A africana mina Maria Francisca do Rosário: escravidão, cor e ascensão social em um contexto fronteiriço (Brasil, segunda metade do século XIX)

Marcelo Santos Matheus

Resumo


O presente estudo vale-se de fragmentos da trajetória da africana mina Maria Francisca do Rosário – e de seus familiares – para discutir questões como classificação social através da cor e possibilidades de ascensão social colocadas aos africanos traficados como escravos para o Brasil no século XIX. Para tanto, a principal fonte utilizada foram os registros de batismo, embora documentos diversos, como processos-crime e cartas de alforrias, dentre outros, também tenham sido explorados. A região que serve como palco para a problemática é a Campanha sul-rio-grandense, no extremo sul do Império do Brasil. Mais especificamente, a documentação coletada tem como foco a localidade de Bagé, onde Maria Francisca viveu boa parte de sua vida. Foi possível observar, através da análise serial dos batismos, que a cor, como modo de qualificar/classificar os indivíduos (especialmente aqueles que tinham parte do seu passado, ou dos seus antepassados, ligada à escravidão) não desapareceu. Da mesma forma, foi possível verificar que a construção de sólidos laços de amizade e familiares abriam possibilidades de ascensão social – ascensão esta que, em última instância, podia fazer com que a cor ou mesmo o estigma da escravidão de determinado indivíduo (ou de seus familiares) desaparecesse, ou ao menos se alterasse em um sentido positivo para aquela sociedade, dos documentos.


Palavras-chave


Africanos; escravidão; cor; ascensão social.

Texto completo:

PDF

Referências


ALADRÉN, Gabriel. Liberdades negras nas paragens do sul: alforria e inserção social de libertos em Porto Alegre, 1800-1835. Rio de Janeiro: FGV, 2009.

______. “Sem respeitar nem tratados”: escravidão e guerra na formação histórica da fronteira sul do Brasil (Rio Grande de São Pedro, c. 1777-1835). Tese (Doutorado em História) – Programa de Pós-Graduação em História da Universidade Federal Fluminense, Niterói, 2012.

ANDRADE, Marcos F. de. Rebelião escrava na comarca de Rio das Mortes, Minas Gerais: o Caso de Carrancas. Afro-Ásia, Salvador, n. 21-22, p. 45-82, 1998.

ANDREWS, George R. Negros e brancos em São Paulo: 1888-1988. Bauru: Edusc, 1998.

ARAÚJO, Thiago L. de. Escravidão, fronteira e liberdade: políticas de domínio, trabalho e luta em um contexto produtivo agropecuário (vila de Cruz Alta, província do Rio Grande do Sul, 1834-1884). Dissertação (Mestrado em História) – Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2008.

CARATTI, Jônattas M. Solo da Liberdade: as trajetórias da preta Faustina e do pardo Anacleto pela fronteira rio-grandense em tempos de processo abolicionista uruguaio (1842-1862). São Leopoldo: Oikos, 2013.

CERQUEIRA, Fábio V.; BASTIANELLO, Elaine M. T. Espaço funerário, etnias e valores religiosos no Cemitério da Santa Casa de Caridade de Bagé, RS: histórias de rechaço e acolhimento, um judeu e um negro. Revista Brasileira de História & Ciências Sociais, São Leopoldo, v. 4, n. 8, p. 172-191, dez. 2012.

CONCEIÇÃO, Letícia P. Cor, compadrio e parentesco nos registros de batismo e casamento da freguesia de São Felipe – Recôncavo sul da Bahia (1889-1920). In: Encontro Regional do Nordeste de História Oral , X., maio 2015. Disponível em:

http://www.nordeste2015.historiaoral.org.br/resources/anais/11/1439169849_ARQUIVO_ANAISHISTORIAORAL.pdf. Acesso em: 07 nov. 2017.

CORRÊA, André do N. Ao sul do Brasil oitocentista: escravidão e estrutura agrária em Caçapava, 1821-1850. 2013. Dissertação (Mestrado em História) – Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria, 2013.

FARIA, Sheila de Castro. Sinhás pretas, damas mercadoras: as pretas minas nas cidades do Rio de Janeiro e de São João Del Rey (1700-1850). 2004. Tese (Livre Docência para Concurso para Professor Titular em História do Brasil) – Universidade Federal Fluminense, Niterói, 2004.

