Vidas deslocadas pelo colonialismo e pela guerra

Fatima da Cruz Rodrigues

Resumo


Quando uma guerra termina, não termina com ela tudo o que ela criou, modificou, violentou e destruiu. Depois de uma guerra, os que lhe sobrevivem têm de reconstruir-se e de recompor as suas vidas de acordo com esse legado em articulação com a realidade que o fim do conflito inaugura. Sobrevivem esses sobreviventes, e com eles as heranças que a guerra lhes deixou. É de algumas dessas heranças que trata este texto, que apresenta uma reflexão sobre a forma como a guerra colonial que Portugal travou em África entre 1961 e 1974 interferiu nos percursos de vida de antigos combatentes africanos que integraram as Forças Armadas Portuguesas (FAP) e que passaram a residir em Portugal, após a libertação dos territórios onde nasceram. Com base em um trabalho de pesquisa de caráter qualitativo com recurso a histórias de vida, procurou-se perceber o sentido que esses homens atribuíam aos seus percursos marcados por descontinuidades e momentos particularmente fraturantes no que toca a construção de projetos de vida. Para isso, caracterizam-se os diversos tipos de percursos que resultaram dessa análise, bem como alguns dos eixos discursivos que esses homens mobilizaram para justificar as diversas opções que tomaram ao longo dos mesmos. A análise é utilizada para interpelar a problemática da construção de identidades marcadas por descontinuidades e por posicionamentos aparentemente contraditórios.


Palavras-chave


Pós-colonialismos. Guerras coloniais. Percursos de vida.

Texto completo:

PDF

Referências


ACORDO DE ALVOR. Coimbra: Centro de Documentação 25 de Abril, Universidade de Coimbra.

Disponível em: http://www1.ci.uc.pt/cd25a/wikka.php?wakka=descon21. Acesso em: 2 maio 2009.

https://doi.org/10.24849/spg.cpga.2017.01

ACORDO DE LUSACA. Centro de Documentação 25 de Abril, Universidade de Coimbra.

Disponível em: http://www1.ci.uc.pt/cd25a/wikka.php?wakka=descon06. Acesso em: 2 maio 2009.

AGUIAR, Luiz. Livro Negro da Descolonização. Lisboa: Editorial Intervenção, 1977.

ALMEIDA, João Ferreira de; PINTO, João Madureira. A Investigação nas Ciências Sociais. Lisboa: Editorial Presença, 1982.

ANZALDÚA, Gloria. La consciencia de la mestiza: towards a new consciousness. In: WARHOL, Robyn; HERNDL, Diane (eds.). Feminisms: an Anthology of Literary Theory and Criticism. New Brunswick: Rutgers University Press, 1997. p. 765-775.

https://doi.org/10.1007/978-1-349-14428-0_44

BERNARDO, Manuel Amaro. Combater em Moçambique: guerra e descolonização 1964-1975. Lisboa: Prefácio, 2003.

BERNARDO, Manuel Amaro. Guerra, Paz e Fuzilamentos dos Guerreiros: Guiné 1970-1980. Lisboa: Prefácio, 2007.

BHABHA, Homi. O Local da Cultura. Tradução de Myriam Ávila et al. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2005a.

BHABHA, Homi. A Questão Outra. In: SANCHES, Manuela (org.). Deslocalizar a “Europa”: antropologia, Arte, Literatura e História na Pós-colonialidade. Lisboa: Edições Cotovia, 2005b. p. 143-166.

CAHEN, Michel. Uma boa consciência colonial ainda necessária num país europeu moderno? Arquivo. Boletim do Arquivo Histórico de Moçambique, Moçambique, n. 9, p. 59-68, abril, 1991.

CERVELLÓ, Joseph Sánchez. La revolucción portuguesa y la questión colonial. In: ROSAS, Fernando (coord.). Portugal e a Transição para a Democracia (1974-1976). I Curso Livre de História Contemporânea. Lisboa: Edições Colibri, 1998. p. 77-106.

COELHO, João Paulo B. Da violência colonial ordenada à ordem pós-colonial violenta: sobre um legado das guerras coloniais nas ex-colónias portuguesas. Lusotopie, Aix-en-Provence, p. 175-193, 2003.

CORREIA, Pedro Pezarat. A participação local no desenvolvimento das campanhas. O recrutamento africano. In: MOREIRA, Adriano et al. (orgs.). Estudos sobre as Campanhas de África (1961-1974). S. Pedro do Estoril: Edições Atena e Instituto de Altos Estudos Militares, 2000. p. 143-153.

COLLINS, Patricia Hill. Black Feminist Thought: Knowledge, Consciousness, and the Politics of Empowerment. New York/London: Routledge, 2000.

https://doi.org/10.4324/9780203900055

DEMAZIÈRE, Didier. Typologie et description : À propos de l’intelligibilité des experiences vécues. Presses Universitaires de France, v. 4, p. 333-347, 2013.

