Violência de gênero, desigualdade social e sexualidade: as experiências de mulheres jovens em Belo Horizonte

Alessandra Sampaio Chacham, Juliana Gonzaga Jayme

Resumo


O artigo analisa como as desigualdades de classe e a violência de gênero se interseccionam nas experiências de mulheres jovens de diferentes classes sociais com a sexualidade. A partir de análise de dados quantitativos e qualitativos coletados entre jovens moradoras em bairros e aglomerados da região centro-sul de Belo Horizonte, objetivou-se investigar o impacto da violência de gênero na sexualidade dessas jovens. Nossos resultados mostraram como a presença de um comportamento violento e/ou controlador por parte de um parceiro reduz a autonomia da jovem nessa área, afetando sua capacidade de negociar o uso do preservativo, expondo-a a gravidezes não planejadas e ISTs, ainda que a magnitude do fenômeno seja diferenciada por classe social. Observou-se também a forte presença dos estereótipos de gênero que marcam o discurso das jovens de ambas as classes sociais contribuindo para naturalizar a violência de gênero, principalmente entre as jovens de classe social mais baixa.


Palavras-chave


Gênero. Juventude. Violência de gênero. Autonomia. Sexualidade. Desigualdades.

Texto completo:

PDF

Referências


AQUINO, Estela et al. Gravidez na adolescência: heterogeneidade revelada. In: Maria Luiza Heilborn et al. (org.). O aprendizado da sexualidade: reprodução e trajetórias sociais de jovens brasileiros. Rio de Janeiro: Fiocruz e Garamond, 2006. p. 310-365.

ARAÚJO, Clara; SCALON, Celi. Percepções e atitudes de mulheres e homens sobre a conciliação entre família e trabalho no Brasil. In: Clara Araújo; Celi Scalon (orgs.). Gênero, família e trabalho no Brasil. Rio de Janeiro: Editora Fundação Getúlio Vargas, 2005. p. 7-14.

ARRETCHE, Marta (org.). Trajetória das desigualdades: como o Brasil mudou nos últimos 50 anos. São Paulo: Editora Unesp, 2015.

BARBIERI, Teresita de. Sobre la categoria género: una introducción teóricometodológica. Debates en Sociología. n. 18, p. 145-169, 1993 (26 jan. 2016).

BABBIE, Earl. Métodos de pesquisa survey. Belo Horizonte: Editora UFMG, 1997.

BASSI, Camilo. Exposição à maternidade precoce e estratos sociais das adolescentes brasileiras: Justificativas via determinantes próximos das taxas de fecundidade. Texto para discussão n. 1322. Brasília: Ipea, 2008 (15 ago. 2012).

BUTLER, Judith. Problemas de gênero. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2003.

CASIQUE, Irene. What difference does it make? Women’s autonomy and power and use of contraception in Mexico. Paper presented at the XXIV IUSSP General Population Conference, Salvador, Bahia, 2001 (26 jan. 2016).

CASIQUE, Irene. Empoderamiento femenino y uso de anticonceptivos en México. Boletín género y salud en cifras, v. 1, p. 13-18, 2003.

CASIQUE, Irene. Cuándo puedo decir no? Empoderamiento feminino y sexo no deseado en México. Estudios demográficos y urbanos, v. 21, n. 1, p. 49-81, 2006.

CHACHAM, Alessandra S. et al. Autonomy and susceptibility to HIV/AIDS among young women living in a slum. AIDS Care, v. 2, n. 19, p. S12-S22, 2007. Supplement 1 <10.1080/09540120601114402>.

CHACHAM, Alessandra; MAIA, Mônica; CAMARGO, Malco. Autonomia, gênero e gravidez na adolescência: uma análise comparativa da experiência de adolescentes e mulheres jovens provenientes de camadas médias e populares em Belo Horizonte. Revista Brasileira de Estudos de População. São Paulo, v. 29, n. 2, 2012 (1º out. 2015).

CHACHAM, Alessandra; JAYME, Juliana; MAIA, Mônica; CAMARGO, Malco; NEVES, Magda. Banco de dados da pesquisa Autonomia e vulnerabilidade na trajetória de vida de mulheres jovens das camadas médias e populares na cidade de Belo Horizonte. Belo Horizonte, Brasil, 2008.

DASGUPTA, Monica. Death clustering, mother’s education and the determinants of child mortality in rural Punjab, India. Population Studies, v. 44, p. 489-505, 1999.

