Agência Indígena na Conquista do Sertão: Estratégias Militares e Tropas Indígenas na ‘Guerra dos Bárbaros’ (1651-1704)

Kalina Vanderlei Silva

Resumo


Neste artigo procuramos refletir sobre os papéis desempenhados pelas tropas indígenas atuantes na “guerra dos bárbaros”, tanto enquanto agentes da colonização, quanto como suas adversárias, observando essas atuações enquanto campos de criação de agência perante a sociedade colonial do Estado do Brasil nos séculos XVII e XVIII. Para tanto, discutimos as principais estratégias e táticas militares utilizadas pelas sociedades indígenas do semiárido e pelas tropas coloniais durante a ‘guerra dos bárbaros’ e o quanto o contato entre indígenas e colonos modificou tanto os modelos de guerra indígena quanto construiu os modelos coloniais. Baseamos nossas considerações na volumosa correspondência administrativa seiscentista do governo de Pernambuco, das capitanias anexas e do governo geral pertencente aos acervos do Arquivo Histórico Ultramarino (Lisboa) e da Biblioteca Nacional (Rio de Janeiro); fontes questionadas a partir das reflexões de autores como Pedro Puntoni, John Manuel Monteiro, Pierre Clastres e Sherry Ortner, e cotejadas com a historiografia que hoje se debruça sobre história indígena colonial.


Palavras-chave


Tropas indígenas. Guerra dos bárbaros. Estratégias e táticas. Agência.

Texto completo:

PDF

Referências


ALMEIDA, Maria Regina Celestino de. Os índios na História do Brasil no século XIX: da invisibilidade ao protagonismo. Revista História Hoje, São Paulo, v. 1, n. 2, p. 21-39, 2012.

Disponível em: https://rhhj.anpuh.org/RHHJ/article/view/39/0. Acesso em: 4 fev. 2019.

https://doi.org/10.20949/rhhj.v1i2.39

ALMEIDA, Maria Regina Celestino de; OLIVEIRA, João Pacheco de. Prefácio. In: SOUZA, Fábio Feltrin de; WITTMANN, Luisa Tombini (org.). Protagonismo indígena na história. Tubarão: UFFS, 2016. p. 7-14.

ANDRADE, Luciana Kelly. Os Tratados de Paz entre Indígenas e Portugueses no Processo de colonização do Rio Grande do Norte. 2007. Dissertação (Mestrado em História) – Programa de Pós-Graduação em História, UFRN, Natal, 2007.

ANDRADE, Pedro Carrilho de. Memória sobre os Índios no Brasil. Revista do Instituto do Ceará, Fortaleza, v. 48, p. 343-348, 1965.

APOLINÁRIO, Juciene Ricarte. Ações multifacetadas dos Tarairiú nos sertões das capitanias do Norte entre os séculos XVI e XVIII. In: SIMPÓSIO NACIONAL DE HISTÓRIA, 25., 2009, Fortaleza. Anais [...]. Fortaleza: ANPUH, 2009.

Disponível em: http://encontro2014.rj.anpuh.org/resources/anais/anpuhnacional/S.25/ANPUH.S25.1297.pdf. Acesso em: 14 abr. 2019.

APOLINÁRIO, Juciene Ricarte. Quando as chefias indígenas se fortalecem enquanto pequena nobreza nos sertões das Capitanias do Norte na segunda metade do século XVIII. In: CONGRESSO INTERNACIONAL PEQUENA NOBREZA NOS IMPÉRIOS IBÉRICOS DE ANTIGO REGIME, 2011, Lisboa. Atas [...]. Lisboa, 2011.

Disponível em: http://www.iict.pt/pequenanobreza/arquivo/Doc/p3-02.pdf. Acesso em: 15 abr. 2019.

ARAÚJO, Soraya Geronazzo. O Muro do Demônio: economia e cultura na Guerra dos Bárbaros no nordeste colonial do Brasil – séculos XVII e XVIII. 2007. Dissertação em História – Programa de Pós-Graduação em História, UFC, Fortaleza, 2007.

AVELLANEDA, Mercedes. Agencia indígena en las misiones: alcances y transformaciones de las milicias guaraníes en el siglo XVIII. In: SANTOS, Maria Cristina dos; FELIPPE, Guilherme Galhegos (org.). Protagonismo Ameríndio Ontem e Hoje. Jundiaí: Paco Editorial, 2016. p.153-178.

