Estudo sobre Valores em Adolescentes

Priscilla Brandi Gomes Godoy, Nancy Ramacciotti Oliveira-Monteiro

Resumo


Os valores humanos podem ser associados ao desenvolvimento positivo de indivíduos e muitas vezes são utilizados como explicação para comportamentos e suas motivações. Com base na Teoria Funcionalista dos Valores Humanos, de Gouveia, este estudo objetivou investigar valores humanos em adolescentes, a partir de seis subfunções valorativas (existência, realização, normativa, suprapessoal, experimentação e interativa). Com uso do Questionário dos Valores Básicos, de Gouveia, Milfont, Fischer e Santos (2008), foram avaliados 453 estudantes do ensino fundamental II e médio, ambos os sexos, idades na média de 14,9 anos, em seis escolas da Baixada Santista (SP). As análises descritiva e inferencial indicaram resultados com predomínio da subfunção existência na amostra geral, com diferenças significativas para maiores médias em meninas e em escolas públicas. Os valores da subfunção existência têm sido relacionados a comportamentos positivos no âmbito social e podem ser considerados como reflexo do ensinado e vivenciado na escola, família e sociedade.


Palavras-chave


Moral; Adolescência; Escola; Diferenças Sexuais.

Texto completo:

PDF

Referências


Adorno, S. (2002). Crime e violência na sociedade brasileira contemporânea. Jornal de Psicologia – PSI, 7-8.

Araújo, U. F. (2001). O ambiente Escolar cooperativo e a construção do juízo moral infantil: sete anos de estudo longitudinal. Revista Online Biblioteca Professor Joel Martins, 2 (2), 1-12.

Associação Brasileira de Empresas de Pesquisa. (2013) Critério de classificação econômica Brasil. São Paulo: Abep, 2013. Recuperado em 02 de julho, 2013, de www.abep.org.

Bataglia, P. U. R.; Morais, A. & Lepre, R. M. (2010). A teoria de Kohlberg sobre o desenvolvimento do raciocínio moral e os instrumentos de avaliação de juízo e competência moral em uso no Brasil. Estudos de Psicologia, 15 (1), 25-32. http://dx.doi.org/10.1590/s1413-294x2010000100004

Batson, C. D. & Thompson, E. R. (2001). Why don't moral people act morally? Motivational considerations. Current directions in psychological science, 10 (2), 54-57. http://dx.doi.org/10.1111/1467-8721.00114

Carlo, G., & Koller, S.H. (1998). Desenvolvimento moral pró-social em crianças e adolescentes: conceitos, metodologias e pesquisas no Brasil. Psicologia: teoria e pesquisa, 14 (2), 161-172.

Cavalcante, M. B. P. T.; Alves, M. D. S. & Barroso, M. G. T. (2008). Adolescência, álcool e drogas: uma revisão na perspectiva da promoção da saúde. Escola Anna Nery Revista de Enfermagem., 12(3), 555-559. http://dx.doi.org/10.1590/S1414-81452008000300024

Formiga, N. S. & Gouveia, V. V. (2005). Valores humanos e condutas anti-sociais e delitivas. Psicologia teoria e prática, 7 (2), 134-170.

Freud, S. (2010). O mal-estar na civilização. In (P. C. Souza, Trad.) O= mal-estar na civilização, novas conferências introdutórias à psicanálise e outros textos (1930-1936). São Paulo: Companhia das Letras (Obra original publicada em 1930).

Gouveia, V. V. (2003). A natureza motivacional dos valores humanos: evidências acerca de uma nova tipologia. Estudos de Psicologia, 8 (3), 431-443. http://dx.doi.org/10.1590/S1413-294X2003000300010

Gouveia, V. V. (2013). Teoria funcionalista dos valores. In V. V. Gouveia (Ed.). Teoria funcionalista dos valores humanos: fundamentos, aplicações e perspectivas (pp.111-160). São Paulo: Casa do Psicólogo.

Gouveia, V. V.; Milfont, T. L.; Fischer, R.; Santos, W. S. (2008) Teoria Funcionalista dos valores humanos. In M. L. M. Teixeira (Org.). Valores Humanos e Gestão: novas perspectivas (pp. 47-80). São Paulo: Senac.

Gouveia, V. V.; Meira, M.; Gusmão, E. E. S.; Souza Filho, M. L.; Souza, L. E. C. (2008). Valores humanos e interesses vocacionais: um estudo correlacional. Psicologia em Estudo, 13 (3), 603-611. http://dx.doi.org/10.1590/S1413-73722008000300022

Gouveia, V. V.; Milfont, T. L., Fischer, R. & Coelho, J. A. P. M. (2009). Teoria funcionalista dos valores humanos: aplicações para organizações. Revista de Administração Mackenzie, 10 (3), 34-59.

