A perspectiva das vítimas e a teoria social contemporânea: entre memórias do passado e futuros alternativos

Clodomir Cordeiro de Matos Júnior

Resumo


O artigo pretende explorar a centralidade do reconhecimento da figura da vítima para a compreensão dos legados da violência colonial e a imaginação de narrativas e futuros alternativos. Nessa perspectiva, buscamos em nosso texto compreender, a partir das contribuições de Enrique Dussel, Aníbal Quijano e Boaventura de Sousa Santos, a importância do processo de reconhecimento das vítimas, especialmente as coloniais, na produção de uma teoria social engajada na superação de políticas de esquecimento e valorização de experiências, saberes e práticas de coletividades e sujeitos historicamente silenciados. Debruçando-se sobre as críticas que envolvem a versão eurocêntrica e hegemônica da Modernidade (Dussel , 1993), as heranças materiais e subjetivas dos arranjos coloniais (Quijano, 2005) e as possibilidades de uma sociologia transgressiva e sua consequente Epistemologia do Sul (Sousa Santos, 2010), o reconhecimento da figura da vítima e suas experiências emergem na teoria social contemporânea como processos significativos para a validação de memórias silenciadas e a imaginação de futuros impensados.


Palavras-chave


Vítimas. Reconhecimento. Violência. Memória. Esquecimento.

Texto completo:

PDF

Referências


DANDLER, Jorge. Povos indígenas e Estado de Direito na América Latina: eles têm alguma chance? In: MÉNDEZ, J. E.; O’DONNELL, G.; PINHEIRO, P. S. (orgs.). Democracia, Violência e Injustiça: o não-estado de direito na América Latina. São Paulo: Paz e Terra, 2000.

https://doi.org/10.11606/issn.2318-8235.v95i0p203-215

DUSSEL, Henrique. 1492: El encubrimiento del otro: hacia el origen del mito de la Modernidad. Madrid: Nueva Utopia, 1992.

DUSSEL, Henrique. Europa, modernidad y eurocentrismo. México: Editorial Trotta, 1993.

ELIAS, Norbert. O processo civilizador. Vol. 2. Rio de Janeiro: Zahar, 1993.

ELIAS, Norbert. Os estabelecidos e os outsiders: sociologia das relações a partir de uma pequena comunidade. Rio de Janeiro: Zahar 2000.

https://doi.org/10.5380/cam.v1i0.1561

FOUCAULT, Michel. La verdad y las formas jurídicas. Barcelona: Editorial Gedisa, 1996.

FOUCAULT, Michel. Em defesa da sociedade. São Paulo: Martins Fontes, 2003.

FRASER, Nancy. From Distribution to Recognition? Dilemmas of Justice in a “Postsocialist” Age. In: FRASER, Nancy. Justice Interruptus: Critical Reflections on the “Postsocialist” Condition. Londres: Routledge, 1997.

https://doi.org/10.1080/13545700050076223

FRASER, Nancy; HONNETH, Axel. Redistribución o reconocimiento? Un debate político-filosófico. Madrid: Ediciones Morata, 2003. (Coleção “Educación Crítica” Dirigida por Jurjo Torres Santomé).

FRASER, Nancy. Escalas de Justicia. Barcelona: Herder Editorial, 2006. (Coleção Pensamento Herder, dirigida por Manuel Cruz).

GARLAND, David. A cultura do controle: crime e ordem social na sociedade contemporânea. Rio de Janeiro: Revan, 2008.

HABERMAS, Jürgen. Teoria de la acción comunicativa I – Racionalidad de la acción y racionalización social. Madri: Taurus, 1968.

https://doi.org/10.5294/pecu.2014.17.1.6

HABERMAS, Jürgen. Teoria de la acción comunicativa II – Crítica de la razón funcionalista. Madri: Taurus, 1987b.

HALL, Stuart. A identidade cultural na pós-modernidade. Rio de Janeiro: DP&A, 2005.

HONNETH, Axel. Luta por reconhecimento: a gramática moral dos conflitos sociais. São Paulo: Editora 34, 2007.

HONNETH, Axel. Crítica del agravio moral: patologías de la sociedad contemporánea. Buenos Aires: Fondo de Cultura Económica, 2009.

HONNETH, Axel. Patologías de la Razón: historia y actualidad de la Teoría Crítica. Coleção “Conocimiento”. Buenos Aires: Katz Editores, 2009a.