BICALHO, Poliene Soares dos Santos. Protagonismo Indígena no Brasil: Movimento, Cidadania e Direitos (1970-2009). 2010. Tese (Doutorado em História) – Programa de Pós-Graduação em História, UNB, Brasília, 2010.

CARNEIRO, Edison. O Quilombo dos Palmares. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1988.

CARTA (minuta) ao rei [D Pedro II] sobre os índios agregados ao Terço dos Paulistas, Açu [1700]. AHU, Rio Grande do Norte, Cx. 10, D 55. AHU_ACL_CU_018, cx 10, D 55.

CARTA do conselho Ultramarino, Arquivo Histórico Ultramarino (AHU), PE, cód. 265, fl. 135, v. 136.

CARTA para o Capitão da Aldeia de Jaguaribe. Documentos Históricos, Rio de Janeiro, Biblioteca Nacional, v. 3, p. 217-218, 1929.

CARTA para o Superior da Aldeia do Camamú. Documentos Históricos, Rio de Janeiro, Biblioteca Nacional, v. 3, p. 228-229, 1654.

CLASTRES, Pierre. A Sociedade Contra o Estado. São Paulo: Cosac&Naify, 2013.

COELHO, Mauro Cezar; ROCHA, Helenice Aparecida Bastos. Paradoxos do protagonismo indígena na escrita escolar da História do Brasil. Tempo e Argumento, Florianópolis, v. 10, n. 25, p. 464-488, jul./set. 2018.

https://doi.org/10.5965/2175180310252018464

CÓPIAS das Capitulações Realizadas entre o Governador Geral do Brasil Antônio Luís Gonçalves da Câmara e Canindé Rei dos Janduins, em 10 de abril de 1692. In: ENNES, Ernesto. As Guerras nos Palmares (subsídios para sua história). São Paulo: Companhia Editora Nacional, 1938. p. 422-426.

COSTA, F. A. Pereira da. Anais Pernambucanos. Recife: Governo do Estado de Pernambuco, 1983. v. 3.

ENNES, Ernesto. As Guerras nos Palmares (subsídios para sua história). São Paulo: Companhia Editora Nacional, 1938.

FAUSTO, Carlos. Inimigos Fiéis: História, Guerra e Xamanismo na Amazônia. São Paulo: Edusp, 2001.

FUJIMOTO, Juliana. A Guerra Indígena como Guerra colonial – As Representações e o Lugar da Belicosidade Indígena e da Antropofagia no Brasil colonial (séculos XVI e XVII). 2016. Tese (Doutorado em História) – Programa de Pós-Graduação em História Social, USP, São Paulo, 2016.

JESUS, Miriam. Abrindo Espaços: Os ‘Paulistas’ na Formação da Capitania do Rio Grande do Norte. 2007. Dissertação (Mestrado em História) – Programa de Pós-Graduação em História, UFRN, Natal, 2007.

LIMA, André da Silva. A Guerra pelas Almas: Alianças, Recrutamentos e Escravidão indígena, (do Maranhão ao Cabo do Norte, 1615-1647). 2006. Dissertação (Mestrado em História) – Programa de Pós-Graduação em História, UFPA, Belém, 2006.

LOPES, Fátima Martins. Índios, Colonos e Missionários na colonização da Capitania do Rio Grande do Norte. Mossoró: Fundação Ving-un Rosado: Instituto Histórico e Geográfico do Rio Grande do Norte, 2003.

MACHADO, André Roberto de A. Hierarquias e mão de obra indígena (Grão-Pará, décadas de 1820 e 1830). In: SOUZA, Fábio Feltrin de; WITTMANN, Luisa Tombini (org.). Protagonismo indígena na história. Tubarão: UFFS, 2016. p. 113-142.

MAIA, Lígio de Oliveira. Honras, mercês e Prestigio Social: a Inserção da Família Indígena Souza e Castro nas redes de Poder do Antigo Regime na Capitania do Cearia. Revista de Ciências sociais, Fortaleza, v. 43, n. 2, p. 9-23, jul./dez. 2012.

MEDEIROS FILHO, Olavo de. Aconteceu na Capitania do Rio Grande. Natal: Departamento Estadual de Imprensa, 1997.

