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

 

Políticas editoriales de revistas científicas brasileñas. Disponibilidad de depósito: Azul .

Copyright: © 2006-2020 Edipucrs