MATT OS, Patrícia. O reconhecimento, entre a justiça e a identidade. Revista Lua Nova, São Paulo, v. 63, p.143-160, 2004.

https://doi.org/10.1590/s0102-64452004000300006

MENDONÇA, Ricardo Fabrino. Reconhecimento em debate: os modelos de Honneth e Fraser em sua relação com o legado habermasiano. Revista de Sociologia e Política, Curitiba, v. 29, p. 169-185, 2007.

https://doi.org/10.1590/s0104-44782007000200012

PINHEIRO, Paulo Sérgio. Introdução: o Estado de Direito e os nãoprivilegiados na América Latina. In: MÉNDEZ, J. E.; O’DONNELL, G.; PINHEIRO, P. S. (orgs.). Democracia, Violência e Injustiça: o não-estado de direito na América Latina. São Paulo: Paz e Terra, 2000.

https://doi.org/10.11606/issn.2318-8235.v95i0p203-215

PINHEIRO, Paulo Sérgio. Prefácio à edição brasileira. In: PEREIRA, Anthony. Ditadura e Repressão: o autoritarismo e o estado de direito no Brasil, no Chile e na Argentina. São Paulo: Paz e Terra, 2010.

QUIJANO, Aníbal. Colonialidade do Poder, Eurocentrismo e América Latina. In: LEHER, Roberto; SETUBAL, Mariana (org.). Pensamento Crítico e Movimentos Sociais: diálogos para uma nova práxis. São Paulo: Cortez, 2005. p. 35-95.

SOUSA SANTOS, Boaventura de. Refundación del Estado en América Latina: perspectivas desde una epistemología del Sur. Lima: II DS, 2010.

https://doi.org/10.1177/0268580914524332b

SOUZA, Jessé. Charles Taylor e a teoria crítica do reconhecimento. In: SOUZA, Jessé (org.). A modernização seletiva: uma reinterpretação do dilema brasileiro. Brasília: Editora UNB, 2000.

SPIVAK, Gayatri Chakravorty. Pode o subalterno falar? Minas Gerais: Editora UFMG, 2010.

https://doi.org/10.12957/espacoecultura.2013.12882

TAYLOR, Charles. The politics of Recognition. In: Guttman, A. (ed.). Multiculturalism: examining the politics of recognition. Princeton: Princeton University, 1994.

TAYLOR, Charles. Multiculturalismo. Lisboa: Instituto Piaget, 2005. (Coleção Epistemologia e Sociedade, v. 84).

TODOROV, Tzevetan. A conquista da América: a questão do outro. São Paulo: Martins Fontes, 1983.

WALLERSTEIN, Immanuel. The Modern World System. New York: Academic Press, 1974.

WIEVIORKA, Michel. O novo paradigma da violência. Revista Tempo Social, São Paulo, v. 9, n. 1, p. 5-41, maio 1997.

WIEVIORKA, Michel. Violence: a new approach. New Delhi: Sage Publications, 2009.




DOI: http://dx.doi.org/10.15448/1980-864X.2019.2.32767

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

e-ISSN: 1980-864X | ISSN-L: 0101-4064

Este periódico é membro do COPE (Committee on Publication Ethics) e adere aos seus princípios - www.publicationethics.org



AVALIAÇÃO QUALIS CAPES - 2016 
ÁREA CAPES - História
CLASSIFICAÇÃO - A2

INDEXADORES E PORTAIS

  • Web of Science - Master Journals List (Clarivate Analytics)
  • SSCI - Social Sciences Citation Index (Clarivate Analytics)
  • AHCI - Arts and Humanities Citation Index (Clarivate Analytics)
  • Scopus (Elsevier)
  • SJR - ScIMAGO Journal & Country Rank (Elsevier)
  • Historical Abstracts with Full Text (EBSCO)
  • Academic Search Premier (EBSCO)
  • Fonte Acadêmica (EBSCO)
  • Fuente Academica (EBSCO)
  • CLASE - Citas Latinoamericanas en Ciencias Sociales y Humanidades
  • DOAJ - Directory of Open Access Journals
  • LATINDEX - Sistema Regional de Información en Línea para Revistas Científicas de América Latina, el Caribe, España y Portugal
  • REDALYC - Red de Revistas Científicas de América Latina y el Caribe, España y Portugal
  • Portal CAPES

FATOR DE IMPACTO NO SJR (SCImago Journal & Country Rank)

SCImago Journal & Country Rank

Licença Creative Commons OriginalityCheck®
Licença Creative Commons
Exceto onde especificado diferentemente, a matéria publicada neste periódico é licenciada sob forma de uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional. 
TurnITin
Todos os artigos são submetidos ao software Turnitin, antes de iniciar qualquer tipo de avaliação.
Diadorim  Open Access 
Diretório de Políticas Editoriais das Revistas Científicas Brasileiras. Disponibilidade para depósito: Azul. 
 

Copyright: © 2006-2019 EDIPUCRS