Aspectos da religiosidade popular na cultura marítima no Atlântico, séculos XVI ao XIX

Jaime Rodrigues

Resumo


O mundo do trabalho marítimo entre os séculos XVI e XIX foi marcado pela circulação espacial de grande número de pessoas. O longo afastamento da comunidade de origem e das instituições ali existentes teve implicações na construção de uma cultura marítima no Atlântico. Aqui serão analisados aspectos relacionados à religiosidade expressada a bordo e no âmbito das viagens de longo curso, onde destacaremos aspectos como, as cerimônias a bordo, a questão da devoção mariana e aos santos católicos e, um breve estudo de desvios e heterodoxias de marinheiros processados pelo Santo Ofício português.


Palavras-chave


História marítima. História atlântica. Cultura marítima.

Texto completo:

PDF

Referências


AZEVEDO, Carlos Moreira (dir.). História religiosa de Portugal. Cais de Mem Martins: Círculo de Leitores, 2000.

BARRÉ, Nicolas. Cartas por N. D. de Villegagnon e textos correlatos por Nicolas Barré & Jean Crispin. In: MOREIRA NETO, Carlos de Araujo (coord.). Coleção Franceses no Brasil: séculos XVI e XVII. Rio de Janeiro: Fundação Darcy Ribeiro: Batel, 2009. v. 1. p. 110-160.

CALAINHO, Daniela Buono. Agentes da fé: familiares da Inquisição portuguesa no Brasil colonial. Bauru: Edusc, 2006.

CODIGO Philippino, ou Ordenações e leis do Reino de Portugal: recopiladas por mandado d'El-Rey D. Philippe I. Rio de Janeiro: Typ. do Instituto Philomathico, 1870.

COLTON, Walter. Deck and Port, Or Incidents of a Cruise in the United States Frigate Congress to California, with Sketches of Rio de Janeiro, Valparaiso, Lima, Honolulu, and San Francisco. Nova York: A. S. Barnes & Burr, 1860.

CORREIA, Jorge. Mazagão: a última praça portuguesa no norte de África. Revista de História da Arte, Porto, v. 4, p. 184-211, 2007.

D’ABEVILLE, Claude. História da missão dos padres capuchinhos na ilha do Maranhão. Belo Horizonte: Itatiaia; Edusp, 1975.

DELUMEAU, Jean. História do medo no Ocidente, 1300-1800: uma cidade sitiada. São Paulo: Cia. das Letras, 2009.

DIAS, Geraldo J. A. Coelho O mar e os portos como catalizadores de religiosidade. In: AMOIM, Inês; POLÓNIA, Amélia e OSSWALD, Helena (coord.). O litoral em perspectiva histórica (sécs. XVI a XVIII): um ponto da situação historiográfica. Porto: Instituto de História Moderna, 2002. p. 275-284.

EWBANK, Thomas. Vida no Brasil. Belo Horizonte: Itatiaia: Edusp, 1976.

FEITLER, Bruno. Nas malhas da consciência: Igreja e Inquisição no Brasil (Nordeste, 1640-1750). São Paulo: Phoebus: Alameda, 2007.

FREYRE, Gilberto. Interpretação do Brasil. São Paulo: Cia. das Letras, 2001.

GARRALÓN, Marta García. Trabajos y penalidades de la vida a bordo: la gente de mar en los navíos de la Edad Moderna. In: HURTADO, Manuel-Reyes García (ed.). La Armada española en el siglo XVIII: ciencia, hombres y barcos. Madrid: Síliex, 2012. p. 233-260.

https://doi.org/10.15304/ohm.6.501

GRAHAM, Maria. Diário de uma viagem ao Brasil. Belo Horizonte: Itatiaia; Edusp, 1990.

HAJSTRUP, Peter Hansen. Viagem ao Brasil (1644-1654). Recife: CEPE, 2016.

HILL, Pascoe Grenfell. Fifty Days on Board a Slave-Vessel in the Mozambique Channel, in April and May 1843. Londres: John Murray, 1844.

HUTTER, Lucy Maffei. Navegação nos séculos XVII e XVIII. Rumo: Brasil. São Paulo: Edusp, 2005.

LÉRY, Jean de. Viagem à terra do Brasil. Rio de Janeiro: Biblioteca do Exército Editora, 1961.

MARQUES, José (intr.). Roteiro da primeira viagem de Vasco da Gama à Índia. Porto: Faculdade de Letras, 1999.

https://doi.org/10.1086/696443

MUÑOZ, Margarita Gil. La vida religiosa de los mareantes: devociones y prácticas. Madrid: Ministerio de Defensa/Instituto de História y Cultura Naval, 2004.

NIEUHOF, Joan. Memorável viagem marítima e terrestre ao Brasil. São Paulo: Martins, 1942.

NORONHA, Antônio José de. Diário dos sucessos da viagem que fez do Reino de Portugal para [a] cidade [de] Goa, Dom António José de Noronha, Bispo de Halicarnasso, principiada aos 21 de abril de 1773. In: RADULET, Carmen M. (ed. e int.). Obras completas de D. António José de Noronha. v. 2. Lisboa: Fundação Oriente, 1995, p. 1-139.

https://doi.org/10.2307/j.ctvvn8w1.31

PERES, Damião (ed.). História Trágico-Marítima. Porto: Portucalense, 1942. 6 v.

