A evolução democrática entre institucionalização e espontaneidade: Pesos e medidas da política democrática contemporânea

Leno Francisco Danner

Resumo


Criticarei o peso excessivo dado à institucionalização como o cerne da dinâmica democrática contemporânea, correlatamente à minimização do peso conferido à espontaneidade das iniciativas cidadãs e dos movimentos sociais enquanto sujeitos políticos capazes de conduzir democraticamente processos políticos decisórios e de gerir campos específicos da vida social de modo autônomo. Isso leva à redução da política democrática à política representativa e à monopolização do poder político nos partidos políticos. Daqui surge o problema mais grave que é necessário enfrentar hodiernamente: a profunda imbricação entre instituições políticas, partidos políticos e oligarquias econômicas, baseada na centralidade da institucionalização em relação à espontaneidade como a base da democracia. Defenderei que a superação desse problema necessita inverter tal dinâmica, de modo que a espontaneidade das iniciativas cidadãs e dos movimentos sociais ganhe primazia em relação ao institucionalismo, o que implica na descentralização dos processos políticos decisórios e de formas de gestão da vida social.


Palavras-chave


Modernização. Institucionalismo. Espontaneidade. Democracia. Poder.

Texto completo:

PDF

Referências


BENAYON, Adriano. Globalização versus desenvolvimento. Brasília: LGE, 1998.

GIDDENS, Anthony. Para além da esquerda e da direita: o futuro da política radical. São Paulo: Editora da Unesp, 1996.

GIDDENS, Anthony. A terceira via: reflexões sobre o impasse da social democracia. Rio de Janeiro: Record, 2000.

GIDDENS, Anthony. A terceira via e seus críticos. Rio de Janeiro: Record, 2001.

HABERMAS, Jürgen. Ensayos políticos. Barcelona: Ediciones Península, 1997.

HABERMAS, Jürgen. O discurso filosófico da modernidade: doze lições. São Paulo: Martins Fontes, 2002.

HABERMAS, Jürgen. Direito e democracia, v. 1: entre facticidade e validade. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 2003a.

HABERMAS, Jürgen. Direito e democracia, v. 2: entre facticidade e validade. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 2003b.

HABERMAS, Jürgen. Teoria do agir comunicativo, v. 1: racionalidade da ação e racionalização social. São Paulo: Martins Fontes, 2012a.

HABERMAS, Jürgen. Teoria do agir comunicativo, v. 2: sobre a crítica da razão funcionalista. São Paulo: Martins Fontes, 2012b.

HAYEK, Friedrich August von. Direito, legislação e liberdade: uma nova formulação dos princípios liberais de justiça e de economia política, v. 2: a miragem da justiça social. São Paulo: Visão, 1985a.

HAYEK, Friedrich August von. Direito, legislação e liberdade, v. 3: a ordem política de um povo livre. São Paulo: Visão, 1985b.

HAYEK, Friedrich August von. O Caminho de servidão. Rio de Janeiro: Instituto Liberal, 1987.

HAYEK, Friedrich August von. Arrogância fatal: os erros do socialismo. Porto Alegre: Editora Ortiz, 1995.

NOBRE, Marcos. Imobilismo em movimento: da abertura democrática ao governo Dilma. São Paulo: Companhia das Letras, 2013.

PIKETTY, Thomas. O capital no século XXI. Rio de Janeiro: Intrínseca, 2014.




DOI: http://dx.doi.org/10.15448/1984-7289.2015.4.23254

Direitos autorais 2016 Civitas - Revista de Ciências Sociais

ISSN-L: 1519-6089  -  e-ISSN: 1984-7289

Civitas - Revista de Ciências Sociais

....................................................................................................................................................................................................

Este periódico é membro do Cope (Committee on Publication Ethics) e adere aos seus princípios. http://www.publicationethics.org


Licença Creative Commons
Exceto onde especificado diferentemente, a matéria publicada neste periódico é licenciada sob forma de uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

 

Políticas editoriales de revistas científicas brasileñas. Disponibilidad de depósito: Azul .

Copyright: © 2006-2019 Edipucrs