Cultural paradiplomacy institutions and agenda: The case of Rio Grande do Sul, Brazil

Solène Marié

Resumo


This article aims to analise how the Brazilian State of Rio Grande do Sul (RS) projects its distinctive cultural identity internationally. It does so by identifying the cultural elements in the state’s paradiplomacy from 1987 to 2014 through a sequence analysis including two elements: RS’s paradiplomatic and cultural institutions; RS’s paradiplomatic agenda. Three phases are identified in terms of space given to culture in the paradiplomacy institutional framework: expansion (1987-1994); retraction (1995- 2010); expansion (2011-2014). The phases are slightly different in terms of agenda: will but lack of means (1987-1990); focus on other issues (1991-2010); construction of an incipient agenda (2011-2014). Also, the 2012 actions to structure cultural policy at federal and state level can be seen as a factor for the agenda expansion in the last phase. However, despite the discourse around the gaúcha identity being present within the state and country, the projection further afield remains weak. Generally, the multiple changes in institutional framework and agenda show that a long-term project has not been decided on. Thus, the resulting policies are highly dependent on each governor’s vision.

***Instituições e agenda de paradiplomacia cultural: O caso do Rio Grande do Sul***

O objetivo deste artigo é de avaliar como o Estado do Rio Grande do Sul (RS), Brasil, projeta internacionalmente a sua identidade cultural singular. Para tanto, ele busca identificar os elementos culturais na paradiplomacia do estado de 1987 a 2014 com uma análise de trajetória composta de dois elementos: as instituições paradiplomáticas e culturais do RS; a agenda paradiplomática do RS. São identificadas três fases em termos de espaço dado à cultura na estrutura paradiplomática: expansão (1987-1994); redução (1995-2010); expansão (2011-2014). As fases relativas à agenda são um pouco diferentes: ambição, mas falta de meios (1987-1990); foco em outras temáticas (1991-2010); construção de uma agenda incipiente (2011-2014). Além disso, as ações conduzidas em 2012 para estruturar as políticas culturais em nível federal e estadual podem ser vistas como um fator da expansão da agenda na última fase.  Entretanto, apesar do discurso ao redor da identidade gaúcha ser presente dentro do estado e em nível nacional, a projeção internacional dele é fraca. De maneira geral, as múltiplas mudanças na estrutura institucional e na agenda mostram que um projeto de longo prazo não foi estabelecido. Portanto, as políticas resultantes são altamente dependentes da visão de cada governador.


Palavras-chave


Paradiplomacia. Cultura. Rio Grande do Sul.

Texto completo:

PDF (English)

Referências


ALDECOA, Francisco; KEATING, Michael [eds.]. Paradiplomacy in action: the foreign relations of subnational governments. London: Frank Cast. 1999.

BÉLANGER, Louis. La diplomatie culturelle des provinces canadiennes. Études Internationales, v. 25, n. 3, p. 421-452, 1994.

BRANCO, Álvaro Chagas Castelo. A paradiplomacia como forma de inserção internacional de unidades subnacionais. Prismas, v. 4, n, 1, p. 48-67, 2007 <10.5102/prismas.v4i1.216>.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, 5 de outubro de 1988 (26 Nov. 2016).

BUENO, Ironildes. Paradiplomacia econômica: trajetórias e tendências da atuação internacional dos governos estaduais do Brasil e dos Estados Unidos. Brasília: Editora Verdana, 2012.

CULL, Nicholas J. Public diplomacy: lessons from the past: a report for the Public Diplomacy Group of the Foreign and Commonwealth Office. London. Figueroa Press, 2009.

DÁVILA, Victorino Morales; SILVA, Carlos Manuel Reyes. Identidades compartidas: la centralidad de los lazos culturales como motor paradiplomático. Desafíos, v. 28, n. 1, p. 79-12, 2016.

DE LIMA JÚNIOR, Antônio Ferreira. O papel da diplomacia pública nas relações internacionais contemporâneas. 5th National Congress of the Brazilian International Relations Association (Abri), Belo Horizonte, 29-31 July 2015.

DUCHACEK, Ivo. Perforated sovereignties: towards a typology of new actors in international relations. In: H. J. Michelmann; P. Soldatos [eds]. Federalism and international relations: the role of subnational units. Oxford: Clarenton Press, 1990. p. 1-33.