Disponível em: https://www.cairn.info/revue-sociologie-2013-3-page-333.htm.

https://doi.org/10.3917/socio.043.0333

FLICK, Uwe, Métodos Qualitativos na Investigação Científica. Trad. Artur Parreira. Lisboa: Monitor, 2005.

FERRAROTTI, Franco. Sobre a autonomia do método biográfico. Sociologia: Problemas e Práticas, São Paulo, n. 9, p. 171-177, 1991.

FERRAROTTI, Franco. Historias de vida y ciencias sociales – entrevista a Franco Ferrarotti, por Monserrat Iniesta e Carles Feixa. Perifèria – Revista de Recerca i formació en antropología, n. 5, p. 1-14, 2006.

Disponível em: http://www.raco.cat/index.php/Periferia/article/viewFile/146549/198369. Acesso em: 23 mar. 2009.

https://doi.org/10.5565/rev/periferia.162

FRIEDMAN, Susan Stanford. O Falar da Fronteira, o hibridismo e a performatividade: teoria da cultura e identidade nos espaços intersticiais da diferença. Revista Crítica de Ciências Sociais, Coimbra, n. 61, p. 5- 28, dez. 2001.

GILROY, Paul. O Atlântico Negro: Modernidade e Dupla Consciência. Trad. Cid Knipel Moreira. São Paulo: Ed. 34, 2001.

https://doi.org/10.1590/s0034-77012002000100013

GONÇALVES, António Custódio (org.). O Islão na África Subsariana. In: ACTAS do 6º Colóquio Internacional “Identidades, Poderes e Etnicidades. O Islão na África Subsariana”. Porto: FLUP, 2004.

https://doi.org/10.1787/888933228486

GUERRA, Isabel. Pesquisa Qualitativa e Análise de Conteúdo: sentidos e formas de uso. Estoril: Princípia Editora, 2006.

HALL, Stuart. Da Diáspora – Identidades e Mediações Culturais. Tradução de Adelaine Resende et al. Belo Horizonte: UFMG, 2006.

HALL, Stuart. Identidade Cultural. Tradução de Vanderli Silva. São Paulo: Fundação Memorial da América Latina, 1997.

HOOKS, Bell. Choosing the margin as a space of radical openness. In: HARDING, Sandra (ed.). The Feminist Standpoint Theory Reader: intellectual and political controversies. New York/London: Routledge, 2004. p. 153-159.

JERÓNIMO, Miguel Bandeira; PINTO, António Costa (org.). Portugal e o Fim do Colonialismo: dimensões internacionais. Lisboa: Edições 70, 2014.

JOSSIAS, Elias. Entre a Colónia e a Nação: Moçambicanos Deficientes Físicos das Forças Armadas Portuguesas. Lisboa: ISCTE, 2007.

JOVCHELOVITCH, Sandra; BAUER, Martin W. Entrevista narrativa. In: BAUER, M. W.; GASKELL, G. (org.). Pesquisa qualitativa com texto, imagem e som: um manual prático. 10. ed. Petrópolis: Vozes, 2012. p. 90-113.

LAKATOS, Eva Maria; MARCONI, Marina Andrade. Fundamentos de Metodologia Científica. São Paulo: Atlas, 1991.

LEÃO, Ana; RUPIYA, Martin. A military history of the Angolan Armed Forces from the 1960s onwards – as told by formers combatants. In: RUPIYA, Martin (ed.). Evolutions & Revolutions: A Contemporary History of Militaries in Southern Africa. Pretoria: Institute for the Security Studies, 2005. p. 7-41.

MALDONADO-TORRES, Nelson. Sobre la colonialidad del ser: contribuciones al desarrollo de un concepto. In: CASTROGÓMEZ, Santiago; GROSFOGUEL, Ramón (Orgs.). El giro decolonial: reflexiones para una diversidad epistémica más allá del capitalismo global. Bogotá: Universidad Javeriana-Instituto Pensar, Universidad Central-IESCO, Siglo del Hombre Editores, 2007. p. 127-167.

https://doi.org/10.7440/histcrit33.2007.09

PAIS, José Machado, Sociologia da Vida Quotidiana: teorias, métodos e estudos de caso. Lisboa: Imprensa de Ciências Sociais, 2007.

PÀMPOLS, Carlos Feixa. La imaginación autobiográfica. Perifèria – Revista de recerca i formació en antropologia, n. 5, p. 1-44, 2006.

Disponível em: http://revistes.uab.es/periferia/article/viewFile/159/176. Acesso em: 28 mar. 2009.

https://doi.org/10.5565/rev/periferia.159

PORTUGAL. Estado-Maior do Exército. Resenha Histórico-Militar das Campanhas de África, v. I. Lisboa: Comissão para o Estudo das Campanhas de África, 1988.