FARINATTI, Luís A. Confins Meridionais: famílias de elite e sociedade agrária na fronteira sul do Brasil (1825-1865). Santa Maria: UFSM, 2010.

______. Relações parentais de escravos, libertos e indígenas na Fronteira Meridional (1817-1844): Primeiras notas de pesquisa. In: Anais do V Encontro Escravidão e Liberdade no Brasil Meridional, maio 2011. Disponível em:

http://www.escravidaoeliberdade.com.br/site/images/Textos5/farinatti%20luiz%20augusto%20ebling.pdf. Acesso em: 01 nov. 2017.

FEITLER, Bruno; SOUZA, Evergton S. (Org.). A Igreja no Brasil: Normas e práticas durante a vigência das Constituições Primeiras do Arcebispado da Bahia. São Paulo: UNIFESP, 2011.

FLORENTINO, Manolo. Sobre manumissões e fugas no Rio de Janeiro imperial. In: ECHEVERRI, Adriana María Alzate; FLORENTINO, Manolo, et al. (Org.). Impérios Ibéricos em Comarcas Americanas: estudos regionais de história colonial brasileira e neogranadina. Rio de Janeiro: PPGH-UFRJ/7Letras, 2010. p. 85-101.

Fraga FILHO, Walter. Encruzilhadas da liberdade: histórias de escravos e libertos na Bahia (1870-1910). Campinas: Unicamp, 2006.

FRANK, Zephyr L. Entre Ricos e Pobres: o mundo de Antônio José Dutra no Rio de Janeiro. São Paulo: Annablume, 2012.

GINZBURG, Carlo; PONI, Carlo. O nome e o como: troca desigual e mercado historiográfico. In: GINZBURG, Carlo (Org.). A microhistória e outros ensaios. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1991. p. 169-178.

GRAHAM, Richard. Nos tumbeiros mais uma vez? O comércio interprovincial de escravos no Brasil. Afro-Ásia, Salvador, n. 27, p. 121-160, 2002.

GRINBERG, Keila. O fiador dos brasileiros: cidadania, escravidão e direito civil no tempo de Antonio Pereira Rebouças. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2002.

______. Escravidão, alforria e direito no Brasil oitocentista: reflexões sobre a lei de 1831 e o “princípio da liberdade” na fronteira sul do Império brasileiro. In: CARVALHO, José Murilo de (Org.). Nação e cidadania no Império: novos horizontes. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2007. p. 267-285.

GUEDES, Roberto. Livros paroquiais de batismo, escravidão e qualidades de cor (Santíssimo Sacramento da Sé, Rio de Janeiro, Séculos XVII- XVIII). In: FRAGOSO, João; GUEDES, Roberto; SAMPAIO, Antônio C. J. de. Arquivos paroquiais e história social na América Lusa, séculos XVII e XVIII: métodos e técnicas de pesquisa e reinvenção de um corpus documental. Rio de Janeiro: Mauad X, 2014. p. 118-169.

LIMA, Rafael P. de. A Nefanda Pirataria de Carne Humana: escravizações ilegais e relações políticas na fronteira do Brasil meridional (1851-1868). Dissertação (Mestrado em História) – Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2010.

MACHADO, Cacilda. A Trama das Vontades: negros, pardos e brancos na produção da hierarquia social do Brasil escravista. Rio de Janeiro: Apicuri, 2008.

MARCÍLIO, Maria L. Os registros paroquiais e a História do Brasil. Varia História, Belo Horizonte, v. 20, n. 35, p. 13-20, 2004.

MARQUESE, Rafael de B.; BERBEL, Márcia R. A ausência da raça: escravidão, cidadania e ideologia pró-escravista nas Cortes de Lisboa e na Assembleia Constituinte do Rio de Janeiro (1821-1824). In: CHAVES, Cláudia; SILVEIRA, Marco A. (Org.). Território, conflito e identidade. Belo Horizonte: Argvmentvm; Brasília: Capes, 2007. p. 63-87.

MATHEUS, Marcelo S. Fronteiras da Liberdade: escravidão, hierarquia social e alforria no extremo sul do Império do Brasil. São Leopoldo: Oikos, 2012.

