Entre as andanças e as travessias nas ruas da cidade: territórios e uso de drogas pelos moradores de rua

Regina de Paula Medeiros

Resumo


Esse artigo é parte de uma pesquisa etnográfica concluída em 2016. Propõe-se aqui discutir os territórios de drogas apropriados pelos moradores de rua que vivem na região central de Belo Horizonte, os sistemas de significados e os usos de drogas e sua representação simbólica. A organização dos espaços urbanos pelos moradores de rua que fazem uso de drogas segue uma lógica própria decorrente dos significados a eles atribuídos, da forma de percepção da cidade e de sua funcionalidade para acessar recursos necessários à sua condição de vida. A compreensão da forma de organização dos espaços urbanos foi possibilitada pelo mapeamento realizado juntamente com interlocutores e participantes dessa investigação nas “andanças e travessias”. Foi constatado que as definições dos limites físicos da cidade servem para demarcar as desigualdades e diferenças sociais e sustentam as políticas de drogas proibicionistas e as intervenções de controle social.


Palavras-chave


Territórios de drogas; Moradores de rua; Políticas públicas.

Texto completo:

PDF

Referências


ADORNO, Rubens. A produção das cracolândias: razões de mercado, pânico moral e elogio a violência do estado – epidemias de uma miséria política brasileira. In: Osvaldo Francisco Ribas Lobos Fernandez; Marcelo Magalhães Andrade; Antonio Nery Filho (orgs.). Drogas e políticas públicas. Educação, saúde coletiva e direitos humanos. Salvador: Ufba, 2015. p. 291-305.

AGAMBEMG, Giorgio. Homo Sacer I: o poder soberano e a vida nua. Belo Horizonte: UFMG, 2007.

AGIER, Michel. Antropologia da cidade: lugares, situações, movimentos. São Paulo: Editora Terceiro Nome, 2011.

BOURGOIS, Philippe. En busca de respeto: vendiendo crack en Harlem. Buenos Aires: Siglo XXI, 2010.

BRETON, David. La sociologie du risque. Paris: PUF, 2012.

ESCOHOTADO, Antonio. Historia general de las drogas. Madrid: Alianza, 1989.

FERNANDES, José Luis. Los territorios urbanos de las drogas: un concepto operativo. In: Grup Igia y colaboradores (orgs.). Contextos, sujetos y drogas. Un manual sobre drogodependencias. Barcelona: Ayuntament de Barcelona, 2000. p. 53-60.

FRANGELLA, Simone. Corpos urbanos errantes: uma etnografia da corporalidade de moradores de rua em São Paulo. São Paulo: Anablume, 2009.

FRÚGOLI, Heitor; SPAGGIARI Enrico. Da cracolândia aos noias: percursos etnográficos no bairro da Luz. Ponto Urbe, 6, 2010 10.4000/pontourbe.1870.

GALEANO, Eduardo. O livro dos abraços. Porto Alegre: L&PM, 2002.

GEERTZ, Clifford. Obras e vidas: o antropólogo como autor. Rio de Janeiro: UFRJ, 2002.

GOFFMAN, Erving. Ritual de interação: ensaios sobre o comportamento face a face. Petrópolis: Vozes, 2011.

HALL, Stuart. Cultura e representação. Rio de Janeiro: PUC Rio, 2016.

INGOLD, Tim. Jornada ao longo de um caminho de vida: mapas, descobridor-caminho e navegação. Religião e sociedade, v. 25, n. 1, p. 76-110, 2005.

KARAM, Maria Lucia. Guerras as drogas e saúde: os danos provocados pela proibição. In: Lucília Elias Lopes; Vera Malaguti Batista (orgs.). Atendendo na guerra: dilemas médicos e jurídicos sobre crack. Rio de Janeiro: Revan, 2014. p. 265-300.

LABATE, Beatriz; GOULART, Sandra; FIORE, Mauricio; MAC RAE, Edward; CARNEIRO, Henrique (orgs.). Drogas e cultura: novas perspectivas. Salvador: Edufba, 2008.

MAGNANI, Jose Guilherme. De perto e de dentro: notas para uma etnografia urbana. Revista Brasileira de Ciências Sociais, v. 17, n. 49, p. 11-29, 2002 10.1590/S0102-69092002000200002.

MALVASI, Paulo. A. Além do consenso moral: o problema das drogas na perspectiva de jovens de periferias paulistas. Revista Brasileira Adolescência e Conflitualidade, v. 1, n. 1, p. 87-109, 2014 10.17921/2176-5626.n10p%25p.

MARQUES, Robson. Entorno, drogas e violência nas escolas: uma contribuição sobre a espacialidade no município de Belo Horizonte. In: Regina Medeiros (org.). A escola no singular e no plural: um estudo sobre violência e drogas nas escolas. Belo Horizonte, Autêntica, 2006. p. 47-83.

MAUSS, Marcel. Ensaio sobre a dádiva: forma e razão da troca nas sociedades arcaicas. In: Marcel Mauss. Sociologia e antropologia. São Paulo: Cosac Naif, 2003.

MEDEIROS, Regina. Bêbados, noiados e moradores de rua: efeitos do proibicionismo e desafios das políticas públicas. In: Osvaldo Francisco Ribas Lobos Fernandez; Marcelo Magalhães Andrade; Antonio Nery Filho (orgs.). Drogas e políticas públicas: educação, saúde coletiva e direitos humanos. Salvador: Ufba, 2015. p. 51-65.

MEDEIROS, Regina. Clínica e Croni(cidade): impactos de usos/abuso de crack na configuração urbana e nos tratamentos da toxicomania. In: Luis Flávio Sapori; Regina Medeiros (orgs.). Crack: um desafio social. Belo Horizonte: PUC Minas, 2010. p. 165-218.

OLIVEN, Ruben. O medo nosso de cada dia. Prefácio. In: Antonádia Monteiro Borges; Lia Zanotta Machado; Cristina Patriota Moura (orgs.). A cidade do medo. Brasília: Verbena, 2014. p. 7-9.

PARK, Robert. A cidade: sugestões para a investigação do comportamento no meio urbano. In: Otávio Guilherme Velho (org.). O fenômeno urbano. Rio de Janeiro: Zahar, 1979. p. 25-66.

RAUPP, Luciane. Circuitos de uso de crack nas cidades de São Paulo e Porto Alegre: usos, regulações e cuidado entre jovens usuários. São Paulo: USP, 2011. Tese de doutorado em Saúde Pública.

ROMANÍ, Oriol. Adicciones, drogodependencias y el “problema de la droga” en España: la construcción de un problema social. Cuicuilco, v. 17, n. 49, p. 83-101, 2010.

ROSA, Guimarães. Grande sertão veredas. São Paulo: Editora Nova Fronteira, 1984.

RUI, Taniele. Corpos abjetos: etnografia em cenário de uso e comércio de crack Campinas: Unicamp, 2012. Tese de doutorado em Antropologia.




DOI: http://dx.doi.org/10.15448/1984-7289.2019.1.30759

Direitos autorais 2019 Civitas - Revista de Ciências Sociais

ISSN-L: 1519-6089  -  e-ISSN: 1984-7289

Civitas - Revista de Ciências Sociais

....................................................................................................................................................................................................

Este periódico é membro do Cope (Committee on Publication Ethics) e adere aos seus princípios. http://www.publicationethics.org


Licença Creative Commons
Exceto onde especificado diferentemente, a matéria publicada neste periódico é licenciada sob forma de uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

 

Políticas editoriales de revistas científicas brasileñas. Disponibilidad de depósito: Azul .

Copyright: © 2006-2019 Edipucrs