MEDEIROS, Ricardo Pinto de. Capa, espada, hábito e tença: concessão de títulos nobiliárquicos às lideranças indígenas na luta contra invasores estrangeiros na América portuguesa (séc. XVII). CONGRESSO INTERNACIONAL PEQUENA NOBREZA NOS IMPÉRIOS IBÉRICOS DE ANTIGO REGIME, 2011, Lisboa. Atas [...]. Lisboa, 2011.

Disponível em: http://www.iict.pt/pequenanobreza/arquivo/Doc/p3-04.pdf. Acesso em: 15 abr. 2019.

MEDEIROS, Ricardo Pinto. O Descobrimento dos Outros: Povos Indígenas do Sertão Nordestino no Período Colonial. 2000. Tese (Doutorado em História) – Programa de Pós- Graduação em História, UFPE, Recife, 2000.

MEIRA, Jean Paul Gouveia. Ressignificando a Saga do Governador dos Índios Antônio Domingos Camarão – 1721-1732. SIMPÓSIO NACIONAL DE HISTÓRIA – ANPUH, 26., 2011, São Paulo. Anais [...]. São Paulo: ANPUH, 2011.

Disponível em: http://www.snh2011.anpuh.org/resources/anais/14/1300666188_

ARQUIVO_RESSIGNIFICANDOASAGADOGOVERNADORDOSINDIOSANTONIODOMINGOSCAMARAO.pdf. Acesso em: 15 abr. 2019.

MELATTI, Júlio. Convenção para a Grafia dos Nomes Tribais. 1999.

Disponível em: http://www.juliomelatti.pro.br/notas/n-cgnt.pdf. Acesso em: 4 fev. 2019.

MELLO, Evaldo Cabral de. Olinda Restaurada – Guerra e Açúcar no Nordeste, 1630 – 1654. 3. ed. São Paulo: Editora 34, 2007.

MENDES, Laura Peraza. O Serviço de Armas nas Guerras contra Palmares: Expedições, Soldados e Mercês (Pernambuco, segunda metade do século XVII). 2013. Dissertação (Mestrado em História) – Programa de Pós-Graduação em História, Unicamp, Campinas, 2013.

MONTEIRO, John Manuel. Tupis, Tapuias e Historiadores: Estudos de História Indígena e do Indigenismo. 2001. Tese – Departamento de Antropologia, Unicamp, Campinas, 2001.

MOREIRA, Vânia Maria Losada. Colonialismo, policiamento dos costumes e Protagonismo indígena (Espírito Santo, 1750-1822). In: SOUZA, Fábio Feltrin de; WITTMANN, Luisa Tombini (org.). Protagonismo indígena na história. Tubarão: UFFS, 2016. p. 87-112.

OLIVEIRA, Francisco de Assis Rocha de. A Conquista do Sertão: A ação do Terço dos Paulistas no Rio Grande do Norte (1688 a 1724). 2001. Dissertação (Mestrado em História) – Programa de Pós-Graduação em História, UFRN, Natal, 2001.

ORTNER, S. B. Poder e projetos: reflexões sobre a agência. In: GROSSI, M; ECKERT, C; FRY, P. (org.). Conferências e Diálogos: Saberes e Práticas Antropológicas. Blumenau: Nova Letra, 2007. p. 45-80.

PEREIRA, Gregório Varela de Berredo. Breve Compêndio do que vai Obrando Neste Governo de Pernambuco o Senhor Antonio Luís Gonçalves da Câmara Coutinho [1690] apud MELLO, José Antonio Gonsalves de. Pernambuco ao tempo de Câmara Coutinho (1689-90). Revista do Instituto Arqueológico, Histórico e Geográfico Pernambucano, v. 51, p. 266-267, 1979.

PIERSON, Donald. O Homem no Vale do São Francisco. Tomo I. Rio de Janeiro: Ministério do Interior: SUVALE, 1972. 3 v.

PIRES, Maria Idalina Cruz. 'A Guerra dos Bárbaros': Resistência e Conflitos no Nordeste Colonial. Recife: UFPE, 2002.

PUNTONI, Pedro. A Arte da Guerra no Brasil - Tecnologia e Estratégia Militar na Expansão da Fronteira da América Portuguesa, 1550-1700. In: CASTRO, Celso; IZECKSOHN, Vitor; KRAAY, Hendrik (org.). Nova História Militar Brasileira. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2004. p. 43-66.