DUCHACEK, Ivo; LATOUCHE, Daniel; STEVENSON, Garth [eds.]. Perforated sovereignties and international relations: trans-sovereign contacts of subnational governments. New York: Greenwood Press. 1988.

FERREIRA, Bruno Guedes. A paradiplomacia no Rio Grande do Sul (2007-2014): um comparativo das ações externas em diferentes posições político partidárias. 1st Political Science International Seminar, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 9-11 Sept. 2015a.

FERREIRA, Bruno Guedes. Atores públicos subnacionais e policia externa brasileira: a paradiplomacia no Rio Grande do Sul (2007-2014). 2015b. Dissertação de mestrado (Ciências sociais) – Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas, Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, Porto Alegre.

FRANK, Robert. Culture et relations internationales: les diplomaties culturelles. In: Robert Frank [org.]. Pour l’histoire des Relations Internationales. Paris: Presses Universitaires de France, 2012. p. 317-386.

GELY, Mary. Hacia una mejor conceptualización teórica de la proyección internacional de los gobiernos locales. In: Sergio González Miranda; Noé Cornago Prieto; Cristian Ovando Santana [eds.]. Relaciones transfronterizas y paradiplomacia en América Latina: aspectos teóricos y estudio de casos. Santiago de Chile: RiL Editores, 2016. p. 161-176.

LECOURS, André. Political issues of paradiplomacy: lessons from the developed world. Netherlands Institute of International Relations 'Clingendael', 2008 (3 Oct. 2016).

LECOURS, André; MORENO, Luis. Paradiplomacy and stateless nations: a reference to the Basque Country. Conference The Institutional Accommodation of Diversity, Saint Marc sur le Richelieu, Québec, September 20-22, 2001. Working paper.

LESSA, Mônica Leite. Cultura e política externa: o lugar do Brasil na cena internacional (2003-2010). In: Hugo Rogelio Suppo; Mônica Leite Lessa (eds.). A quarta dimensão da relações internacionais: a dimensão cultural. Rio de Janeiro: Contra Capa, 2012. p. 169-192.

LUVIZOTTO, Caroline Kraus. Etnicidade e separatismo no Rio Grande do Sul. 2003. Dissertação de mestrado (Ciências sociais) – Faculdade de Filosofia e Ciências, Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho”, Marília.

MATSUMOTO, Carlos Eduardo Higa. As determinantes locais da paradiplomacia: o caso dos municípios brasileiros. 2011. Dissertação de mestrado (Relações Internacionais) – Instituto de Relações Internacionais, Universidade de Brasília, Brasília.

MELISSEN, Jan [ed.]. The new public diplomacy: soft power in international relations. London: Palgrave Macmillan, 2005 <10.1057/9780230554931>.

MILANI, Carlos R. S; RIBEIRO, Maria Clotilde Meirelles. International relations and the paradiplomacy of Brazilian cities: crafting the concept of local international management. BAR, v. 8, n. 1, p. 21-36, 2011 <10.1590/S1807-76922011000100003>.

MITCHELL, J.M. International Cultural Relations, London: Allen and Unwin, 1986.

MORENO, Luis. Identités duales et nations sans État (la Question Moreno). Revue Internationale de Politique Comparée, v. 144, n. 4, p. 497-513, 2007 (2 Dec. 2016).

NUNES, Carmen Juçara da Silva. A paradiplomacia no Brasil: o caso do Rio Grande do Sul. 2005. Dissertação (Mestrado em Relações Internacionais) – Programa de Pósgraduação em Relações Internacionais, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre.

NÚÑEZ, Tarson. A experiência da assessoria de cooperação e relações internacionais do Governo do Estado do Rio Grande do Sul. In: Jacques Marcovitch; Pedro B. A. Dallari [eds.]. Relações internacionais de âmbito subnacional: a experiência de estados e municípios no Brasil. São Paulo: Instituto de Relações Internacionais da Universidade de São Paulo, 2014. p. 48-56.

OLIVEIRA, Paulo Augusto Almeida de. Novo paradigma de política cultural

brasileira: as políticas públicas de governo e de estado. 8º Encontro de Estudos Multidisciplinares em Cultura (Enecult). Salvador, Bahia, Brasil. 8-10 Aug. 2012.

PAQUIN, Stéphane. Paradiplomatie et relations internationales: théorie des stratégies internationales des régions face à la mondialisation. Bruxelles: Presses Interuniversitaires Européennes. 2004a.