GAGE, Anastasia. Female empowerment and adolescence. In: Harriet B. Presser; Gita Sen (orgs.). Women’s empowerment and demographic processes. Oxford: Oxford University Press, 2000. p. 186-203.

GASKELL, G. Entrevistas individuais e grupais. In: M. W. Bauer; G. Gaskell. Pesquisa qualitativa com texto, imagem e som: um manual prático. Petrópolis: Vozes, 2002. p. 64-89.

HARROWAY, Donna. “Gênero” para um dicionário marxista: a política sexual de uma palavra. Cadernos Pagu, v. 22, p. 201-246, 2004 <10.1590/S0104-83332004000100009> (26 jan. 2016).

HEILBORN, Maria Luiza. Experiência da sexualidade, reprodução e trajetórias biográficas juvenis. In: Maria Luiza Heilborn et al. (orgs.). O aprendizado da sexualidade: reprodução e trajetórias sociais de jovens brasileiros. Rio de Janeiro: Fiocruz e Garamond, 2006. p. 30-62.

HEILBORN, Maria Luiza. Dois é par – gênero e identidade sexual em contexto igualitário. Rio de Janeiro: Garamond, 2004.

HEISE, Lori; PITANGUY, Jacqueline; GERMAIN, Adrienne. Violence against women: the hidden health burden, World Bank Discussion Papers, n. 255 (26 jan. 2016).

JEJEEBHOY, Shireen. Women’s autonomy in rural India: its dimensions, determinants and the influence of the context. In: Harriet Presser; Gita Sen (orgs.). Women’s empowerment and demographic processes. Oxford: Oxford University Press, 2000. p. 204-238.

KOFES, Suely. Experiências sociais, interpretações individuais: histórias de vida, suas possibilidades e limites. Cadernos Pagu: desacordos, desamores e diferenças, v. 3, p. 117-141, 1994.

KOFES, Suely. Mulher, mulheres: identidade, diferença e desigualdade na relação entre patroas e empregadas. Campinas: Editora da Unicamp, 2001.

LANGEN, Tabitha T. Gender power imbalance on women’s capacity to negotiate selfprotection against HIV/AIDS in Botswana and South Africa. African Health Sciences, v. 5, n. 3, 2005. p. 188-197 (26 jan, 2016).

LAQUEUR, Thomas. Inventando o sexo: corpo e gênero dos gregos a Freud. Rio de Janeiro: Relume Dumará, 2001.

MASON, Karen O. The status of women: a review of its relationships to fertility and mortality. New York: The Rockefeller Foundation, 1993.

MOORE, Henrietta. Understanding sex and gender. In: Tim Ingold (org.). Companion Encyclopedia of Anthropology. London: Routledge, 1994. p. 813-831.

PICANÇO, Felícia Silva. Amélia e a mulher de verdade: representações dos papeis da mulher e do homem em relação ao trabalho e à vida familiar. In: Clara Araújo; Celi Scalon (orgs.). Gênero, família e trabalho no Brasil. Rio de Janeiro: Editora Fundação Getúlio Vargas, 2005. p. 149-172.

RILEY, Nancy. Gender, power and population change. Population Bulletin, v. 52, n. 1, 1997. (26 jan. 2016).

STRATHERN, Marilyn. The gender of the gift. Berkeley: University of California Press, 1988.

VALE DE ALMEIDA, Miguel. Senhores de si: uma interpretação antropológica da masculinidade. Lisboa: Fim de Século, 1995.

WELZER-LANG, Daniel. A construção do masculino: dominação das mulheres e homofobia. Estudos Feministas, v. 9, p. 460-482, 2001 <10.1590/S0104-026X2001000200008>.




DOI: http://dx.doi.org/10.15448/1984-7289.2016.1.21760

Direitos autorais 2016 Civitas - Revista de Ciências Sociais

ISSN-L: 1519-6089  -  e-ISSN: 1984-7289

Civitas - Revista de Ciências Sociais

....................................................................................................................................................................................................

Este periódico é membro do Cope (Committee on Publication Ethics) e adere aos seus princípios. http://www.publicationethics.org


Licença Creative Commons
Exceto onde especificado diferentemente, a matéria publicada neste periódico é licenciada sob forma de uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

 

Políticas editoriales de revistas científicas brasileñas. Disponibilidad de depósito: Azul .

Copyright: © 2006-2019 Edipucrs