Narrativas e pesquisa biográfica na sociologia brasileira: Revisão e perspectivas

Hermílio Santos, Patricia Oliveira, Priscila Susin

Resumo


Este artigo discute as diferentes formas em que relatos orais biográficos têm sido utilizados na literatura sociológica brasileira. Para isso, é apresentada uma breve revisão das diversas abordagens desde a década de 1950 até os dias atuais, apontando alguns estudos e instituições de destaque para o uso e desenvolvimento do método em investigações empíricas no contexto nacional. Além disso, destacamos o diálogo dos estudos brasileiros com algumas das ramificações de estudos biográficos no cenário internacional, em especial na sociologia alemã.


Palavras-chave


Biografia. História de vida. Narrativa.

Texto completo:

PDF

Referências


ABRAHÃO, Maria Helena Menna Barreto (Org.). Tempos, narrativas e ficções: a invenção de si. Porto Alegre: Edipucrs, 2004.

ALBERTI, Verena. Manual de história oral. Rio de Janeiro: Editora FGV, 1990.

ALBERTI, Verena. História oral na Alemanha: semelhanças e dessemelhanças na constituição de um mesmo campo. Rio de Janeiro: CPDoc, 1996.

ALBERTI, Verena. Obras coletivas de história oral. Tempo, v. 2, n. 3, p. 206-219, 1997.

ALBERTI, Verena. Ouvir contar: textos em história oral. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2004.

ALBERTI, Verena. De “versão” a “narrativa” no manual de história oral. História oral, v. 15, n. 2, p. 159-166, 2012.

ALVAREZ, Marcos César. Florestan Fernandes e Tiago Marques Aipobureu: biografia e sociedade. Tempo Social, v. 19, n. 2, p. 289-292, 2007.

ANTUNIASSI, Maria H. R. Produção e reprodução nos assentamentos de trabalhadores rurais: o caso da família Pereira. In: Workshop O desenvolvimento de uma outra agricultura: acesso a terra e a meios de produção: a questão da fome e a integração social. Curitiba: UFPR, v. 1. p. 197-215, 1995.

ATAÍDE, Yara Dulce Bandeira de. Decifra-me ou devoro-te: história oral de vida dos meninos de rua de Salvador. São Paulo: Edições Loyola, 1993.

BARROS, Vanessa Andrea de; BARROS, Carolye Reis; NOGUEIRA, Maira Luísa Magalhães. “Conte-me sua história”: reflexões sobre o método de história de vida. Mosaico: estudos em Psicologia, v. 1, n. 1, p. 25-35, 2007.

BERTAUX, Daniel. L’approche biographique: sa validité méthodologique, ses potentialités. Cahiers Internationaux de Sociologie, v. 69, p. 197-225, 1980.

BOSCHILIA, Roseli. Entre fitas, bolachas e caixas de fósforos: a mulher no espaço fabril curitibano (1940-1960). Curitiba: Artes & Textos, 2000.

BOSI, Ecléa. Memória e sociedade. São Paulo: TA Queiroz, 1979.

BOURDIEU, Pierre. L’illusion biographique. Actes de la recherche en sciences sociales, v. 62-63, p. 69-72, 1986.

BUENO, Juliana Dourado; MORAES, Maria Aparecida M. Espaços e tempos cruzados: trajetórias de trabalhadoras no interior paulista. 5º Encontro da rede de estudos rurais – UFPA, Belém, PA, 2012.

CAMARGO, Aspásia; HIPOLITO, Lucia; LIMA, Valentina da Rocha. Histórias de vida na América Latina, BIB, n. 16, p. 5-24, 1983.

CAMARGO, Aspásia; RAPOSO, Eduardo Raposo; FLAKSMAN, Sérgio (Orgs.). O Nordeste e a política: diálogos com José Américo de Almeida. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1984.

CAMARGO, Aspásia. O método qualitativo: usos e perspectivas. Anais do II Congresso Nacional de Sociologia. Brasília: UNB, 1987.

CAVALCANTI, Pedro Celso Uchôa; RAMOS, Jovelino (Orgs.). Memórias do exílio: muitos caminhos. São Paulo: Editora Livramento, 1976.

COSTA, Albertina de Oliveira; MORAES, Maria Teresa Porciúncula; MARZOLA, Norma; LIMA, Valentina da Rocha. Memórias das mulheres no exílio. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1980.

CUBAS, Caroline Jaques. Do feminismo a seus plurais. Estudos Feministas, v. 20, n. 1, p. 316-319, 2012.

DEMARTINI, Zeila B. Marcas da guerra em terra distante: relatos de japoneses em São Paulo. História oral, v. 7, p. 145-180, 2004.

DURHAM, Eunice. Mobilidade e assimilação: a história do imigrante italiano num município paulista. São Paulo: IEB, 1966.

DURHAM, Eunice. A caminho da cidade: a vida rural e a migração para São Paulo. São Paulo: Ática, 1973.

FERNANDES, Florestan. Tiago Marques Aipobureu: um bororo marginal. Tempo Social, v. 19, n. 2, p. 293-323, 2007.