Gouveia, V. V., Fonseca, P. N., Gouveia, R. S. V., Diniz, P. K. C., Cavalcanti, M. F. B. & Medeiros, E. D. (2010). Correlatos valorativos de atributos desejáveis de um/a parceiro/a Ideal. Psicologia: Reflexão e Crítica, 23(1), 166-175. http://dx.doi.org/10.1590/s0102-79722010000100020

Hernandez, D. H.; Arango, I. M., & Quintana, M. P. (2012). La formacion de valores de la junventud de nuestros dias. Revista Cubana de Higiene e Epidemiologia, 50 (3), 427-437.

Macedo, R. M. S. & Kublikowski, I. (2009). Valores positivos e desenvolvimento do adolescente: perfil de jovens paulistanos. Psicologia em Estudo, 14 (4), 689-698. http://dx.doi.org/10.1590/S1413-73722009000400009

La Taille, Y & Menin, M. S. S. (2009). Crise de valores ou valores em crise? Porto Alegre: Artmed.

Medeiros, E. D. (2011). Teoria funcionalista dos valores humanos: testando sua adequação intra e interculturalmente. Tese de Doutorado, Universidade Federal da Paraíba, João Pessoa.

Medeiros, E. D.; Gouveia, V. V.; Gusmão, E. E. S.; Milfont, T. L.; Fonseca, P. N.; Aquino, T. A. A. (2012). Teoria funcionalista dos valores humanos: evidências de sua adequação no contexto paraibano. Rev. Adm. Mackenzie, 13(3), 18-44. http://dx.doi.org/10.1590/S1678-69712012000300003

Milfont, T. L.; Gouveia, V. V.; Costa, J. B. (2006). Determinantes psicológicos da intenção de constituir família. Psicologia: Reflexão e Crítica, 19 (1), 25-33. http://dx.doi.org/10.1590/s0102-79722006000100005

Oliveira, I. C. V. & Saldanha, A. A. W. (2010). Estudo comparativo sobre a perspectiva de futuro dos estudantes de escolas públicas e privadas. Paideia, 20 (45), 47-55. http://dx.doi.org/10.1590/s0103-863x2010000100007

Pratta, E. M. M. & Santos, M. A. (2007). Família e adolescência: a influência do contexto familiar no desenvolvimento psicológico de seus membros. Psicologia em Estudo, 12(2), 247-256. http://dx.doi.org/10.1590/S1413-73722007000200005

Razera, J. C. C. (2009). Piaget e os estudos contemporâneos sobre moral: interfaces ainda a discutir. Psico-USF, 14(1), 125-127. http://dx.doi.org/10.1590/S1413-82712009000100013

Rokeach, M. (1981). Crenças, atitudes e valores – uma teoria de organização e mudança. Rio de Janeiro: Interciência Ltda.

Salles, L. M. F. (2005). Infância e adolescência na sociedade contemporânea: alguns apontamentos. Estudos de Psicologia, 22(1), 33-41. http://dx.doi.org/10.1590/S0103-166X2005000100005

Santos, V. E.; Yonekura, T.; Soares, C. B. & Campos, C. M. S. (2012). Valores sociais: com a palavra a juventude. Acta Paul Enferm, 25 (2), 263-269. http://dx.doi.org/10.1590/s0103-21002012000200017

Schwartz, H. S. (2005). Valores humanos básicos: Seu contexto e estrutura intercultural. In Tamayo, A.; Porto, J.B. (org.). Valores e comportamento nas organizações. (pp. 21-55). Petrópolis: Vozes.

Souza, L. L. & Vasconcelos, M.S. (2009). Juízo e ação moral: desafios teóricos em psicologia. Psicologia & Sociedade, 21(3), 343-352.

http://dx.doi.org/10.1590/s0102-71822009000300007

Traverso-Yépez, M. A. & Pinheiro, V. S. (2002). Adolescência, saúde e contexto social: esclarecendo práticas. Psicologia & Sociedade, 14(2), 133-147. http://dx.doi.org/10.1590/S0102-71822002000200007

Vasconcelos, T. C.; Gouveia, V. V.; Souza Filho, M. L.; Souza, D. M. F.; Jesus, G. R. (2004). Preconceito e intenção em manter contato social: evidências acerca dos valores humanos. Psico-USF, 9(2), 147-154.

Vasconcelos, M. S.; Arantes, V. M.; Souza,L. L.; Trevisol, M. T. C & Belloto, M. E. (2010). Juízos e Valores Morais: a perspectiva de investigação dos modelos organizadores do pensamento. Paidéia, 20 (46), 207-217. http://dx.doi.org/10.1590/s0103-863x2010000200008




DOI: http://dx.doi.org/10.15448/1980-8623.2015.3.19426

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

e-ISSN: 1980-8623

ISSN-L: 0103-5371

*********************************

Este periódico é membro do COPE (Committee on Publication Ethics) e adere aos seus princípios. http://www.publicationethics.org

Licença Creative Commons

Exceto onde especificado diferentemente, a matéria publicada neste periódico é licenciada sob forma de uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

 

Políticas Editoriais das Revistas Científicas Brasileiras. Disponibilidade para depósito: Azul.

 

 

Copyright: © 2006-2020 EDIPUCRS