As múltiplas vidas de Batepá: memórias de um massacre colonial em São Tomé e Príncipe (1953-2018)

Inês Nascimento Rodrigues

Resumo


Os feriados públicos são momentos-chave na biografia de uma nação. Nesse contexto, o dia 3 de fevereiro reveste-se de uma importância particular no calendário festivo de São Tomé e Príncipe, pois refere-se ao Massacre de Batepá, tido como o episódio mais doloroso de sua história e que, simultaneamente, celebra o momento fundador do nacionalismo são-tomense. Partindo desse pressuposto, o que pretendo demonstrar, através de distintos momentos no tempo e, portanto, diferentes contextos sociopolíticos, é que o dia 3 de fevereiro é, por um lado, uma data que serve para legitimar o estado-nação e que dá origem a uma narrativa dominante e, por outro, um feriado que, paralelamente, também proporciona espaços discursivos, simbólicos e políticos de articulação de memórias não dominantes desse passado. O que aqui procurarei demonstrar é que por mais que as políticas de memória de um evento histórico sejam instituídas e ritualizadas pelo Estado e deixem lastro ao longo de décadas e através de gerações, existe uma pluralidade de processos mnemônicos, sociais e políticos em movimento na interpretação e discussão desse passado. De fato, através das múltiplas vidas de Batepá, estão constantemente a emergir outras memórias e negociações simbólicas mediante as quais os são-tomenses têm procurado inscrever o seu lugar nesta história.


Palavras-chave


Massacre de Batepá. Dias comemorativos. Memória. São Tomé e Príncipe.

Texto completo:

PDF

Referências


AAVV. “Um regresso ao passado em Gorée. Não em nosso nome”. In: Diário de Notícias, abril 2017.

Disponível em: https://www.dn.pt/portugal/interior/um-regresso-ao-passado-emgoree-nao-em-nosso-nome-6228800.html. Acesso em: 2 nov. 2018.

https://doi.org/10.11606/d.22.2014.tde-03022015-101142

ADITAMENTO ao Relatório dos Acontecimentos ocorridos em S. Tomé nos dias 3 a 6 de fevereiro de 1953, Arquivo Histórico-Militar AHM / FO / 39 / 11 / 585 / 260.

ALEXANDRE, Valentim. Le Colonialisme Portugais – Réalité et Mythe. In: SUISSE, Portugal, de l’Europe à l’Afrique. Genebra: Ed. Cetim, 1973. p. 7-17.

ALMEIDA, Miguel Vale. Um Mar da Cor da Terra. Raça, Cultura e Política da Identidade. Oeiras: Celta, 2000.

ANDRADE, Mário Pinto de. Qu’est-ce que le ‘lusotropicalismo’?, Présence Africaine, v. 4, p. 24-35, out-nov. 1955.

https://doi.org/10.3917/presa.165.0037

ANDRINGA, Diana. “O massacre de Batepá”. In: Caminhos da Memória, fev. 2009.

Disponível em: http://caminhosdamemoria.wordpress.com/2009/02/04/o-massacre-de-batepa/. Acesso em: 1 nov. 2018.

ASHPLANT, Timothy; DAWSON, Graham; ROPER, Michael (eds.). The politics of war memory and commemoration. New York: Routledge, 2000.

ASSMAN, Jan. Moses the Egyptian: the memory of Egypt in Western Monotheism. Cambridge e Londres: Harvard University Press, 1997.

https://doi.org/10.1086/ahr/104.3.1039

BARROS, Manuel. “Corrida que evoca massacre assinala início das celebrações oficiais”. Lusa, 12 jul. 2015.

BASTOS, Cristiana. Tristes Trópicos e Alegres Luso-Tropicalismos: das notas de viagem em Lévi-Strauss e Gilberto Freyre. Análise Social, v. XXXIII, n. 146/147, p. 415-432, 1998.