PUNTONI, Pedro. A Guerra dos Bárbaros: Povos Indígenas e a Colonização do Sertão Nordeste do Brasil, 1650-1720. São Paulo: Hucitec: Fapesp, 2002.

SAMPAIO, Patricia Melo. “Aleivosos e rebeldes”: Lideranças indígenas no Rio Negro, século XVIII. SIMPÓSIO NACIONAL DE HISTÓRIA – ANPUH, 26. 2011, São Paulo. Anais [...]. São Paulo: ANPUH, 2011.

SANTOS, Maria Cristina dos; FELIPPE, Guilherme Galhegos. Protagonismo como substantivo na História. In: SANTOS, Maria Cristina dos; FELIPPE, Guilherme Galhegos (org.). Protagonismo Ameríndio Ontem e Hoje. Jundiaí: Paco Editorial, 2016. p. 13-52.

SANTOS, Solon Natalício Araújo dos. Conquista e Resistência dos Payayá no Sertão das Jacobinas: Tapuias, Tupi, colonos e missionários (1651-1706). 2011. Dissertação (Mestrado em História) – Programa de Pós-Graduação em História, UFBA, Salvador, 2011.

SILVA, Geiza K. A. Índios e Identidades: Formas de Inserção e sobrevivência na sociedade Colonial (1535-1716). 2004. Dissertação (Mestrado em História) – Programa de Pós-Graduação em História, UFPE, Recife, 2004.

SILVA, Geiza K. A. Teias de alianças, lealdades e dependência: tabajaras e potiguares aliadosaldeados na capitania de Pernambuco. Clio, Serie História do Nordeste, Recife, v. 2, n. 25, p. 187-214, 2007.

SILVA, Kalina Vanderlei. Nas Solidões Vastas e Assustadoras: A Conquista do Sertão de Pernambuco pelas Vilas Açucareiras nos séculos XVII e XVIII. Recife: CEPE, 2010.

VICENTE, Marcos Felipe. “Não tem fee nem ley nem piedade”: um esboço etno-histórico sobre os Paiaku e outros povos Tarairiú nos sertões do norte. Fronteiras: Revista de História, Dourados, v. 18, n. 32, p. 197-214, jul./dez. 2016.




DOI: http://dx.doi.org/10.15448/1980-864X.2019.2.31722

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

e-ISSN: 1980-864X | ISSN-L: 0101-4064

Este periódico é membro do COPE (Committee on Publication Ethics) e adere aos seus princípios - www.publicationethics.org



AVALIAÇÃO QUALIS CAPES - 2016 
ÁREA CAPES - História
CLASSIFICAÇÃO - A2

INDEXADORES E PORTAIS

  • Web of Science - Master Journals List (Clarivate Analytics)
  • SSCI - Social Sciences Citation Index (Clarivate Analytics)
  • AHCI - Arts and Humanities Citation Index (Clarivate Analytics)
  • Scopus (Elsevier)
  • SJR - ScIMAGO Journal & Country Rank (Elsevier)
  • Historical Abstracts with Full Text (EBSCO)
  • Academic Search Premier (EBSCO)
  • Fonte Acadêmica (EBSCO)
  • Fuente Academica (EBSCO)
  • CLASE - Citas Latinoamericanas en Ciencias Sociales y Humanidades
  • DOAJ - Directory of Open Access Journals
  • LATINDEX - Sistema Regional de Información en Línea para Revistas Científicas de América Latina, el Caribe, España y Portugal
  • REDALYC - Red de Revistas Científicas de América Latina y el Caribe, España y Portugal
  • Portal CAPES

FATOR DE IMPACTO NO SJR (SCImago Journal & Country Rank)

SCImago Journal & Country Rank

Licença Creative Commons OriginalityCheck®
Licença Creative Commons
Exceto onde especificado diferentemente, a matéria publicada neste periódico é licenciada sob forma de uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional. 
TurnITin
Todos os artigos são submetidos ao software Turnitin, antes de iniciar qualquer tipo de avaliação.
Diadorim  Open Access 
Diretório de Políticas Editoriais das Revistas Científicas Brasileiras. Disponibilidade para depósito: Azul. 
 

Copyright: © 2006-2019 EDIPUCRS