FERREIRA, Marieta de Moraes. Desafios e dilemas da história oral nos anos 90: o caso do Brasil, História Oral, n. 1, p. 19-30, 1998.

FERREIRA, Marieta de Moraes. Introdução. In: M. M. Ferreira (Org.). História oral e multidisciplinaridade. Rio de Janeiro: Diadorim, 1994. p. 7-18.

GOSS, Karine Pereira. Trajetórias militantes: análise de entrevistas narrativas com professores e integrantes do Movimento Negro. In: Wivian Weller; Nicolle Pfaff (Orgs.). Metodologias da pesquisa qualitativa em educação: teoria e prática. Petrópolis: Editora Vozes, 2010. p. 223-238.

GUÉRIOS, Paulo Renato. O estudo de trajetórias de vida nas Ciências Sociais: trabalhando com as diferentes escalas. Campos, v. 12, v. 1, p. 9-29, 2011.

LAHIRE, Bernard. Retratos sociológicos: disposições e variações individuais. Porto Alegre: Artmed, 2004.

LANG, Alice Beatriz da Silva Gordo. A palavra do outro: uso e ética. 20º Encontro Anual da Anpocs. Caxambu, 1996.

MALVASI, Paulo Artur. Entre frieza, o cálculo e a ‘vida loka’: violência e sofrimento no trajeto de um adolescente em cumprimento de medida socioeducativa. Saúde Social, v. 20, n. 1, p. 156-170, 2011.

MALVASI, Paulo Artur. Interfaces da vida loka: um estudo sobre jovens, tráfico de drogas e violência em São Pauo (tese de Doutorado Faculdade de Saúde Pública – USP). São Paulo, 2012.

MARTINS, José de Souza. Vida e história na sociologia de Florestan Fernandes: reflexões sobre o método da história de vida. Revista USP, v. 29, p. 14-19, 1996.

MEIHY, José Carlos Sebe Bom. Canto de morte Kaiowá. São Paulo: Loyola, 1991.

MEIHY, José Carlos Sebe Bom; LEVINE, Robert M. Cinderela negra: a saga de Carolina Maria de Jesus. Rio de Janeiro: Editora UFRJ, 1994.

MEIHY, José Carlos Sebe Bom. Desafios da história oral latino-americana: o caso do Brasil. In: M. M. Ferreira; T. M. Fernandes; V. Alberti (Orgs.). História oral: desafios para o século 21. Rio de Janeiro: Editora Fiocruz, 2000. p. 85-98.

MENEZES, Marilda A. Camponeses-migrantes: histórias de vida e identidade. Raízes, v. 15, n. 12, p. 147-156, 1996.

MENEZES, Marilda A. Relações entre pais, mães e filhas(os) em famílias camponesas: memória e infância. Teoria & Pesquisa, v. 49, p. 87-110, 2006.

MONTAGNER, Miguel Ângelo. Trajetórias e biografias: notas para uma análise bourdieusiana. Sociologias, v. 9, n. 17, p. 240-264, 2007.

MONTENEGRO, Antônio T.; FERNANDES, Tania M. (Orgs.). História oral: um espaço plural. Recife: Editora Universitária da UFPE, 2001.

NEGRÃO, Ana Maria Melo. Da infância à adultez: memória tecendo a trajetória de vida das acolhidas pelo Asilo de Órfãs da Santa Casa de Misericórdia de Campinas. Revista Contemporânea de Educação, v. 4, n. 7, p. 95-116, 2009.

PARSONS, Arthus S. Interpretive sociology: the theoretical significance of Verstehen in the constitution of social reality. Human Studies, v. 1, n. 1, p. 111-137, 1978.

PATAI, Daphne. Brazilian women speak. New Brunswick: Rutgers University Press, 1985.

PEREIRA, Lígia Maria Leite. Relatos orais em ciências sociais: limites e potencial. Análise & Conjuntura, v. 6, n. 3, p. 109-127, 1991.

QUEIROZ, Maria Isaura de. Relatos orais: do indizível ao dizível. In: Olga de Moraes Simson (Org.). Experimentos com história de vida Itália/Brasil. São Paulo: R. T., 1988. p. 14-43.

QUEIROZ, Maria Isaura P. de. Variações sobre a técnica de gravador no registro da informação viva. São Paulo: T. A. Queiroz, 1991 [orig.: Ceru, coleção textos v. 4, 1983].

RAMIRO, Patrícia. A. Identidade e pobreza: buscando caminhos para interpretação da vida na cidade. In: C. T. Lucena; N. M. M. de Gusmão (Orgs.). Discutindo identidades. São Paulo: Humanitas, p. 17-28, 2006.

ROSENTHAL, Gabriele. Reconstructions of life stories. The narrative study of lives, v. 1, n. 1, p. 59-91, 1993.

ROSENTHAL, Gabriele. Erlebte und erzählte Lebensgeschichte: Gestalt und Struktur biographischer Selbstbeschreibungen. Frankfurt: Campus Verlag, 1995.

ROSENTHAL, Gabriele. Die Kinder des “Dritten Reiches”: Sozialisiert im familialen Rechstfertigungsdialog. In: Hamburger Institut für Sozialforschung (Org.). Besucher einer Ausstellung. Hamburg, 1998.