BECKER, Heike; LENTZ, Carola. The politics and aesthetics of commemoration: national days in Southern Africa. Anthropology Southern Africa, v. 36, n. 1-2, p. 1-10, 2013.

https://doi.org/10.1080/02580144.2013.10887019

BERNARDO, Silvania. “Fernão Dias tem um novo Memorial dos Mártires da Liberdade”. In: O Parvo, 2 fev. 2016.

Disponível em: http://www.parvodigital.info/index.php/noticias/sociedade/item/3019-fernao-dias-tem-um-novo-memorial-dosmartires-da-liberdade. Acesso em: 18 set. 2018.

https://doi.org/10.31692/2358-9728.iiicointerpdvl.2016.00097

BERTHET, Marina. “São Tomé e Príncipe: reflexões sobre alguns aspetos da sua história agrícola no pós-independência”, Estudos Ibero-Americanos, v. 42, n. 3, p. 961-986, set-dez 2016.

https://doi.org/10.15448/1980-864x.2016.3.23107

CAJÃO, Luís. A Estufa. 2. ed. Lisboa: Escritor, 1996.

CARDINA, Miguel. “Memórias amnésicas? Nação, discurso político e representações do passado colonial”, Configurações, n. 17, p. 31-42, jun. 2016.

https://doi.org/10.4000/configuracoes.2909

CARDINA, Miguel. “Posfácio: o necessário regresso a Batepá”. In: RODRIGUES, Inês Nascimento. Espectros de Batepá. Memórias e narrativas do “Massacre de 1953” em São Tomé e Príncipe. Porto: Afrontamento, 2018. p. 269-272.

CARDINA, Miguel; MARTINS, Bruno Sena. “Introdução. Do império colonial às lutas de libertação: memórias cruzadas da guerra”. In: CARDINA, Miguel Cardina; MARTINS, Bruno Sena (orgs.). As Voltas do Passado. A Guerra Colonial e as Lutas de Libertação. Lisboa: Tinta-da-china, 2018a. 11-20.

https://doi.org/10.4000/configuracoes.2909

CARDINA, Miguel; MARTINS, Bruno Sena (orgs.). As Voltas do Passado. A Guerra Colonial e as Lutas de Libertação. Lisboa: Tinta-da-china, 2018b.

CASTELO, Cláudia. O Modo Português de estar no Mundo: o luso-tropicalismo e a ideologia colonial portuguesa (1933-1961). Porto: Afrontamento, 1999.

https://doi.org/10.14195/0870-4147_33-2_15

CERVELLÓ, Josep. “A Matança de Batepá”, História, n. 20, p. 26-37, 1999.

COELHO, João Paulo Borges. Politics and Contemporary History in Mozambique: A Set of Epistemological Notes. Kronos, v. 39, n. 1, p. 20-31, jan. 2013.

ESPÍRITO SANTO, Carlos. A Guerra da Trindade. São Tomé: Instituto Camões, 2003.

EYZAGUIRRE, Pablo B. The Independence of São Tome e Príncipe and Agrarian Reform. The Journal of Modern African Studies, Cambridge, v. 27, n. 4, p. 671-678, dez. 1989.

https://doi.org/10.1017/s0022278x00020498

FEINDT, Gregor; KRAWATZEK, Felix; MEHLER, Daniela; PESTEL, Friedemann; TRIMCEV, Rieke. Entangled Memory: Toward a Third Wave in Memory Studies. History and Theory, Middletown, n. 53, p. 24-44, fev. 2014.

https://doi.org/10.1111/hith.10693

HENRIQUES, Isabel Castro. São Tomé e Príncipe: a invenção de uma sociedade. Lisboa: Vega, 2000.

KANSTEINER, Wulf. Finding Meaning in Memory: a methodological critique of collective memory studies. History and Theory, v. 41, n. 2, p. 179-197, maio 2002.

https://doi.org/10.1111/0018-2656.00198

KEESE, Alexander. Early Limits of Local Decolonization in São Tomé e Príncipe: From Colonial Abuses to Postcolonial Disappointment, 1945-1976. International Journal of African Historical Studies, v. 44, n. 3, p. 373-392, 2011.