PAQUIN, Stéphane. La paradiplomatie identitaire: le Québec, la Catalogne et la Flandre en relations internationales. Politique et Sociétés, v. 23, n. 2-3, p. 203-237, 2004b.

PIERSON, Paul. Politics in time: history, institutions, and social analysis. Princeton: Princeton University Press, 2004.

PINTO, Muriel. A construção da identidade missionária no Rio Grande do Sul e as polícias culturais no sul do Brasil. 2011. Dissertação de mestrado (Desenvolvimento Regional) – Programa de Pós-Graduação em Desenvolvimento Regional, Universidade de Santa Cruz do Sul – Unisc, Santa Cruz do Sul.

PRIETO, Noé Cornago. O outro lado do novo regionalismo pós-soviético e da Ásia- Pacífico: a diplomacia federativa além das fronteiras do mundo ocidental. In: Tullo Vigevani; Luiz Eduardo Wanderley; M. Inês Barreto; P. Mariano [eds]. A dimensão subnacional e as relações internacionais. São Paulo: Educ, 2004. p. 251-282.

PRIETO, Noé Cornago. La descentralización como elemento de innovación

diplomatica: aproximación a sus causas estructurales y lógicas de acción. In: L. Maira (ed.). La política internacional subnacional en América Latina. Buenos Aires: El Zorzal, 2010. p. 107-134.

RAMOS, Fabielly Bellagamba. A paradiplomacia no Estado do Rio Grande do Sul: análise dos três últimos mandatos governamentais (2003-2014). 2014. TCC (Graduação em Administração) – Administração Pública e Social, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre.

RIORDAN, Shaun. La nueva diplomacia. Foreign Policy Edición Española. n. 7, p. 22-31, 2005.

SALOMÓN, Mónica; NUNES, Carmen. A ação externa dos governos subnacionais no Brasil: os casos do Rio Grande do Sul e de Porto Alegre. Um estudo comparativo de dois tipos de atores mistos. Contexto Internacional, v. 29, n. 1, p. 99-147, 2007.

SARQUIS, David. Fundamentos teóricos para la reflexión en torno a la paradiplomacia. In: Zidane Zeraoui (eds.). Teoría y práctica de la paradiplomacia. Monterrey, México: Montiel & Soriano Editores, 2013. p. 45-92.

SINGH, J. P. International cultural policies and power. Houndmills: Palgrave Macmillan, 2010.

SOLDATOS, Panayotis. An explanatory framework for the study of federal states as foreign policy actors. In: H. J. Michelmann; P. Soldatos [eds.]. Federalism and international relations: the role of subnational units. Oxford: Clarenton Press. 1990. p. 34-53.

STOICA, Alina; HORGA, Ioan. Culture and paradiplomatic identity: instruments in sustaining EU policies. In: Alina Stoica; Ioan Horga; Maria Manuela Tavares Ribeiro. Culture and paradiplomatic identity: instruments in sustaining EU policies. Newcastle Upon Tyne: Cambridge Scholars Publishing. 2016. p. 2-9.

UNESCO. Convention on the Protection and Promotion of the Diversity of

Cultural Expressions. Paris: UNESCO, 2005 (26 Nov. 2016).

VIGEVANI, Tullo. El marco jurídico e institucional para la gestión internacional de los actores subnacionales gubernamentales em Brasil. Integración & Comércio, n.21, p. 27-46, 2004.

VIGEVANI, Tullo; WANDERLEY, Luiz Eduardo W.; BARRETO, Maria Inês;

MARIANO, Marcelo Passini (eds.) A dimensão subnacional e as relações internacionais. São Paulo: Educ, 2004.




DOI: http://dx.doi.org/10.15448/1984-7289.2018.2.28907

Direitos autorais 2018 Civitas - Revista de Ciências Sociais

ISSN-L: 1519-6089  -  e-ISSN: 1984-7289

Civitas - Revista de Ciências Sociais

....................................................................................................................................................................................................

Este periódico é membro do Cope (Committee on Publication Ethics) e adere aos seus princípios. http://www.publicationethics.org


Licença Creative Commons
Exceto onde especificado diferentemente, a matéria publicada neste periódico é licenciada sob forma de uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

 

Políticas editoriales de revistas científicas brasileñas. Disponibilidad de depósito: Azul .

Copyright: © 2006-2019 Edipucrs