PRATT, Mary Louise. Arts of the Contact Zone. Profession 91, New York: Modern Language Association, 1991. p. 33-40.

QUIJANO, Anibal. Colonialidad del poder y classificación social. In: CUESTIONES y horizontes: de la dependencia histórico-estructural a la colonialidad/descolonialidad del poder. Buenos Aires: CLASCO, 2014. p. 285-327. (Colección Antologías).

Disponível em: http://www.lavaca.org/wp-content/uploads/2016/04/quijano-clasificacion-social.pdf.

https://doi.org/10.5195/jwsr.2000.228

QUINTAIS, Luís. Liminaridade e metamorfose: uma reflexão antropológica sobre uma desordem psiquiátrica, Análise Social, Lisboa, v. 34, n. 153, p. 985-1005, 2000.

RODRIGUES, Fátima da Cruz. A desmobilização dos antigos combatentes africanos das Forças Armadas Portuguesas. Ler História, Lisboa, v. 65, p. 113-128, 2013.

https://doi.org/10.4000/lerhistoria.484

RODRIGUES, Fátima da Cruz. Antigos Combatentes Africanos das Forças Armadas Portuguesas – A Guerra Colonial como Território de (Re)conciliação. Lisboa: Instituto Camões, 2017.

https://doi.org/10.4000/lerhistoria.484

RODRIGUES, Rui. Os Últimos Guerreiros do Império. Amadora: Erasmos, 1995.

ROSAS, Fernando; MACHAQUEIRO, Mário; OLIVEIRA, Pedro Aires (org.). O Adeus ao Império: 40 anos de Descolonização Portuguesa. Lisboa: Veja, 2015.

SAID, Edward W. Cultura e Imperialismo. Trad. Denise Bottman. São Paulo: Companhia das Letras, 1995.

SANTOS, Boaventura de Sousa. Pela Mão de Alice: o social e o político na pós-modernidade. Porto: Afrontamento, 1994.

SANTOS, Boaventura de Sousa. Do pós-moderno ao pós-colonial e para além de Um e Outro. Conferência de abertura do VIII Congresso Luso-Afro-Brasileiro de Ciências Sociais, Coimbra, 2004.

https://doi.org/10.12702/viii.simposfloresta.2014.66-570-1

SCHÜTZE, Fritz. Pesquisa biográfica e entrevista narrativa. In: WELLER, W.; PFAFF, N. (org.). Metodologias da pesquisa qualitativa em educação: teoria e prática. 2. ed. Petrópolis: Vozes, 2011. p. 210-222.

SPIVAK, Gayatari Chakravorty. Can the subaltern speak? In: NELSON, C.; GROSSBERG, L. (org.). Marxism and the Interpretation of Culture. Londres: Macmillan, 1988. p. 66-111.




DOI: http://dx.doi.org/10.15448/1980-864X.2019.2.32405

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

e-ISSN: 1980-864X | ISSN-L: 0101-4064

Este periódico é membro do COPE (Committee on Publication Ethics) e adere aos seus princípios - www.publicationethics.org



AVALIAÇÃO QUALIS CAPES - 2016 
ÁREA CAPES - História
CLASSIFICAÇÃO - A2

INDEXADORES E PORTAIS

  • Web of Science - Master Journals List (Clarivate Analytics)
  • SSCI - Social Sciences Citation Index (Clarivate Analytics)
  • AHCI - Arts and Humanities Citation Index (Clarivate Analytics)
  • Scopus (Elsevier)
  • SJR - ScIMAGO Journal & Country Rank (Elsevier)
  • Historical Abstracts with Full Text (EBSCO)
  • Academic Search Premier (EBSCO)
  • Fonte Acadêmica (EBSCO)
  • Fuente Academica (EBSCO)
  • CLASE - Citas Latinoamericanas en Ciencias Sociales y Humanidades
  • DOAJ - Directory of Open Access Journals
  • LATINDEX - Sistema Regional de Información en Línea para Revistas Científicas de América Latina, el Caribe, España y Portugal
  • REDALYC - Red de Revistas Científicas de América Latina y el Caribe, España y Portugal
  • Portal CAPES

FATOR DE IMPACTO NO SJR (SCImago Journal & Country Rank)

SCImago Journal & Country Rank

Licença Creative Commons OriginalityCheck®
Licença Creative Commons
Exceto onde especificado diferentemente, a matéria publicada neste periódico é licenciada sob forma de uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional. 
TurnITin
Todos os artigos são submetidos ao software Turnitin, antes de iniciar qualquer tipo de avaliação.
Diadorim  Open Access 
Diretório de Políticas Editoriais das Revistas Científicas Brasileiras. Disponibilidade para depósito: Azul. 
 

Copyright: © 2006-2019 EDIPUCRS