KEESE, Alexander. “Bloqueios no Sistema: elites africanas, o fenómeno do trabalho forçado e os limites da integração no Estado colonial português, 1945-1974”. In: JERÓNIMO, Miguel Bandeira (org.). O Império Colonial em Questão (Sécs. XIX-XX). Lisboa: Edições 70, 2012. p. 223-249.

LIMA, José de Deus. História do Massacre de 1953 em S. Tomé e Príncipe: em busca da nossa verdadeira História. São Tomé: Edição de Autor, 2002.

https://doi.org/10.2307/j.ctvh8qz2n.15

LIMA, Conceição. O Útero da Casa. Lisboa: Caminho, 2004.

LIMA, Conceição. A Dolorosa Raiz do Micondó. Lisboa: Caminho, 2006.

LIMA, Conceição. O País do Akendenguê. Lisboa: Caminho, 2011.

LIMA, Conceição. Fernão Dias: as razões do protesto popular, Téla Nón, São Tomé, 3 fev. 2015.

LIMA, Conceição. O memorial, de novo. África 21, n. 104, fev. 2016.

LOURENÇO, Eduardo. Do Colonialismo como Nosso Impensado. Lisboa: Gradiva, 2014.

https://doi.org/10.17851/2317-2096.24.3.159-162

S/A. “Portugal reconheceu injustiça da escravatura quando a aboliu em 1761, diz Marcelo”. In: Lusa, abril 2017.

Disponível em: https://www.publico.pt/2017/04/13/politica/noticia/portugalreconheceu-injustica-da-escravatura-quando-a-aboliu-em-1761-diz-marcelo-1768680. Acesso em: 1 nov. 2018.

https://doi.org/10.20949/rhhj.v7i14.468

MARGARIDO, Alfredo. Estudos sobre Literaturas das Nações Africanas de Língua Portuguesa. Lisboa: A Regra do Jogo, 1980.

https://doi.org/10.2307/40137148

MARSCHALL, Sabine. “Commemorating ‘Struggle Heroes’: Constructing a Genealogy for the New South Africa”, International Journal of Heritage Studies, v. 12, n. 2, p. 176-193, mar. 2006.

https://doi.org/10.1080/13527250500496136

MARSCHALL, Sabine. “Memory and Identity in South Africa: Contradictions and Ambiguities in the Process of Post-Apartheid Memorialization”, Visual Anthropology, v. 25, n. 3, p. 189-204, 2012.

https://doi.org/10.1080/08949468.2012.665335

MARSCHALL, Sabine. Public holidays as lieux de mémoire: nation-building and the politics of public memory in South Africa. Anthropology Southern Africa, Africa, v. 36, n. 1-2, p. 11-21, 2013.

https://doi.org/10.1080/02580144.2013.10887020

MARKY, Sum. No Altar da Lei. Fundão: Jornal do Fundão, 1962.

MARKY, Sum. Vila Flogá. Fundão: Jornal do Fundão, 1963.

MATA, Inocência. Emergência e existência de uma literatura. O caso santomense. Lousã: ALAC, 1993.

MATA, Inocência. Diálogo com as ilhas: sobre cultura e literatura de São Tomé e Príncipe. Lisboa: Edições Colibri, 1998.

https://doi.org/10.1353/ral.2001.0003

MATA, Inocência. A Suave Pátria. Reflexões político-culturais sobre a sociedade são-tomense. Lisboa: Edições Colibri, 2004.

MATA, Inocência. “A poesia de Conceição Lima: o sentido da história das ruminações afectivas”, Veredas – Revista da Associação Internacional de Lusitanistas, n. 7, p. 235-251, 2006.

https://doi.org/10.24261/2183-816x24

MATA, Inocência. Polifonias Insulares: cultura e literatura de São Tomé e Príncipe. Lisboa: Edições Colibri, 2010.

MBEMBE, Achille. On the Postcolony. Berkeley e Londres: University of California Press, 2001.