______. A produção da diferença: escravidão e desigualdade social ao sul do Império brasileiro (Bagé, c.1820-1870). Tese (Doutorado em História Social) – Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), Rio de Janeiro, 2016.

MATTOS, Hebe. Escravidão e cidadania no Brasil monárquico. Rio de Janeiro: Zahar, 1999.

______. Memórias do cativeiro: família, trabalho e cidadania no pós-abolição. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2005.

______. Das Cores do Silêncio: os significados da liberdade no sudeste escravista – Brasil, século XIX. Campinas: Unicamp, 2013.

MENEGAT, Carla. Transportando fortunas para povoar deserta e inculta campanha: atuação política e negócios dos brasileiros no norte do Estado Oriental do Uruguai. (c. 1845-1865). Tese (Doutorado em História) – Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2015.

MOREIRA, Paulo. R. S. Joana Guedes, uma Mina de Jesus: trajetórias africanas do cativeiro a liberdade. Nuevo Mundo, Mundos Nuevos, Paris, n. 5, 2005.

NUNES, Zeno C.; NUNES, Rui C. Dicionário de regionalismos do Rio Grande do Sul. Porto Alegre: Martins Livreiro Editor, 1990.

OLIVEIRA, José J. M. de. A Celebração da Paixão de Jesus Christo entre os Guaranis: Episódio de um Diário das campanhas do Sul. Revista do Instituto Histórico Geográfico Brasileiro, Rio de Janeiro, v. 4, 1842.

OSÓRIO, Helen. O império português ao sul da América: estancieiros, lavradores e comerciantes. Porto Alegre: Editora da UFRGS, 2008.

PALERMO, Eduardo. Secuestros y tráfico de esclavos em la frontera uruguaya: estúdios de casos posteriores a 1850. Revista Eletrônica Tema Livre, v. 13 Disponível em:

http://www.revistatemalivre.com/palermo13.html#back10>. Acesso em: 28 jul. 2011.

PETIZ, Silmei de S. Buscando a liberdade: as fugas de escravos da província de São Pedro para o além-fronteira (1815-1851). Passo Fundo: UPF, 2006.

REIS, João J. De olho no canto: trabalho de rua na Bahia na véspera da abolição. Afro-Ásia, Salvador, n. 24, p. 199-242, 2000.

______. Domingos Sodré, um sacerdote africano: escravidão, liberdade e candomblé na Bahia do século XIX. São Paulo: Companhia das Letras, 2008.

REIS, João J. De escravo a rico liberto: a trajetória do africano Manoel Joaquim Ricardo na Bahia oitocentista. Revista de História, São Paulo. n. 174, p. 15-68, 2016.

ROSA, Marcus V. de F. Além da invisibilidade: história social do racismo em porto alegre durante o pós-abolição (1884-1918). Tese (Doutorado em História), Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2014.

SALIS, Eurico J. História de Bagé. Porto Alegre: Globo, 1955.

SCHERER, Jovani de S. Experiências de busca da liberdade: alforria e comunidade africana em Rio Grande, séc. XIX. Dissertação (Mestrado em História) – Universidade do Vale do Rio dos Sinos, São Leopoldo, 2008.

SCHWARCZ, Lilia M. Lima Barreto: triste visionário. São Paulo: Companhia das Letras, 2017.

SLENES, Robert W. Na senzala, uma flor: esperanças e recordações na formação da família escrava no sudeste do Brasil, século XIX. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1999.

SOARES, Mariza de C. Devotos da cor: identidade étnica, religiosidade e escravidão no Rio de Janeiro, século XVIII. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2000.

Tannenbaum , F. Slave and Citizen: the Negro in the Américas. New York: A. A. Knopf, 1947.

VARGAS, Jonas M. Pelas margens do Atlântico: um estudo sobre elites locais e regionais no Brasil a partir das famílias proprietárias de Charqueadas em Pelotas. Tese (Doutorado em História Social) – Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2013.

VIDE, Sebastião M. da. Constituições Primeiras do Arcebispado da Bahia. Brasília: Senado Federal, 2007.

