Política, colonização e revolução em O Leão de sete cabeças

Irma Viana

Resumo


Produção italiana, realizada no Congo, África, em 1970, O Leão de sete cabeças é, segundo seu diretor, “um ato político-cultural de colaboração com a noção de luta tricontinental”, teorizada pelo guerrilheiro argentino Che Guevara. Considerado aqui como aplicação do manifesto Tricontinental, o filme tornou-se um importante documento histórico, cuja análise pode revelar não só os símbolos culturais e alegorias políticas que se articulam no cinema antropológico de Glauber Rocha, como também, as visões ideológicas dos atores sociais envolvidos em questões de dependência e resistência colonialista e neocolonialista no Terceiro Mundo. A partir do ponto de vista de um artista-intelectual latino-americano, que buscava uma poética política, que, todavia, escapasse ao domínio cultural e econômico das forças produtivas  mercadológicas, fossem elas socialistas ou imperialistas. Levando em conta que o cineasta faz de sua filosofia mestiça uma problematização da possessão, do poder, da violência. Mas não responde a estes problemas construindo um sistema e sim buscando ficções úteis, no duplo sentido em que as pensaram Eisenstein e Brecht: como didáticas e politicamente ativas, encenadas, no Leão, sob a forma do “teatro popular africano”, segundo o próprio Glauber Rocha.


Palavras-chave


Colonização. Revolução. Cinema. Glauber Rocha

Texto completo:

PDF

Referências


BENJAMIN, Walter. Origem do Drama Barroco Alemão. São Paulo: Brasiliense, 1984.

DA SILVEIRA, Renato. A ordem visual (Uma introdução à teoria da imagem de Pierre Francastel). In: Monclar Valverde (Org.). As formas do sentido. Rio de Janeiro: DP&A, 2003.

DELEUZE, Gilles. Cinema 2 – A Imagem-Tempo. São Paulo: Brasiliense, 1990.

FANON, Frantz. Os condenados da Terra. Juiz de Fora: UFJF, 2005.

GOMES, João Carlos Teixeira. Glauber Rocha, esse vulcão. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1997.

MOSCATI, Ítalo. Lalbero dele eresie. Roma: Ediesse, 2011.

ROCHA, Glauber. Revolução do Cinema Novo. Rio de Janeiro: Alhambra e Embrafilme, 1981.

ROCHA, Glauber. Revolução do Cinema Novo. Rio de Janeiro: Cosac Naify, 2004.

ROCHA, Glauber. Um cineasta tricontinental. Cahieres du Cinéma, v. 195, p. 39-48, 204-213, 1967.

SAHLINS, Marchall. Historical metaphors and mythical realities. The University of Michigan Press, 1981.

SCHWARZ, Roberto. Cultura e política, 1964-1969. São Paulo: Paz e

Terra, 2009. p. 7-58.




DOI: http://dx.doi.org/10.15448/1984-7289.2017.2.26022

Direitos autorais 2017 Civitas - Revista de Ciências Sociais

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Sem derivações 4.0 Internacional.

 

ISSN-L: 1519-6089

e-ISSN: 1984-7289

Civitas - Revista de Ciências Sociais


Este periódico é membro do COPE (Committee on Publication Ethics) e adere aos seus princípios. http://www.publicationethics.org

Apoio Institucional – fev./dez. 2012 referente ao Edital MCTI/CNPq/MEC/CAPES Nº. 15/2011.

 

Licença Creative Commons

Exceto onde especificado diferentemente, a matéria publicada neste periódico é licenciada sob forma de uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.

 

Políticas Editoriais das Revistas Científicas Brasileiras. Disponibilidade para depósito: Azul.

 


Copyright: © 2006-2017 EDIPUCRS