MELBER, Henning. “Namibia’s Past in the Present: Colonial Genocide and Liberation Struggle in Commemorative

Narratives”, South African Historical Journal, v. 54, n. 1, p. 91-111, 2005.

https://doi.org/10.1080/02582470509464900

MOREIRA, Joaquim. Ressuscitados os Acontecimentos de Batepá, Notícia, n. 765, p. 22-27, 1974.

MPOFU, Shepherd. Toxification of national holidays and national identity in Zimbabwe’s post-2000 nationalism. Journal of African Studies, v. 28, n. 1, p. 28-43, 2016.

https://doi.org/10.1080/13696815.2015.1062354

NASCIMENTO, Augusto. S. Tomé e Príncipe no século XIX: um esboço de interpretação das mudanças sociais. In: ALEXANDRE, Valentim (org.). O Império Africano: séculos XIX e XX. Lisboa: Edições Colibri, 2000. p. 95-116.

NASCIMENTO, Augusto. A construção de São Tomé e Príncipe: achegas sobre a (eventual) valia do conhecimento histórico. In: SILVA, Teresa Cruz; COELHO, João Paulo Borges; SOUTO, Amélia Neves de (orgs.). Como fazer ciências sociais e humanas em África: questões epistemológicas, metodológicas, teóricas e políticas. Dakar: Codesria, 2012. p. 171-194.

PACHECO, Carlos. Conspiração e Terrorismo de Estado, em São Tomé, contra as elites locais nativas. In: MARKY, Sum. Crónica de uma guerra inventada. Lisboa: Vega, 1999. p. 9-16.

PELISSIER, René. La guerre de Batepá (São Tomé – février 1953). Revue Française D’études Politiques Africaines, Paris, n. 73, p. 74-88, 1972.

PINTO DA COSTA, Manuel. Discursos. São Tomé: Arquivo Histórico de S. Tomé e Príncipe, v. II, 1979.

PINTO DA COSTA, Manuel. Honrar os nossos heróis é ter consciência que atrás da nossa geração está uma luta cheia de sacrifícios – Palavras do S. Exº dr. Pinto da Costa no comício alusivo ao Dia dos Heróis da Liberdade. Revolução, n. 310, ano VIII, 5 fev. 1983.

https://doi.org/10.17771/pucrio.acad.26981

QASMI, Ali Usman. Identity formation through national calendar: holidays and commemorations in Pakistan. Nation and Nationalism, v. 23, n. 3, p. 1-22, 2017.

https://doi.org/10.1111/nana.12310

RELATÓRIO dos Acontecimentos ocorridos em S. Tomé nos dias 3 a 6 de Fevereiro de 1953, Arquivo Histórico-Militar AHM / FO / 39 / 11 / 585 / 259.

RELATÓRIO Final – Inquérito aos acontecimentos ocorridos em S. Tomé em Fevereiro de 1953. Arquivo Histórico-Diplomático do Ministério dos Negócios Estrangeiros.

REVOLUÇÃO. “3 de Fevereiro – Dia dos Heróis da Liberdade”. n. 402, ano VIII, 3 fev. 1984. 1.

RIBEIRO, Margarida Calafate. “Património da palavra: o nome, a casa, a ilha”. In: RIBEIRO, Margarida Calafate; JORGE, Sílvio Renato (org.). Literaturas Insulares. Leituras e Escritas. Cabo Verde e S. Tomé e Príncipe. Porto: Edições Afrontamento, 2011. p. 197-206.

https://doi.org/10.24261/2183-816x1126

RODRIGUES, Inês Nascimento. Massacre de Batepá em São Tomé e Príncipe. In: CARDINA, Miguel; MARTINS, Bruno Sena (orgs.). As Voltas do Passado: a guerra colonial e as lutas de libertação. Lisboa: Tinta-da-China, 2018a. 21-26.

RODRIGUES, Inês Nascimento. Espectros de Batepá. Memórias e narrativas do “Massacre de 1953” em São Tomé e Príncipe. Porto: Afrontamento, 2018b.