ROSENTHAL, Gabriele. Biographical method: biographical research. In: C. Seale; G. Gobo; J. F. Gubrium; D. Silverman (Orgs.). Qualitative research practice. London: Sage, 2004. p. 48-64.

SANTHIAGO, Ricardo. Os testemunhos latino-americanos e o projeto utópico da história oral no Brasil: cultura intelectual, militância e populismo. Revista Extraprensa, v. 1, n. 1E, p. 901-908, 2010.

SANTOS, Hermílio. Adolescents and experience with violence: making sense of subjective interpretations of life-world. Vibrant, v.7, n. 2, p. 135-165, 2010.

SANTOS, Hermílio. Ação e relevância em narrativas de adolescentes autoras de atos infracionais. Contemporânea, v. 2, n. 2, p. 489-512, 2012a.

SANTOS, Hermílio. Action and relevance: making sense of subjetive interpretations in biographical narratives. Schutzian Research, v. 4, p. 111-124, 2012b.

SANTOS, Inês Maria Meneses dos; SANTOS, Rosângela da Silva. A etapa de análise no método história de vida: uma experiência de pesquisadores de enfermagem. Texto contexto, v. 17, n. 4. p. 714-719, 2008.

SCHÜTZ, Alfred. Fenomenologia e relações sociais. Rio de Janeiro: Zahar, 1979.

SCHUTZ, Alfred. Theorie der Lebenswelt 1 – Die pragmatische Schichtung der Lebenswelt (Alfred Schutz Werkausgabe, vol. 5-, organizado por Martin Endreß e Ilja Srubar). Konstanz: UVK, 2003.

SCHÜTZ, Alfred. Relevanz und Handeln 1 – Zum Phänomenologie des Alltagswissens (Alfred Schütz Werkausgabe, v. 6-1, organizado por Elisabeth List). Konstanz: UVK, 2004.

SCHUTZ, Alfred; LUCKMANN, Thomas. The structures of the life-world. v. 1. Evanston: Northwestern University Press, 1973.

SCHÜTZE, Fritz. Biographieforschung und narratives Interview. Neue Praxis, v. 13, n. 3, p. 283-293, 1983.

SCHÜTZE, Fritz. Pesquisa biográfica e entrevista narrativa. In: Wivian Weller; Nicolle Pfaff (Orgs.). Metodologias da pesquisa qualitative em educação: teoria e prática. Petrópolis: Vozes, 2010. p. 210-222.

SIMSON, Olga Rodrigues de Moraes Von (Org.). Os desafios contemporâneos da história oral. Campinas: CMU/Unicamp, 1997.

SILVA, Maria Aparecida de Moraes. Errantes do fim do século. São Paulo: Edunesp, 1999.

SILVA, Haike Rosalene Kleber da Silva. Considerações e confusões em torno de história oral, história de vida e biografia. Métis: história & cultura, v. 1, n. 1, p. 25-38, 2002.

SOUZA, Lucas Marcelo Tomaz de. Eu devia estar contente: a trajetória de Raul Santos Seixa. Dissertação de mestrado apresentada ao Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais, Marília, Unesp, 2011.

SRUBAR, Ilja. On the origin of ‘phenomenological’ sociology. Human Studies, v. 7, n. 2, p. 163-189, 1984.

TRUC, Gérôme. Narrative identity against biographical illusion: the shift in sociology from Bourdieu to Ricoeur. Études Ricoueriennes/Ricouer Studies, v. 2, n. 1, p. 150-167, 2011.

VIEIRA, Danielli. Histórias sobre homicídios entre jovens: “Mundo do crime” e comensurabilidade. Dilemas, v. 4, n. 2, p. 281-381, 2011.

VILLAS BÔAS, Glaucia. A recepção da sociologia alemã no Brasil: notas para uma discussão. BIB, n. 44, p. 73-80, 1997.

VÖLTER, Bettina. Judentum und Kommunismus: Deutsche Familiengeschichten in drei Generationen. Opladen: Leske + Budrich, 2003.

WELLER, Wivian. A presença feminina nas (sub)culturas juvenis: a arte de se tornar visível. Estudos Feministas, v. 13, n. 1, p. 107-126, 2005a.

WELLER, Wivian. A contribuição de Karl Mannheim para a pesquisa qualitativa: aspectos teóricos e metodológicos. Sociologias, v. 7, n. 13, p. 260-300, 2005b.




DOI: http://dx.doi.org/10.15448/1984-7289.2014.2.17152

Direitos autorais 2016 Civitas - Revista de Ciências Sociais

ISSN-L: 1519-6089  -  e-ISSN: 1984-7289

Civitas - Revista de Ciências Sociais

....................................................................................................................................................................................................

Este periódico é membro do Cope (Committee on Publication Ethics) e adere aos seus princípios. http://www.publicationethics.org


Licença Creative Commons
Exceto onde especificado diferentemente, a matéria publicada neste periódico é licenciada sob forma de uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

 

Políticas editoriales de revistas científicas brasileñas. Disponibilidad de depósito: Azul .

Copyright: © 2006-2020 Edipucrs