PERRONE-MOISÉS, Leyla. Vinte luas: viagem de Paulmier de Gonneville ao Brasil, 1503-1505. 2. ed. São Paulo: Cia. das Letras, 1996.

PUDSEY, Cuthbert. Diário de uma estada no Brasil, 1629-1640. In: PAPAVERO, Nelson; TEIXEIRA, Dante Martins. Brasil holandês. Petrópolis: Index, 2000. v. 3. p. 49-99.

REDIKER, Marcus. Between the Devil and the Deep Blue Sea: Merchant Seamen, Pirates, and the Anglo-American Maritime World (1700-1750). Nova York: Cambridge University Press, 1989.

https://doi.org/10.1086/496467

REGIMENTO Provisional para o serviço e disciplina das esquadras e navios da Armada Real, que por ordem de S. M. deve servir de Regulamento aos comandantes das esquadras e navios da mesma senhora, novamente reimpresso por ordem de S. M. o Imperador. Rio de Janeiro: Tip. Nacional, 1825.

https://doi.org/10.11606/d.3.2012.tde-16072013-170407

RICHSHOFFER, Ambrósio. Diário de um soldado da Companhia das Índias Ocidentais (1629-1632). 2. ed. São Paulo: Ibrasa; Brasília, INL, 1978.

RODRIGUES, Aldair Carlos. Poder eclesiástico e Inquisição no século XVIII luso-brasileiro: agentes, carreiras e mecanismos de promoção social. São Paulo: FFLCH: USP, 2010.

https://doi.org/10.11606/t.8.2012.tde-27092012-114557

RODRIGUES, Jaime. De costa a costa: escravos, marinheiros e intermediários do tráfico negreiro de Angola ao Rio de Janeiro (1780-1860). São Paulo: Cia. das Letras, 2005.

https://doi.org/10.11606/issn.1808-8139.v0i3p155-158

RODRIGUES, Jaime. No mar e em terra: história e cultura de trabalhadores escravos e livres. São Paulo: Alameda, 2016.

https://doi.org/10.23925/1677-1222.2017vol17i1a12

ROTEIRO de Lisboa a Goa. Lisboa: Tip. da Academia Real das Ciências, 1882.

SCHMALKALDEN, Caspar. Diário de viagem. In: FERRÃO, Cristina; SOARES, José Paulo Monteiro (ed.). Brasil holandês: a viagem de Caspar Schmalkalden de Amsterdã para Pernambuco no Brasil. Rio de Janeiro: Indez, 1998. v. 1. p. 15-112.

https://doi.org/10.5962/bhl.title.137771

SCHWARTZ, Stuart B. Cada um na sua lei: tolerância religiosa e salvação no mundo atlântico ibérico. Bauru: Edusc; São Paulo: Cia. das Letras, 2009.

https://doi.org/10.1590/s0104-87752009000200014

SEIDLER, Carl Friedrich Gustav. Dez anos no Brasil: eleições sob Dom Pedro I, dissolução do Legislativo, que redundou no destino das tropas estrangeiras e das colônias alemãs no Brasil [1835]. Brasília: Senado Federal, 2003.

SILVA, Elias Alexandre e. Relação ou notícia particular da infeliz viagem da nau de Sua Majestade Fidelíssima Nossa Senhora da Ajuda e São Pedro de Alcântara, do Rio de Janeiro para a cidade de Lisboa, neste presente ano. Lisboa: Régia Oficina Tipográfica, 1778.

https://doi.org/10.32385/rpmgf.v28i5.10971

SIQUEIRA, Sonia Aparecida. A Inquisição portuguesa e a sociedade colonial. São Paulo: Ática, 1978.

STADEN, Hans. A verdadeira história dos selvagens, nus e ferozes devoradores de homens (1548-1555). Rio de Janeiro: Dantes, 1998.

THOMAS, Keith. Religião e declínio da magia: crenças populares na Inglaterra, séculos XVI e XVII. São Paulo: Cia. das Letras, 1991.

VIDAL, Laurent. Mazagão, a cidade que atravessou o Atlântico: do Marrocos à Amazônia. São Paulo: Martins Fontes, 2008.

WILSON, Peter Lamborn. Utopias piratas: mouros, hereges e renegados. São Paulo: Conrad, 2001.




DOI: http://dx.doi.org/10.15448/1980-864X.2019.2.31534

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

ATENÇÃO

Sistema em manutenção

Migração do sistema OJS para a versão 3.0. Durante este período os usuários:

  • Poderão acessar todo o conteúdo já publicado
  • Não poderão efetivar encaminhamentos do fluxo editorial (submissão, avaliação, publicação)

Previsão: 06/07/2020


e-ISSN: 1980-864X | ISSN-L: 0101-4064


Exceto onde especificado diferentemente, aplicam-se à matéria publicada neste periódico os termos de uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional, que permite o uso irrestrito, a distribuição e a reprodução em qualquer meio desde que a publicação original seja corretamente citada.