ROSAS, Fernando. O império de Salazar. In: ROSAS, Fernando. História a História África. Lisboa: Tinta-da-China, 2018a. p. 33-42.

https://doi.org/10.5944/etfv.25.2013.12205

ROSAS, Fernando. A Guerra da Trindade ou o Massacre de Batepá. In: ROSAS, Fernando. História a História África. Lisboa: Tinta-da-China, 2018b. p. 157-170.

https://doi.org/10.5944/etfv.25.2013.12205

SANTOS, Boaventura Sousa. A Gramática do Tempo: para uma nova cultura política. Porto: Afrontamento, 2010.

SANTOS, Lúcio. Comemorações de mais um ‘Três de Fevereiro’ dia dos Mártires da Liberdade de São Tomé e Príncipe. O Parvo, São Tomé, 4 fev. 2014.

https://doi.org/10.1163/9789004337862_lgbo_com_190235

SEIBERT, Gerhard. São Tomé: o massacre de Fevereiro de 1953. História, n. 19, p. 14-27, 1996.

SEIBERT, Gerhard. Le massacre de février 1953 à São Tomé. Raison d’être du nationalisme santoméen. Lusotopie, Aix-en-Provence, v. 4, p. 173-194, 1997.

SEIBERT, Gerhard. Camaradas, Clientes e Compadres. Colonialismo, Socialismo e Democratização em São Tomé e Príncipe. 2. ed. Lisboa: Vega, 2002a.

SEIBERT, Gerhard. The February 1953 Massacre in São Tomé: crack in the salazarist image of multiracial harmony and impetus for nationalist demands for Independence. Portuguese Studies Review, n. 2, p. 52-77, 2002b.

SEIBERT, Gerhard. “O Massacre de Batepá. Em Fevereiro de 1953, o governador de São Tomé, Carlos Gorgulho, pôs a ilha a ferro e fogo”. In: PAÇO, António S. (ed.). Os Anos de Salazar (1952-1953), v. 10. Lisboa: Planeta DeAgostini, 2008. p. 64-73.

SEIBERT, Gerhard. Colonialismo em São Tomé e Príncipe: hierarquização, classificação e segregação da vida social, Anuário Antropológico/2014, v. 40, n. 2, p. 99-120, 2015.

https://doi.org/10.4000/aa.1411

TAMM, Marek (org.). Afterlife of Events. Perspectives on mnemohistory. Londres: Palgrave Macmillan, 2015.

TENREIRO, Francisco José. A ilha de São Tomé. Lisboa: Junta de Investigações do Ultramar, 1961.

THOMAZ, Omar Ribeiro. Do Saber Colonial ao Lusotropicalismo: ‘Raça’ e ‘Nação’ nas primeiras décadas do Salazarismo. In: MAIO, Marcos Chor; SANTOS, Ricardo Ventura (orgs.). Raça, Ciência e Sociedade. São Paulo: Fiocruz, 1996. p. 85-106.

VEIGA, Abel. Sobreviventes do Massacre de Batepá recebem apenas 300 mil dobras por ano cerca de 14 euros. In: Téla Nón, São Tomé, 4 fev. 2009.

Disponível em: https://www.telanon.info/politica/2009/02/04/918/sobreviventes-do-massacre-de-bateparecebem-

apenas-300-mil-dobras-por-ano-cerca-de-14-euros/. Acesso em: 19 set. 2018.

https://doi.org/10.20873/uft.2179-3948.2018v9n2p180

VEIGA, Abel. Roça Fernão Dias salva o ato central da celebração do massacre de 1953. In: Téla Nón, 4 fev. 2010. Disponível em: https://www.telanon.info/politica/2010/02/04/2578/roca-fernaodias-salva-o-acto-central-da-celebracao-do-massacre-de-1953/. Acesso em: 18 set. 2018.

VEIGA, Abel. “61º aniversário do massacre de 1953 celebrado hoje com orações e cânticos litúrgicos”. In: Téla Nón, 3 fev. 2014.

