Arthur Ramos e a rotinização da Antropologia através de seu ensino

Amurabi Oliveira

Resumo


Arthur Ramos (1903-1949) foi um dos mais relevantes antropólogos brasileiros do século 20, não apenas devido à sua inestimável contribuição ao debate acerca das culturas afro-brasileiras, como também pelo seu papel no processo de institucionalização da Antropologia no Brasil, com destaque para a fundação em 1941 da Sociedade Brasileira de Antropologia e Etnologia (SBAE). Apesar do crescente interesse pelo seu legado intelectual, os esforços de revisita a seu trabalho pouco têm se dedicado ao processo de rotinização do conhecimento antropológico por ele desempenhado, principalmente a partir de sua atuação na Faculdade Nacional de Filosofia. Proponho-me neste trabalho analisar a rotinização do conhecimento antropológico a partir da atuação de Arthur Ramos como docente, partindo do exame de seus planos de curso, orientações para alunos etc., disponíveis para consulta no acervo da Biblioteca Nacional (BN). Trata-se de uma abordagem sobre a história da Antropologia brasileira que visa compreendê-la a partir de seu ensino, e não simplesmente a partir dos resultados das pesquisas desenvolvidas e das publicações daí resultantes.


Palavras-chave


Arthur Ramos. Ensino de Antropologia. Ensino de Ciências Sociais. Antropologia brasileira. Pensamento social brasileiro.

Texto completo:

PDF

Referências


ARQUIVO, Arthur Ramos. Rio de Janeiro: Fundação Biblioteca Nacional, 2004.

AZEREDO, Paulo Roberto. Antropólogos e pioneiros: a história da Sociedade Brasileira de Antropologia e Etnologia. São Paulo: Edusp, 1986.

BARROS, Luitgarde Oliveira Cavalcanti (org.). Arthur Ramos. Rio de Janeiro: Fundação Miguel de Cervantes, 2011.

BARROS, Luitgarde Oliveira Cavalcanti (org.). Arthur Ramos e as dinâmicas sociais de seu tempo. Maceió: Edufal, 2008.

BOURDIEU, Pierre. Homo academicus. Florianópolis: Edufsc, 2011.

CAMPOS, Maria José. Arthur Ramos: luz e sombra na antropologia brasileira. Rio de Janeiro: Edições Biblioteca Nacional, 2004.

CORRÊA, Mariza. Cartas marcadas: Arthur Ramos e o campo das relações raciais no final dos anos trinta. Anais da Biblioteca Nacional, Rio de Janeiro, n. 119, p. 35-58, 1999.

CORRÊA, Mariza. Dona Heloisa e a pesquisa de campo. Revista de Antropologia, São Paulo, v. 40, n. 1, p. 11-54, 1997. Disponível em: https://doi.org/10.1590/S0034-77011997000100002. Acesso em: 22 out. 2019.

CORRÊA, Mariza. Ilusões de liberdade: a escola Nina Rodrigues e a antropologia no Brasil. Rio de Janeiro: Fiocruz, 2013. https://doi.org/10.7476/9788575415696

FÁVERO, Maria de Lourdes. Faculdade Nacional de Filosofia: o corpo docente – matizes de uma proposta autoritária. Rio de Janeiro: UFRJ, 1989.

FREYRE, Gilberto. Como e porque sou e não sou sociólogo. Brasília: UnB, 1968.

KEULLER, Adriana Tavares do Amaral Martins. Os estudos físicos de antropologia no Museu Nacional do Rio de Janeiro: cientistas, objetos, ideias e instrumentos (1876-1939). 2008. Tese (Doutorado em Ciências) – Programa de Pós-Graduação em História Social, Departamento de História, Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2008. https://doi.org/10.11606/t.8.2008.tde-18092008-161852

MEUCCI, Simone. Artesania da Sociologia no Brasil: contribuições e interpretações de Gilberto Freyre. Curitiba: Appris, 2015.

MEUCCI, Simone. Institucionalização da sociologia no Brasil: primeiros manuais e cursos. São Paulo: Hucitec, 2011.

MICELI, Sergio. Condicionantes do desenvolvimento das ciências sociais. In: MICELI, Sérgio (org.). História das ciências sociais no Brasil. São Paulo: Vértice, 1989. v. 1, p. 72-110. https://doi.org/10.11606/issn.2316-9141.v0i169p421-426

MOTTA, Roberto. Arthur Ramos, sincretismo e mentalidade pré-lógica em O negro brasileiro. In: BARROS, Luitgarde Oliveira Cavalcanti (org.). Arthur Ramos. Rio de Janeiro: Fundação Miguel de Cervantes, 2011. p. 30-80.

OLIVEIRA, Lúcia Maria Lippi. As ciências sociais no Rio de Janeiro. In: MICELI, Sérgio (org.). História das ciências sociais no Brasil. São Paulo: Sumaré, 1995. v. 2, p. 233-307.

RAMOS, Arthur. A aculturação negra no Brasil. Rio de Janeiro: Companhia Editora Nacional, 1942.

RAMOS, Arthur. A criança problema. São Paulo: Casa do Estudante do Brasil, 1950.

RAMOS, Arthur. Os grandes problemas da antropologia brasileira. Mana, Rio de Janeiro, v. 21, n. 1, p. 195-212, 2015. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/0104-93132015v21n1p195. Acesso em: 22 out. 2019.

RIBEIRO, Adélia Maria Miglievich. Marina de Vasconcellos e as ciências sociais cariocas: a perspectiva dos círculos sociais. História, Ciências, Saúde-Manguinhos, Rio de Janeiro, v. 15, p. 17-41, 2008. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/S0104-59702008000500002. Acesso em: 22 out. 2019.

WEBER, Max. Economia e sociedade. Brasília: UnB, 1999. v. 1.




DOI: http://dx.doi.org/10.15448/1984-7289.2019.3.28480

Direitos autorais 2019 Civitas - Revista de Ciências Sociais

ISSN-L: 1519-6089  -  e-ISSN: 1984-7289

Civitas - Revista de Ciências Sociais

....................................................................................................................................................................................................

Este periódico é membro do Cope (Committee on Publication Ethics) e adere aos seus princípios. http://www.publicationethics.org


Licença Creative Commons
Exceto onde especificado diferentemente, a matéria publicada neste periódico é licenciada sob forma de uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

 

Políticas editoriales de revistas científicas brasileñas. Disponibilidad de depósito: Azul .

Copyright: © 2006-2020 Edipucrs