A pornificação do corpo masculino: notas sobre o imperativo das imagens na busca entre homens por parceiros on-line

Fábio Morelli, Bruno Pereira

Resumo


A partir de uma cartografia sobre os usos que homens fazem de aplicativos de busca de parcerias amorosas e sexuais, tais como o Grindr e o Hornet, buscamos refletir sobre o imperativo das imagens nos sites e aplicativos de busca entre homens por parceiros on-line. Analisamos transformações históricas no âmbito do desenvolvimento tecnológico para pensar como essas mudanças incidem nas buscas por amor e sexo no cenário atual. Ao contrário das visões que entendiam que a internet teria efeitos descorporificadores, na qual o corpo perderia importância como critério nas buscas de parcerias, notamos que o corpo não apenas importa, como tem se tornado central como critério de seleção nas buscas on-line. Mas qual é o corpo desejado neste contexto? Em consonância com pesquisas contemporâneas, entendemos que está em curso um processo que chamamos de pornificação. As imagens, pelas quais os indivíduos se autoapresentam on-line, parecem remeter a iconografia oriunda da pornografia, de modo que, os corpos pornificados, atualmente, parecem se constituir como o enquadramento privilegiado para designar quais corpos importam e são mais desejados nos espaços digitais.


Palavras-chave


Mídias digitais. Corpo. Homoerotismo masculino. Imagem. Pornificação.

Texto completo:

PDF

Referências


BAYM, Nancy. Personal connections in the digital age. Cambridge: Polity Press, 2010.

BELELI, Iara. O imperativo das imagens: construção de afinidades nas mídias digitais. Cadernos Pagu, n. 44, p. 91-114, 2015 <10.1590/1809-4449201500440091>.

BELELI, Iara. Reconfigurações da intimidade. Revista de Estudos Feministas, v. 25, n. 1, p. 337-346, 2017 <10.1590/1806-9584.2017v25n1p337>.

BUTLER, Judith. Quadros de guerra: quando a vida é passível de luto? Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2015.

CASTELLS, Manuel. A sociedade em rede. São Paulo: Paz e Terra, 2008.

FOUCAULT, Michel. Microfísica do poder. Rio de Janeiro: Graal, 2001.

GREGORI, Maria Filomena. Relações de violência e erotismo. Cadernos Pagu, n. 20, p. 87-120, 2003 <10.1590/S0104-83332003000100003>.

HALPERIN, David. How to be gay. Cambridge: University of Harvard Press, 2012.

HINE, Christine. Ethnography for the internet: embedded, embodied and everyday. London: Bloomsbury Academic, 2015.

ILLOUZ, Eva. O amor nos tempos do capitalismo. Rio de Janeiro: Zahar, 2011 [e-book].

ILLOUZ, Eva. Why love hurts: a sociological explanation. London: Polity Press, 2012.

ILLOUZ, Eva. Erotismo de autoayuda: cincuenta sombras de Grey y el nuevo orden romántico. Buenos Aires: Katz Editores, 2014.

ILLOUZ, Eva. No coração pulsante da cultura. Entrevista com Eva Illouz.

Contemporânea, v. 6, n. 2, p. 299-308, 2016 <10.4322/2316-1329.015>.

LEITE JÚNIOR, Jorge. A pornografia contemporânea e a estética do grotesco. Revista (In)Visível, edição zero, p. 10-22, 2011.

LEMOS, André. Cibercultura: tecnologia e vida social na cultura contemporânea. Porto Alegre: Sulina, 2015.

LÉVY, Pierre. Cibercultura. 3. ed. São Paulo: Editora 34, 2010.

MISKOLCI, Richard. Do armário à discrição: regimes de visibilidade sexual das mídias de massa às digitais. In: Larissa Pelúcio et al. (org.). No emaranhado da rede: gênero sexualidade e mídia: desafios teóricos e metodológicos do presente. São Paulo: Annablume, 2015. p. 131-148.

MISKOLCI, Richard. Desejos digitais: uma análise sociológica da busca por parceiros on-line. Belo Horizonte: Autêntica, 2017.

MORAES, Eliane Robert. O efeito obsceno. Cadernos Pagu, n. 20, p. 121-130, 2003 <10.1590/S0104-83332003000100004>.

MORELLI, Fábio. Não existe amor em APP? Pistas sobre o processo de subjetivação entre homens por meio de aplicativos voltados ao público gay. Assis, 2017. Dissertação de mestrado em Psicologia, Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho.

MOWLABOCUS, Sharif. Cultura do Gaydar: torcendo a história da mídia digital na Grã-Bretanha do Século XX. In: Larissa Pelúcio et al. (orgs.). No emaranhado da rede: gênero sexualidade e mídia: desafios teóricos e metodológicos do presente. São Paulo: Annablume, 2015. p. 49-80.

PINHO, Osmundo. Race Fucker: representações raciais na pornografia gay. Cad. Pagu, n. 38, p. 159-195, 2012 <10.1590/S0104-83332012000100006>.

RAMOS, Jair de Souza. Subjetivação e poder no ciberespaço: da experimentação à convergência identitária na era das redes sociais. Vivência – Revista de Antropologia, v. 1, n. 45, p. 17-44, 2015 (26 ago. 2017).

SCHAEFFER, Felicity Amaya. Governando corpos e intimidades virtuais: indústrias e cibercasamentos entre os Estados Unidos e América Latina. Cadernos Pagu, n. 44, p. 115-140, 2015 <10.1590/1809-4449201500440115>.

SIBILIA, Paula. A “pornificação” do olhar: uma genealogia do peito desnudado. In:

PELÚCIO, Larissa et al. (orgs.). No emaranhado da rede: gênero sexualidade e mídia: desafios teóricos e metodológicos do presente. São Paulo: Annablume, 2015. p. 15-48.

STONE, Allucquère Rosanne. The war of desire and techonology at the close of the mechanical age. 3. ed. Cambridge: MIT Press, 1998.

VAN DIJCK, José. The culture of connectivity: a critical history of social media. New York: Oxford University Press, 2013.

ZAGO, Luiz Felipe. Masculinidades disponíveis.com: sobre como dizer-se gay na internet. Porto Alegre, 2009. Dissertação de mestrado em Educação, Universidade Federal do Rio Grande do Sul.

ZAGO, Luiz Felipe. Os meninos: corpo, gênero e sexualidade em e através de um site de relacionamentos na internet. Porto Alegre, 2013. Tese de doutorado em Educação, Universidade Federal do Rio Grande do Sul.




DOI: http://dx.doi.org/10.15448/1984-7289.2018.1.28450

Direitos autorais 2018 Civitas - Revista de Ciências Sociais

ISSN-L: 1519-6089  -  e-ISSN: 1984-7289

Civitas - Revista de Ciências Sociais

....................................................................................................................................................................................................

Este periódico é membro do Cope (Committee on Publication Ethics) e adere aos seus princípios. http://www.publicationethics.org


Licença Creative Commons
Exceto onde especificado diferentemente, a matéria publicada neste periódico é licenciada sob forma de uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

 

Políticas editoriales de revistas científicas brasileñas. Disponibilidad de depósito: Azul .

Copyright: © 2006-2019 Edipucrs