Disponível em: https://www.telanon.info/politica/2014/02/03/15563/61º-aniversario-do-massacre-de-1953-celebrado-hojecom-oracoes-e-canticos-liturgicos/. Acesso em: 19 set. 2018.

VEIGA, Abel. “3 de fevereiro: Historiadores acusam o governo de irresponsabilidade e de tentativa de deturpação da história”. In: Téla Nón, 3 fev. 2015.

Disponível em: https://www.telanon.info/politica/2015/02/03/18593/3-de-fevereiro-historiadoresacusam-

o-governo-de-irresponsabilidade-e-de-tentativa-dedeturpacao-da-historia/. Acesso em: 19 set. 2018.

https://doi.org/10.17771/pucrio.acad.8359

VEIGA, Abel. 3 de fevereiro: Tumultos na Praia de Fernão Dias provocaram intervenção militar. In: Téla Nón, 3 fev. 2015.

Disponível em: https://www.telanon.info/politica/2015/02/03/18596/3-de-fevereiro-tumultos-na-praia-defernao-

dias-provocaram-intervencao-militar/. Acesso em: 18 set. 2018.

https://doi.org/10.1590/0103-335220172304

VEIGA, Abel. PR ausente por alegadamente ter sido ignorado pelo Governo. In: Téla Nón, 4 fev. 2015.

Disponível em: https://www.telanon.info/politica/2015/02/04/18604/pr-ausentepor-alegadamente-ter-sido-ignorado-pelo-governo/. Acesso em: 19 set. 2018.

VEIGA, Abel. Dia dos heróis nacionais regressou a Fernão Dias. In: Téla Nón, 4 fev. 2016.

Disponível em: https://www.telanon.info/politica/2016/02/04/21110/dia-dos-herois-nacionaisregressou-a-fernao-dias/. Acesso em: 19 set. 2018.

https://doi.org/10.15729/nanocellnews.2016.07.21.001




DOI: http://dx.doi.org/10.15448/1980-864X.2019.2.32441

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

e-ISSN: 1980-864X | ISSN-L: 0101-4064

Este periódico é membro do COPE (Committee on Publication Ethics) e adere aos seus princípios - www.publicationethics.org



AVALIAÇÃO QUALIS CAPES - 2016 
ÁREA CAPES - História
CLASSIFICAÇÃO - A2

INDEXADORES E PORTAIS

  • Web of Science - Master Journals List (Clarivate Analytics)
  • SSCI - Social Sciences Citation Index (Clarivate Analytics)
  • AHCI - Arts and Humanities Citation Index (Clarivate Analytics)
  • Scopus (Elsevier)
  • SJR - ScIMAGO Journal & Country Rank (Elsevier)
  • Historical Abstracts with Full Text (EBSCO)
  • Academic Search Premier (EBSCO)
  • Fonte Acadêmica (EBSCO)
  • Fuente Academica (EBSCO)
  • CLASE - Citas Latinoamericanas en Ciencias Sociales y Humanidades
  • DOAJ - Directory of Open Access Journals
  • LATINDEX - Sistema Regional de Información en Línea para Revistas Científicas de América Latina, el Caribe, España y Portugal
  • REDALYC - Red de Revistas Científicas de América Latina y el Caribe, España y Portugal
  • Portal CAPES

FATOR DE IMPACTO NO SJR (SCImago Journal & Country Rank)

SCImago Journal & Country Rank

Licença Creative Commons OriginalityCheck®
Licença Creative Commons
Exceto onde especificado diferentemente, a matéria publicada neste periódico é licenciada sob forma de uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional. 
TurnITin
Todos os artigos são submetidos ao software Turnitin, antes de iniciar qualquer tipo de avaliação.
Diadorim  Open Access 
Diretório de Políticas Editoriais das Revistas Científicas Brasileiras. Disponibilidade para depósito: Azul. 
 

Copyright: © 2006-2019 EDIPUCRS