WEIMER, Rodrigo de A. A gente da Felisberta: consciência histórica, história e memória de uma família negra no litoral riograndense no pós-emancipação (c. 1847-tempo presente). Tese (Doutorado em História), Universidade Federal Fluminense, Niterói, 2013.

ZARTH, Paulo A. Do Arcaico ao Moderno. Transformações no Rio Grande do Sul do século XIX. Ijuí: Editora Unijuí, 2002.

Fontes

Arquivo da Diocese de Bagé. Registros de Batismo da Igreja de Bagé (1829-1871).

Arquivo da Diocese de Bagé. Registros de Casamento da Igreja de Bagé (1829-1871).

Arquivo Histórico do Estado do Rio Grande do Sul. Mapas estatísticos da população dos municípios e distritos da Província do Rio Grande. Fundo de Estatística, maço 1, 1846.

Fundação de Economia e Estatística. Mappa Statístico da População da Província classificada por idades, sexos, estados e condições com o resumo total de livres libertos e escravos. In: De Província de São Pedro a Estado do Rio Grande do Sul – Censos do RS, 1803-1850. Porto Alegre: Federação de Economia e Estatística, 1981.

Arquivo Público do Estado do Rio Grande do Sul. Livros Notariais de Transmissão e Notas e de Registros Diversos. Bagé (1847-1871).

Arquivo Público do Estado do Rio Grande do Sul. Processo/Embargo. Bagé, nº 3656, 1864.

Arquivo Público do Estado do Rio Grande do Sul. Processo judicial/Executiva. Bagé, nº 1712, 1871.

Arquivo Público do Estado do Rio Grande do Sul. Processo/Justificação. Bagé, nº 1270, 1871.

Arquivo Público do Estado do Rio Grande do Sul. Processo-crime. Bagé, nº 3627, 1866. Processo-crime. Bagé, nº 3627, 1866.

Arquivo Público do Estado do Rio Grande do Sul. Registro de Testamento. Felizardo Joaquim dos Santos, nº 178, maço 6, estante 46, 1865.

Arquivo Público do Estado do Rio Grande do Sul. Registro de Testamento. Maria Rosa Antônia do Rosário, Livro de Testamentos de Bagé, Provedoria, 1864.

Sites consultados

www.ibge.gov.br

www.atlassocioeconomico.rs.gov.br

www.familysearch.org




DOI: http://dx.doi.org/10.15448/1980-864X.2018.3.29289

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

e-ISSN: 1980-864X | ISSN-L: 0101-4064

Este periódico é membro do COPE (Committee on Publication Ethics) e adere aos seus princípios - www.publicationethics.org



AVALIAÇÃO QUALIS CAPES - 2016 
ÁREA CAPES - História
CLASSIFICAÇÃO - A2

INDEXADORES E PORTAIS

  • Web of Science - Master Journals List (Clarivate Analytics)
  • SSCI - Social Sciences Citation Index (Clarivate Analytics)
  • AHCI - Arts and Humanities Citation Index (Clarivate Analytics)
  • Scopus (Elsevier)
  • SJR - ScIMAGO Journal & Country Rank (Elsevier)
  • Historical Abstracts with Full Text (EBSCO)
  • Academic Search Premier (EBSCO)
  • Fonte Acadêmica (EBSCO)
  • Fuente Academica (EBSCO)
  • CLASE - Citas Latinoamericanas en Ciencias Sociales y Humanidades
  • DOAJ - Directory of Open Access Journals
  • LATINDEX - Sistema Regional de Información en Línea para Revistas Científicas de América Latina, el Caribe, España y Portugal
  • REDALYC - Red de Revistas Científicas de América Latina y el Caribe, España y Portugal
  • Portal CAPES

FATOR DE IMPACTO NO SJR (SCImago Journal & Country Rank)

SCImago Journal & Country Rank

Licença Creative Commons OriginalityCheck®
Licença Creative Commons
Exceto onde especificado diferentemente, a matéria publicada neste periódico é licenciada sob forma de uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional. 
TurnITin
Todos os artigos são submetidos ao software Turnitin, antes de iniciar qualquer tipo de avaliação.
Diadorim  Open Access 
Diretório de Políticas Editoriais das Revistas Científicas Brasileiras. Disponibilidade para depósito: Azul. 
 

Copyright: © 2006-2019 EDIPUCRS